Depoimentos/Escreva aqui o seu

Coloquei logo abaixo meu depoimento. Em seguida, vocês poderão ler os depoimentos dos meus colegas que participaram do grupo do CPN (Centro Paulista de Neuropsicologia) onde surgiu a idéia deste Blog (leia em “Sobre o Blog”).

Coloque aqui também sua história e/ou dúvidas, pois assim poderemos trocar experiências e informações, além de ajudar outras pessoas.

Muito Obrigada.

MEU DEPOIMENTO

Meu nome é Fernanda, tenho 35 anos (2012). Gostaria de dividir minha história com vocês. Sei que muitos passaram por isso, e saber que você não está sozinho pode ajudar muito.

O ACIDENTE

Dia 28 de janeiro de 2007, com 29 anos (2 meses antes de fazer 30) sofri um grave acidente automobilístico. Meu marido e minha irmã do meio faleceram na hora. Somente eu sobrevivi, porém fiquei entre a vida e a morte por mais de 15 dias.

Fiquei em coma por vários dias, ao todo um mês no hospital, sendo mais ou menos 22 dias na UTI. Quando acordei do coma, não me lembrava de nada e nem imaginava porque eu estava ali naquela cama… Meus pais me contaram que sofri um acidente de carro voltando da formatura da minha irmã caçula. Eles me disseram que minha irmã e meu marido tinham se machucado pouco, estavam em outro hospital e não tinha como eu falar com eles porque ali não tinha sinal para falar no celular… Isso era também o que todos que iam me ver dizim, pois esta foi a ordem médica e psicológica dos profissionais do Hospital das Clínicas e  graças à esta mentira, me esforcei tudo que eu podia pra sobreviver durante todos os minutos horríveis que passei naquela UTI.  Eu só soube da verdade quando tive alta do hospital, após um mês, e  aí meu mundo desabou. Como me machuquei muito, quebrei 11 costelas do lado esquerdo, tirei o baço, tive contusão pulmonar com hemotórax à esquerda, pneumotórax à direita, grave traumatismo craniano (lesão axonal difusa), lesei o ombro, tive fratura estável de quadril,  etc., fui pra casa dos meus pais (em outro estado) para me recuperar.

OS PROBLEMAS QUE APARECERAM

Em casa, mesmo com muita medicação, sentia dores terríveis por todo o corpo, não conseguia dormir nem comer bem, só chorava… Como meus pais tinham perdido a filha e o genro e eu ainda com dores insuportáveis, usando fraldas, muito dependente pra tudo, as minhas dificuldades cognitivas (atenção, memória, leitura, etc.) não foram percebidas por mim nem por minha família. Depois de alguns meses, algumas amigas fonoaudiólogas me visitaram e me alertaram com relação à atenção e memória, pois eu repetia as conversas. Depois de negar isso por um tempo, decidi ir pra S.P. fazer uma avaliação fonoaudiológica e foi quando fiquei muito assustada ao perceber o quanto estava difícil e às vezes impossível fazer coisas que antes pra mim eram bem simples.

O QUE ME AJUDOU

A caminhada pra minha recuperação foi árdua, longa e precisou da ajuda não só dos profissionais, mas apoio intenso de toda minha família e amigos. Durante os primeiros meses, por 24 horas, além da ajuda de uma boa enfermeira (no início), eu tive ajuda dos meus pais, da minha irmã e da minha tia, pra comer, tomar banho, sentar, levantar, limpar curativos, trocar fraldas, etc. Sem ajuda deles não conseguiria uma boa recuperação. Minha família foi  e é TUDO!

Além da intensa fisioterapia pulmonar e exercícios para voltar a andar e movimentar o braço esquerdo que eu já fazia desde a saída do hospital, iniciei em outubro de 2007 reabilitação fonoaudiológica e neuropsicológica, além de acompanhamento psicológico, entre outros. Desde o início usei anti-depressivos  que ajudaram a regularizar  melhor meu sono, humor, apetite, etc. Com muita ajuda da minha família, amigos e profissionais, tive grandes  e notáveis melhoras, sempre muito comemoradas por todos ao meu redor.

Acho que um ponto positivo pra minha reabilitação foi e ainda é ter tido sempre muita noção das minhas limitações e ter decidido encontrar maneiras de enfrentá-las e não só reclamar de todas elas. A minha terapia psicológica e os medicamentos também foram fundamentais, além, é claro, do apoio de toda minha família e muitos amigos.

O QUE APRENDI E COMO ESTOU…

Aprendi a me organizar e a me planejar (coisas que antes para mim eram naturais) usando uma estratégia aprendida no CPN que é usar uma agenda semanal. Sem a minha agenda, tudo fica muito difícil. Para melhorar a leitura, me esforço pra ler legenda, o que é dificil, pois perco muita informação. Como eu me canso muito facilmente, quando percebo que não consigo “render” mais nada durante o dia ou que estou mais nervosa ou mal-humorada pelo grande cansaço, deito e durmo um pouco pra depois terminar aquele dia.  Ainda permaneço com dificuldade principalmente de atenção, concentração e memória. Não tenho raciocínio rápido, leio com um pouco de lentidão, além de trocar algumas letras e números, mesmo lendo várias vezes. Meu raciocínio parece entrecortado…Fiquei também com grande labilidade de humor e alteração de sono, os quais “regulo” com uso de medicamentos. Me sinto extremamente cansada com qualquer atividade que exija mais atenção e concentração. Mas, tive uma recuperação extraordinária. Voltei a ter capacidade pulmonar normal, voltei a andar e correr normalmente, o que não era esperado pelos médicos que disseram que eu iria no máximo arrastar a perna esquerda pra andar… Passei a me lembrar de muitas coisas, minha noção de tempo e noção espacial ainda não são muito boas, mas melhoraram consideravelmente. Hj leio e escrevo com muito mais facilidade que nos primeiros anos…. Enfim, acredito muito na boa recuperação após um grave TCE e este é o maior motivo deste Blog.

Hoje estou casada novamente com uma pessoa que me faz feliz e também me ajuda muito a enfrentar as dificuldades, me dando apoio para que eu tenha uma rotina onde eu não me sinta tão excluída de uma vida que considero normal e comum pra uma pessoa da minha idade.

O QUE EU GOSTARIA QUE AS PESSOAS ENTENDESSEM

Com o grupo do CPN principalmente, ao conviver com várias pessoas e várias histórias de vida, aprendi muitas coisas e por isso falo que o que eu mais gostaria que as pessoas entendessem é que não é fácil “PERDER A SI PRÓPRIO” como acontece com quem sofre uma lesão importante no cérebro. É diferente a pessoa que não consegue fazer algo da pessoa que sempre conseguiu e não consegue mais…. Ela tem algo com o que se comparar e se comparar a si mesmo e não conseguir realizar coisas que antes era natural e fácil, não é nada simples…Há grandes perdas nisso que envolve a VIDA da pessoa e muitas vezes até da família, interfere na rotina, nos sonhos, nas realizações, na auto-estima, etc.

Também seria bom que as pessoas entendessem que muitas vezes, algumas reações nossas, não muito “aceitas” pelos outros, fogem do nosso controle muito mais que antes…A compreensão e o não julgamento sempre ajudam.

____________________________________________________________________________

DEPOIMENTOS DOS COLEGAS DO GRUPO

De: Alex Covino Pinto

Há nove anos e alguns meses, sofri um acidente de carro e acabei por sofrer um TCE (traumatismo craniano encefálico) que me comprometeu a fala, os membros do lado direito (braço e perna) e alguns aspectos cognitivos que me tornavam inadequado. Por ter ficado em coma por 2 meses e meio e ter precisado de terapias para voltar a andar, falar, etc. perdi um ano de escola e acabei tendo que me acostumar com outra turma. Tive também que me mudar de Guarulhos, onde morei desde bem pequeno e fiz meus primeiros e grandes amigos, para São Paulo, onde passei a viver uma vida um tanto quanto diferente da que estava acostumado. Com o tempo fui me recuperando, porém durante essa recuperação tive muitas dificuldades relacionadas às mudanças na minha vida, tanto no que se relaciona a onde passei a viver quanto no que se relaciona à minhas dificuldades físicas e de relacionamento. Passei a morar com a minha avó, tudo bem que já estivesse acostumado com a casa dela, afinal, antes do acidente ia visitá-la todos os fins de semana e dormia lá, mas… é diferente.

_____________________________________________________________________________________

Gustavo Covino

Sou Gustavo, o irmão mais velho do Alex (depoimento acima). Estava com ele no carro quando sofremos o acidente, no entanto, minha lesão foi um pouco mais grave que a dele, apesar de os dois terem tido TCE, pois, além de ter passado um mês a mais que meu irmão em coma, fiquei com a fala muito mais comprometida e meu braço direito hemiplégico (semi paralisado)
O Alex acordou um mês antes de mim e foi para casa, e eu fui depois de três meses de coma após acordar.
Mesmo durante o coma meus responsáveis (tinha 14 anos na época) estimulavam meu cérebro ao máximo possível com fisioterapia, música no rádio, acunpuntura, cromoterapia, etc…
Então eu acordei e ao acordar os médicos disseram que não era recomendado que eu ficasse no hospital, por se tratar de um ambiente com risco de infecção, etc..
Quando fui pra casa, fui com homecare, e meu cérebro era estimulado à exaustão.
Me matriculei na escola para terminar a oitava série e o colegial também.
Quando acabei o colegial, arrumei emprego em uma metalúrgica, para trabalhar no escritório, no entanto, não conseguia fazer todas as atividades que eles me passavam, e no segundo ano trabalhando, resolvi que ia fazer faculdade, à noite.
No entanto não conseguia dormir direito, mesmo após tanto tempo de estímulos e eu estando exausto, porém eu achava que não dormir era normal, e fui tocando a vida.
Passei 8 anos fazendo das coisas mais diversas que se possa imaginar, passando por natação, musculação, acunpuntura, reorganização neurofuncional, biofeedback, neurobiofeedback e estudando, e posteriormente trabalhando, sempre.
No nono ano de lesão, estava estudando e trabalhando e comecei a ter alucinações, que diziam para mim que eu era Deus e tinha que salvar o mundo de uma Guerra nuclear. Fui piorando progressivamente até surtar.
Então ganhei afastamento pelo INSS. Percebi nesse intermédio que não gostava do que estava estudando e mudei de curso.
No entanto, sei hoje que tudo o que eu precisava para melhorar era dormir bem. Consigo dormir bem hoje com remédios, não são muitos mas sem eles por enquanto não consigo viver.

____________________________________________________________________________________________

Nelson Valente

Sou Nelson Valente, 56 anos, Analista de Comércio Exterior com ênfase em Logística Internacional, uma profissão realmente estressante.

Havia recebido vários avisos, pois tive hemorragia na bexiga, não sendo detectado nada nos exames, três rompimentos de vasos na retina, tratados a laser e por último, em 31/10/2000 ocorreu o AVC isquêmico, por obstrução da artéria carótida esquerda.

Num primeiro momento foi constatado sequela de mobilidade do lado direito do corpo e dor talâmica intensa grau seis, às vezes sete. Com isso, a preocupação se eu iria andar novamente, o quanto incomodaria as pessoas pela dependência, etc. Porém, nunca perdi a esperança de retornar ao cotidiano.

Com o tempo e a reabilitação, recuperei minha determinação. Após três anos de superação, tentei me inserir no mercado de trabalho, mas em serviços simples para avaliar minhas condições. Aproveitei também para retomar a faculdade no curso de Logística, mesmo com grande dificuldade em exatas, pois começava bem os exercícios e de repente trocava um sinal ou números (observação feita pelo meu professor de cálculo).

Comentando tal observação feita pelo professor ao neurologista, o mesmo indicou consulta ao neuropsicólogo.  Após avaliações, constatou-se mais uma sequela do AVC: déficit de atenção e concentração. Tentei descobrir, então, a melhor maneira de minimizar tais déficits, pois estavam afetando meu desempenho na faculdade. O primeiro método que tentei foi o da repetição. Após estas avaliações, também fui convidado pela Drª Anair Rodrigues e equipe, a participar do Grupo da Memória, onde aprendemos a compreender os locais do cérebro que foram afetados e seus sintomas.

O grupo promove discussão das dificuldades apresentadas e estratégias aplicadas para melhorar as deficiências. Outras estratégias são apresentadas pela equipe de neuropsicólogos do CPN/REAB , assim trocamos experiências e recebemos sugestões no intuito de melhorar nossa condição de vida no dia a dia.

Com as estratégias utilizadas, melhorei meus aprendizados usando palavras chaves, associações e a técnica de repetição utilizada anteriormente. Essas técnicas me auxiliam em exatas e também em atividades que exigem atenção sustentada. Desta forma, em provas que a maior duração prejudicava meu desempenho pela desconcentração, o problema foi solucionado após acordo com alguns professores que me possibilitaram maior tempo de prova.

Assim, houve melhora da auto-estima e confiança, o que me permitiu conciliar algumas atividades extras.

_____________________________________________________________________________________________

O meu nome é Sonia Ferraz de Melo.

Em 09 de dezembro 2007 eu tive um aneurisma cerebral e em seguida um AVC, ainda estava me recuperando do aneurisma quando me encontrava na enfermaria. Após AVC retornei para UTI, fiquei 29 dias internada em UTI e enfermaria. A minha vida até aquele momento era normal, eu nunca havia passado um dia se quer internada. De repente tudo desmoronou.

Sou formada em direito, tinha dois empregos, fora o escritório que eu atendia  das 17h00 até mais ou  menos  às 21h00. Eu havia comprado um apartamento,  terminado a reforma, e esse era o  meu grande sonho: morar sozinha. 15 dias após a  minha mudança,  sofri o   aneurisma. Passei praticamente uma noite inteira caída na minha sala e, o pior, sozinha, até que minha irmã me encontrou, por volta de uma hora da manhã do dia seguinte, quando veio dormir em meu apartamento.

Em seguida fui socorrida, fiz clipagem do aneurisma, fiquei com seqüelas hemiparesia motora do lado esquerdo. Retornei para  casa dos meus pais após os 29 dias de internação, onde fiquei por 8 meses em recuperação e recebendo o carinho dos meus familiares, reaprendi a andar e até mesmo a comer pois, não conseguia segurar nada com a mão esquerda, estava gravemente afetada, sem força no lado esquerdo( grau 1).

Com muita persistência e ajuda de profissionais, me dediquei a fisioterapia, fonoaudióloga e terapia ocupacional, e ai as coisas foram melhorando gradativamente. Resolvi voltar a estudar fiz MBA  especialização  em gestão ambiental e com muita persistência consegui concluir o curso .  Devido a todos esses acontecimentos, senti que tudo havia desmoronado, não tinha mais a minha vida como era.  Eu estava sendo conduzida.  Perdi tudo no mesmo dia, a minha saúde e o meu serviço que eu gostava tanto, até o meu namorado que não soube compreender o problema, e que me conheceu cheia de vida, de repente me viu doente, careca e usando fraldas. Que situação! Comecei a ficar agressiva, eu que antes era calma e tranquila, não discutia, me vi totalmente descontrolada, chorando sempre.

Tremendamente discursiva e emotiva. Enfim, eu era outra pessoa, quem era eu? O que aconteceu? De dinâmica fiquei lenta,  de calma fiquei agressiva,de 220 passei a ser menos que 110 eu que nunca havia passado um dia num hospital agora aos 46 anos eu  era uma deficiente física.

Eu tinha que me entender, para que as pessoas me entendessem. Era muito difícil a cabeça ser 220 e o corpo menos que 110, chorava muito. Foi aí que resolvi conversar com o meu neuro e pedir explicações a ele, como eu deveria proceder? Ele me encaminhou para uma avaliação neuropsicológica para ver a extensão do meu trauma cognitivo. Assim foi feito e foi constatado que tudo isso era devido ao meu cérebro ter sido afetado na parte frontal. E as minhas funções executivas estavam extremamente alteradas, conforme a avaliação neuropsicológica

O que explicava o meu mau humor e incompreensão. Começou o tratamento do meu freio que estava sem controle. Comecei a usar estratégia, aprendi a pensar, respirar e não sair falando tudo o que eu pensava. Pois a prejudicada era eu mesma. Levei algum tempo para me acostumar, mas consegui treinar o meu cérebro e dominar o meu comportamento graças a reabilitação do CPN e apoio de meus familiares e  amigos.

Hoje, embora em aprendizado constante com neuro,  psiquiatra e psicólogo, moro sozinha, cuido de tudo, contas, compras, etc. Aprendi que, voltar a ser o que eu era antes, nunca mais, mas, que posso até mesmo ser melhor, aprendi a respeitar os meus limites e sinto-me mais feliz e com a alta estima elevada.

SOU FELIZ. Moro sozinha e vivo bem.

_____________________________________________________________________________________________

Renata

Em Janeiro de 2006 tive um Aneurisma cerebral  Roto com  hemorragia subaracnóidea, fui socorrida 06  horas depois  e internada na UTI,  onde permaneci  cinco dias até ser transferida e operada para a clipagem.

Nesse período lembro-me vagamente de algumas cenas. Quando retornei  da cirurgia, fiquei em torno de 30 trinta dias  hospitalizada.

Fui para casa e com  a  ajuda de meus familiares  tentei  retomar minha rotina,achando que já estava em perfeitas condições.Não tive nenhuma sequela aparente, pois falava, andava, e me movimentava normalmente .

Então decidi voltar ao trabalho antes do término da licença prevista pelos médicos, apesar da minha família, médicos e terapeutas serem contra. Eu lutei bastante por que queria minha vida de volta.

Sempre tive muitos amigos e saía  muito também,era muito comunicativa e fazia amizades facilmente e até hoje me sinto diferente em relação a vida social.

Quando voltei  a trabalhar tive muitas dificuldades de lembrar as tarefas, de assimila. Faltava concentração e sentia muito cansaço. Isso sem contar com a oscilação de humor.

Me afastei do trabalho novamente e tive uma depressão com surtos de raiva frequentes. Nesse período fui apresentada ao CPN- Reab, lá iniciei os testes e percebi realmente que existia uma deficiência de atenção sustentada, concentração, memória recente e problemas cognitivos.

Enfim, acho relevante destacar que, como não tive sequelas aparentes ( não mancava, falava bem, fazia todos os movimentos, etc.)  não percebi que precisava de ajuda profissional. Tinha a necessidade de contar para todos o que havia acontecido comigo e como estava triste , uma vez que não aparentava nada.

Senti muita raiva, e fazendo terapia com o grupo consegui aprender a conviver com as minhas limitações. Levou um tempo para eu aceitar que precisava de uma agenda para lembrar dos meus compromissos, que precisava redobrar minha atenção para lembrar de algo importante. Com muita luta, determinação e ajuda dos profissionais do CPN  e do grupo  estou bem.

Depois de alguns percalços hoje estou trabalhando em vendas, dirijo, falo bastante, preparo relatórios e tenho plena consciência de minhas limitações. Utilizo algumas estratégias como a agenda semanária, leitura em partes e grifando com um marca texto, planejamento de tarefas para me ajudar no dia a dia.

Tive sorte de encontrar o CPN. Foi muito benéfico o convívio com o grupo e as trocas de experiências e amizades que fiz.

____________________________________________________________________________________________

R.I.  30 anos.

Em abril de 2001, algumas semanas depois da aprovação em Medicina na Unifesp, sofri grave acidente automobilístico, o qual me deixou em coma por 4 meses. Naquela ocasião, as sequelas mais exuberantes eram as motoras – não parecia haver danos cerebrais, pois eu tinha memória e raciocínio coerentes. Com base em tal prerrogativa, retornei à graduação em 2003.

Entretanto, o retorno se mostrou precipitado: a memória e o raciocínio coerente começaram a apresentar falhas. As falhas, cada vez mais frequentes, refletiam na dificuldade em manter a concentração ao ler um texto ou assistir a alguma aula, por exemplo.

Logo, notei o quão difícil era absorver a matéria lecionada só pelo assistir de aulas. Notei que eu deveria dedicar vultoso tempo para ler e reler o que fora explanado durante o dia.

Todavia, moro no 1º andar do prédio e de frente para a área de recreação. O barulho é, realmente, imenso. Devido a isso, fui aconselhado por minha neuropsicóloga a ouvir música no headphone; assim, reduziria os diversos sons, como pessoas e automóveis e eletrodomésticos, em apenas um único problema. A solução encontrada foi excelente! Para focar a atenção em determinado estímulo, escolheria um álbum de música calma e aquilo me ajudaria no que queria.

Contudo, foi de grande valia só para o início do meu estudo teórico. Depois de alguns minutos, eu me distraia por mim mesmo, com minhas análises e projetos. Vi que havia um novo inimigo, a tenacidade – ou, pelo menos, a falta desta. Focar a atenção era fácil, mantê-la que era o novo desafio. Minha atenção sustentada mostrava fragilidade.

O novo desafio foi derrubado lendo os textos em voz alta, e nunca esquecendo do headphone. Ao vocalizar o texto, eu me mantenho conectado a ele e, assim, dificulta minhas “fugas”. Estas fugas estavam solucionadas, assim como os barulhos diferentes. Parecia não haver mais problemas.

Havia. O cansaço. Inicialmente, pensei que era fragilidade minha, que eu deveria recuperar esse outro setor; afinal, quando eu cursava o Ensino Médio, eu chegava a estudar por horas ininterruptas. Mas o estudo não era de qualidade, era um estudo de desespero – fazia porque a prova era no dia seguinte.

Quando se mantém uma boa programação com cotidiano disciplinado, pode-se organizar os estudos e, assim, concluí que era mais benéfico estudar aos poucos ao longo das horas. Ou seja, fazendo intervalos programados de tempos em tempos.

Pausar após quanto tempo de estudo? Isso é variável; depende da pessoa, do interesse dessa pessoa no estudo e de como ela está naquela determinada situação. Eu, por ser metódico, determinei o prazo de 50 minutos de estudo – o tempo de uma aula ministrada em colégio – e 10 minutos de descanso – para fechar com exatidão em 1 hora de “ciclo”.

Desse modo, posso fazer alguns ciclos sem fadiga excessiva.

698 comentários em “Depoimentos/Escreva aqui o seu

  1. Fernanda, meu irmão teve um acidente de moto , teve um tce grave , fazem 4 meses , ficou na UTI 20 dias , mas somente 6 dias em coma , está voltando tudo normal mas a memória foi afetada , ele esquece até do que comeu a 1 minuto passado ou até menos, ele também teve problema na visão, já fizemos todos o exames oftalmo , mas ele não tem nada nos olhos, já estou ficando preocupada será que ele vai voltar a enxergar? os médicos não dão previsão e nem certeza. Alguém conhece algum caso parecido mim ajudem por favor, já não sei o que fazer, desde já obrigada.

  2. Genteeeeeeee, como estou feliz em ter tido resposta de voces, Bruna e Fernanda, estou me sentindo amiga de vcs.. Gildete vc escreveu para alguém chamado Denise, mas me identifiquei muito (talvez vc tenha ate se confundido no nome), como disse estou mt frustrada com a questão da traqueo.. justamente porque meus pais tbm moram numa cidade mt pequena sem estrutura, mas tenho fé que ainda talvez ele saia sem ela.. são 35 dias com ela, talvez ainda de tempo, tenho fé também que em casa ele ficará melhor.
    Fernanda, li sua resposta para minha mãe, ela adorou saber que estou mantendo contato com vc, ainda mais por ser fono.. E A BOA NOTICIA É QUE ELE RECEBEU ALTA DA SEMI-UTI, só esta esperando vaga em um quarto, (o hospital atende o norte do estado todo), vocês sao iluminadas e emanaram positivas vibrações. Como disse estou começando a conseguir ficar alegre com essas noticias, poxa eu deveria estar dando pulos de alegria pois ele poder estar com a gnt faz toda a diferença, mas também me vem o medo.. Meu Deus! Será que vamos conseguir? E se começar tudo denovo, acho que preciso ser mais positiva!

    Enfim, este blog está me fazendo muitíssimo bem, estou super animada e queria muito fazer parte de um grupo que ajude as pessoas que sofrem esses traumas, mas acho que primeiro preciso ser ajudada, assim como estou sendo por voces!
    Quando recebi a noticia da alta, na hora pensei…. Aiiiiiiii, preciso contar pro pessoal do blog, porque tenho a impressão que todos fazem como eu.. toda hora venho ver se tem depoimento novo.

    Creio que o pior já passou, e ontem ele até tomou suco no canudinho pra estimular…

    SE MAIS ALGUEM TIVER EXPERIENCIAS COM A TRAQUEO, por favor me digam, me contem, isso era tão longe da minha realidade, e ele não consegue ainda entender que aquilo é pro seu bem, ele já arrancou ela duas vezes.. talvez ele entenda, tenho fé que sim, mas e se nao entender?? Como vamos ficar segurando a mão dele por meses??? Estranho pra mim isso! Willyan sempre foi muito saudável, e nunca tivemos um acompanhamento tãããão assim com ele em relação à medicos, tipo com 16 anos so havia ido no neuro uma vez, nutricionista, fono e fisio mais quando criança.. Mas por outro lado, ele teve uma infancia normal, livre de “rédias”, sem demonstrar qualquer diferença em sua educação.. Ele conhece todas as letras, porém ainda não consegue juntá-las e ler uma palavra, escreve o nome dele.. agora terá de reaprender tudo, (ainda mais porque era canhoto e foi o lado mais prejudicado), quero muito que ele fale logo.. deve ter tanto à perguntar.. Faço curso superior de pedagogia so por causa dele!!! Tenho 21 anos!
    Uma vez ele cantou em um palco na festa da cidade para mil e tantas pessoas, ele é “famoso” na cidade onde mora.. ai que saudade do meu cantor, ele tem um teclado e toca da maneira dele, toca gaita na maneira dele.. vc iam adorar conhece-lo, ainda mais vc FERNANDA que já teve a honra de conhecer pessoas tão especiais..

    Bem, falo demais, rs!! Se pudesse colocaria aqui tudo o que sinto, tudo o que vejo, e tudo o que desejo.. Como queria meu bebezao devolta, eu ia fazer tanta coisa por ele que ainda nao fiz!

    Enfim, sempre estarei por aqui.. aliás todos os dias, e por favor me contem sempre qualquer dica, qualquer uma!!

    Muito obg, bjs a todos!
    Att
    Day!

    • DAY, MINHA AMIGA QUERIDA… rs
      Estou muito feliz em saber que seu irmão recebeu alta e está esperando vaga para ir para o quarto! Vai dar tudo certo, confie!!!! Eu não tenho dúvidas que vcs conseguirão fazer tudo que for preciso com ele…
      Não suma daqui, dê notícias…
      Beijo grande
      Fernanda

    • Oi Dayane!

      Eu sou o Fran Girão, de SP, e sofri um TCE em outubro de 2005. Noves fora serem coisas diferentes, tanto o TCE quanto o AVC bagunçam nosso cérebro. Veja se consegue acessar ao meu depoimento em https://drive.google.com/file/d/0B_elPZcJD6ohbmw4LW9CM3lFVWM/view?usp=sharing

      Como muita gente aqui, também enfrentei “a tal da traqueo”: o problema é que ela ganhou de mim por um bom tempo, e só me livrei desse troço cerca de dois anos depois de colocá-lo.

      A prótese (que o pessoal chama de “traqueostomia”), em si, não é o problema – ela é até necessária. Evita também que o paciente fique entubado durante muito tempo, o que foi o meu caso e me causou uma “estenose traqueal”. Por causa dela, que é uma espécie de “estreitamento” da traqueia, é que eu tive que permanecer com a traqueo durante todo esse tempo.

      Durante o tempo de internação, também arraquei a prótese inúmeras vezes. Chegaram a dizer que amarrariam meus braços à cama, mas minha mãe não permitiu.

      Não era questão que eu não entendesse como se a prótese fosse necessária. Aliás, eu até sabia que sim. A coisa é que eu nem percebia quando estava arrancando aquele negócio da minha garganta, simplesmente tirava. Sofria horrores para colocá-la de volta, e a cada vez jurava nunca mais tirá-la, mas não sei porque eu me esquecia e arrancava aquele cano.

      À parte disso, deixa eu contar uma coisa: a “traqueo” é um alívio para nós, pacientes. Parece meio invasivo, incômodo, “violento”, mas é um mal necessário. Porém, para isso, são necessários alguns cuidados, como a constante limpeza da prótese.

      Não se preocupe em tirar e colocar o caninho, pois ele não causa dano algum. Somente se atenha a limpá-lo corretamente com soro e uma escovinha.

      A parte “interna”, eu limpava injetando soro fisiológico com uma seringa. Provoca tosse violenta, mas resolvia.

      Bom, moça, sinta-se à vontade para tirar suas dúvidas.

      Fran

  3. Denise, li seu depoimento e hoje sei como é difícil essa situação, pois, em 21/05/2014, meu sobrinho de 15 anos teve um acidente de moto, onde teve TCE gravíssimo ficou 40 dias totalmente sem esperança de sobrevivência, além do tce, reve pneumunia, pegou uma bactéria/ infecção hospitalar gravíssima, mas não vou relatar tudo depois vcê da uma lida em meus depoimentos. Ele ficou uns 55 dias, com a traqueo, aí o médico disse que ele iria p/ casa c/ a traqueo ficamos loucos, pois, moramos em uma cidade pequena sem nenhuma estrutura, mas pegamos firme na oração e na véspera da alta dele, conseguiu tampar e tirar a traqueo. Nossa ficamos loucos na semana que ele iria receber alta, como vamos fazer, pois, ele alimentava com sonda, não falava, movimentava apenas com o pé esquerdo, não tinha nenhum outro movimento, mas quando chegou em casa Deus nos deu forças e sabedoria p/ lidar com tudo isso. Em menos de um mês que estava em casa começou a falar, reconheçeu todos nós, com 40 dias tirou a sonda de alimentação, lembrando que as sessões de fono foram essencial na recuperação, ele começou a movimentar apenas o lado esquerdo, mas hje com a ajuda de Deus e da Fisioterapia, já está começando a andar sozinho, a única coisa que nos preocupa hje é a visão, pois, levamos ele em um retinólogo e ele disse que meu sobrinho estava cego, ficamos arrazados, mas entregamos p/ Deus, essa semana ele está começando a enxergar em alguns momentos, estamos muito felizes, mas te falo uma coisa é tudo muito difícil, se não tivermos muita fé, ficamos loucos e te falo ainda a recuperação em casa é muito melhor do que no hospital, o carinho da família é essencial na recuperação. Entregue seu irmão p/ Deus porque ele não desampara ninguém e lembre-se nenhuma obra de Deus é incompleta.
    Um forte abraço!!
    Fique cim Deus, qualquer coisa pode contar comigo. Gildete

  4. Boa tarde, estou há dois dias lendo todos esses depoimentos e me preparando ara escrever o meu depoimento, me senti a vontade nesse blog, pra falar de um assunto um pouco diferente, no caso um AVC. Com o nome do blog sendo “Meu cerebro mudou”, achei que aqui poderei aliviar meu sofrimento com tantas histórias de superação..
    Meu irmãozinho tem 16 anos e é portador da Síndrome de Down, uma criança muito linda, saudável, esperto, inteligente, e era feliz! Estudante da 8ª série do ensino medio no ensino regular. Ele sofreu um AVC, o que mudou todos os planos na nossa familia. Na semana que tinhamos uma viajem marcada, ele começou com vomitos, minha familia é de Boa Esperança, uma cidadezinha do interior do Espirito Santo, lá ele sofreu um descaso, onde ficou internado uma semana, tomou um medicamento que deu uma alergia muito forte, mas té entao ninguem imaginava que seriam os primeiros sintomas de um AVC. Foi internado na segunda, na quinta teve alta, em casa ficou estranho disse que sua orelha estava mole, minha mãe ainda confusa esperou ele dormir a noite em casa. Na sexta de manhã ele acordou todo duro, falando bem pouco, e meio asustado, só queria ficar deitado. Foi transferido pro Hospital Roberto Silvares, um hospital estadual na cidade onde moro que é São Mateus, aqui ele teve acesso a mais recursos, deu entrada ás 10:30, depois de uma hora de viajem em uma ambulancia, onde nao veio nenhum enfermeiro acompanhando, sem nenhum recurso, sem ser avaliado por ninguem DESCASO TOTAL, meus pais sempre muito carinhosos e cuidadores acompanhou ele até a hora que ele entrou no hospital, logo um medico o analisou e disse que os sintomas era de um AVC já que ele havia paralisado o lado esquerdo do corpo, e sentia dores na cabela do lado diretito. Porém fizemos uma tomografia e nada foi constatado, fizeram também o exame de meningite, e tambem nada foi constatado.. Com o passar das horas eu e ele na emergencia a situação foi ficando pior, começaram umas crises estranhas e ele olhava pra mim pedindo socorro com os olhos, nem gosto muito de lembrar desse momento.. ficou assim até às 18:15 do mesmo dia, perceberam então que a situação estava fora de controle pois a saturação do O2 estava muito baixa e os batimentos oscilavam de 170 a 40.. Até que meu esposo chegou e aumentou o tom de voz falando que se nao tirassem ele dali ele iria morrer em meus braços. Graças a Deus teve uma vaga na UTI, lá ele ficou entubado e sedado por 2 dias, no segundo dia ele ja abriu os olhos e o desespero dos meus pais era se ele ia reconhecer eles (até então nada havia constatado nele, nada no crânio e nada de nada), ao abrir os olhos e ver meus pais desceu uma lágrima. Uffa! Reconheceu a gente, e assim foram aumentando as expectativas, a esperança e também o medo. Foram 23 dias na UTI, no nono dia ele foi submetido à traqueostomia, pois com a entubação ele contraiu uma pneumonia, daí a traqueo ajudaria no processo de eliminar a secreção e tambem para conforto dele.. realmente observamos que ficou mais confortavel, teve alta da uti e ficou 5 dias no quarto da Clínica Médica, onde nós pudemos ficar com ele, mas nao foi a maravilha que imaginávamos, foram apenas dois dias de calmaria, ele estava trocando a noite pelo dia, minha mãe passava a noite inteira do lado da cama dele pra nao precisar deixá-lo amarrado, mas na verdade estava tendo crises convulsivas, e as enfermeiras achando tudo normal, pois ele queria a todo tempo arrancar a traqueo que está incomodando muito ele. 5 dias foram o suficiente para ele pegar uma infecção considerada “comum” em hospitais, no quinto dia ele teve uma queda muito grande na saturação, e lá estava eu denovo na emergencia com ele, vendo o mesmo filme passar.. Logo com uma massagem da fisioterapeuta ele foi recuperando, passou ainda uma noite na emergencia, e no dia seguinte teve vaga em uma SEMI-UTI, não tinha vaga na UTI. Hoje fazem 12 dias que ele está nessa SEMI-UTI, e tem apresentado melhoras, lá foram realizados mais exames, com a infeccao a imunidade baixou a pneumonia voltou, foi realizada mais uma tomografia, a 4ª que ele faz, e nessa foi constatado um AVC, (segundo os medicos até então o cerebro nao apresentava nada) até então isquemico.
    Depois dessa notícia meu mundo terminou de cair, desde o dia 10/10/2014 minha vida e da minha familia nunca mais foi a mesma, por mais que tento nao consigo me sentir feliz. Hoje fizemos a primeira tentativa dele falar, tapamos a traqueo mas ele nao falou, apenas mexeu a boca, não conseguiu fazer a força pra sair o som. Estou tão abalada, são 39 dias sem falar, sem andar.. sem se divertir.. os amiguinhos da escola ligando… Por favor, me diga FERNANDA, como foi ficar com a traqueo.. o Medico disse que se ele continuar reagindo bem, pois ele responde aos estímulos, joga beijo, balanca a cabeça pra sim ou não, entende tudo.. mas nao consegue se comunicar muito.. que ele talvez provavelmente irá com a traqueo para casa, e isso me abalou muito.. Será que vamos conseguir administrar uma traqueostomia???
    Sou muito confiante em Deus, ainda mais vendo historias como a sua, que além de tudo perdeu familiares… Por favor me ajude a superar esse trauma.. o problema e que o hospital onde ele está é bem escasso sabe, poucos enfermeiros, pouco tempo com o fisio, nao tem fono e nem posso contratar pois eles nao deixam.. vou ver se consigo articular isso, dizem que uma fono é essencial para ele falar… Estou tão ansiosa, uma pena noa poder colocar uma foto dele pra vc ver que lindeza..
    Conto com a ajuda e apoio de todos!

    Att.
    Dayane Lopes dayflopes@gmail.com

      • Dayane, fico emocionada em ver o quanto voces se importam com seu irmão apesar de ser uma pessoa especial! acho isso lindo
        Tentem mudá-lo de hospital, não é possivel? algum lugar que tenha maior estrutura… te digo que independende do causa lesões cerebrais são demoradas e muitas vezes não desparecem , mas tem uma ótima melhora, só persistirem! muita saude a ele e melhoras a voces! bju

      • Por favor Fê. não deixe de ler meu depoimento.. acho que exagerei nas palavras mas foi um desabafo.. primeira vez que escrevi sobre isso.. a todo momento venho ver se você ja me respondeu. rsrs.. estou ansiosa.. bjs

      • QUERIDA DAYANE…

        Eu vi seu depoimento ontem, mas não consegui ler… Mas, hj estava com vc na minha cabeça e ia te responder…. Fiquei sem dormir à noite (minhas noites de insônia) e não tem muito tempo que estou acordada e “bem”…
        Nossa Dayane, juro que queria te dar um beijo e um abraço bem forte assim como no seu irmão. Eu sou fono, mexia com a área da audição, mas sempre tive um carinho especial pelas crianças e adultos com Síndrome de Dowm, inclusive até há pouco tempo eu fazia um trabalho voluntário numa instituição só de Síndrome de Down. Enfim, consigo imaginar o sofrimento enorme seu e da sua família…. E eu tô revoltada com o descaso dos médicos que o atenderem no início e com a saúde precária do nosso país. Isso é UM ABSURDO E DESUMANO!!!! Me revolto tanto com isso que vc nem imagina….

        Minha querida, como posso te ajudar???? Fale que eu tentarei fazer de tudo! Quanto à sua pergunta com relação à traqueostomia, eu não tive uma boa experiência, mas vou te dizer por que. A traqueo não dói e facilita a respiração de tal forma que eu tive muito medo quando o médico disse que eu sairia do hospital sem a traqueo. Como respirar sem ter esse buraquinho pra me ajudar??? Era isso que eu pensava e se na época eu pudesse ter escolhido, eu ficaria com ela de medo de ocluir o buraco, entende??? Louco isso. Mas, ao mesmo tempo, a traqueo foi um trauma pra mim por causa de alguns enfermeiros que não tinham muito cuidado ao passar a cânula pra limpar aquela secreção que sempre junta e atrapalha a respiração, sabe? Qdo era uma pessoa cuidadosa que aspirava, beleza, senão, eu chegava a vomitar durante a aspiração, pois sentia que machucava. Mas eu conheço muitas pessoas que fizeram traqueostomia e sei que esse trauma não faz parte da maioria delas. Eu atualmente, fiquei próxima de uma família linda que eu aprendi a amar (só conheci eles depois do acidente da filha) e a menina de 29 anos que sofreu o acidente de carro, está em coma vigil há quase 2 anos e teve que ir para casa com traqueo, se alimentando com sonda etc. Estou te contando isso porque a mãe dela pediu, ainda no hospital, para os enfermeiros ensinarem ela a aspirar a traqeo e ela mesma faz na filha dele todos os dias com muito amor e cuidado. Desde o hospital é ela quem faz. Ela disse pra mim que é muito simples, que não há segredo nenhum, e ela fazendo ela sabe que está fazendo sem pressa, com todo cuidado e a filha fica super tranquila. Não se preocupe com o fato do seu irmão ir embora pra casa por enquanto com a traqueo, isso se resolve e vc ou sua mãe ou qualquer outra pessoa de confiança pode fazer isso pra ele. Se acalme!!!! Sei que pedir isso parece ridículo e incompreensivo, mas não é. A estimulação com fono é importante, mas não precisa ser imediata, pode esperar o quadro clínico dele melhorar um pouco mais, vcs saírem do hospital, já que o médico disse que isso acontecerá em breve. Calma, uma coisa de cada vez, senão vcs vão ficar loucos, tudo já é muito sofrido e vcs estão fazendo o melhor que vcs podem pelo seu irmão.

        Dayane, quero que vc me mantenha em contato e me responda aqui no blog se vc viu minha resposta e no que mais eu posso te ajudar. Por favor, me dê notícias!

        Fica com Deus e muita força, fé, amor, … as coisas vão melhorar, acredite nisso!!!!!!
        Beijo enorme no seu coração,
        Fernanda

        OBS: Tente postar foto do seu irmão aqui!!! As pessoas já conseguiram postar vídeo.

  5. Olá, sou a Valquíria, tenho 38 anos e frequento o CPN desde agosto deste ano.
    Conhecer os integrantes do grupo foi importante porque pela primeira vez não me senti um ET. Lembro de ter dito isso aos meus queridos colegas de grupo, Fernanda, Renata, Fran, Vitória, Eduardo, Bruna e Sonia, no meu primeiro dia de reunião. Senti-me acolhida e percebi que as dificuldades do pessoal do grupo eram as mesmas que as minhas.

    Como todos aqui, sofri uma lesão cerebral, mas a minha foi devido a um tumor no lobo frontal esquerdo, diagnosticado em maio de 2011. Meses antes de o tumor ser diagnosticado, iniciei com terríveis dores de cabeça, que inicialmente eram mais espaçadas e depois se tornaram cada vez mais fortes e frequentes. Trocava palavras, comecei a falar muito lento e esquecer as coisas. Na época eu cursava Doutorado em Anatomia e passei a cometer várias gafes com os termos anatômicos, conceituais e contextuais, coisas que antes não aconteciam. Passei a ter de fazer um esforço mental muito maior para preparar uma aula, ler e escrever, por exemplo.

    Depois de seis meses para baixo e para cima em médicos e de ter de ouvir um deles dizer para eu esquecer a minha dor (!!!), fui atendida por uma pediatra que finalmente valorizou as minhas queixas. Mas somente um mês depois é que consegui uma tomografia computadorizada, que confirmou aquilo que eu já havia sugerido ao médico que me pediu para esquecer minha terrível dor de cabeça: era um tumor cerebral.

    Uma semana depois fui operada e, para quem é submetido a uma cirurgia dessas, saí muito bem. Passei por tratamento de quimioterapia, e ainda continuei e concluí o Doutorado. Seis meses depois consegui um emprego em uma Universidade, voltei a ministrar aulas e foi nesse momento que senti minhas maiores dificuldades. O meu desgaste no trabalho, no deslocamento de casa ao trabalho, na preparação das aulas era imenso, sem falar dos lapsos de memória e gafes que cometia. Meu corpo pediu água: em agosto do ano passado tive uma recidiva, ou seja, o tumor voltou. Em fevereiro deste ano fui, então, submetida a uma nova cirurgia. Saí viva de novo, com a Glória do Senhor, que guia as mãos do meu neurocirurgião!

    Uma sequela que não mencionei ainda é o fato de que passei a rir e sorrir mais do que o normal. Dou risada até daquilo que não tem graça (será que é porque estou viva depois de tudo isso?). Na minha última avaliação neuropsicológica, a psicóloga pediu que me segurasse mais e que fizesse o seguinte exercício: “tente ficar 24 horas sem rir”. Não consegui.

    Agora, falando como fisioterapeuta especialista em Neurologia, a recuperação e a reabilitação fazem parte de um processo diário que durará para sempre.

    Espero ter contribuído em algo, e estou à disposição para aqueles que queiram compartilhar suas experiências ou que tenham alguma dúvida.

    Grande abraço a todos!
    Valquiria

  6. Oi gente a dias era para eu ter voltado aqui mas não deu..Mas venho hoje para lhe contar sobre o Rodrigo meu namorado e dizer para que nunca,nunca mesmo percam a fé pois Deus salvou o meu namora onde eu,meus familiares, amigos e pessoas que jamais vistas anteriormente presenciaram um milagre de Deus.É o seguinte como dito anteriormente ele sofreu TCE Marchal 3 acredito que muitos de vcs já ouviram falar (a probabilidade de acordar é mínima algumas pessoas acordam com 6 meses,outras 01 ano e outras vegetam para todo sempre) e com Rodrigo foi tudo ao contrário hoje após 53 dias ele está mais que acordado entendendo tudo,respondendo a todos os comandos e reconhecendo todo mundo.Sábado foi o dia mais emocionante para mim cheguei no hospital e pude ver a melhora estampada nele,pois pediu para levantar e conseguimos senta-lo na poltrona (chorei de tanta emoção) pois os médicos haviam tirado toda nossa esperança alias tentaram tirar neh rs e para minha felicidade se completar no domingo ele pediu papel e caneta peguei e sem falar nadinha com ele, escreveu seu nome e sobrenome rsr isso foi maravilhosos uma obra de Deus foi ai que percebemos que o raciocínio dele esta ótimo e ontem para completar a grandeza do Senhor após mais de 50 dias gente 50 dias acamado ele deu alguns passinhos e pode tomar banho de chuveiro foi muita emoção.Portanto pessoal a minha experiência é essa nunca mas nunca percam a fé adorem ao Nosso maravilhoso Deus como diz um hino Esperem no Senhor mesmo quando a solidão e seu peito machucar…Pois Rodrigo é uma obra do Senhor ele foi dado praticamente como morto e hoje já tem previsão de alta daqui 15 a 20 dias vejam se isso não é um milagre.Bem estou indo feliz mas volto para contar sua reabilitação em casa em nome de Jesus.E não desistam nunca de lutarem tá.Deus ama seus filhos e tudo que se pede com fé acontece…Bjs Felicidade transborda…

    • Jaqueline, é muito bom ouvirmos noticias boas a respeito de pessoas que sofreram algum trauma, qualquer que seja ele, estou muito feliz por voces! e garanto que muitas pessoas aqui também estão! melhoras!! =)

    • Bruninha :****

      Há uma ou duas horas estava passando, por acaso, em frente ao Habib’s onde a gente foi. Lembrei de você, da sua mãe e do Rapha – que anda escrevendo no grupo do Adiel, no Facebook – e pensei em como vocês estão. Espero, mesmo, que muito bem.

      Beijo, anjinha.

  7. Oi pessoal!

    Pensei em escrever no dia 16 de outubro, mas infelizmente não consegui. Tinha escolhido essa data por ser a dos meus “aniversários”: um ano desde que conheci o blog, nove desde que sofri o TCE/LAD.

    Como já te disse algumas vezes, Fê, inclusive pessoalmente, eu sou muito agradecido por você ter continuado com o blog depois que o primeiro grupo do CPN se desfez. Não tenho a menor dúvida de que pude melhorar nesse ano muito mais do que nos oito anteriores. Não fisicamente, não é isso: me refiro mais a como me vejo, a como posso me perdoar por ter sofrido o acidente, à sensação de pertencimento por ver que existem muitas pessoas no mundo que passaram e passam pelo mesmo que eu.

    Nesse ano, pude conhecer diversas histórias e foi inevitável relacioná-las com a minha. A maioria delas, pelo que vejo, possui uma sequência que raramente foge de: “como/quando ele(a) vai acordar?”; “acordou, e agora, quando vai voltar ao normal?”; “mas, então, já passou muito tempo, vai voltar ao normal?”; “pode ser que não volte, mas está muito melhor agora em relação ao que estava depois do trauma”; “o(a) … fez isso ou o(a) … fez aquilo, que alegria!”…

    No final, acreditem, demora um tempão mas com poucas – pouquíssimas – e tristes exceções, o final é feliz.

    É assim com a Bruninha e o Rapha, com o Adiel e seu Yanzinho…

    Aprendi também que existem graus de TCE – ou seja, minha lesão e minhas sequelas nem sempre vão ser iguais às de outra pessoa.

    Bueno, bejim no 6.

    Fran

  8. Eu sofri um acidente de moto meu braço ficou enchado mas não quebrou, mas do meio do braço aos dedos não sinto movimentos. Queria saber se isso é normal. Não tive nenhuma fatura segundo diz os médicos não quebrou nada só o braço que não tenho movimento.

  9. Sou a Sônia e em dezembro de 2007, tive um aneurisma e em seguida, um AVC. Meu depoimento está aqui no início, quem quiser ler…

    Com muita persistência e aprendizado estou tentando usar o PPP na minha vida (ensinado aqui no Blog na sessão “Estratégias úteis”). Toda vez que percebo que estou acima dos meus limites, prestes a tomar alguma atitude mal fundamentada, lembro do PPP. Aprendi a parar, pensar e planejar (PPP) com a ajuda da psicóloga Anair Rodrigues e do grupo de reabilitação cognitiva formado e supervisionado por ela no CPN. Foi lá, graças a Deus, juntamente com a psicóloga e meus amigos da terapia cognitiva, Fernanda, Renata, Alex, e o Sr Nelson que aprendi estratégias para lidar com minhas dificuldades e consegui reencontrar o meu cérebro novamente. Quero agradecer aqui em especial, o meu amigo Sr. Nelson Valente por estar sempre pronto a me ajudar, um excelente ouvinte, conselheiro, amigo e que sempre foi uma pessoa extremamente humana, experiente, sábio e um homem que superou vários obstáculos, praticamente “mata um leão por dia”… Agradeço todos os dias por ter tido essa oportunidade e esses amigos maravilhosos.
    E no meio a esse aprendizado diário, uma amiga minha me disse a frase abaixo pela qual tem me ajudado muito também e portanto, resolvi colocá-la à disposição aqui no blog, pois é uma frase de superação, reflexão e de fácil compreensão. São três regras básicas: “Não prometa nada quando estiver feliz; não responda nada quando estiver irritado; não decida nada quando estiver triste”.

    Beijos a todos e espero ter ajudado.
    Sônia

  10. Boa tarde! Sou Gildete a tia de Lucas Matheus César Macêdo de 15 anos que sofreu TCE em maio/2014, gente Lucas está muito bem, já consegue andar sozinho, porém aquela sequela na visão que havia postado antes no blog, ontém levamos ele em um retinólogo e foi diagnosticado que Lucas está cego, estamos desesperados diante desse resultado, é muito difícil para acreditarmos nisso. Me ajudem alguém já viveu algo assim, ainda acreditamos que ele enxerga em alguns momentos, pois, ele consegue acertar os gestos que fazemos na frente dele.

    Obrigada!!

    Gildete

    • Oi Gildete não conheço você mas falo o seguinte,sei que é difícil lhe dar com essas situações estou vivendo um momento muito difícil na minha vida também provavelmente vc deve ter lido minhas publicações.Pense no seguinte Deus não faz a obra incompleta tenha fé e ele ira se recuperar aos poucos irei orar por seu sobrinho,ore também se humilhe aos pés do Senhor e Ele lhe dará uma resposta.Aprenda a lidar com essas situações procure um psicólogo para lhe ajudar inicialmente e o melhor Deus já deu ao seu sobrinho a vida.Limitações infelizmente ele terá mas pense quantas pessoas sobrevivem sem enxergar é difícil muito,mas a dor será menor se você aceitar e aprender a lidar com tal situação tenha fé querida Deus irá lhe dar consolo e sabedoria.Bjs to aqui se precisar de um ombro amigo é só me falar.Fica com Deus tah e não fique triste pense no que disse a você.Como diz a palavra:
      Confie no Senhor de todo o seu coração
      e não se apoie
      em seu próprio entendimento; reconheça o Senhor
      em todos os seus caminhos,
      e ele endireitará as suas veredas.
      Provérbios 3:5-6
      Reflita a respeito…Bjs

  11. Oi Fernanda o Rodrigo tem 31 anos ama esportes radicais e infelizmente aconteceu tudo isso,essa semana ele até levantou da cama na UTI acredia???Não sabemos ao certo se foi um surto relacionado a sequelas ou se simplesmente foi um surto passageiro.Espero eu que seja passageiro mas ele está se recuperando e tenho certeza que ainda darei meu depoimento com ele aqui ao meu lado contando nossa história.BJus…

  12. Oi pessoal meu nome é Jaqueline amei encontrar esse blog pois posso dividir meu sofrimento,angustias e vitórias com vcs…é o seguinte a exatamente 45 dias atrás meu namorado sofreu um acidente de bike e teve politraumatismo craniano frontal e bilateral TGE GRAVE entrou em coma profundo por alguns dias,fez 3 cirurgias no cérebro,pegou infecção hospitalar 3 vezes e ainda se encontra na UTI o caso ainda é complicado mas ele está se recuperando bem lentamente,é dificil lidar com a situação principalmente pq ainda não sabemos ao certo se ele terá sequelas mas o que posso dizer para ajudar vcs,pra mim tudo é novidade jamais havia passado por tal situação a maneira que encontrei pra entender o caso foi estudando e muito, mas Fé é a única coisa que posso dizer Deus simplesmente salvou a vida do meu namorado cheguei a ouvir dos médicos que um lado dele estava desfalecendo e hoje 45 dias após ele está sendo considerado surpresa para medicina,tá vendo como Deus é maravilhoso e maravilhas ele faz basta orar e pedir discernimento,paciência e sabedoria pois com o poder da oração tudo podemos.É isso pessoal hj to um pouco na correria mas ainda voltarei aqui e contarei toda história do meu namorado e com fé em Deus as nossas vitorias também fiquem com Deus tenham sabedoria que no final tudo dará certo.Bjs obrigada e até breve.

    • OI JAQUELINE…

      Bem vinda ao Blog! Obrigada por compartilhar conosco um pouco da história do seu namorado e é muito bonito ver a sua fé….
      É isso mesmo, não podemos perder a fé nunca!

      Quantos anos seu namorado tem? Depois volte mesmo e nos conte mais sobre o que aconteceu…
      Um grande beijo e uma boa recuperação pro seu namorado, viu?
      Fernanda

  13. Olá, meu nome é Allan. Há pouco mais de 4 meses (12/06/2014, precisamente), meu pai sofreu um acidente: caiu de uma laje, em uma construção, ocasionando em TCE. Passou por cirurgia e, desde então, encontra-se internado em UTI.
    Após um mês e 15 dias, mais ou menos, acordou e permaneceu, por 3 dias, gesticulando com a cabeça e mostrando boa compreensão das perguntas e comandos que fazíamos, inclusive, fechando os olhos quando pedíamos e levantando os membros. Após isso, infelizmente, sofreu queda de consciência, provavelmente por infecções e não voltou mais a apresentar a mesma consciência como aquela de antes. Sofre com infecções e, por algumas vezes, abre os olhos e os direciona para quem fala com ele, mas apresenta dano no olho direito. Movimenta a mão direita levantando-a e puxa uma perna ou outra à dor, quando está mais acordado. Acreditamos que tais limitações ocorram em decorrência da debilidade causada pela infecção, e que só poderemos ver o seu potencial de reabilitação e as sequelas quando ele estiver livre delas, mas, também, acreditamos que o tempo de acamação pode comprometer o estado neurológico do paciente, sendo este tempo, neste caso, um inimigo, enquanto estiver em UTI.
    Pergunto à administradora do blog se, com base nos relatos presenciados, aqui, soube de algum caso em que o paciente ficou por muito tempo em internação e teve, ou não, importante reabilitação. Uma resposta sobre isso seria muito importante para nós, familiares, termos uma base estatística, além de nos dar perspectiva do que pode está por vir e nos anteciparmos.
    Obrigado e força a todos neste momento tão difícil.

    • OI ALLAN…

      Sou a Fernanda, meu depoimento é o primeiro daqui. Eu sou a administradora e a pessoa quem mantém esse Blog. Eu, como seu Pai, tive um grave TCE, fiquei em coma e os médicos não tinham esperança que eu sobreviveria, muito menos que tivesse uma boa recuperação como eu tive… Claro que muitas coisas mudaram na minha vida e a recuperação foi lenta, árdua, exigiu muita paciência, perseverança, ajuda de muitos profissionais, familiares e amigos, mas hj estou bem e feliz.

      Vc me perguntou sobre casos de pessoas que tiveram muito tempo de internação e suas reabilitações, né? Tem 7 anos e quase 9 meses que sofri meu acidente e já ouvi e acompanhei muitas histórias, tanto aqui no Blog como fora daqui, pois até hj tenho muito contato com pessoas que sofreram lesão cerebral e tb com excelentes profissionais que lidam com isso. Conheço sim casos de muito tempo de internação e com uma boa reabilitação… Uma boa reabilitação depende de vários aspectos como idade, local e extensão da lesão, tempo de coma, bons profissionais envolvidos, vontade do “paciente” em sempre buscar melhora, consciência do “paciente”com relação às suas dificuldades, etc.. Por isso é difícilte dizer em “números”… Cada caso é um caso, entende?
      O que posso te dizer é que casos mais graves demoram mais pra reagir, mas o fato do seu pai reagir ao som, à dor… soa bons prognósticos que ele consiga interagir minimamente mais pra frente. Não dá para dizer o quanto seu pai pode ficar dependente, o quanto vai se recuperar, mas existem muitas histórias lindas e de uma boa e importante recuperação. Vou te frustrar por não te responder estatisticamente como vc gostaria, mas acredito muito na recuperação pós TCE e por isso mantenho tb esse Blog.

      Assim que seu Pai se estabilizar clinicamente, é muito importante começar logo a reabilitação. O foco, no início, precisa ser ensiná-lo a se comunicar de alguma forma. Tem neuropsicólogos excelentes que trabalham nessa área e podem ajudá-lo nesse momento. De onde vcs são???

      Qdo tiver um tempo, dê uma lida nos depoimentos aqui do Blog e também na sessão de “Informações importantes”… isso poderá ajudar.

      A reabilitação pós TCE é lenta, exige muita paciência, força, luta, determinação, amor… e é surpreendente. A plasticidade cerebral existe e eu, como muitos aqui do Blog, somos a prova viva disso. Não percam a esperança.

      Com o tempo vão surgindo dúvidas e estaremos aqui pra ajudar no que for possível…

      Espero ter ajudado de algum forma… Mande notícias….
      Abraços,
      Fernanda

      • Primeiramente, quero agradecer a atenção da resposta e a preocupação em prestar tantas informações, adquiridas por você nesta bela ação que você realiza. Gostaria de parabenizá-la, não sei se teria tanta determinação e vontade de ajudar, caso passasse por situação semelhante.
        Ao usar a expressão “paciente” acabo entregando minha natural racionalidade, sou confesso admirador da ciência, por isso, posso passar uma impressão de frieza, ao lidar com as situações mais delicadas, desculpe-me se, de alguma forma, a expressão não foi bem colocada, neste meio.
        Gosto de considerar cada característica de tudo que está envolvido com a situação do meu pai e, mesmo leigo, acabo criando algumas possibilidades.
        Somos de João Pessoa – Paraíba. Dentro do possível, procuramos nos informar, questionar, providenciar e, mais importante, estar presentes todos os dias e até em horários não protocolares, quando é necessário, para garantir que ele terá o que precisa.
        De fato, existiram fatores que podem ter contribuído para um rebaixamento de sua consciência, partindo do ocorrido e passando pelo período de internação. Cirurgia não imediata, infecções, hemodiálise por problema crítico nos rins (já recuperado) e um intercurso respiratório, devem ter contribuído para um comprometimento maior no estado neurológico, que é o que importa para as atividades cognitivo-motoras, da qual torcemos tanto para que seja a melhor possível.
        Confiamos muito nos profissionais que estão cuidando dele, procuramos sempre conversar com todos os envolvidos, fazendo-os perceber que, ali, há uma família unida e que o ama. Sabe, nos entristece ver pacientes, em situação semelhante, sozinhos no horário da visita, onde, apenas vez ou outra, recebe a companhia algum parente.
        Quando você fala da plasticidade cerebral, se refere ao fato, já observado, que partes do cérebro responsáveis por outras funções acabam se adaptando para realizar a(s) função(ões) comprometidas pela área danificada, não é mesmo?
        A nossa expectativa é de sua melhora clinica, para, de pronto, iniciarmos com a sua reabilitação.
        E sim, Fernanda, você ajudou bastante, inclusive citou coisas que eu penso, “por alto”, mas acabo esquecendo de perguntar ao neurologista.
        Buscarei atualizá-los sobre o andamento de sua recuperação, deverá ajudar a quem busca este blog.
        Um abraço a todos.

  14. Oi Fernanda. Sou christina meu esposo sofreu um tce grave em 2012 e ate hoje ele não anda nao fala e é agressivo belisca morde. Estou muito desesperada . Quero muito que vc fale sobre pessoas q ja teve esse tipo de trauma se tem possibilidade de voltar ser uma pessoa normal.

    • CHRISTINA QUERIDA…

      Vc escreveu seu depoimento na sessão “Sobre o Blog” e lá é um lugar difícil das pessoas verem. Sempre peço pra quem quiser escrever sua história ou de um ente querido, que todos escrevam aqui na sessão “Depoimentos/Escreva aqui o seu”, por isso transferi seu depoimento pra cá, tá?

      Christina, seu marido voltar a ser o que era, acho que isso não acontece, até pq depois de um acidente e uma lesão assim, a gente muda…. Não sei se vc leu meu depoimento (é o primeiro daqui), eu sofri um acidente de carro e também tive uma lesão grave no cérebro, um TCE com lesão axonal difusa (LAD). A perda de memória, a alteração de humor e a agressividade são “sintomas” comuns após um TCE. Se der, leia na sessão aqui do Blog sobre “Informações importantes” e lá falo um pouco sobre isso.

      Esses sintomas, assim como essa agressividade do seu marido, podem melhorar bastante. Ele pode aprender a ter mais controle das suas reações e também encontrar maneiras de se lembrar das pessoas e coisas do dia a dia, melhorando assim a qualidade de vida dele e da família de vcs. É muito importante o acompanhamento com neurologista e psiquiatra pra que ele possa fazer uso de medicamentos que ajudem ele nesses sintomas. Também é muito importante, como a Bruna te disse acima, uma avaliação e uma acompanhamento com um neuropsicólogo que entenda de TCE. Isso pode fazer toda a diferença. De que cidade vcs são? Talvez eu possa indicar alguns profissionais ou lugares de tratamento pra vcs.

      Mande notícias. Espero ter ajudado tb.
      Beijo grande
      Fernanda

  15. Olá meu nome é christina. Meu esposo sofreu um acidente de trânsito em 2012 .ele teve um tce grave ele não anda nao fala e é agressivo belisca morde . Quando aconteceu eu fiquei gravida minha filha hoje tem um ano e 3 mêses . Estou muito triste por ele nao conhecer afilha. E os medicos nao me explica se ele pode se recuperar voltar ao normal …..alguém que ja teve algum caso desses com alguem na famila pode explicar se isto e permanente ou tem cura?

    • Cristina, Eu mesma me acidentei em 2010, tive um TCE grave com LAD ( lesao axonal difusa) e te digo que pela lesão no cérebro pessoas costumam ficar agressivas, e ter perda da memória recente.. para isso precisei da ajuda de uma neuropsicóloga, para não falar tudo sem pensar, pois perdi digamos o freio.. agrido as pessoas, não me lembro de quem eu não conhecia, e ela me ensinou alguns truques de associação para lembrar dos nomes, mas eu ainda encontro a pessoa e não reconheço, creio que a recuperação depende muito do esforço da pessoa , da familia, e depende mtuuu de tempo, agora, apos 4 anos que estou me sentindo mais digamos, normal, rs .. mas ainda tenho crises de choro e do porque isso ocorreu comigo, coisas assim.. minha neuro disse que crises são normais, mas temos que faze-las passar..
      Paciencia é o que te aconselho, leve-o em uma neuropsicologa especialista em lesoes pós trauma pois fui antes em uma neuro psicologa normal, que não era especialista e não me ajudou muito, saiba que agora ele provavelmente mudará de humor e se irritará mais facilmente.. tente compreender e aceitar como eu e minha familia tivemos que aceitar, que seu marido mudou, agora é uma nova pessoa, não possui os mesmos objetivos,mas poderá descobrir novas qualidades..
      è isso paciencia sempre! parabens pelo bebe =)
      espero ter ajudado
      Bruna
      bru.morais2@yahoo.com.br

  16. Oi eu tenho um amigo muito querido que teve acidente de carro esta se recuperando ficou 3 mês em coma usa fralda mas parece que não esta mas usando e repete muitas as palavras eu tento animar ele porque era da policia civil ele foi aposentado e me disse que esta se sentindo inútil eu muito triste por que ele era muito esportista, hoje ele esta fazendo academia para se recupera vai ao psicologo. ele não consegue dormi ele disse que só cochila ainda não vim ele só converso pelo zap com ele.mas estou rezando muito para ele fica bem e se recuperar obrigada seu depoimento me ajudou muito a esclarecer umas coisa .

    • Jaqueline, havia te respondido já mas meu note não enviou o que postei.. então vou tentar novamente
      Provavelmente ele precise utilizar remédios par dormir, como muitas pessoas que tiveram lesões cerebrais que conheço utilizam, inclusive antidepressivos, isso ajuda muito eles. Realmente nos sentimos inúteis muitas vezes.. eu trabalhava, estudava, acordava as 6 dormia meia noite, e hoje acordo e durmo a hora que quero..única coisa que faço e me ajudou muito foi a academia, por isso continuo, e a noite não faço nada também.. realmente é MUITO difícil para a gente aceitar que não somos mais o que éramos, que somos novas pessoas com novos objetivos e ideais.. infelizmente é muito difícil.
      A recuperação nesses casos sei que é lenta, bem lenta, mas não é impossível, meu caso foi há 4 anos, ainda realizo tratamento com neuropsicóloga, e sei que não voltarei a ser o que era.. posso melhorar algumas coisas mas não serei a mesma.. Aceito né.. paciência, ao menos sobrevivi e estou aqui..
      Que ótimo ele ter aposentadoria, eu ainda não consegui.. dependo do meu pai.. o que para mim é péssimo pois sempre me sustentei.. mas ao menus ainda possuo meus pais para me ajudar..
      Paciencia, fé esperança e amor creio que e seja o que ele mais precisa, e não o abandone, de sempre noticias, isso te garanto foi a pior coisa que percebi nas pessoas que se diziam minhas amigas.. não aceitaram a nova bruna..
      bjus a voces

  17. Olá pessoal,quero dizer que gostei bastante do blog. E o meu objetivo aqui,é tirar algumas dúvidas sobre o aneurisma cerebral. Minha mãe em 2012 teve o rompimento de um aneurisma,no entanto ela foi embolizada graças a Deus e está tudo bem com ela. Mas há alguns dias ela vem sentindo umas dores na nuca e eu queria o que pode ser,se tem haver com o aneurisma ou se ele está voltando.. Eu queria muito saber,pra tirar essa angústia do meu coração,desde já agradeço!

    • Olá MARIELE….

      Eu sou a Fernanda. O meu depoimento é o primeiro daqui. Eu tive um TCE como a maioria aqui do Blog. Algumas pessoas tiveram aneurisma, mas o que posso te dizer é que não dá pra respondermos sua pergunta aqui. Não sou médica e ninguém daqui pode dizer se o aneurisma da sua mãe está voltando ou não sem conhecê-la, sem ver exames, etc. Acho que vc deve procurar um neurologista, pois ele é a pessoa indicada pra ajudar vocês e talvez tirar suas angústias….

      Desculpa não poder ter ajudado mais…
      Que Deus abençoe vc e sua mãe..
      Um grande beijo
      Fernanda

  18. Olá!
    Fernanda obrigada por sua resposta, e o depoimento de cada um neste blog, lendo estes sinto-me mais forte neste caminho estranho, estranho digo pois quando se passa por algum tipo de lesão no cérebro cada um experimenta sensações estranhas, e muitas vezes sinto-me muito só.Aqui percebo que existem diversos casos de lutas e desafios que me ajudam a continuar minha caminhada sem medo.
    Abraços a todos!

  19. Oi gente! Meu sobrinho Lucas Matheus de 15 anos que teve TCE e Politraumatismo, ontém fez 4 meses, graças à Deus ele está se recuperando muito bem, já fala, já tirou a sonda, memória perfeita, já senta na cama sozinho, está começando a ficar em pé com ajuda do andador, porém, não está enxergando, há um mês atrás ele teve revisão com o neuro, onde ele disse que ele tinha ficado com uma lesão na visão,mas não tinha ficado cego, disse que ele só não iria enxergar nas laterais, porém depois que ele ouviu o médico falando isso ele chora muito falando que tem um pano preto na frente dele, e mostramos objetos ele não enxerga, colocamos na frente da televisão ele não consegue ver, a pupila dos dois olhos dele estão muito dilatadas. Se alguém tiver passado por essa triste experiência de sequela na visão nos ajude, pois, estamos sem chão diante desse fato, não sabemos qual caminho a seguir.

    • Gildete, meu pai é oftalmologista e como eu sofri TCE e perdi a principio a visao periférica, ele me explicou que tudo depende da área do cérebro afetada, que a melhor pessoa que pode dizer se a visão voltará ou não é um retinólogo ( oftalmo especialista em neurologia) e se o médico disse que seu sobrinho terá parte da visão afetada ele pode ter alegado não exergar pelo nervosismo… pode estar enxergando nas laterais, mas meio que bloqueia pelo nervosismo, o melhor mesmo é verificar com um oftalmologista especialista em neurologia, meu pai não está aqui para confirmar… Mas sempre lembre ele que poderia ter sido pior.. que deve agradecer por estar bem! por estar vivo! não sei o motivo do TCE dele, mas em tudo há um lado bom.. por mais dificil que seja..
      e toda melhora leva tempo e é constante!!
      um beijo

    • Gildete, mau pai chegou agora e disse para procurar um oftalmologista que ele indicará, dependendo da parte afetada, um neuro oftalmo ou um retinólogo

    • OLÁ GILDETE….

      Concordo com a Bruna, talvez o nervosismo dele esteja piorando toda a situação e vcs tem que procurar um oftalmo especialista tb….
      Da onde vcs são?
      Eu li sua mensagem na segunda, dia 22, e ontem fui procurar saber sobre o contato de uma médica excelente nessa área. Ela se chama Sílvia Vietzman, é Oftalmo especialista em TCE, trabalha com a reabilitação visual e faz parte do Departamento de Neurologia do Hospital das Clínicas-USP de São Paulo no Programa de Reabilitação neuro-cognitiva de TCE. Eu já participei de dois congressos em que ela deu aula e ela já foi recomendada por neurologistas e neuropsicólogas especialistas em TCE que eu conheço. Por enquanto, eu consegui um e-mail que vc pode tentar o contato com ela: s_veitzman@usp.br
      O atendimento na USP é gratuito e excelente em TCE, o problema deve ser a fila de espera….

      Mas de qualquer forma, peça opinião de algum oftalmologista.
      Espero ter ajudado.
      Grande bjo
      Fernanda

      • Obrigada! Vou mandar um e-mail para ela agora. Abaixo de Deus esse blog é uma benção em nossas vidas. Obrigada por tudo. Lendo as experiências vividas nos fortalece ainda mais.

      • Oi Gildete!!!!! Fico muitíssimo feliz em saber que o Blog tem te ajudado tb, esse é meu maior objetivo e uma grande alegria pra mim….

        Boa sorte! Fiquem com Deus!
        Fernanda

  20. Meu marido teve sofreu um TCE ficou por 8 meses em coma, voltou p casa ainda em coma, usando fralda, traquio, e alimentação enteral, foi um período muito complicado, apos sai do coma ela não recordava de ninguém, fizemos todos tratamentos necessários enfim, com muita fé e luta ele voltou a andar, falar… tudo com ajuda de médicos especialistas, hoje já se fazem 2 anos do acidente. Mas ele se tornou uma pessoa agressiva e totalmente esquecido de tudo que faz. Ele está invalido a memória dele é péssima, o mais triste de tudo é sua agressividade ele joga tudo que está por perto para me atingir, faz uso de Rivotril, Kitapen, Clio mas nada deixa ele estabilizado!

    • Lene, hoje passou na record e minha neuro tambem me disse que nos casos de TCE muitas pessoas ficam agressivas, o que é normal, não eram assim, mas é algo incontrolável para eles, já a questão da memória recente todas as pessoas que sofrem TCE infelizmente a possuem, te aconselho a ver uma neuropsicologa para ele frequentar, isto me ajudou muito e provavelmente poderá ajudá-lo um beijo

    • OLÁ LENE….

      Tb acho que vc poderia procurar um neuropsicólogo pra ele aprender a se controlar mais e a lidar com suas dificuldades… Pra mim foi fundamental em vários sentidos o atendimento com neuropsicólogo. Seria muito importante no caso dele tb.
      A agressividade é um dos “sintomas” comuns após um TCE, acontece bastante….

      Se vc puder, entre na sessão acima “Informações importantes” e lá, eu falo um pouco sobre as consequências mais comuns após o TCE….

      Não entendo de medicamentos, mas sei que alguns medicamentos podem ajudar nessa agressividade. E às vezes, se não está resolvendo o problema, é bom (com orientação médica, é claro), fazer outras tentativas com outros medicamentos, pois o que é bom pra uma pessoa, pode não ser bom pra outra, entende?

      Espero ter ajudado um pouquinho que seja…
      Um forte abraço,
      Fernanda

  21. Oi Fernanda eu vi sua resposta desculpa ter demorado ….
    Bom graças a Deus cada dia meu marido esta melhor,continua afastado do trabalho mas seu medico disse que em breve ele volta pois ele ainda sente muita tontura ainda quando fica muito tempo em pé .Ele pediu para fazer um tipo de fisioterapia diferente acho que é vestibular mas não começou ainda pois esta esperando vaga o ruim é que plano de saude tem poucas vagas disponiveis enquanto isso ele melhorou bastante, a memória as vezes da uma falhada .
    Agora o humor esta melhorando fazendo bastante planos para o futuro ,mas eu percebi ele não pode mesmo ficar sem o remédio,eu acho que quando ele voltar a trabalhar vai ajudar vai ter menos tempo.
    Tem horas que ele fica pensando se ele vai voltar ao normal ,mas eu acho que ele vai acostumar a ser essa nova pessoa eu acredito, a vida dele mudou muito ele bebia bastante e hoje não tem mais esse vicio foi dificil ele entender que poderia ser feliz de outras formas mas ele ta levando .
    Agora em relação a volta ao trabalho ele parece estar preocupado sabe parece que ele tem medo da reação das pessoas quando o verem novamente pois antes ele exercia um cargo de chefe no seu setor e seu medico disse que ele vai poder voltar exercer atividades profissionais com cuidado ou ajuda não sei como vai ser essa volta ao trabalho mas por enquanto vai ser só o ano que vem até lá quem sabe ele ja aceitou essa nova condição e fique feliz ao voltar a trabalhar
    Bom quero agradecer a vcs do blog principalmente Bruna e L41 que me deram palavras de esperança num momento dificil.e dizer para as familias que estão passando por tudo isso que eu passei que tenham fé a melhora vem aos poucos agora eu olho para traz e vejo que o pior ja passou .
    Continue assim Fernanda unindo a todos para passar por essa fase ruim.
    Um abraço a todos.
    .

    • OLÁ APARECIDA….

      A reabilitação vestibular que o médico indicou para seu marido é excelente. Eu, como fonoaudióloga, já trabalhei um tempo nessa área e as pessoas melhoram muito a tontura.
      Eu acho que nunca comentei aqui no Blog, não sei porque esqueci, mas logo após o meu acidente, eu tive uma vertigem (tontura onde tudo à minha volta rodava) quando eu virava a cabeça para um determinado lado e era horrível. Como eu sabia do que se tratava, uma amiga fonoaudióloga logo fez algumas manobras (“exercícios”) em mim e isso passou. Continuo com tonturas leves, mas de vez em quando, nada que me impede de alguma coisa como acontecia antes. Essa reabilitação vestibular poderá ajudar muito seu marido…

      Mande notícias querida….Estou sempre torcendo e rezando por vcs.
      Beijo grande
      Fernanda

  22. Olá, Pessoal. Boa tarde!

    Demorei um pouco para escrever aqui. Os últimos dias foram intensos. Acho que agora estou preparada para compartilhar com vocês a nossa história. Meu primo, Lu (25 anos), sofreu um acidente de moto na primeira semana de agosto/14. No início, muitas incertezas e perspectivas pessimistas de médicos e até de algumas pessoas próximas. O Lu teve TCE com lesão axonal difusa, costelas quebradas, baço perfurado, externo quebrado e (o que descobrimos de verdade ha pouco tempo) lesão do plexo braquial esquerdo. Os primeiros dias, os primeiros diagnósticos… vocês bem sabem. Mas o Lu surpreendeu a todos e aos médicos também. Em uma semana tiraram ele do coma induzido. Ele demorou alguns dias para dar algum sinal, mas começou a movimentar a perna e o braço direito. Em uma das visitas, ainda no CTI, o médico pediu para eu perguntar se ele estava me sentindo ali e, se sim, que fizesse um sinal com a mão. E ele deu um tchauzinho tímido, mas se comunicou. Foi uma emoção sem igual. De lá para cá, outras evoluções. Ele saiu do CTI com 17 dias. Neste mesmo dia despertou, abriu os olhos e parecia acompanhar a gente. No quarto, muitas evoluções. Tirou a traqueo, a sonda nasogástrica, começou a se alimentar pela boca (pastoso, à principio). Nessa época ainda não estava andando, não sustentava seu corpo sozinho e não falava nada.

    Então ele foi para casa, com menos de 30 dias de hospital. E as evoluções têm sido ainda mais incríveis. Hoje, 43 dias após o acidente, o Lu esta falando (e muito!). Faz piadas, dá risada, reconhece quase todo mundo. Lembra dos amigos, das histórias de infância, das relações. Ainda apresenta algumas dificuldades cognitivas, mas temos certeza que é só questão de tempo. Esta praticamente andando sozinho. Se segura na gente apenas em pequenos momentos de desequilíbrio. Já come de tudo, sozinho. O braço esquerdo vai passar por cirurgia. Ele segue com fisio e fono, além de acompanhamento com psicólogos e neurologistas.

    Queria muito contar a história dele aqui. Venho acompanhando todo mundo que escreve no blog e já me sinto parte da vida de vocês. Foi aqui que busquei força e informações para poder ajudar da melhor maneira possível. Sei que o Lu esta muito bem graças ao nosso Deus. Mas, sem dúvida, cada dica que absorvi desse blog ajudou e continuará me ajudando a contribuir com a recuperação dele.

    Tenho estudado e pesquisado muito sobre TCE, LAD… espero poder contribuir um pouquinho com vocês aqui também. Beijos no coração de cada um!

    • OI PRI….

      Fiquei muito feliz qdo li da rápida e ótima recuperação que seu primo Lu vem apresentando e qdo vc citou o quanto o Blog ajudou vcs… Saber disso me motiva cada vez mais manter esse Blog e é esse o objetivo: ajudar as pessoas, dar algumas dicas, todos trocarem experiências, buscar força e esperança, etc. Que bom que vc estava aqui há dias lendo tudo e depois veio compartilhar conosco a história do seu primo para que ela tb ajude outras pessoas… Obrigada, viu?
      Eu tb tive um TCE, meu depoimento é o primeiro daqui, não sei se vc leu… A caminhada da recuperação é longa, mas acontece!!!!!!

      Vc disse que está lendo muito sobre TCE, LAD, etc.. Se vc quiser nos dar algumas dicas do que tem lido, seria ótimo tb. Qualquer informação sempre é muito bem vinda….

      Nos mantenha informados sobre o Lu… Ele tb está nas minhas orações.
      Muita força, fé, paciência, amor e perseverança nesta caminha!!!
      O.B.S.: Se puder, deixe seu e-mail na próxima vez que escrever aqui…

      Grande beijo,
      Fernanda

    • Oi Pri, meu nome é Igor, meu irmão sofreu um grave acidente de carro no dia 11/09/204, teve uma lesão axonal difusa e ainda está em coma, hoje fazem 17 dias. Confiamos muito na recuperação dele, cremos que Deus manteve ele vivo por um grande propósito. Claro que o medo é muito grande, mas temos que ter fé. Meu irmão abre os olhos as vezes, tem estímulos de dor e mexe braço e perna quando estimulado a dor. Mas isso não é sempre, só as vezes. Estou ansioso para que ele acorde logo do coma e que comece a se recuperar logo. Mas não é fácil, os médicos não passam muita informação… obrigado pelo depoimento e boas melhoras para seu primo já coloquei ele em oração.

  23. Olá, pessoal! Na semana passada, participei do “I Simpósio de Avaliação e Reabilitação Neuropsicológica em Traumatismo Craniencefálico”, onde contei minha história desde o acidente e como me recupero desde então. O vídeo está aqui em http://youtu.be/cYj5DTW9qy4, e faço questão de compartilhar com vocês.

    Também cito no final do vídeo que “… com exceção dos filhos da Liliana, devo ser uma das pessoas do blog que sofreu o acidente há mais tempo…”, mas só depois eu vi que falei bobagem. Tem mais gente aqui que encara essa lesão há muito mais tempo, mas eu sinceramente não me lembrei na hora, me desculpem.

    Bejim no 6

    • FRAN QUERIDO….

      Obrigada por compartilhar esse vídeo com a gente. Muito legal!!!

      Para quem não sabe, eu também estava lá e fui a última a contar a minha história. Preparei tudo pra filmar e qdo comecei e meu marido foi me filmar, infelizmente a bateria da máquina logo acabou, rsrsrs. Por isso, não tenho como tb compartilhar esse momento com vcs. Mas, posso dizer pra todos vcs que foi um Simpósio incrível.
      Como eu tinha postado aqui, foi sexta e sábado e na tarde de sábado foi aberto às vítimas de TCE e seus familiares. Eu, por ser formada na área da saúde, em fonoaudiologia, pude participar de todo o simpósio desde o início e por ter filmado vários outros momentos, não sobrou bateria pra minha vez, rsrs. Sempre que posso participo de cursos sobre TCE para poder entender mais sobre essa lesão cerebral e também poder ajudar cada vez mais vcs que entram aqui…

      Beijo Fran! Vc sabe que sou sua fã!!!! rs
      Fernanda

  24. Olá! Meu nome é Maria tive um AVC em 06/2013, foram meses de desespero em voltar a minha normalidade, parecia que havia um vendaval em minha cabeça, uma tontura constante e até hoje um zumbido irritante, claro que houve outros sintomas como a fala, movimentos,…, mas depois de diversas sessões de fisio, estou muito melhor, conheci pessoas maravilhosas em meu caminho, nesta fase de minha vida, também tive apoio de uma família linda. Voltei para o trabalho este ano , mudei de função, pois sou professora, o médico do trabalho solicitou, que eu fosse trabalhar fora de sala de aula, ou seja , um ambiente mais calmo , mesmo assim lido com estresse com alunos ,fora de sala.Ainda tenho muito medo afinal meu AVC veio antes dos 40 anos,até hoje depois de inúmeros exames, se fala em possíveis causas como anticoncepcional, mas nada provado; mesmo indo em psicóloga e psiquiatra, muitas vezes acordo assustada e me pego com coração acelerado de medo; por mais que tenha fé e seja uma pessoa espiritualizada é difícil depois que se vê tão próximo a morte ainda jovem com filho pequeno. Li vários depoimentos, mas pergunto este medo é “normal”, um dia será que esqueço; este zumbido será que diminui; e esta sensação de vazio em uma parte da cabeça vai passar.
    Abraço para todos!!!

    • OI QUERIDA MARIA…

      Sou a Fernanda, meu depoimento é o primeiro daqui. Eu não tive AVC, tive um TCE com LAD, também muito nova, com 29 anos. Vc perguntou se esse medo que vc sente é normal e se um dia vc esquecerá o que viveu… Acho isso muito pessoal, mas na minha opinião, esquecer nunca! O medo pode diminuir um pouquinho com o passar dos anos, porém acho que um pouco de medo é normal existir, principalmente considerando o que vc viveu… O meu acidente tem 7 anos e 7 meses e eu sempre que entro num ônibus, por exemplo, pra viajar (onde não sei quem está dirigindo, se o motorista dormiu bem,etc..) tenho muito medo de acontecer de novo um acidente e eu sofrer tudo que já sofri mais uma vez…. Fiz muita terapia, já melhorei inúmeras coisas, mas isso ainda não passou e não sei se um dia vai passar. O que eu faço é não deixar esse medo me impedir de fazer as coisas, então, eu enfrento. Por exemplo: no dia da viagem tomo algo (prescrito por médico) para me acalmar… Entende o que estou querendo te dizer????
      Todos nós temos medo de algo e nós que chegamos perto da morte vamos ter mais medo de algo e tudo bem, só não acho bom deixar o medo “tomar conta” da nossa vida….
      Seu AVC é muito recente ainda. Eu me lembro que fiquei um pouco mais de 5 anos acordando, de vez em quando, assustada, com uma sensação horrível de lembrar do quanto sofri na UTI….
      Com o tempo as coisas melhoram, acredite!

      Sobre o zumbido e a sensação de vazio na cabeça, eu não sei te dizer… Espero que alguém aqui do Blog saiba te dizer algo sobre isso…

      Muito obrigada por compartilhar sua história conosco.
      Um grande beijo e espero ter ajudado de alguma forma…

      Fernanda

  25. Gente sou irmao da Renata conforme depoimento logo acima, lembram minha irmã teve a bebê teve coágulo na cabeça e pra nossa surpresa ja faz tres dias que esta falando, teve alta da UTI pro quarto, os medicos dizem que foi milagre a recuperaçao está sendo muito rápida, DEUS existe e está entre nós com certeza!!!!

    • OLÁ ENIO!!!!!!!!!!!

      Que notícia maravilhosa!!!!!!!!!!!!!! Nossa, fiquei muito feliz qdo li seu depoimento. E foi antes do aniversário dela, hein? Que bom!!!!

      Muito obrigada por retornar aqui pra nos dar essa bela notícia. Que Deus os abençoe…
      Um bjo pra vc, pra Renata, bebê e pro restante da família…

      E que ela tenha uma excelente recuperação!!!!!!!

      Fernanda

      • Fernando muito obrigado, vc nao imagina o quanto o seu blog nos ajudou a superar esse tempo em que a pessoa esta na UTI quando lia os depoimentos de vitoria de superaçao me sentia muito forte e a Renata está cada dia melhor, nao vai precisar de fisioterapia e nem fono, mas as oraçoes de todos ajudaram e muito, hoje ela está de volta graças a Deus, e feliz da vida por ter superado essa fase dificil da sua vida, meu conselho nunca desistam pois o milagre sempre vem!!!!

  26. Pessoal alguem teve ou tem algum conhecido que teve que fazer traqueostomia? Quanto tempo levou para retirar? Sei que cada caso é um caso mas preciso muito neste momento saber da experiência de vocês a respeito da deglutiçâo que foi afetada.

    • Oi “Anônimo”! Eu acho que aqui você pode escolher: provavelmente todo mundo que sofreu um TCE grave acabou passando por uma traqueostomia. No meu caso, levei cerca de dois anos para me livrar da prótese, pois sofri uma estenose traqueal; entretanto, isso não é regra e tem gente que se livra dela em pouco tempo.

      Quanto à deglutição, não se preocupe: a traqueostomia é realizada na traqueia, e a comida desce pelo esôfago. Não há qualquer dificuldade.

    • Anônimo, o que o Fran falou é o correto, o meu filho fez e ficou 3meses depois desmamaram durante uma semana e retiraram, lembro que na epoca ele se alimentava na GTT, tenha fé que ele vai melhorar, abraços

  27. Oi fiquei muito feliz ao ler os depoimentos e quero dizer que para Deus nada é impossivel!!! Estou passando por uma fase dificil, minha irmã Renata no dia 19 de agosto de 2014 teve uma bebe linda, forte, saudável, nasceu atraves de cesária. No outro dia ainda no hospital ao ter alta medica foi tomar banho e ao voltar sentiu uma dor de cabeça muito forte, e teve que ir pra cidade vizinha onde passou por uma cirurgia na cabeça (constataram um coágulo entre o cérebro e o cranio) Ficamos desesperados mas apegamos em Deus e na fé pra passarmos esse momento tao dificil pois a Renata teve seu pré-natal perfeito, tudo estava normal, inclusive a visitamos no mesmo dia que ela teve a bebê, a parte da cirugia correu tudo bem, hoje ja faz 12 dias que ela encontra-se na UTI e qdo os medicos tentam tirar a sedaçao ela volta muito nervosa, agitada, fizeram uma resonancia e nada constou e agora vao fazer uma tomografia. Nesses dias a filha dela que é muito linda e saudavel esta sendo cuidada por minha mae e minhas irmãs, a qual damos todo carinho e atençao, acho que ela veio pra salvar a Renata sua mae pois se ela tivesse tido essa dor de cabeça em casa talvez nao teria dado tempo de ir pro hospital. Estamos em oraçao e gostaria de pedir a todos que orem por ela ainda se encontra na UTI e estamos rezando pra que ela volte sem sequelas, proxima segunda dia 08 de setembro é aniversario dela, tomara que ela já esteja acordada, pronta pra voltar pra gente e pra sua filha a qual ela tanto esperou. Muito dificil lembrar que minha irmã aquela pessoa forte, saudavel está pssando por tudo isso mas pra Deus tudo é possivel e estamos ansiosos esperando pela recuperaçao dela!!!!!!!!!!!

  28. Boa noite Fernanda,
    Meu irmão Fernando, sofreu um atropelamento em outubro de 2012, ele teve um TCE Grave, com LAD, concussão e estiramento do terceiro par, ficou com uma Hemiparesia do lado esquerdo. Ele teve tbém uma infecção hospitalar grave,onde demorou a ter alta, mas que graças a Deus apesar dos riscos que teve de morte, ele havia vencido mais esta batalha. Eu tenho acompanhado todos os passos dele, sou eu que levo ao médico, pois minha mãe já estava vindo de um quadro depressivo mais medicada, não achei que ela fosse dar conta e então resolvi assumir esta condição. Minha cidade ela não tem um suporte adequado para quem sofre este tipo de lesão, as famílias saem com apenas contato de profissionais como fono, fisio tudo particular, e partindo para o público deixa muito a desejar apesar de existir um Centro de Reabilitação, tive que ir descobrindo tudo sozinha. Fizemos o tratamento inicial particular, com fono e fisio em casa, com total interação minha e da minha mãe e muito estresse, pq minha família é totalmente sem estrutura emocional, incluindo eu. Graças a Deus o início foi tudo muito recorde, nós conseguimos ajudá-lo a andar, a comer sozinho. Em outubro agora vai fazer dois anos do acidente dele. Ele toma banho sozinho, joga baralho com minha mãe, mas como anteriormente ele já era meio rude com ele mesmo, reservado demais, introvertido, muito tímido, respondão em casa. Tudo isso se potencializou de uma forma incontrolável. Ele é agressivo, muito agressivo comigo e sempre pede para morrer. Eu choro muito, fui diagnosticada com depressão tbém. Faço tratamento com ele com Neurologista particular e uma psíquiatra que a cada dois meses faz alteração na medicação dele e como ela mesmo diz, ele vê a vida de uma maneira muito nublada. Ele faz fisioterapia em casa, pois aquele Centro de reabilitação que é do Governo do estado de SC dispensou ele na primeira de sessão dizendo que ele era queixoso de dor e que ele já estava reabilitado. Reclamei e lutei para que pudessem trocar a Fisioterapeuta dele e ele pudesse ter um tratamento mais digno. Então como ele foi aposentado, considerado incapaz pela justiça, eu fiquei ainda mais triste e me sentindo frustada com tudo isso. Ele hj tem um fisioterapeuta que vem em casa duas vezes por semana e eu escrevi ele um programa de uma faculdade que tem próximo a minha casa que oferecem fisioterapia, ainda não chamaram ele e tbém escrevi ele no Centro de reabilitação para começar a terapia ocupacional. Foi uma luta para fazer a minha mãe entender que ele tinha que fazer as tarefas dele sozinho, como colocar roupa, servir o próprio café, até hj vejo ela fazendo isso para ele e quando ele está somente comigo alguma vezes ele até me pede ajuda, mas eu digo a ele vc consegue, vc já sabe, As vezes ele me xinga e outras ele concorda. Eu só estou preocupada é que nesta última semana, ele fez xixi na cama 4 vezes seguidas, e minha mãe não entende e grita com ele, eu fico nervosa, pois tenho medo de acontecer algo com ele, pois ele fica extremamente nervoso. Me dói ver ele assim, apesar que sou grata a Deus, de ter devolvido o meu irmão para a vida e dar uma segunda chance para ele. Mas ele diariamente pede para morrer, e isso me corta o coração, as vezes penso que tudo isso poderia ter acontecido comigo e não com ele que já tinha uma vida triste. Um grande beijo. É só um desabafo mesmo!

    • CRISTINA QUERIDA….

      Mesmo sendo só um desabafo seu (como vc disse), quero te dizer que sei como tudo isso é muito difícil para seu irmão e pra vcs da família…

      Normalmente acontece isso, algumas características da pessoa se potencializam após a lesão cerebral… Outras vezes, acontece o contrário. Já conheci pessoas que eram muito nervosas e ficaram mais calmas, etc. Mas, na grande maioria dos casos que conheço, muitas características (como a pessoa ser nervosa, impaciente, ansiosa, etc.) se intensificam e tudo fica mais difícil…

      Vc disse que seu irmão já é acompanhado por neurologista e psiquiatra, o que é excelente. A medicação é fundamental nesses casos. A medicação, como antidepressivo, regulador de humor, “ansiedada” ou outros, demoram um tempo pra fazer efeito. É bom esperar mais de 1 mês pra ter certeza que não está funcionando. Tô falando isso pela minha experiência apenas, tá? Talvez tentar uma segunda opinião de neurologista ou psiquiatra pra esta questão da medicação… O que vc acha? Vc disse que sua cidade não tem muita estrutura pra quem sofre esse tipo de lesão, então aí não tem neuropsicólogo??? Seria muito bom o Fernando ser atendido por um neuropsicólogo tb para ajudá-lo a lidar com suas dificuldades, sabe?
      E psicólogo, vc acha que ele aceitaria fazer? Não sei, tô pensando em coisas que foram excelentes e muito importantes pra minha recuperação e sei que ajudam tb muitas outras pessoas. Sei que muitas vezes não tem esses tratamentos gratuitos ou por convênio e aí acaba ficando tudo caro….

      Quanto à aposentadoria, não sofra por isso tb. Pense que agora foi a melhor coisa que podia ter acontecido depois desse atropelamento. Muita gente precisa se aposentar e não consegue. Pelo menos é uma ajuda financeira que é justo ele ter…. E isso não significa que ele nunca mais possa fazer algo que o deixe feliz e se um dia ele tiver condições de trabalhar, ele pode “abrir mão” da aposentadoria… Pense nisso…
      E além disso, não tem nem 2 anos que o Fernando teve o TCE, ele ainda pode melhorar muita coisa, é recente pensando em TCE. Não desanimem, continuem lutando, a caminhada da recuperação é longa mesmo e difícil, exige muita paciência, determinação, fé..

      Um grande beijo e se precisar de algo que possamos ajudar aqui no Blog, escreva aqui….
      Fiquem com Deus,
      Fernanda

      • Fernanda Amada,

        Desculpa a demora em responder. Sou irmã do Fernando, como vc mesmo disse, eu fui procurar informações com a neurologista dele sobre a neuropsicologia, como ele está ainda ajustando a medicação para melhorar o auto estima dele, diminuir a agressividade e o humor. Obtive duas opiniões iguais que no caso dele é necessário ajustar a medicação primeiro para seguir com outras terapias. Mas já falei com uma amiga minha que é psicóloga, ela me indicou uma especialista em neuropsicologia. Como eu tenho percebido que no caso do meu irmão desacelerou o processo de progresso referente a recuperação, mesmo assim, eu noto sutis melhoras dele, Estou muito atenta, nas manias dele, ele ás vezes se passa, e eu lembro ele, que ele consegue controlar esse tipo de situação e ele anda concordando comigo, coisa muito rara, pq sou irmã caçula e ele já era machista rsrsr, para ele é muito difícil acatar uma opinião minha que ele já pensa que é ordem, já era assim antes. Mas hj em especial foi um dia muito agradável, pois meu irmão conseguiu manter um diálogo comigo, sem me chamar de chata ou me mandar calar a boca srsrs que eu acho que ele já me chamou de chata umas cem mil vezes nesses quase dois anos do acidente. Aliás, chata, foi a primeira coisa que ele disse para mim, quando tiraram a traqueo rsrs que a enfermira perguntou a ele: Fernando, vc sabe quem é ela, ele disse bem baixinho, chata, chatinha rsrsrs, nunca me senti tão feliz de ser chamada de chata. Te agradeço, seu blog é uma dádiva, poder uma experiência como essa, me fez acreditar que algum dia, vou consegui convencer meu irmão a escrever aqui um dia. Muito Obrigada.

  29. Meu filho chama_se. Rafael Andrade, 20 anos, sofreu um um acidente no mes de maio(Tce, trauma de torax, com hemotorax, e pneumototax, fraturas de todas as costelas do lado E, clavicula, lesao de plexo braquial. Ficou 38 dias de hospital sendo 26 dias de uti. Ele veio para casa sonda nasoenteral, traqueostomia, fraldas, confuso. Mais ja esta falando, tirou a traqueo, comendo pela boca, ainda falta andar, gostaria de me inserir nesse blog e receber apoio, ajuda_ me pir favor. Sou enfermeira, mesmo assim aceito ajuda, abracos a tds, obrigada. Estava voltando do horario de almoco, trabalahador, honesto, batalhador, uma fatalidade.

    • Oi Sandra tudo bom?
      Meu nome é Vinicius e tambem tive um TCE quando tinha 21 anos hj tenho 26 e trabalho, faço academia, danço e posso dirigir apesar de evitar. Indico a Central da fisioterapia onde fiz fisioterapia com Rodrigo Fermino Peres o fisioterapeuta chefe, ele me colocou p andar mto rapido. Moro em São Paulo e acredito que ele atenda aqui tbm, entre em contato.

    • Sandra, como pode ter lido aqui no blog, hoje tenhu 26 anos e sofri um acidente com 22, trinquei 3 vertebras,sai do acidente já em coma e continuei em coma por 1 mes, sendo um coma grave grau 3 na escala de glaslow, tive as mesmas dificuldades e utilizei sondas, fiz traqueo também e fiquei confusa, parecendo uma boba falando coisas sem nexo por 2 anos após o acidente, mas queria frizar mais uma vez que a recuperação demora! e muito! agora após 4 anos do meu acidnete que me considero digamos normal, é necessária muita paciencia.. Com o tempo, surgem as dificuldades.. estou me tratando até hoje, mas estou bem melhor.. por isso digo que é longo o tratamento.. fico feliz por ele já estar em casa! bjus

    • OLÁ SANDRA ANDRADE….

      Seja bem vinda ao Blog. O que aconteceu com seu filho foi muito parecido comigo. Eu, com 29 anos, sofri um acidente de carro e tive um politraumatismo grave com TCE (LAD), trauma de tórax, pneumotórax de uma lado, hemotórax de outro, quebrei todas as costelas do lado esquerdo com exceção de uma flutuante, etc. Meu depoimento é o primeiro daqui, não sei se vc leu… Eu tb fiquei em coma, fiz traqueo, usei fralda por um tempo, mas hj, estou muito bem. (Leia meu depoimento se puder).

      No Blog vc poderá ler várias histórias e trocar muitas informações e experiências. Nas sessões acima como “ESTRATÉGIAS ÚTEIS”, “INFORMAÇÕES IMPORTANTES”, “LOCAIS PARA TRATAMENTOS”, vc terá muitas informações que podem te ajudar…

      Com o tempo, vão surgir dúvidas e vc pode escrever aqui que iremos te ajudar no que for possível…
      Seu filho é novo e o acidente é muito recente. Tente ter calma…. Nos mande notícias do Rafael… Onde vcs moram???

      Ele está em minhas orações. Fé, força e paciência… Que Deus abençoe vcs nessa caminhada…

      Beijo grande,
      Fernanda

  30. Olá gente, meu nome é Stefânia e vim aqui contar a historia do meu irmão para vocês. A exatamente dois meses recebia uma noticia que mudou completamente a minha vida e de toda minha família. No dia 21/06 meu irmão de 17 anos e meu primo sofreram um grave acidente de moto, o qual eles colidiram com um poste de luz e infelizmente o meu primo morreu na hora. O acidente aconteceu em uma cidade no interior de Minas Gerais, onde meus pais e meu irmão haviam ido passar o final de semana na casa da minha tinha, mãe do meu primo. Meu irmão foi levado para o hospital de Ponte Nova e lá os médicos falaram que ele havia sofrido um Traumatismo Craniano Encefálico (TCE) com lesão axonal difusa (LAD) e que devido à forte pancada na cabeça o cérebro dele inchou e que por isso ele estava em coma induzido até o cérebro parar de inchar. Ele ficou em como durante aproximadamente sete dias e depois os médicos foram tirando os sedativos aos poucos. pois ele estava muito agitado. Quando ele saiu do coma induzido, ele abria os olhos e fazia alguns movimentos com os braços e pernas, mas nada consciente. Os médicos falavam que apesar da lesão ter sido seria, eles não poderiam falar de sequelas, porque ainda era muito cedo… Depois de 18 dias no CTI o Douglas teve alta para o quarto. Como moramos em Belo Horizonte, resolvemos transferi-lo de hospital, pois acreditávamos que poderíamos leva-lo para um hospital mais equipado, o que poderia ajudar na recuperação dele, apesar dele ter sido muito bem cuidado em Ponte Nova. Quando minha mãe chegou com ele no hospital de BH, aonde havíamos conseguido uma vaga, a medica que os recebeu falou que não sabia onde coloca-lo, perguntou se minha mãe estava ciente do que tinha acontecido com ele e que devido à lesão que ele teve, provavelmente ele ficaria assim para sempre (ele só abria os olhos). Foi um choque para minha mãe, porque até então nenhum medico tinha dado um diagnostico preciso do que tinha acontecido com ele. Esta medica então chamou outro medico que ao olhar pra ele só disse uma palavra, sequela. Eles disseram que a única coisa que poderiam fazer era tratar da pneumonia dele. Imaginem só como minha mãe ficou durante a conversa com esta medica ela disse que tinha fé na recuperação dele e a medica respondeu que no hospital eles não trabalhavam com fé. Pronto, isto foi à gota d’água pra desestabilizar completamente minha mãe, quando eu fui visita-los ela só chorava e ela até pensou em voltar pra Ponte Nova. Mas falei pra ela se apegar ao que os outros médicos haviam falado pra gente e esquecer tudo o que os médicos de BH haviam falado. Fui embora arrasada e assim que cheguei em casa comecei a pesquisar sobre a lesão que ele havia sofrido e foi quando achei este blog. Gente vocês não imaginam o alivio que me deu ao ler todos estes depoimentos, ver historias tão parecidas com a que estávamos passando nos deu forças pra enfrentar tudo o que estava por vir. Ao decorrer dos dias, o Douglas começou a movimentar o braço e a perna direita, o seu olhar já não estava mais parado, ele conseguia acompanhar os sons que escutava. Mas ainda não estava consciente. Até que um dia quando estava conversando com ele, ele começou a chorar. Chamei a medica e ela falou que isso era normal do quadro dele, bem como alguns tremores que ele tinha no braço e na cabeça. Preferimos acreditar que era uma reação dele. E a cada mínima reação que ele tinha, nos enchia de alegria, pois sabíamos que ele estava lutando para se recuperar. Depois de menos de um mês neste hospital a medica deu alta para ele e falou que poderíamos leva-lo para casa. Como ele estava se alimentando por sonda e estava com traqueostomia, ficamos um pouco inseguros de leva-lo para casa e achamos melhor coloca-lo em uma clinica de reabilitação. Hoje o Douglas já está consciente, se comunica com a gente através de sinais, está desenhando e a três dias começou a pedir agua e comida. Rs. É impressionante a evolução dele, ele está começando a firmar mais o corpo e quando senta na cadeira de rodas já consegue firmar o pescoço. Ele movimenta muito pouco o lado esquerdo, mas sabemos que isto é apenas momentâneo. Enfim gente são dois meses de muita luta, fé e esperança. Venho aqui pra agradecer a todos que deixaram o seu depoimento, pois foram à palavra de cada um de vocês e a nossa fé que nos fez ter esperanças pra lutar junto com o Douglas. Fernanda muito obrigada pela sua iniciativa e tenho certeza que você fez e ainda fará à diferença em muitas vidas, assim como fez na minha e de toda a minha família. Queria pedir para que as pessoas que estão passando pelo mesmo que a gente pra nunca desanimar, pois tudo dará certo. Um beijo grande em cada um de vocês.

    • Stefania, havia escrito para voce, mas por algum problema do meu note não foi enviado, fico muito feliz por não terem acreditado no que oe médicos disseram, Os médicos disseram a minha mãe que eu ficaria em estado vegetativo para sempre.. mas sai do coma após 1 mes, não mexia o lado esquerdo do corpo, tirei a traqueo e não sabia falar, escrever mastigar, voltei a ser uma criança, tive que reaprender tudo com fisioterapia e fonoaudiologia e hoje após 4 anos me julgo como dizem uma pessoa normal, fisicamente normal mas psicologicamente com algumas sequelas ainda, que não tem cura infelizmente. SEMPRE lute pelo que acredita e pelo bem, tudo demora infelizmente muito, mas as coisas se acertam! voce vai ver! espero melhoras a todos pois esse acidente não afeta somente a pessoa mas a familia toda também.
      bjos

      • Olá Bruna, muito obrigada pelo carinho e preocupação! Graças a Deus o Douglas está cada dia melhor… Temos a certeza que é a nossa fé e a força de vontade do Douglas em voltar a ter uma vida ativa é que está nos ajudando a cada dia! Sempre li seu depoimento varias vezes, porque as reações do Douglas foram bem parecidas com a sua, inclusive mostrei para minha mãe. Muito obrigada mesmo.. indiretamente você nos ajudou muito!

    • STEFÂNIA QUERIDA….

      Fico feliz em saber que ser irmão está se recuperando e tb em saber que este Blog te ajudou e deu mais esperança pra vc e sua família… Que Bom, é esse o maior objetivo do Blog. E obrigada por também compartilhar a história do seu irmão com a gente, pois ela também poderá ajudar outras pessoas….
      Infelizmente, muitos médicos não sabem lidar com essa situação e como o paciente normalmente chega no hospital em estado grave, a maioria só dizem o pior… Minha família passou por isso também e eu me recuperei muito bem, apesar de todas as “previsões” ruins….

      Dia 21/09 ainda fará 3 meses do acidente do seu irmão. Tudo é muito recente, ele ainda vai melhorar bastante. Com o tempo, podem surgir algumas dúvidas e estaremos aqui pra ajudar no que for possível, viu?

      A caminhada da reabilitação é longo. Não desanimem. Tenham muita força, fé, persistência, amor, dedicação…. A melhora vai acontecer!!!! E estimulem sempre o Douglas com ajuda dos profissionais…. Vcs estão no caminho certo…

      Tudo de bom pro seu irmão, pra vc e sua família. Manda um bjo também na sua Mãe por mim e diz que ela está certinha em ter fé na recuperação do Douglas, a “fé move montanhas”, rsrs.

      Grande beijo,
      Fernanda

      • Obrigada pela resposta Fernanda. Não vamos desanimar jamais.. cada sorriso do Douglas e cada avanço que ele tem, nos dá mais força e animo pra continuar lutando. Graças a Deus ele já está comendo de tudo. Já está conversando bem, inclusive ele tampa a traquio para se comunicar com a gente, mas ainda tem um pouco de dificuldade de respirar sozinho e por isso ainda esta com ela. Já está movimentando muito bem o lado esquerdo, inclusive já vai andando para o banheiro na hora de tomar banho. Vamos continuar lutando e pode ter certeza que sempre voltarei aqui para tirar duvidas e também para contar novidades do quadro dele.

        Muito obrigada pela atenção e pelo carinho.
        Não sei se você tem noção do quanto que a sua iniciativa em criar o blog e mante-lo, é extremamente importante pra gente!
        Beijo grande!

  31. Ola, Pessoal
    Boa Tarde!
    Meu nome é Joyce, Em breve estarei compartilhando minha historia com vocês!, mas desde já quero agradecer pelos comentários de suas vidas pessoais pois me foram de grande ajuda, pois ate Então me sentia como se fosse a unica deste mundo a sofre com as sequelas de um TCE.

    Att,
    Joyce Santos

    • JOYCE QUERIDA…

      Que bom que o Blog te ajudou, fico muito feliz em saber disso. Como vc pôde ver, tem muita gente, muito mais que a gente imagina, “sofrendo” as sequelas de um TCE…
      Nos conte sim sua história, pois com certeza, ela poderá ajudar outras pessoas… Aguardo vc!!!!!!!!

      Um grande bjo,
      Fernanda

  32. Aneurisma Cerebral (Embolização)

    Em maio de 2013, quando terminei de fazer uma caminhada, sentei para descansar para o banho então percebi que estava escutando no ouvido esquerdo uma pulsação. Era como se o meu coração estivesse pulsando no ouvido.
    Procurei de imediato um neurologista, o qual me mandou para um otorrino, no entanto os exames nada acusaram. Mesmo não sentindo mais as pulsações, resolvi investigar, porque pra mim tinha algo errado na minha cabeça, queria saber o porquê havia sentindo aquilo.
    Resolvi no mês de dezembro de 2013 procurar outro neurologista onde falou que provavelmente eu era uma pessoa muito sensível, por isso escutava o coração pulsar, mesmo assim insisti que pedisse um exame mais detalhado pra ver o que realmente tinha, assim ele o fez , passou os exames mas o plano de saúde não autorizou.
    Procurei outro neurologista no mês de abril de 2014, a Drª Luísa Adelaide, (um anjo ) uma pessoa fora de série, atenciosa, prestativa e sem sombra de duvida uma profissional nota 1000, contei-lhe tudo o que havia acontecido. A mesma pediu uma angio-ressonancia magnética dos vasos intracranianos arteriais. Através desse exame detectou a presença de um aneurisma sacular medindo 13,7 x 7,8 mm e com o colo medindo 4,6mm, que estava localizado na parede medial da carótida interna esquerda. A Drª me explicou como proceder, falou que o primeiro procedimento seria fazer o exame angiografia cerebral dos 4 vasos. Confesso que fiquei sem chão.
    Ela ia me indicar uma pessoa que confiava bastante para realizar esse procedimento por ser uma pessoa muito humana e que pensa em primeiro lugar fazer o melhor para o bem estar do paciente, Dr. Marcos Barbosa Neurorradiologista Intervencionista (Cirurgia Endovascular). Fui até ele e o mesmo realizou o exame através de punção percutânea da artéria femoral comum direita com cateterismo seletivo das carótidas e das vertebrais. Procedimento realizado sem qualquer tipo de dor.
    Após a realização do exame o Dr. Marcos se reuniu com a Drª Luísa Adelaide para decidir qual o melhor procedimento se a cirurgia convencional (Abrindo a cabeça), ou a embolização. Decidiram então o que fosse o melhor pra mim, a embolização. E assim foi feita a embolização. A cirurgia aconteceu no dia 09 de maio de 2014 no Hospital Esperança. Já era noite quando ele começou o procedimento e notou que o aneurisma estava maior que mostrava os exames, o risco era maior foi uma surpresa para todos.
    Mesmo com esse detalhe a cirurgia foi um sucesso. Não tenho a menor dúvida que o meu DEUS usou esse anjo chamado Dr. Marcos como instrumento para realizar a minha cirurgia. Em momento nenhum me desesperei, pois o Dr. Marcos Barbosa e sua equipe me proporcionaram muita segurança, esclarecimentos e cuidados, foram maravilhosos comigo, dando-me toda a assistência possível.
    Agradeço a DEUS porque creio que Ele tomou conta da minha vida colocando esses dois grandes profissionais tão competentes, pacientes e atenciosos pra me ajudar a trazer a minha vida de volta que estava prestes a acabar.
    Hoje, 09 de agosto de 2014, após três meses, fiz uma nova angiografia de controle para acompanhar e avaliar o comportamento do aneurisma embolizado. E graças a DEUS está tudo bem, estou curada. Meu DEUS jamais faz sua obra pela metade. Só daqui a um ano é que vou fazer outra angiografia.
    Não posso deixar de agradecer a Drª Lígia Galvão minha anestesista, que com certeza foi outro anjo que DEUS escolheu pra me ajudar e também parabenizar o Hospital Esperança pela cortesia, delicadeza, assistência, cuidados e competência dos seus profissionais.
    Obrigada por tudo Dr. Marcos Barbosa a sua competência, seu profissionalismo e acima de tudo pelo ser humano que tu és. Além de ser um ser especial, é também o meu anjo da guarda! Adoro esse anjo! Que Deus permaneça lhe abençoando e que muitos possam ter a oportunidade de ser acompanhado pelo senhor. Desejo tudo de bom!
    SEVERINA LÚCIA MENDONÇA

    • SILVIA OU SEVERINA LÚCIA MENDONÇA……

      Sou a Fernanda (meu depoimento é o primeiro daqui). Desculpa, mas não entendi quem teve o aneurisma e contou a história, pois acima o nome está como “Silvia” e no fim do texto está escrito Severina…

      Mas, o importante é que quero agradecer a você quem escreveu sua história aqui e compartilhou toda essa luta e persistência conosco. Além disso, o que vc viveu e nos contou aqui pode servir de alerta pra muita gente….
      É de admirar sua persistência na procura de vários médicos até encontrar um que realmente ouviu com atenção suas queixas e angústias e pesquisou com todo o cuidado o que vc tinha… Se vc tivesse desistido nas primeiras consultas médicas, vc talvez não estaria aqui pra nos contar tudo isso e toda sua vitória. PARABÉNS pela pessoa quem vc é e PARABÉNS pelo belo “fim” dessa história, pois com certeza, vc tb foi responsável para que tudo tivesse esse final feliz. E muito bonito vc fazer esta “homenagem” e agradecer citando os nomes dos médicos e hospital que te acolheram tão bem. Esses profissionais realmente merecem toda admiração e gratidão. Muito bom saber que ainda tem tantas pessoas boas e profissionais humanos preocupados com o próximo, né?

      Tudo de bom pra vc e que Deus continue te abençoando
      Um grande beijo,
      Fernanda

      • Fernanda
        Desculpa por ter causado essa confusão com o meu nome. Meu nome é Severina Lúcia Mendonça e Silvia é meu apelido.
        Fico feliz por ter compartilhado minha historia com todos vocês. E agradeço pelas palavras tão carinhosas.
        Beijos!!!

  33. Olá! Fernanda, Bruna e demais membros do blog, que Deus abençoe a todos. Sempre que surge uma dúvida em relação ao tratamento de minha mãe eu procuro tirá-la aqui, graças a Deus posso contar com vocês que estão sempre dando atenção e carinho a todos nesse momento tão difícil. Minha mãe não está mais no hospital, agora esta em uma clínica, lá ela tem acompanhamento de médico, enfermeira, fonoaudióloga e fisioterapeuta. Já esta até movimentando a perna esquerda e um pouco a mão. (estava sem movimentar este lado). Na clínica a visita é de apenas uma hora, temos pouco tempo pra ajudar na estimulação, mas durante este tempo percebemos que minha mãe conhece as pessoas, interage e obedece a comandos simples. (pisca os olhos, aperta minha mão, pega no meu cabelo, na minha boca, no meu nariz, etc). Já esta até dando joia quando quer dizer sim e balançando o dedo quando quer dizer não. Mas ultimamente na hora da visita ela dorme muito, um sono tão profundo, as vezes ela acorda interage com conosco e depois dorme rapidamente. A visita é logo após os exercícios de fisioterapia, do banho, sei que isso a deixa mais cansada, mas acho que ela precisava ser mais estimulada. Ela conseguiu arrancar a sonda e isso faz com que tenham que prender a mão dela, estou preocupada pois acho que ela tem muito a mostrar e não está sendo estimulada o bastante. Minha dúvida é: qual o momento certo de começar um trabalho com terapeuta ocupacional?
    Lembrando que ela ainda esta traqueostomizada, e com sonda nasogástrica. Esta semana será feita uma videoendoscopia da deglutição, espero em Deus que os resultados sejam satisfatórios. Obrigada pessoal, aguardo resposta.

    • Rosane muito bom saber que sua mãe está melhor.. quanto ao sono excessivo é normal.. eu dormia umas 20 horas por dia no principio.. quando dormimos nosso cérebro vai guardando as novas informações, podem ser velhas mas para ele são novas, nos tornamos como crianças que devem dormir bastante para assimilaram tudo que aprenderam.. eu diferente de outras pessoas não tive terapeuta ocupacional.. e mais uma vez friso tudo é lento.. demorado.. eu levei 4 anos para ficar me comunicando com raciocínio.. paciência é o que terá de ter.. espero que consiga o que precisar aqui no blog, tanto de mim quanto de todos que participam!
      As informações de cada pessoa serão importantes! cada uma vive, viveu ou conhece alguém que viva isso. bjus

  34. Oi!!!!!meu nome é Jorcelilian lemos tenho 31 anos e dia 17 de maio de 2014,sofri uma queda de um móvel, cai de cabeça e fiquei desacordada , fui socorrida por familiares, pois se esperassem ambulância eu não teria resistido. A queda foi por volta das 11:00 da manha e fui acordar por volta das 15:00 ,quando acordei percebi que eu não conseguia movimentar minha cabeça, não conseguia falar, sentia minha língua dormente , dentro da minha cabeça pulsava , parecia que ia explodir uma sensação terrível ,conseguia movimentar os olhos e ouvia um barulho alto , era do aparelho que estava monitorando os batimentos cardíacos , e eu estava com ajuda de uma mascara de oxigênio , fui transferida de hospital , com suspeita de TCE e lesão na coluna, fiz tomografia que não acusou nada , além de uma concussão , tomei uma medicação na veia e fui liberada no mesmo dia pra voltar pra casa, andando com uma leve dificuldade, e uma forte dor de cabeça, mas nada perto do que todos que me viram esperavam , todos me olhavam como se estivessem vendo um fantasma, o medico entregou uma folha pra meu esposo, mas quem tinha condições mentais de ler aquilo?????Aquilo , eram recomendações do que poderia vir a acontecer e quais os cuidados a ser tomados . Voltei pra casa e só queria dormir, mas como ninguém acreditava que eu estava viva , todos familiares amigos tinham que me ver . Depois que foram embora dormi , dormi a noite toda, acordei no outro dia com uma dor de cabeça insuportável, mal consegui abrir os olhos, eu não sabia onde eu estava, quem era aquele homem que estava falando comigo, e era meu esposo, não conseguia andar direito , e nem falava ,era como se meu lado esquerdo do corpo estivesse paralisando , tive perda total de memoria chegando ao ponto de não distinguir que shampoo era pra lavar o cabelo e não pra comer, tive perda parcial de visão , entre outras coisas , dia 17 de agosto faz 3 meses que minha vida mudou radicalmente , as vezes acho que estou tendo um pesadelo, não durmo mais como dormia antes , só começo a ter sono depois das 3 da manha, acordo com dor de cabeça insuportável, e tenho tido uma agressividade que até então era desconhecida por meus familiares, eles dizem que meu diferencial era ser tão carinhosa ,tranquila , ativa, mas agressiva nunca, percebo que estou fazendo alguma coisa estranha quando um dos meus 3 filhos me olha diferente, Nossa esqueci até dos meus filhos , e olha que eles estão me ajudando muito nesta recuperação, hoje já consigo ter esta noção . Perdi totalmente a noção do que é certo ou errado , as vezes me sinto fria, sem sentimentos, hoje vejo fotos ou vídeos de acidentes e não me abalo em nada , meu esposo me diz que antes eu não gostava nem de ouvir falar . Estou progredindo rápido e sei que Deus tem um proposito em tudo isto, o que me mantem confiante é a minha fé .Abraços pra vcs!!!!!!!!

    • OLÁ JORCELILIAN….

      Sou a Fernanda. Meu depoimento é o primeiro daqui. Desculpa a demora pra te escrever…
      E pensar que uma “simples” queda pode trazer tantas consequências “graves” e mudar tanto a vida, né? Mas, infelizmente, acontece sim, conheço muitos casos assim, que aparentemente não foram tão trágicos ou graves, mas que trouxeram bastante dificuldade para a vida da pessoa, atrapalhando muito seu dia a dia…

      Se vc entrar aqui na sessão do Blog que se chama “Informações importantes”, vc verá que muitos dos seus sintomas são comuns de um trauma de crânio mesmo (dor de cabeça, alteração no sono, problema na visão, problema de memória, agressividade, etc).

      No seu caso, vc é nova e tudo é MUITO RECENTE! Daqui poucas horas apenas, fará 4 meses que tudo aconteceu. Vc já mencionou que observou algumas melhoras nesse tempo, e vc vai melhorar mais…
      Isso mesmo, não perca a fé…. A caminha para a recuperação pode ser longa e é difícil… É preciso ter paciência, força, perseverança, fé e muita luta. A estimulação e ajuda dos profissionais também são muito importantes, assim como o apoio que vc está tendo da sua família….
      Vc está sendo acompanhada por algum profissional como: neurologista, psiquiatra, neuropsicólogo?????? Onde vcs moram?

      Aguardo notícias…
      Obrigada por compartilhar sua história conosco aqui no Blog.
      Um grande bjo, Fernanda

  35. Boa tarde!

    Há alguns dias atrás solicitei ajuda desse blog, porque meu sobrinho de 15 anos teve politraumatismo com traumatismo craniano, hoje está com 76 dias que aconteceu esse acidente, e está com 16 dias que recebeu alta e está em casa, porém, alimenta com sonda, não fala, não sabemos se enxerga, dorme muito, mas graças à Deus depois que saiu do hospital já começou a recuperar os movimentos, porque não mexia com o braço e perna direita, ele abre apenas o olho direito, o esquerdo ele abre só um pouco.Já iniciou a fisioterapia e está recuperando alguns movimentos, mas fico muito preocupada com a fala e visão, gente o que posso fazer para que ele reaja mais, tudo que perguntamos que sim ou não ele bate com a cabeça, quando falamos Lucas vamos contar, ele vai fazendo com os dedos os números que falamos.

    • Olá Gildete, eu também estava em dúvida pra saber se minha mãe enxergava, ela sofreu tce, segue se recuperando, (depoimento um pouco acima). Pra tirar essa dúvida eu escrevi numa folha com pitoto a frase “mãe pisca”, ela leu e piscou forte. Foi aí que descobri que além de enxergar ela consegue ler, nesta hora é preciso usar toda sua criatividade. Minhã mãe também ainda não fala, mas procuro de todas as formas fazer ela expressar suas vontades.

    • OLÁ GILDETE….

      Vc fez algum teste, como a Rosenéia te orientou acima, para saber se seu sobrinho está enxergando???
      Problemas de fala e visão são “comuns” acontecer após um TCE. E dormir muito também, viu? Ele já foi avaliado com relação a esses aspectos (fala e visão) por algum fonoaudiólogo, neuro e/ou oftalmo?

      Tenha calma Gildete, sei que é muito difícil pedir isso, mas tá tudo muito recente. Vc já deve estar percebendo que aos poucos seu sobrinho vai melhorando algumas “coisinhas”, mas o processo é lento mesmo… Mas, é claro, precisa de ajuda não só da família, mas dos profissionais também…. Vc tá certinha em tirar suas dúvidas aqui…

      Mande notícias….
      Grande beijo,
      Fernanda

  36. Há alguns meses eu estava quase demotivado em minha recuperação, onde eu não via melhoras; e todos viam – me caracterizando por injusto. Estou hoje numa rotina mais caseira e menos hospitalar, ou de tratamento.

    Estou focando em meus dias, mais ons atributos da vida mesmo: social, inntelectual, cultural… Consigo hoje dividir emoção da razão. Sem ser aquele inxensível que havia desaprendido como se chora.

    Estou superando a Disartria. Voltei a cantar no particular, ando lento, mas não uso mais muleta, bengala, andador ou cadeira – todos por mim já usados. O progresso está vindo! Lento, mais está; é mas não é isso o que importa. e sim o fato do ‘cheiro’ de vitória estar reinando em vida.

    Obrigado pela atenção Fernanda.
    E um pedido final: “Não desistam!”
    No final o cansaço e a recuperação são de inenso valor.
    O que ‘redesenha’ nossas vidas são a nossa força de vontade, entusiasmo, E o bom jeito de se passar pelas adversidades., É MUITO INCRÍVEL!

      • Não tem nada que agradecer “Anônimo” (vc não colocou seu nome aqui, rs). Mas é isso mesmo, não devemos desistir de lutar, pois a caminhada é longa, muitas vezes, a MELHORA é lenta, mas ela vem e aí é maravilhoso….

        Forte abraço, Fernanda

  37. Oi Fernanda agora que deu tempo de agradecer voçê e a Bruna pela atenção ….
    Eu estou passando por um momento muito dificil como eu disse meu marido aparentemente não ficou com sequelas mas a mudança dele foi muito grande as vezes penso que estou com outra pessoa . Ele muda de humor muito rapido e as vezes nem sei o que houve pior que eu tambem me esqueço que ele faz isso porque esta doente parece que esta fazendo de propósito bom eu entendo que ele precisa de ajuda mas não sei o que fazer pois ele ta indo no médico e tomando apenas remédio para acalmar não quis mais ir ao psicólogo .Ele não tem amigos ,não se da muito bem com sua família ou seja ficou muito pesado para mim entende pois tenho três filhos ,trabalho e no momento não consigo arrumar tempo para nada.Ele ainda não esta trabalhando pois sente tonturas quando esta em pé e também um cansaço rápido ainda não sei quanto tempo tudo vai demorar.Eu perguntei para o seu médico Neurocirurgião sobre Neuropsicólogo mas ele não me deu nenhum nome eu gostaria de leva-lo para ver se ajuda ele a entender tudo isso que aconteceu ,as vezes eu converso com ele sobre o assunto LAD mas é como se eu estivesse falando de outra pessoa ele não entende .
    Eu sei que diante de tudo que aconteceu e ele está bem, já esta ate dirigindo eu sei que ele teve muita sorte ,acabei de ler o depoimento da Cristina Lopes e seu irmão passou pelo mesma violência que meu marido.Assim que puder dou mais noticias fico muito feliz ver tantas histórias aqui com final feliz e espero também poder chegar lá,bom se você tiver alguma dica de um neuropsicólogo aqui na minha região guara-sp por favor me ajude .
    Um grande abraço

    .

    • Oi, Aparecida!

      Li seu depoimento e me senti a vontade para responder. Contei meu trauma em um post acima,já fazem 20 anos,atualmente tenho 41. Lendo seu depoimento vi que tive mais sequelas que o seu marido, e acho que ele tem chances de se livrar dessas tonturas com o tempo. Eu ainda fico tonto,e cansado se ficar algum tempo de pé ou se precisar caminhar por determinadas distancias,mas hoje eu trabalho normalmente. Algumas situações são adaptadas as minhas condições atuais,mas continuo exercer minhas funções.

      Quanto a mudança de humor,é muito natural que por enquanto ele tenha essas alterações repentinas e é preciso paciência mesmo. É bem complicado entender que ele está em recuperação,no seu caso acho que seja ainda mais dificil pois ele nao apresenta sequelas fisicas,acaba parecendo birra,mas não é não.

      Acho que com o tempo ele vai melhorando essa mudança pode ser pelo fato dele esta se sentindo um “peso”, acho que voce pode conversar sempre que ele apresentar essas alterações. É bem dificil mas mostra pra ele que ele muda ,pq ele pode nem perceber essa alteração.Essa falta de vontade de realizar atividaes tambem é comum,esse desanimo e até um período depressivo. Eu levei um anos praticamente trancado no quarto,até aceitar minhas limitações e aprender a viver com elas. Eu sei que e repetitivo,mas só com o tempo as coisas melhoram,é que quando estamos lidando com TCE parece que o tempo corre mais devagar. Tenha calma! Espero term ajudado.

      • Obrigado L.R 41 anos
        Qualquer ajuda no momento esta sendo muito bom,eu ja tinha lido a sua historia e até li para meu marido tbm.Só que ele não tem ainda a dimensão do seu problema tem horas que ele acha que esta tudo bem, ai quando ele fica em pé um tempo percebe a tontura.Ele fala que é uma tontura só dentro da cabeça que ele não acha que vai cair entende mas na mesma hora ele fica triste sabe e fala será que passar essa tontura ….pior que eu nem sei como ajudar .
        Bom diante de tanta coisa ruim tem bastante boa ele cada vez esta com a memória recente melhor ja não esquece tanto como antes.e as memórias antigas tmb lembrou de quase tudo .No começo ele não lembrava nem dos seus filhos o meu pequeno chegava perto dele e ele se afastava foi um momento muito dificil .
        Eu sei que com você tbm deve ter sido assim ,então o que motiva bastante é saber que ele pode melhorar mais agora ele ta indo na academia esta fazendo muito bem para ele ,esta com projetos para voltar a trabalhar no momento abrir um negócio proprio pois ainda seu médico não deu data para a volta definitiva ao seu trabalho mesmo, lá eu tenho duvidas a sua profissão exige muito mas vamos aguardar.
        Obrigado por tudo ,que Deus nos ajude nessa longa caminhada..
        Um Abraço

      • Oi APARECIDA….

        Li o que vc escreveu aqui há vários dias… Passei agora aqui só pra te dizer que eu realmente não conheço nenhum neuropsicólogo pra te indicar aí na sua cidade, mas se eu souber, te aviso com certeza…
        O que o L.R. te escreveu acima foi perfeito…

        Tenha calma, as coisas vão melhorar com o tempo. Não deixe seu marido retirar os medicamentos, pois já que ele não aceita muito a ajuda da família e de outros profissionais, o medicamento irá ajudá-lo (nem que seja “um pouco”)… Mas, mesmo usando medicamento ( seja para acalmá-lo ou tirar ansiedade, depressão, etc.,) é importante observar se está realmente ajudando, pois nem todo medicamento é bom e eficaz para todo mundo e aí é preciso falar com o médico e trocar o remédio pra que traga melhor benefício…. O medicamento certo pode melhorar muito a qualidade de vida da pessoa com esses sintomas do seu marido, viu?

        Grande beijo pra vc…
        Fernanda

  38. oi meu nome é Cristina, no dia 13 de junho de 2013 acharam meu irmão jogado perto de uma linha de trem no Paraná vitima de agressão bateram só na cabeça dele ele ficou um mês na UTI teve TCE grave e traumatismo facial ja fez um ano que ele esta assim nem se mexe na cama ele abre os olhos mas parece que não nos ve os medicos disseram que ele vai levar uma vida vegetativa no hospital ele ficou desnutrido e com muitas escara enormes eu gostaria de saber se ele vai ter alguma melhora é muito ruim ver ele assim e antes de acontecer isso com ele minha mãe faleceu passamos muitas dificuldades e agora quem cuida dele é eu e minhas irmãs ele ta com 33 anos

    • Cristina.. Sinto muito pelo seu irmão e pela maneira bruta com que as pessoas resolvem discussoes ou problemas hj.. Os médicos chegaram a falar que eu ficaria em estado vegetativo também, nunca perca a fé, creio que tudo que ocorre tem algum motivo seja bom ou ruim.. bjos e força para você e suas irmas!

    • OI CRISTINA…

      Desculpe a demora pra te escrever…. Nossa, que história terrível essa do seu irmão. Sinto muitíssimo….
      É impossível responder à sua pergunta afirmado algo, pois cada caso é um caso e como a Bruna disse, acho que vcs não podem perder a esperança nunca. Várias família de pessoas aqui do Blog ouviram que seu familiar ou amigo iria ficar em estado vegetativo e essas pessoas melhoraram. Seu irmão é novo, tudo pode acontecer…

      Seu irmão está em minhas orações e vc e suas irmãs tb. Muita força pra vcs e que Deus os abençoe…

      Um grande beijo,
      Fernanda

  39. necessito partilhar minha historia

    sofri um tce grave anos atras pelo que fiquei em coma 41 dias, depois disso uns 30 dias na enfermaria e depois 10 meses de fisioterapia [mais especificamente cinesioterapia]. sobrevivi com sequelas de perda de força em lado direito, perda visual e cefaleias.
    antes do acidente eu tinha um sonho que era fazer medicina e como uma das consequencias sociais do acidente foi uma aposentadoria entao dediquei-me a esse projeto.
    tentei vestibular por muitos anos mas só consegui passar usando cotas para deficientes. tudo bem pois é meu direito.

    acontece que desde o primeiro ano da medicina tem sido um martírio pq é um curso em periodo integral, com uma carga extensa. tudo isso tem agravado as cefaleias e os cansaços fisico e visual. tenho estado muito cansado e com dor de cabeça

    portanto cheguei até meu limite. essa semana resolvi desistir da medicina. concluí que fazer medicina tornou-se uma prisão como se eu apenas pudesse ser feliz graduando.
    não é assim. . tenho pensado que a maior responsabilidade que temos é SERMOS FELIZES. eu nao estou feliz cursando medicina sob esse sistema extensivo. desgastando-me e vivendo sob um peso.
    tenho sentido que sou perfeitamente capaz de buscar o conhecimento
    por mim mesmo, estudar em casa, ler mais com a mente descansada e fazer outra graduação em período parcial……enfim…. SER FELIZ.

    algo que muito tem me deixado triste nessa situação é o que os outros
    vao pensar. mas o fato é que eu vivencio e sinto meus limites, desgaste e dificuldades
    quem quiser contato:
    rogerioleonardo5@hotmail.com

    • Rogério, também sofri um TCE grave ficando 30 dias em coma,como pode ter lido a cima..realmente após acidente minha mente se cansa muito mais facil e mtu mais rapidamente, creio que a maioria das pessoas enfrente essas sequelas.. cursei pós graduaçao após o acidente e hoje me lembro que o que aprendi não lembro de nada.. rs me formei mas não cconsigo me recordar de nenhuma aula.. rs, creio que todos nós nos sentimos no limite, pois só quem vive isso sabe o quanto é dificil e complicado e creio que a pior parte é aceitar que voce não será mais a pessoa de antes…mas como voce disse temos que buscar ser flizes! independente de qualquer coisa… um bjo e tente um curso menus complicado..rs isso ajudará.. bju

      • e creio que a pior parte é aceitar que voce não será mais a pessoa de antes…

        como está sendo dificil aceitar isso. embora eu tenha o sentimento de estar me libertando de uma prisão paradoxalmente ainda duvido que seja a decisao correta. isso talvez pq seja uma decisao recente e ainda nem tranquei a matricula pois a data pra isso é em setembro segundo o calendario academico. visto que consegui graduar em Geografia :) ! após o tce tenho pensado em fazer historia em meio periodo ou uma pós em geografia

      • Oi Rogério tudo bem li a sua história e gostaria de saber no que você trabalhava pois meu marido tem vontade de voltar a trabalhar e tenho duvidas será que com o tempo essa tontura que ele sente possa passar , com você foi assim? Meu marido esta assim faz 9 meses ah e tambem quantos anos você tem ?
        Bom meu marido tem 34 anos trabalhava no periodo da noite na area de panificação e ainda espero que ele melhore ou pelo menos aceite ajuda desde já agradeço

      • eu era funcionario publico. hj tenho 38 anos e sofri o tce há 12 anos. tenho sentido cefaleia mais intensa recentemente e cansaço\indisposição. fiquei com sequela na visao que dificulta o caminhar e nao posso dirigir. as vezes sinto um desequilibrio\tontura

      • Obrigado Rogerio pela resposta.
        Ele tbm sente dor de cabeça as vezes , mas o que mais incomoda é a tontura quando ele anda ou esta de pé,só que ele consegue dirigir sentado ele não sente nada .Meu marido ficou com um olho menor que o outro mas ele fala que esta bem a visão.O problema maior mesmo é a mudança de comportamento eu estou com muita dificuldade de lidar com ele assim entende tem horas que eu esqueço e acabo discutindo com como se ele estivesse bom depois eu vejo o que fiz mas não sei como agir pois ele não esta trabalhando ainda e fica muito tempo parado e com você era assim no começo tbm ?Será que ele melhora com o tempo?
        Ele não quer fazer nada ainda apenas gostaria de voltar a trabalhar ,pois fala que é a unica coisa que gosta de fazer então tenho que esperar mesmo.
        Aqui onde eu moro tenho pouca informação sobre seu caso por isso fico tentando descobrir algo para poder ajuda-lo.
        Bom desde ja obrigado viu e espero que você tambem possa ser feliz .
        Um grande abraço .

      • eu sentia muita tontur tb mas com o tempo foi melhorando e ficava mais parado pq o corpo e a mente estavam afetados.

      • OLÁ ROGÉRIO…

        Tem vários dias que não escrevo aqui no Blog, mas tenho certeza que eu tinha escrito pra vc e por algum motivo, isso se perdeu (devo ter escrito em outro lugar pra transferir depois pra cá e me esqueci). Desculpa a demora!
        Enfim, suas questões são super compreensíveis. Todos os sintomas que vc sente após o TCE são muito comuns na grande maioria das pessoas com TCE que eu conheço, inclusive em mim, rs.

        Quanto à sua decisão de largar o curso de medicina, acho que vc é a pessoa quem mais pode tomar essa decisão, pois só a gente mesmo sabe dos nossos limites. No meu caso, eu não conseguiria de jeito nenhum fazer esses curso que exige tanto e ainda período integral. Eu também “era” profissional da área da saúde, trabalhava bastante, tinha feito especialização, mestrado na área, mas depois do acidente tive que aceitar que muita coisa tinha mudado e meus sonhos também precisariam mudar. Não adianta dar “murro em ponta de faca”, entende? O que isso vai levar???? Na minha opinião, dá pra ser feliz e se realizar de diversas maneiras e não só de uma, entende? E se não respeitamos nossos limites, só sofreremos mais ainda, além de desgastar mais ainda nosso corpo e mente. Fique em paz com a sua decisão, só assim vc poderá ser feliz fazendo outra coisa….
        Já estamos no meio de setembro e não sei o que vc decidiu. Mas é preciso muita coragem pra assumir tudo isso e tomar essa decisão, por isso admiro tudo que vc disse em seu relato acima. Depois conte aqui o que vc decidiu e se pudermos ajudar de alguma forma, será muito bom. Eu agora estou com 36 anos e meu acidente foi há 7 anos e 9 meses, eu tinha 29. Meu depoimento é o primeiro daqui, não sei se vc leu….

        Obrigada por compartilhar sua história e suas dúvidas e questões com a gente. Muito obrigada mesmo, sempre ajuda muitas pessoas….
        Um grande abraço e mande notícias!
        Fernanda

  40. Olá, Fernanda

    Me chamo Stefano, tenho 47 anos e sou de Niterói, RJ. Há 6 dias, minha mãe de 82 anos teve um “pico hipertensivo com ligeira encefalopatia” (sem sequelas físicas aparentes), segundo o cardiologista que a atendeu e receitou repouso absoluto além dos remédios que ela já tomava para pressão e colesterol, mais o Rivotril 2mg à noite. Na próxima semana ela fará dois exames (eco-doppler da carótida e vértebras e ecocardiograma), para então começar um acompanhamento cardio/neurológico. Ela sempre teve uma saúde física e mental muito boas, mas desde então apresenta lapsos de memória e um pouco de confusão mental: reconhece todos mas às vezes esquece um nome, ou pergunta por pessoas que não existem (“onde está seu cunhado?”, me perguntou hoje – e eu não tenho cunhados), enfim, um quadro que nos assusta, pois temos muito medo de se agravar ou de ficar permanentemente assim, ou, medo maior, de que este quadro possa ser o início de algo mais grave como Mal de Alzheimer. É muito triste ver uma pessoa mudar assim, num piscar de olhos, sem que possamos fazer muitas coisas efetivamente, além de dar carinho e compreensão.

    Abraços e parabéns pelo belo trabalho deste blog.

    • Olá STEFANO…
      Obrigada, o Blog é muito importante pra mim, faço tudo com muito carinho.
      Não tenho experiência com casos como o da sua mãe, mas espero que não seja nada grave e que ela fique bem… Realmente, é muito difícil e triste ver uma pessoa mudar de repente sem que possamos fazer nada para evitar, né?
      Fica em paz e que Deus abençoe vc e sua mãe….
      Fernanda

      • Obrigado, cara Fernanda!
        Ela está melhor, falando bem e com poucos lapsos de memória e/ou confusão…Ontem, ela fez um eco-doppler de carótida e um ecocardiograma e está tudo limpo e funcionando bem, sem obstruções; agora é com o neurologista na próxima segunda-feira. Manterei o blog informado, quem sabe poderá ser útil…
        Abraços,
        Stefano

  41. Gente preciso de ajuda, o meu sobrinho de 15 anos sofreu um acidente de moto e teve um grave traumatismo crâniano, hoje está fazendo 60 dias, porém ele entende tudo que a mãe dele fala, mas não fala, não sabemos se ele enxerga, mexe apenas com a perna esquerda e com a mão edquerda, abre apenas o olho direito, o esquerdo só abre um pouco de vez em quando, o neuro disse que afetou o lado esquerdo do cérebro. Amanhã ele receberá alta, estamos muito preocupados, pois, moramos em uma pequena cidade do interior de Minas Gerais, gente o que podemos fazee p/ ajuda-lo a recuperar. É muito agonizante ver alguém que agente ama assim.

    • Gildete creio que ainda seja muito cedo para dar qualquer diagnóstico ao teu sobrinhu, creio que até mesmo para os médicos o acidente foi muito recente!
      O médico seria a melhor pessoa para informar os danos causados pelo lado afetado do cérebro pois cada lado afeta uma coisa.. ..acredito que com fisioterapia ele volte a movimentar corretamente, eu mesma não mexia o lado esquerdo do corpo. Creio que deva haver fisio ou ai ou em alguma cidade próxima.. tudo é uma questão de fé e paciência o que é mais importa! eu mesma levei 3 anos para voltar ao que digamos normal.. mas voltar a ser o q eu era infelizmente não voltarei a ser.. bju e mande notícias! melhoras!

      • Oi Bruna,

        Obrigada pelo apoio, o lado afetado foi o esquerdo. No relatório do médico tem: politraumatismo com trauma cranio encefálico e fratura de membro, apresenta tetraparesia, uso de sonda enétrica. Mas depois que ele chegou em casa está movimentando um pouco o braço e perna esquerda, com fé em Deus ele vai conseguir sair dessa.

        Obrigada pelo apoio.

        Abraços!!

        Gildete

    • Gildete, tenha calma, a Fernanda vai te responder orientando o que fazer com seu sobrinho, não é fácil mas tenha calma, ela tem muita experiência e ê uma pessoa iluminada, bjs. No ciração.

    • OLÁ GILDETE…

      As dúvidas vão surgindo com o tempo, mas agora, o mais importante, é vocês saberem que seu sobrinho precisa ser estimulado. Pelo que vc já nos contou, ele precisará fazer fisioterapia para fortalecer a musculatura dos membros e poder voltar os movimentos…. Como ele ainda não fala, precisará também de uma avaliação e um acompanhamento com fonoaudiólogo. Ele está com traqueo ainda? Como está se alimentando?

      Dependendo do que vocês perceberem de dificuldade dele, ele precisará de acompanhamento com outros profissionais como neuropsicólogo, psiquiatra, terapeuta ocupacional… Depende de cada caso, entende? Seu sobrinho tem convênio? Veja o direito que ele tem de ter home care, onde os profissionais vão em casa e ajudam um pouco nos cuidados diários que serão necessários…

      O caminho para recuperação é longo e difícil, mas a neuroplasticidade existe e seu sobrinho pode se recuperar bem do traumatismo assim como aconteceu comigo e com vários aqui do Blog. Ele é muito novo e isso favorece a reabilitação. É preciso muita paciência, fé, determinação, persistência e também amor e compreensão da família e amigos…. Tenham calma, o acidente é muito recente ainda.

      Aqui no Blog, leia na sessão: “Informações importantes” que vc encontrará vários links e dicas que poderão ser úteis durante a recuperação do seu sobrinho.

      Quando as dúvidas forem surgindo, estaremos aqui pra ajudá-los no que for possível…. Mande notícias….
      Beijo grande
      Fernanda

  42. boa noite meu filho teve um tce dia 2 de fevreiro 2014 com 21 anos faz 22 dia 14 agosto foi atroplado pelo um carro teve 17 dias em coma teve varias lesoes difisas e uma profunda grave na falava mas persebia tudo reconhecia nos a todos mas
    nem mexia os braços e pernas depois foi para um centro de reabilitaçao onde perneceu ate dia 29 de jnho estava a tudo a correr bem quando num sabado de manha dia 28 de junho vomitou e começou a fazer febre e com falta de ar luvaram para o hospital para urgencias disseram que o estado do meu filho era grave que os rins tinham parado e no dia a seguir feleceu ate hje ainda nao entendo ele estava a recuperar tao bem percebia tudo respondia nos com os dedos o sim e o nao os medicos so disseram que tinha aver com estado dele que mais dia o menos dia vinha a acontecer

    • iSABEL, gostaria de informar que sinto muitíssimo pela sua perda! Não é fácil para nós que ficamos aqui, imagino para você! Força e meus sentimentos

    • ISABEL QUERIDA….

      Sem palavras… Minha mãe também perdeu minha irmã de 27 anos que faleceu depois de um acidente de carro e sei que não há nada pior no mundo que perder um filho… Sinto muitíssimo…
      Infelizmente, tem muita coisa neste mundo que nunca vamos entender, mas acho que o caminho é buscar “aceitar” e não se revoltar….. A revolta só dificulta mais ainda tudo….As coisas ruins acontecem o tempo todo com as pessoas boas também, né?
      Que Deus abençoe sua vida e Te dê muita força para suportar a saudade e “ausência” do seu filho. Fica em paz…

      Um enorme beijo no seu coração e de todos da sua família.
      Fernanda

  43. Oi Fernanda,

    Li seu blog e me identifiquei muito com os depoimentos e com as lutas que vi. Minha irmã tem 27 anos e estava com uma crise de asma muito forte. Ela foi entubada por insuficiência respiratória no CTI aqui em Belo Horizonte e passaram 3 dias ela estava ótima, tinha despertado e não tinha tubo nenhum mais. No dia da alta dela, ela teve duas paradas cardíacas dentro do CTI; como estava de alta ela não estava monitorada por nenhum aparelho mais, não dando nenhum alarme. Para piorar mais ainda a história, o box dela do CTI estava fechado pois suspeitavam de pneumonia; ou seja, ela teve duas paradas cardíacas e estava abandonada no CTI. Depois disso várias coisas ocorreram, a Sophia era o paciente mais grave de todo o CTI, ficou dias e mais dias entubada, tiveram que fazer traqueostomia nela e a implantação de um CDI no coração (é um desfibrilador portátil); sim, ela adquiriu um problema cardíaco. Os médicos não sabem nos dizer o que aconteceu, disseram que foi medicamento errado, depois disseram que foi o cruzamento de dois medicamentos e depois disseram que era congênito… Congênito sabemos que não foi! Não sabem nem ao menos dizer quanto tempo que ela ficou sem oxigenação no cérebro! Ao todo foram 42 dias de hospital, ela foi internada por causa de uma asma e adquiriu problema cardíaco além de ter tido uma lesão cerebral (não sabem dizer as sequelas que podem ficar porque não sabem o tempo de ausência de oxigenação).

    Desde então, eu e meus pais estamos nos desdobrando! Fiquei praticamente 1 mês ausente no trabalho, e minha mãe fica 24 horas por dia com a Sophia. Meu pai mora em outra cidade, e tem vindo para Belo Horizonte todos os finais de semana (ele tem medo dela esquecê-lo). Sophia perdeu todos os movimentos enquanto ficou hospitalizada, eles achavam que ela não voltaria mais andar. A Sophia melhorou muito, ela voltou com seus movimentos, ainda tem um pouco de dificuldade em andar, se cansa muito fácil. Mas a memória dela está bastante prejudicada, parece que a Sophia é uma criança. Algumas coisas ela lembra e outras não…ela parece que está bastante confusa. Ela depende muito da gente para coisas básicas, como tomar banho, tem que usar fralda para dormir (antes usava o dia inteiro). Ela teve muitas melhoras, mas a gente fica muito angustiado como o processo é demorado, pois queremos que ela volte a ter uma vida ativa, que volta a trabalhar, que possa sair, namorar… Estamos à espera da sua internação no Sarah para que seja feito tratamento intenso de reabilitação, sabemos que é uma instituição renomada no quesito de reabilitação. Além disso, a gente tenta estimular ao máximo a memória dela, mostramos fotos, conversamos bastante com ela. Mas muitas vezes ela fica quieta, sem corresponder, fica muito apática. Tudo que queremos é que ela melhore e tenha uma vida normal. Sei que ela não voltará a ser como era antes, porque todo mundo muda, inclusive os familiares. Estou aprendendo muito com tudo isso, a ter mais paciência, cuidado e dar mais valor às pessoas que mais amamos! Desde abril, minha vida mudou completamente, e nunca irei perder a fé que a minha Sophia ficará 100%!

    • Cecilia, li seu depoimento, e infelizmente ocorrem coisas inexplicáveis em nossas vidas, creio eu que seja apara aprendermos algo com isso, ou para ensinar alguém.. o que você disse é muito importante,, PACIÊNCIA, eu ainda luto com isso na visão de muitos eu deveria estar bem já.. pois o meu caso ocorreu faz 4 anos, mas infelizmente não é assim.. e no meu caso algumas coisas mudaram para sempre.. não possuem volta.. e o mais difícil para mim foi aceitar isso, saber que a Bruna agora é uma nova pessoa, não possui mais o s mesmos objetivos, não voltará a trabalhar, ela mudou… mas ainda bem que eu estou feliz assim! muito difícil dizer que estou feliz após tudo o que ocorreu comigo, também sem explicação, como eu iria prever que um carro cairia sobre o meu?? Mas observando que estou viva e consciente, bem melhor do que o previsto já me anima.. e creio que se estou aqui fiquei por algum motivo.. =)
      Continue sempre com esse sentimento de amor e buscando entender sua irmã, as vezes o que para voce pode ser básico ela pode ter muitas dificuldades.. e cabe a nós buscar entender.. entender que tudo infelizmente demora! bjus e melhoras

      • Nossa Bruna, muito obrigada por ter interagido comigo! O mais importante que tenho aprendido é não se importar com os outros acham da recuperação de cada um sabe? Aquele olhar piedoso e muitas vezes desrespeitador! Nossa, é uma das coisas que mais me dói sabe? Andar na rua com a Sophia e as pessoas ficam olhando, e a Sophia percebe sabe? Nessas horas eu abraço mais ainda a minha irmã e dou um beijo nela! A visão dos outros muitas vezes serve para julgar, da mesma forma que muitos julgam que você deveria “estar melhor”. As pessoas não sabem das dificuldades das pessoas, das coisas que cada um vivenciou. Eu acredito que você está bem, tem consciência, consegue expressar suas ideias e sim, continuou viva por algum motivo! Acredito que se Deus te concedeu essa segunda chance, é para agarrá-la com todas as forças e continuar vivendo! Muito obrigada pelo carinho! Aqui, é um ótimo lugar para a gente trocar ideias e além de tudo desabafar, e mostrar como é a convivência das pessoas que passaram por algum tipo de “mudança no cérebro” ou mudança de vida mesmo, não é mesmo? Um grande beijo Bruna! Continue seguindo com muita força e fé!

      • Imagina! olha, quanto as pessoas olharem e comentarem, elas não sabem nem metade do que voces passam, e as pessoas buscam nos outros um assunto, algo sobre o que falar, não se preocupe com isso, queira Deus que um dia não passem por nada parecido..
        Com certeza foi ótimo para mim pois até sofrer eu nem sabia que isso existia e aqui me senti confortada, pois vi que não sou a única!
        Beijos e mande notícias! =)

    • CECÍLIA QUERIDA….

      Que história a da sua irmã, hein? Como as coisas são e tudo muda de uma hora pra outra, né? Tanta coisa que não conseguimos compreender… É importante buscar aceitação, não se revoltar, buscar ter muita paciência, não perder a fé… e isso tudo não é fácil.
      Como vc disse, sua vida, da Sophia e dos seus pais mudaram completamente e muda mesmo. Nada será como antes, mas isso não significa que vocês não possam ser felizes porque muitas coisas boas ainda podem acontecer e a Sophia ainda pode se recuperar bastante, viu?

      Vc disse que estão esperando a reabilitação no Sarah, mas que tipo de tratamento ela tem feito? É importante o acompanhamento com fisioterapeuta, neurologista e seria muito interessante, no caso dela, uma avaliação de um neuropsicólogo e fonoaudiólogo. Ela já fez?

      Sophia é muito nova e tudo que aconteceu é muito recente também. Ela pode melhorar bem.
      Muito bonito ver sua fé e o empenho e amor seu e de seus pais pela Sophia. Continuem assim. A recuperação é longa e árdua, é preciso muita fé, paciência, dedicação, persistência…. e amor e união da família são também muito importantes…

      Aqui no Blog tem vários links e dicas que podem ser úteis para vcs. Leia na sessão “Informações importantes” e “Estratégias úteis” acima. Espero que ajude.

      Um grande beijo e seja bem vinda ao Blog.
      Mande notícias da Sophia, tá?
      Fernanda

      • Querida Fernanda! A vida nos prega inúmeras peças né? E sabemos que tudo ocorreu por erro médico mesmo, e o hospital está nos negando acesso a todos os documentos da Sophia. Pedimos os documentos e eles entregam faltando alguns exames, a gente pede novamente, é sempre a mesma coisa. Enfim, é bastante complicado. Mas já cheguei a um estado de espírito de muita paciência e sempre penso que tudo vai dar certo, a minha preocupação maior agora é com a Sophia, quero ver ela bem. A briga com o hospital virá depois!

        Eu penso exatamente isso, a vida mudou, mas isso não impede nenhum tipo de felicidade! Tenho certeza que muitos dias coloridos virão, que iremos dar muitas risadas ainda (inclusive já estamos dando!). A Sophia é nova, e minha expectativa que ela melhorar é grande, não sei porque, mas eu SEMPRE acreditei que Sophia vai ficar bem, alguma voz me dizia para confiar em Deus e que isso tudo iria passar, que era somente mais uma provação que deveríamos passar. Minha mãe muitas vezes desanimava, ficava triste, e eu sempre dizia a ela, que a Sophia ia ficar bem, que a gente teria que ter muita paciência e carinho com a Sophia. Sophia melhorou MUITO, o primeiro dia que a vi, Sophia nem tinha contorno nos lábios, de tão branca que estava, estava bastante inchada, foi uma cena horrível! Mas mesmo assim, sabia que ela ia ficar bem! Sophia está em casa, e sua memória está melhorando, ela está conseguindo lembrar dos acontecimentos de dias anteriores, está conseguindo ir ao banheiro sozinha, já está tomando banho sozinha. Claro que a gente fica junto, mas sempre dizendo para ela que estamos disponíveis para ajudar, mas que é muito importante que ela faça tudo sozinha! Ela mesma escova os dentes, até conversa no whatsapp, mas tem pouca paciência para isso! São coisas que parecem pequenas para algumas pessoas, mas que para mim tem significados enormes, porque, eu que estou ao lado dela todos os dias, vejo como isso é importante para ela; como é importante a sua evolução e autonomia.

        A Sophia faz fisioterapia três vezes por semana, e o fisioterapeuta dela é um anjo, é uma pessoa muito boa! Responsabilizo ele por grande parcela da melhora da Sophia, porque muitos não confiavam que ela voltaria andar, e ele sempre confiou, e ele já me disse que Sophia melhorou 70% já! Ele sempre colocou a Sophia para frente, sempre me ensinou os exercícios, sempre incentivou a nossa ajuda a ela. Ela fez tratamento com fonoaudióloga no hospital e deram alta para ela já, entretanto acredito que ela precisa de mais tratamento. Ela está tendo acompanhamento com neurologista também, por causa dos remédios que está tomando! Em agosto, ela tem uma consulta no Sarah com um psicólogo, acredito que faça parte de uma triagem para internação (acredito e assim espero).

        A cada dia que passa e vejo a evolução da Sophia meu coração se enche de alegria! Domingo mesmo ela ficou escondidinha e assustou uma amiga minha que estava lá em casa, ela está voltando a fazer as coisas que fazia antes! Até o mesmo tipo de vocabulário e tal! Eu já dei uma olhada no seu blog, tenho frequentado há um tempo, só bem depois que tive coragem para postar, rsrs.

        Muito obrigada pelo carinho e parabéns pela iniciativa Fernanda! É muito bom poder desabafar e trocar ideias com vocês! Sucesso e muita luz sempre em sua vida, e continuo informando a respeito da minha Pipia!

  44. Fernanda amiiiiiiiiiiiiiiiigaaaaaaaa,

    Fico muitíssimo feliz por você ter ficado muito contente com meu depoimento. Sem contar o tanto que eu estou feliz por tudo que estamos, todos, conseguindo. Realmente não consigo ficar um dia sem conferir esse blog. O que todos postam é fenomenal! Um dia vou ajudá-los também com tudo que eu conseguir.

    Também acho irônico ser atropelado por uma ambulância, rs. Bastante irônico. Já é uma grande conquista só por eu ter sobrevivido, não? E como já acreditava que era possível, estou aprendendo a fazer tudo de um jeito novo. Afinal, não esqueci como são feitas as coisas. Eu ainda lembro perfeitamente como se anda, como se desenha, como se lê. Só que agora tem um novo jeito de fazer algumas coisas. Mas até como falam os outros idiomas eu lembro. Uma alegria imensa de minha mãe foi quando comecei a me comunicar piscando e me deram o controle da TV. Logo coloquei o programa dublado com o áudio original. Aí ela ficava me perguntando o que significavam as palavras e eu ficava piscando e sinalizando se o que ela achava que era o significado estava certo! É muito bom. Afinal, eu gosto MUITO de idiomas. Estudei quatro, não à toa.

    Concordo que uma das piores sequelas é a fadiga. Mas antes de tudo isso acontecer, eu já vivia uma rotina turbulenta, como já disse. E eu conseguia. Ia para as universidades, participava de encontros de estudantes, fazia várias resenhas para meu blog e outros sites de amigos (além das resenhas que certos professores pediam). Além de estar sempre antenado com a série do momento, a última premiação da música, o que está sendo criado pelos estilistas e look que está na moda. E ainda tinha tempo para customizar minhas roupas, porque eu O-DEI-O ver alguém usando uma roupa igual a minha. Por isso fazia a grande maioria das coisas que eu usava. Até dizia para minhas amigas que era feio que alguém que trabalha com design repetir roupa. Pois eu era designer gráfico então jamais ia usar a mesma calça duas vezes. Eu logo tratava de criar uma nova peça (ou novas peças). E assim pintei, descolori, acrescentei rebites e spikes, até lixei e cortei algumas. E me lembro bem como se faz tudo. Pelo menos o que é possível fazer com aquilo e como se faz. Posso não ter coordenação motora perfeita para fazer o que quero, mas se peço auxílio dos outros e ensino-lhes como fazer, dá tudo certo.

    Eu assistia muitos programas e seriados de televisão em um aplicativo, e era minha diversão nas férias isso. Como não me contento com uma atividade, rs, eu assistia enquanto usava as mãos para fazer acessórios de moda com um tear de pregos. Fazia coletes, cachecóis, mantas, até xales. Estou tentando voltar a fazer isso, mas sempre dando um passo de cada vez. Primeiro já consegui mexer com o tear, o que é maravilhoso para minha coordenação motora, segundo a fisioterapeuta. Já consegui assistir vários filmes no idioma original. Agora só falta conseguir fazer os dois conjuntamente. Mas lhes digo uma coisa: eu conheço minhas capacidades. E não só acredito como sei que minhas capacidades ainda são as mesmas. Creio imensamente que serei capaz de voltar a fazer tudo que faria. Talvez não consiga, com minha recuperação em andamento, fazer tudo ao mesmo tempo de recuperar-me. Mas eu tenho certeza que chegarei lá.

    Afinal, como disse, nunca me contentei com o senso-comum. O mediano. Fui sempre uma exceção a tudo, sempre contrariando todos com minhas atitudes, desde pequeno. Porque agora seria diferente, só porque sofri lesão axonal difusa? Eu sempre superei muitos desafios em toda minha vida, logo não aceito que não superarei esse. Como já disse e como outros também disseram, não respirava, não comia via oral, eu nem falava. Onde estou já é uma distância longa percorrida. Só que ainda é bem comprido o caminho, e não alcancei. Seguirei rumo aquela direção que falei: ser mais do que era. E desejo a todos que sigam esse mesmo destino.

    Quanto à leitura, é meio difícil de eu fazer isso porque leio muitos livros que compro o e-book, ou seja, o “livro virtual”. Não dá para riscá-los. E também tenho uma dó enoooooooorme dos meus livrinhos “físicos”. Falta coragem para riscá-los, rs. Mas até que o médico indicou umas técnicas maravilhosas para exercitar minha memória. Como por exemplo, jogar vídeo-game, pois assim sempre lembro o que fiz porque sei como se faz aquilo, já há muito tempo. Já ficou na minha memória. Eu sei que monstrinhos de água são mais fortes que os de fogo porque desde pequeno fazia isso. Para lembrar, fazia associações usando a lógica: água apaga fogo, mas fogo queima a grama e a grama absorve a água. Então saberei quais monstrinhos são mais fortes que outros. Jogo uns jogos de aventura e de RPG que você tem que conhecer a história toda e fazer o que já é determinado. Assim eu recupero minhas lembranças de como se faz o que se tem que fazer assim que vou de novo a um lugar determinado no jogo. Dessa forma foi como consegui ler porque quando lia uma coisa nova, fazia o inverso. “Isso aconteceu então porque aquilo teria que acontecer no futuro”. Eu já fazia mentalmente esses exercícios desde pequeno. E tudo se provou bem efetivo!

    Não se preocupe com o tamanho de seus textos. Os meus serão enormes também! E como tenho um blog, sei como funciona essa coisa. Só que o seu é bem mais interativo e ajuda muito às pessoas a como lidarem com suas situações. Já no meu tem mais caráter informativo, de dar notícias. Eu já disse e irei repetir, admiro MUUUUUUITO você, o que conseguiu, e onde chegou. Desejo ser como você e vencer tudo o que você venceu. Realmente tenho uma veia artística muito forte, creio que é por isso que todos aqui me inspiram com tudo. E busco e sempre busquei inspiração de formas diversas. Então cada história é uma forte energia criativa que se libera em mim. Por isso, muito obrigado a todos.

  45. Estou passando por um momento muito difícil em minha vida, meu sobrinho Lucas Matheus de 15 anos sofreu um grave acidente de moto e está há 47 dias em coma, fico lendo os depoimentos para aumentar a esperança que ele vai acordar, porque estamos desesperados, é muito difícil passar por isso.

    • OI GILDETE….

      Tenha fé e paciência que seu sobrinho pode sim, em breve, sair do coma! Não perca a esperança…
      Que Deus os abençoe e conforte o coração de toda a família neste momento tão difícil…
      Leia sim os depoimentos, eles podem ajudar bastante….
      Qualquer dúvida que for surgindo com o tempo, estaremos aqui pra ajudar no que for possível…..

      Beijo grande
      Fernanda

  46. Boa Tarde, Fernanda você está de Parabéns pelo seu Blog, hoje faz um mês que meu tio sofreu um acidente e nossas vidas mudou, todos os dias procuro saber sobre a lesão no cérebro que ele teve que é Lesão Axonal Difusa (mas graças a Deus não entrou em coma) tudo causado por um trágico acidente onde meu outro tio faleceu….Além da Lesão no cérebro, fraturou 03 costelas, o pulmão teve que drenar……Enfim a vida da pessoa muda totalmente, já no hospital descobrimos pedra nos rins, hoje faz 07 dias fez a retirada da mesma…Mas gostaria de saber se a recuperação sobre a lesão axonal cérebro e lenta mesmo, pois meu tio (fala enrolado, lembra de nos todos mas não de coisas de agora entendi) a gente fica apreensiva de como será a recuperação dele, se ele irá voltar a falar normal enfim são tantas duvidas…
    Depois encontrar seu Blog, me senti mas aliviada…

    • OI ANA LAURA…

      Eu também tive lesão axonal difusa, quebrei as costelas (11), drenei o pulmão, etc. (meu depoimento é o primeiro daqui). Então, sei bem o quanto é difícil a vida mudar muito de uma hora pra outra, como vc mesmo disse, né?

      O que eu posso te dizer sobre esta lesão que seu tio também teve é o que até escrevi há poucos dias aqui….

      LESÃO AXONAL DIFUSA (LAD), como o próprio nome diz, é uma lesão difusa que acomete o cérebro em “vários pontos”, por isso, cada pessoa pode ter um acometimento diferente da outra (que tb teve LAD) em termos de local como em termos de extensão, entende? E isso vai acarretar consequências muitas vezes iguais e muitas vezes diferentes com relação à uma e outra pessoa…
      Após uma lesão cerebral, sempre haverá melhoras. No início, acontece até uma melhora espontânea e depois é preciso estimulação para que a melhora continue cada vez mais e não estacione.
      A compreensão e união da família são muito importantes para o paciente e tbém para própria família que está envolvida.
      Devido à plasticidade cerebral, uma função perdida por uma lesão cerebral pode ser recuperada por uma área vizinha da zona lesionada. Claro que a recuperação de certas funções depende de alguns fatores como a àrea que foi lesionada, idade do indivíduo, a natureza da lesão, mecanismos de reorganização cerebral envolvidos, assim como vários outros fatores ambientais e psicossociais.
      O importante é saber que a plasticidade existe e não se deve perder a esperança na recuperação…

      Quantos anos seu tio tem? Ele está fazendo algum tratamento??

      Ele precisa ser acompanhado por um neurologista, talvez por um psiquiatra (principalmente se ele começar apresentar sintomas de depressão, o que é comum acontecer). Como vc disse que ele está falando enrolado e está com problema na memória recente (o que é também muito comum), seria bom ser acompanhado por um Fonoaudiólogo e um Neuropsicólogo. A recuperação é lenta como eu já te disse e exige paciência e determinação, mas eu e outros que já escreveram aqui no Blog, somos prova de que a recuperação de várias “funções”perdidas com a lesão existe…

      Algumas “características”/sintomas ou sentimentos podem ser observados em pessoas vítimas de TCE, como por exemplo: fadiga mental e física; cefaléia; vertigem; ansiedade; impulsividade; agressividade; depressão, etc.
      Isso NÃO significa que todos que tiveram TCE vão ter todos esses sintomas, mas uma mesma pessoa pode ter vários. Saber disso serve de alerta para todos poderem identificar suas reações ou de seus familiares e entenderem que é comum após a lesão isso acontecer e por isso, muitas vezes é imprescindível buscar ajuda profissional…

      Estou tentando te dar uma noção desta lesão que seu tio teve, espero que esteja te ajudando…. Aqui no Blog, nas sessões “Informações inportantes”, vc poderá ler algumas coisas que poderão ajudar e ainda tem dicas de vários links que podem ser úteis. Na sessão de “Estratégias úteis” tem estratégias para lidar com o déficit de memória também. Dê uma olhada lá….

      Um grande bjo e fico feliz em saber que o Blog está sendo bom pra vc…
      Mande mais notícias do seu tio e seja bem vinda ao Blog!
      Fernanda

  47. Olá gente preciso muito contar algumas novidades para ajudar algumas pessoas…

    Minha mãe Iracema foi para o quarto do hospital nesta última quarta-feira (02/07/2014). E como Deus é tremendo! hoje ela nos surpreendeu, minha irmã estava com o controle da televisão próximo a ela, ela simplesmente puxou lentamente e desligou a tv. Ainda surpresa minha irmã ensinou uma única vez o botão de ligar/desligar e o de trocar o canal, e ela fez direitinho, trocou várias vezes o canal, sabendo disto na visita noturna levei uma lousinha “mágica” (de criança brincar) e acreditem ela segurou a canetinha perfeitamente e riscou . Quando eu pedi a caneta ela me deu. E fez várias outras coisas a nosso comando. Detalhe há quatro dias atrás na UTI ela não estava tão ativa. Gente é impressionante a capacidade da recuperação cerebral quando estimulada, paciência, muita paciência. Creio em Deus que em breve conto mais novidades.
    Beijos. Que Deus abençoe a todos!!!

    • Sim Rosenéia a capacidade de nosso cérebro se transformar é imensurável! depende também de muita determinação além de paciência que é extremamente importante!
      Muito feliz pela melhora dela =) e agora só progredirá.. claro tudo depende de nosso esforço e dedicação. beijos

    • ROSENÉIA QUERIDA!!!!

      Que maravilha!!!!!!!!! Excelentes notícias!!! Fico muito feliz com esta rápida recuperação da sua mãe…
      E ela vai se recuperar cada vez mais!!!!
      Obrigada por compartilhar tudo isso conosco!
      Com certeza, em breve, vc aparecerá nos contando mais novos progressos!!!!

      Beijo grande,
      Fernanda

  48. Nossa esse blog esta me fazendo muito bem estou tirando muitas duvidas.Eu nunca gostei de computador mas depois que tudo aconteceu com meu marido fiquei buscando ajuda de alguma forma .Tudo aconteceu em dezembro de 2013 ele participou de uma festa e no final houve uma briga em que bateram tanto nele que causou LAD ,ele ficou 30 dias na UTI sendo 15 em coma passou por infecçoes pneumonia traqueo e tudo foi feito para preservar sua vida Foi muito sofrimento perto do natal mas graças a Deus deu tudo certo e ate os medicos ficaram espantados com sua melhora .Agora ja faz 6 messes e ainda nao esta 100%,gostaria de poder ajudar mas estou sem açao pois ele ta bem depressivo nao quer conversar ,perdeu a memoria recente ,sente muita tontura e ta muito agressivo.Ja fui na psicologa mas eu sei que tenho que ter paciencia,ta dificil eu tenho 3 filhos sendo 2 dele entao eu fico no meio de tudo sem saber o que fazer por aqui nao sei de muita coisa para ajudar a sua recuperaçao .Ele ta indo no neuro e psicologa apenas, estou com dificuldade de saber o que fazer para anima-lo eu moro em Guaratingueta SP desde ja agradeço a todos

    • Aparecida que bom que o blog tem lhe ajudado!
      Bom, pelo que ocorre comigo e com pessoas de um grupo que participo em SP,
      LAD causou perda de memória recente em todas as pessoas.. e isso infelizmente não tem conserto, mas existem maneiras de gravar, por exemplo, eu não gravava nome das pessoas que conhecia, e aprendi a relacionar esses nomes a pessoas que eu já conhecia ou a pessoas famosas… isso me ajuda bastante! O que também auxilia é o uso de agenda, como a Fernanda postou aqui no “estratégias úteis” (eu confesso que não uso muito). Agora mudanças de humor bruscas, onde você amanhece rindo, chora na hora do almoço e fica triste a noite também são comuns.. Porque não tenta uma neuropsicóloga especialista em pós trauma? foi o que me ajufou muito ! E nós passamos por fases, semana passada mesmo eu tive um crise, do porque eu passei por isso, por que estava naquele lugar naquela hora? mas são momentâneas.. ainda bem =)
      Desejo melhoras a vocês! pois esses casos envolvem a família toda, não somente o paciente.. e há de se haver muita compreensão e entendimento que infelizmente a pessoa que ele era não será novamente, mas isso não quer dizer que não possa se tornar alguem melhor! Creio que tudo que ocorre conosco é por algum motivo, nada ocorre em vão.. =)
      bjos mantenha-nos informados sempre =)

    • APARECIDA….

      Que história chocante e que absurdo pensar que tudo isso foi causado por outra(s) pessoa(s) numa briga, né? Muito triste…
      Meu nome é Fernanda, não sei se vc leu meu depoimento aqui (é o primeiro desta sessão). Também sofri TCE com LAD, fiquei em coma, etc. Tudo isso que vc disse que seu marido está apresentando, como depressão, perda da memória recente, tontura e agressividade, são os sintomas bem “clássicos” desta lesão, do TCE… Sei que não é nada fácil também para a família…

      Em primeiro lugar, te oriento a procurar um psiquiatra para que ele indique o medicamento mais adequado para melhorar a depressão e a agressividade do seu marido (e até mesmo pode melhorar outros sintomas). Sem o uso adequado de medicamento, pra muitas pessoas, é impossível conseguir a melhora. Digo isso porque conheço vários casos, já ouvi isso de vários médicos especialistas em TCE e porque este foi o meu caso. Não é fazer uso de um primeiro medicamento, e por acaso, ele não ajudar muito e achar que o caso não tem solução. É, SE PRECISO FOR, FAZER VÁRIAS TENTATIVAS com diferentes medicamentos, claro que sempre recomendados por profissional da área. Cada pessoa reage de maneira diferente que outra com relação ao mesmo medicamento. E a pessoa depressiva é difícil conseguir as outras melhoras, entende? É muito importante a pessoa estar bem para querer melhorar e lutar para isso, pois a caminhada da recuperação é longa e exige muita perseverança e paciência….
      Eu também fiquei com mais tontura que também sempre foi controlada por medicamentos. (No início, precisei fazer também algumas poucas sessões de reabilitação com uma fonoaudióloga especialista em otoneuro, mas isso depende do tipo de tontura e vertigem que a pessoa tem).
      Quanto à memória recente, ela pode ser muito melhorada com ajuda de um neuropsicólogo que trabalhe mais neste casos de lesão no cérebro. Aqui no Blog também, na sessão “Estratégias úteis” tem várias dicas pra ajudar na memória. Dê uma lida lá nesta sessão e na sessão de “Informações Importantes”. Vale a pena, tem muitas informações que poderão te ajudar….

      Espero ter te ajudado um pouco e aguardo suas notícias….
      Fico muito feliz em saber que o Blog tem te ajudado, isso é o que me move aqui…
      Um grande beijo no seu coração,
      Fernanda

  49. Queridos amigos,

    Também lhes chamo assim porque os considero amigos. Assim como minha mãe já falou – sou filho da Milda Moraes, que usa o sobrenome de casada, vindo de papai; eu adoto o sobrenome dela mesmo, por isso uso Pala- nós já somos amigos que passaram pelo mesmo entrave e que compartilham o que superaram. Nós somos a prova de que o cérebro é capaz de tudo. E estamos mostrando que o cérebro realmente consegue se restabelecer, para descobrir novos meios de fazer o que fazíamos. E foi lendo o que vocês postaram que eu e mamãe descobrimos muitas formas importantes para estimulá-lo e fazê-lo voltar a funcionar corretamente.

    Estou sim, superando desafios. São grandes os entraves que temos que superar. Mas nós todos já demos passos enormes nas nossas vidas. Já superamos muito, só por termos sobrevivido. Agora é tempo de recuperar-nos. E vamos, sim. Porém eu acredito muito que o máximo só é conseguido quando se dedica à recuperação. Durante muito tempo, eu fui simplesmente passivo à reabilitação. Fazendo somente o que os outros diziam ser o melhor. Repetindo os exercícios porque me falavam que eles eram importantes. Não observava que seria possível voltar a ser como eu era, nem fazer o que fazia. Devido à lesão axonal difusa.

    Mas enfim li algumas coisas que vocês postaram e me surpreendi com tudo que conseguiram. Eu já imaginava, antes de sofrer o acidente, que o cérebro é surpreendente. Realmente, o que sempre fiz, antes do acidente e fui levado a fazer, depois dele, foi assim. Mas nunca consegui entender o porquê de realizar tudo o que era levado a fazer. Eu pensava “ah, fazer fisioterapia para andar é ótimo. Mas não seria melhor aprender a pilotar cadeira-de-rodas?”. Acreditava realmente que não seria capaz de voltar a ser como era. Já tentava fazer algumas coisas, mas ficava frustrado com o resultado.

    Isso provava o que os médicos afirmaram para a Mari e também falaram para mim: “para paciente neurológico é tempo”, “ele pode ficar 100% bom ou não melhorar nada”, “tem de esperar”. E para surpresa de todos, fui uma exceção do caso.

    Logo comecei a conseguir fazer as coisas. Fiz algumas aplicações de Botox nas mãos e no joelho, para conseguir desenhar de novo e dobrar a perna. A fisioterapia já me ajudou muito a andar. E também farei tratamento com fonoaudiólogo para voltar a cantar (embora jogar videogame já esteja me ajudando muito com a melodia de minha voz). Mas lhes digo que a estrada é longa, mas não é sem fim. Vamos para a vitória.

    Nós já somos como disse no depoimento anterior, vencedores. Sigo pensando nisso. Anna Karina e Adriana, com certeza a Izabela e a Nati vão superar tudo. E também o Guga, Lea, um dia dará um depoimento maravilhoso de superação (acredito até que será melhor que o meu e já estou de dedos cruzados para isso). Que seu Yan, Adiel, seja vitorioso e uma grande pessoa. Que o marido de Ivanete seja abençoado. Que o irmão de Bruna, Raphael, encontre também este caminho cheio de ganhos. E que seu amor, Paulo, seja uma surpresa para todos e que se recupere muito bem. E para fazer uma paráfrase do Fran, C’est la vie. Assim é a vida. Também espero que meus filhos sejam melhores que eu.

    E vamos contrariando o que tudo e todos diziam já ser certo destino para nós: vegetar. Nós estamos mostrando que é possível, sim, voltarmos ao que éramos. E mais: acredito que a melhora é possível ser de 100%. Somos sim capazes de melhorar-nos para sermos o que éramos. Ou também melhores do que éramos. E vamos seguindo nosso caminho. Não aceitando a resposta de que mediano será o máximo que seremos. Creio sim que é um pontapé inicial e que chegaremos lá. Mas nossa melhora não para por aí. Voltaremos a ser o que éramos sim. Mas não concordo que acreditem que voltarei a ser só o que era. Eu serei MELHOR. E é isso que desejo e acredito que assim será para todos.

    E faço minhas as palavras da Lea para terminar meu post: “não consigo tocar meu dia sem dar uma olhadinha aqui”. A Fernanda teve uma ótima ideia de blog, porque faltava um site assim. Então abraços enormes para ela e para vocês todos, pessoas lindas! E mais, vencedores: que todos sigam no caminho da melhora, nessa reabilitação. E que nos leve para sermos mais do que éramos.

    • Olá pessoal… Quanto tempo não?

      Nossa Flávio…
      Muito bom o que escrevestes. A forma magnífica e incentivadora que mensura nossos desafios, certamente já passados por nós, ou posto como forma de preparo por ti.
      Aqui no Blog eu tive várias fases, e hoje tenho a minha rotina mais amena, menos assustadora.
      Vale ressaltar que meu acidente foi dia 05/05/2012, com Lesão Axonal Difusa como muitos, De automóvel, tenho 25 anos, quase 26; farei em agosto. Meu maior sonho? Voltar a andar de bicicleta e voltar a cantar.
      Não vou falar mais nada. Se deixar eu narro minha trajetória inteira; e daí fica complicado de dar o ‘stop’ em todo o mundo exposto.
      Entra no Facebook para conversarmos – isso serve para todos do blog, sou muito engajado na ajuda ao próximo.
      Abraço!

    • Amig@s,
      Muito me emociono ao ler o depoimento do meu filho Flávio. E pensar que há um ano atrás os prognósticos eram os piores possível. Deus é maravilhoso. Confiemos Nele sem reservas, pois para Ele nada é impossível. Abraços fraternos.

    • QUERIDO AMIGO FLÁVIO PALA….

      Te chamo de amigo também pelo mesmo motivo que vc citou aqui, rsrs. É assim que nos sentimos, né? rs.
      Mais uma vez vc me trazendo tanta alegria com seu depoimento!!!! Sem palavras….

      Vc é um exemplo de superação, de força, de perseverança, de coragem, de fé e também de gratidão e ajuda ao próximo porque com o que vc tem escrito aqui, vc incentiva e dá esperança à muitas pessoas, já que vc é também prova real do que está falando. Obrigada! Fico muito feliz quando as pessoas, depois que melhoram, aparecem aqui pra dar os seus depoimentos e ajudar tantos outros que agora estão passando e às vezes, semana passada (quem sabe) receberam dos médicos um péssimo diagnóstico de seu ente querido e ouviram que não teria mais jeito, como aconteceu conosco e com tantos aqui…
      Vc entrar aqui junto com sua mãe pra fazer parte do Blog é um verdadeiro presente para todos nós!!!!!!

      Mande sempre notícias…
      Um forte abraço e sempre um prazer ter vc aqui…
      Fernanda

    • GUILHERME HEINZ…

      Quanto tempo!!!! Ótimo receber notícias suas aqui de novo…
      Vc pode escrever aqui sempre e o quanto quiser, mesmo que seja difícil dar o “stop” como vc disse, rsrs.

      Acredito que com o tempo e muita “luta”, vc conseguirá realizar esses seus sonhos de voltar a andar de bicicleta e cantar…. Não desista nunca!!!!

      Forte abraço….
      Sempre feliz com seus retornos aqui no Blog,
      Fernanda

    • MILDA QUERIDA….

      Como não se emocionar com os depoimentos do seu filho???!!!
      PARABÉNS peo filho que tem, PARABÉNS por ter lutado por ele e ter feito e buscado sempre o melhor, pois a vitória de todas as conquistas dele também são suas…

      Minha admiração e carinho por vc são enormes….
      Grande beijo,
      Fernanda

  50. Olá, o meu nome é Ruth sou mãe de Samuel de 26 anos, ele era uma pessoa alegre, nunca viu crise de nada, extrovertido, ajudava a tudo mundo quando podia, visitava orfanatos tinha muitos trabalhos sociais, tinha equipe de basquete de meninas carentes, estudante de medicina, para ser um futuro neuro. No dia 16/03/2014 ele estava numa marginal tentando dar ré, por que a rua estava fechada e veio um rapaz bêbado, e bateu na lateral do carro, na hora ficou em coma, graças ao meu outro filho que estava em outro carro conseguiu sentar ele e fazer uma gravata com as seus braços até chegar o resgate, chegou no hospital com coma Glaows 3, e falaram que teve um TCE e LAD grave. Ficou 15 na UTI, teve pneumonia e algumas outras infeções, passou 1 semana do acidente e veio o medico dizendo que estariam retirando os aparelhos por que ele não estava respondendo, e poderia ser que fosse morte cerebral, não aceitamos oramos confiadamente num Deus vivo e deixamos o meu filho nas mão de Deus, e foi assim evoluindo que levaram para a enfermaria e ficou mais 15 dias, lá estava em coma 6, quando os médicos falaram que clinicamente estava bem, e que era para esperar que acordasse, não saberiam o tempo, mas com certeza seria uns 7 meses,depois, então era melhor levar para casa. Ele não respondia muito aos comandos, trouxemos pra casa fizemos um home care, com os amigos que temos profissionais e montamos um mini hospital num quarto, Ele na UTI aumentava os batimentos cardíacos quando falávamos de sua primeira namorada canadense, vimos que isso era bom, então começamos a falar sempre dela, na enfermaria ela ligava e ele começou a ter algumas reações boas, quando foi para casa a ex namoradinha canadense veio do Canada, para cuidar dele já que ela é enfermeira, e ele começou ter mais reações, e a evoluir ela ficou 1 mês cuidando dele, até que teve que voltar ao seu pais, e ele no dia das mãe acordou dizendo mãe, não quero tomar banho e feliz dia das mães, desde que começou a falar já faz 50 dias, hj ele anda de andador, fala tudo, ele esta muito tagarela ele ri e dele mesmo…que a sua voz não é a mesma, por enquanto, ainda ele não sorri normal mas as vesses da gargalhadas e ainda não consegue chorar, não tem mais traqueio, não tem mais GTT e também não tem mais fraldas, tem todos os dias fisio, também tem neuropsicóloga, tem fono, e aula de matemática em casa, agora estou indo ver uma TO. E se comunica com a sua atual namorada a canadense que foi ex… Cassandra, todos os dias e sonham casar até final do ano. Detalhe: eles não se viam há 9 anos, o amor é lindo. Eu creio que o meu filho evoluiu assim desse jeito, pela nossa fé, pelo amor que nós demos também o da Cassandra e por que ele é um guerreiro de mão cheia!! hehehe Desculpe o testamento que escrevi…espero poder ajudar a alguem, que não podemos perder as esperança e ter mmmmuuuuiiiiittttaaaa pacienciaaaaaa. Abraços e que Deus esteja com cada um de vcs.

    • com certeza ruth, seu depoimento ajudará muita gente! Seu filho, pelo que sei pois também passei, passou por situaçoes muito dificieis mas está ai, superou todas!! Temos realmente que ter fé e acreditar que nada nesse mundo acontece por acaso, no caso do Samuel o reaproximou de uma ex namorada, podemos até não perceber nada positivo a principio mas após um tempo vemos que aprendemos algo, as vezes não somente nós mas nossos parentes, entes queridos.. alguem aprende algo com isso.. Melhoras!! =D

    • MINHA QUERIDA RUTH CALLES…

      Obrigada por colocar seu depoimento aqui no Blog como te pedi… Já nos falamos por e-mail e a história do seu filho é “incrível” e a recuperação dele está sendo bem rápida e muito boa!!! Ele, vc e todos que participam dessa “luta” diária estão de Parabéns. Não é nada fácil todo esse processo de reabilitação pós-TCE e o tratamento exige muita paciência, perseverança, luta, dedicação, fé….

      Imagino como foi desesperador o início, o coma, ouvir tanta desesperança dos médicos….Muito triste…. Mas, o importante é que o Samuel tá aí, andando, se recuperando e até pensando em se casar!!!!!!!!! Que bom!!!!! A história de amor dele e da Cassandra dá um lindo filme de romance!!!!!

      Com certeza colocar o depoimento aqui pode ajudar várias pessoas que passam pelo mesmo problema. Obrigada por compartilhar a história do seu filho aqui com a gente…

      Ruth, como te falei por e-mail, aqui no Blog tem várias sessões onde vc pode ler informações que podem te ajudar… Com o tempo, podem surgir algumas dúvidas e estaremos sempre aqui pra te ajudar no que for possível. Sei que vocês moram perto de Curitiba… Você ainda está com dúvida de leva o Samuel pra Brasília? Como está isso?

      Beijos querida, e mande notícias sempre…
      Fernanda

  51. Ola, meu nome e Edilma…sou Irma do Fabio, sofreu um acidente de moto sem capacete, no día 08/05/14. Politrauma, fraturou o cranio, mandíbula,fémur,dilacerou o braco direito, perdeu uma das arterias radial..agora esta em coma, diagnosticado Lad Grave…quero ajuda-lo preciso entender sobre esta lesao,por favor me ajude

    • Olha LAD pelo que sei, pois tenho eh lesão axonal difusa, segundo meu pai é quando os neuronios perdem pedaços que os ligam aos outros neuronios.. meio que morrem essas ligaçoes,nao sei explicar direito.. e isso causa principalmente perda de memória rescente! nao possuo maiores informaçoes.. mas com certeza ele ficará bem! é só termos paciencia! =) bjos

    • Oi Edilma, minha mãe teve a mesma lesão do seu irmão LAD Grave. (depoimento um pouco acima).Hoje faz dois meses e treze dias. A cada dia ela vem se recuperando cada vez mais. Neste momento é preciso ter muita fé em Deus e paciência, pois as coisas vão melhorando com o passar dos tempos, agora é hora de você e sua família estar ao lado dele, dando força, amor e carinho, também estou neste “barco”, e o Senhor tem nos ajudado a cada dia. Aguarde pois a Fernanda (quem criou o blog), a Bruna e demais membros irão te ajudar contando a experiência delas, será muito importante para você.
      Um abraço
      Rose.

    • Olá EDILMA…

      LAD significa “LESÃO AXONAL DIFUSA”. Como o próprio nome diz é uma lesão difusa que acomete o cérebro em “vários pontos”. Eu tive LAD e várias pessoas aqui do Blog também, mas cada pessoa pode ter um acometimento diferente em termos de local como em termos de extensão, entende? E isso vai acarretar consequências muitas vezes iguais e muitas vezes diferentes com relação à uma e outra pessoa…

      Seu irmão ainda está em coma? Onde vocês moram?

      Após uma lesão cerebral, sempre haverá melhoras. No início, acontece até uma melhora espontânea e depois é preciso estimulação para que a melhora continue cada vez mais e não estacione. Aonde podemos chegar com esta estimulação após um TCE com LAD, o quanto vamos poder melhorar, não tem como nenhum médico afirmar com certeza. O cérebro humano é muito estudado, mas ainda tem muita coisa pra se descobrir e entender. E é aí que entra a nossa esperança, luta, determinacão e fé. É preciso acreditar na reabilitação e nunca desistir…
      A caminhada para Reabilitação é longa e difícil. A compreensão e união da família são muito importantes para o paciente e tbém para própria família que está envolvida.

      Devido à plasticidade cerebral, uma função perdida por uma lesão cerebral pode ser recuperada por uma área vizinha da zona lesionada. Claro que a recuperação de certas funções depende de alguns fatores como a área que foi lesionada, idade do indivíduo, a natureza da lesão, mecanismos de reorganização cerebral envolvidos, assim como vários outros fatores ambientais e psicossociais.
      O importante é saber que a plasticidade existe e não se deve perder a esperança na recuperação…

      Espero que tenha te ajudado a entender um pouquinho de como funciona uma lesão no cérebro…. Saiba que seu irmão estará em nossas orações e espero que ele se recupere bem e saia logo do coma.

      Nos mande notícias…
      Um grande beijo,
      Fernanda

    • Muito Obrigada “Anônimo”…

      Não sei quem vc é, mas saber disso é o maior “presente” que poderia receber… Ouvir isso não tem preço… Obrigada de coração pelas suas palavras… O que mais importa pra mim é saber que todo o meu “esforço”e dedicação aqui estão valendo à pena…

      Grande abraço, Fernanda

  52. ainda não aei porque peguei a moto naquele dia, fcai de moto, e foi feio……. ainda bem q encontrei ótimos médicos, dr paulomartins fez 4 cirurgias na minha cabeça e estou cada dia melhor, mina mãe e meu irmão cuidam muto bem de mim

    • Muito bom saber Paula, médicos bons acostumados a lidar com pessoas acidentadas são ótimos!! e é sempre assim muita paciencia e cada dia ficamos melhor!! =)

    • OLÁ PAULA MASSON….

      Que bom que vc encontrou ótimos médicos, que sua família cuida bem de vc e está cada dia melhor…. Tudo isso é muito importante: a ajuda profissional adequada e o apoio da família são fundamentais para todo esse processo de reabilitação pós TCE. O processo de recuperação é longo e exige paciência, luta, fé, perseverança, dedicação…

      Não fique pensando porque vc pegou a moto naquele dia, porque isso, porque aquilo…. A vida tá aí e as coisas boas e ruins acontecem o tempo todo e na maioria das vezes não temos o controle disso….. Aconteceu porque aconteceu e não dá pra ter a resposta do por que. Eu, no meu acidente (meu depoimento é o primeiro daqui) perdi meu marido da época e minha irmã que faleceram na hora e eu fiquei entre a vida e a morte. Tive um processo de recuperação bem difícil e se eu me apegasse no por quê de tudo isso, não seguiria em frente, entende?

      Se tiver alguma dúvida, estaremos aqui pra ajudá-la no que for possível…
      Beijos e boa recuperação.
      Fernanda

  53. Olá!

    Buscando noticias sobre traumatismo craniano no Google achei o blog de vocês e senti vontade de contar minha história,apesar de já terem se passado 20 anos do meu acidente.É muito legal ver que a maioria de vocês já está se reintegrando a sociedade tão rápido.

    Em janeiro de 1990, com 21 anos,estava visitando minha esposa no hospital (ela havia passado passado por uma cirurgia no joelho),quando sofri uma grave queda e fui diagnosticado com TCE grave,com lesão difusa. Fiquei três meses em coma e quando acordei apresentava sequelas motoras e cognitivas. Em um primeiro momento meu único contato com o mundo era atraves da audição. Com o tempo recuperei aos poucos a fala e a visão,apesar de ter sequelas até hoje. Antes do acidente tinha um histórico forte de dependencia química e tive duas overdoses,isso prejudicou muito minha recuperação.

    No primeiro ano depois do acidente só saia de casa para meus tratamentos,na época não tinha o movimento dos braços nem das pernas e a mihha fala era bem comprometida. Como antes do acidente tinha uma vida agitada,era músico,sentia muita vergonha da minha nova condição. Nessa época já era pai de 4 crianças e nem elas me faziam sair da depressão. Toda vida da família mudou com o acidente,tinhamos uma situação financeira confortável e após o que aconteceu,enfrentamos muitas dificuldades financeiras. A minha esposa,apesar de muito nova,segurou bem a onda. Só comecei a me recuperar emococionalmente tres anos após o acidente,quando retomei os movimentos dos braços,ainda que com algumas restriçoes motoras. Precisei reaprender a falar,escrever,ler e até a me comportar em sociedade. Porém com a ajuda dos meus filhos e da minha mulher 5 anos depois da queda consegui entrar e concluir a faculdade de Direito, e com muito tratamento após onze anos do acidente deixei também a cadeira de rodas.

    Hoje em dia ainda dependo da ajuda da minha família e de amigos para realizar algumas atividades,nunca mais pude dirigir,e ainda preciso de apoio para caminhar longas distancias e também para ficar muito tempo de pé. A tecnologia ajuda muito também na hora de trabalhar. O que mais me incomoda são meus problemas de visão ( nasci daltonico e perdi a visão periférica no acidente),e o uso de alguns remédios que sempre terei que tomar. O efeito colateral de alguns deles são bem inconvenientes.

    Mas quase que por milagre hoje atuo novamente com música,minha paixão, me tornei produtor musical de um reconhecido canal de shows. Há cerca de dois anos eu e minha esposa, tivemos mais um bebê. Apesar de ter limitações sou muito feliz e aprendi a aceitar todas elas. O apoio da minha esposa,dos meus irmão e dos meus filhos foi fundamental nessa caminhada. Tenho 23 anos de casado, 5 filhos e já sou avô de 4 crianças. Esse espaço é muito interessante para compartilhar nossa historia. Sempre que puder estarei por aqui.

    • LR, li seu depoimento e me animou muito ao perceber que tudo demora.. mas que nada é impossível! e você é a prova viva disto! isso me anima.. já pensei várias vezes em desistir de tudo.. mas volto atras e vejo que se fiquei aqui algum motivo teve.. Obrigada por seu depoimento é muito motivador!! =)

      • Oi,Bruna!!

        Não pode desanimar,tem dias que tudo fica mais cansativo,mas pense que coisas melhores estarão sempre por vir. Independente da sua religiao tenha fé sempre! Fico lendo e acho muito legal o apoio que voces recebem da família. É tão importante,apesar de ter minha mulher,meus filhos e irmãos sempre perto,nunca contei com a ajuda dos meus pais.Eles nunca souberam administrar a situação e acabaram se afastando.

      • Bom meus pais também não aceitavam no principio , o que ajudou muito foi a conversa com minha neuropsicóloga, pois ai eles entenderam.. pois fisicamente estou otima, e como é difícil para nós entendermos creio que também seja para os outros! =) bjus

    • OLÁ L.R.

      Seu depoimento aqui é um presente para todos nós. Sou a Fernanda, vc deve ter lido meu depoimento aqui (é o primeiro desta sessão de Depoimentos). Eu sofri um acidente grave de carro há 7 anos e meio e às vezes parece que foi ontem. E quando penso no quanto já sofri, no quanto já lutei, em tudo que minha família passou sempre ao meu lado, em todas as minhas terapias e evoluções, aí parece muito tempo…. Penso que vc, apesar de 20 anos de lesão, às vezes também deve sentir o mesmo, né?

      Com uma lesão dessas, a vida da gente muda muito de uma hora pra outra e é complicado administrar emocionalmente tudo isso. Vc disse que não teve o apoio de seus pais, que eles não souberam lidar com tudo, mas que maravilha que teve o apoio da sua mulher e de seus filhos. Acho que tudo na sua vida aconteceu bem cedo né? Casou-se novo, teve filhos e sofre acidente muito novo e agora é só um pouco mais velho que eu e já tem 4 netos!!!! Não acho isso melhor nem pior, é a vida e história de cada um. Todos nós vivemos coisas boas e ruins ao longo da vida, uns mais e outros menos e a diferença é o que cada pessoa vai fazer com aquilo que acontece… Você é um guerreiro e um vencedor!!!! Imagino como tudo foi difícil e mais difícil por ser há 20 anos, pois se hoje ainda se sabe pouco sobre o cérebro e a recuperação após um TCE, imagina há 20 anos???? Não sei se vc já entrou aqui no Blog, na sessão de “Informações importantes”… Lá coloco algumas informações que acho bem úteis e há apenas 1 ano que foi criada a Associação Brasileira de Traumatismo Crânio Encefálico!!! É tudo muito recente.
      No Brasil, temos em média 8 milhões de pessoas com TCE, isso tirando as pessoas com TCE leve que muitas vezes nem dão entrada no hospital e portanto, casos que nem são computados….O TCE é uma doença invisível e muitas vezes tão grave que impossibilita a pessoa de retornar à sua vida “normal”, trabalho, etc.

      A Reabilitação do TCE com foco na cognição tem apenas 10 a 15 anos no máximo! Há 20 anos tudo era mais complicado…Pra vc foi tudo mais difícil!!!! Parabéns por tudo que conquistou, trabalho com a música, família, reabilitação, etc. !!!!

      Muito obrigada por compartilhar sua história aqui conosco. Com certeza, o seu depoimento irá ajudar muitas pessoas. Sua história nos anima e nos motiva a seguir em frente sempre, por mais difícil que seja…
      Obrigada mesmo!!!!!
      De que cidade vc é?

      Grande abraço em vc e sua família…
      Fernanda

      • Oi,Fernanda!
        Só agora vi sua resposta. Sim tudo foi muito cedo mesmo e talvez em consequencia de uma família desestruturada,mas. Me casei bem jovem e tive meus filhos ainda aos 18 anos,e como santo de casa não faz milagre,apesar de verem como é dificil formar uma família ainda na adolescencia,meus filhos seguiram meus passos.Hoje são cinco filhos e quatro já estão casados e com filhos, imagino que seja um susto mesmo. Mas enfim, a realidade que nós vítimas de TCE enfrentamos é bem cansativa,pois na grande maioria dos casos,precisamos nos esforçar muito mais para realizar tarefas básicas e para nos superar a cada dia,realmente a relação com meus pais nao foi legal,mas tive outras pessoas ao meu lado como você falou.

        Hoje realmente as informações são bem mais acessíveis,mas a luta de todos nós ainda é dura. O bom é saber que cada paciente tem seu tempo,suas vitórias e seus limites,como qualquer pessoa. Tenho certeza que todos aqui seguirão tendo vitórias!!
        No final voce pergunta de onde sou,nasci em São Paulo,mas atualmente vivo em Niterói,no Rio de Janeiro.

  54. Olá Fernanda!

    Quem fala agora é o Flávio mesmo! Fiz questão de lhe responder agora que já estou com alguma coordenação motora. Realmente estava vendo seu blog e fiquei impressionado com o tanto que você superou. Em você eu me espelhei sempre, pois quando minha mãe soube do que eu havia sofrido ela se negou a acreditar no que os médicos disseram. Bem, eu tive LAD grau 3. Os médicos davam prognóstico de estado vegetativo para mim. Também tive fratura na escápula e na tíbia. Ninguém acreditou que eu sairia da cama nem do coma. Para todos, eu nunca ia voltar a cantar, quanto mais falar. Nunca ia andar. Nunca ia comer por via oral. Nem mesmo seria capaz de respirar. Pois então minha mãe (que é uma verdadeira heroína) foi atrás de tudo, como acho que ela já lhe falou. Então estou aqui. Falando, comendo, cantarolando. E mais. Mamãe sempre admirou muito isso em mim e eu tive muita vontade de voltar a fazer: ler. Estava horrível pois tenho uma vontade enorme de ler, mas quando passava para página seguinte, havia esquecido o que tinha lido na anterior!
    Era horrível. Mas agora o médico já indicou uns remédios para ajudar minha memória e estou contando com o apoio dos meus amigos para lembrar-me de tudo. Inclusive, atualizei meu blog (sim, também tenho um blog) com várias
    resenhas de livros, comentários sobre moda, música e mais. Tenho o orgulho de falar que a autora de um livro, do qual fiz a resenha no meu blog, leu e me contou pelo Twitter que adorou! Isso me deixou muito mais inspirado por tudo e que, apesar de termos passado por algo muito grave, somos sim capazes de superar desafios. Já estou andando. Com supervisão, para garantir que seja sempre seguro. Já estou falando. Já estou usando o computador para manter-me atualizado das notícias do mundo. Já estou até fazendo o que mais tinha saudade de fazer: desenhar! Não tanto quanto antes, mas muito bem. Também fico muito feliz em ajudar meu irmão e seus amigos nos trabalhos de casa. Quero que todos saiam-se bem agora, pois uma base sólida é fundamental para construir um futuro grandioso. Sei disso pois faço duas faculdades! Ciências Sociais na Universidade de Brasília e Arquitetura e Urbanismo numa particular. Passava o dia nas faculdades, só indo para casa dormir! Era muito bom. Mamãe também conseguiu que o hospital Sarah Kubitsheck, que é referência mundial em reabilitação, tratasse do meu caso. e me devolvesse às capacidades mentais e motoras. Em agosto irei fazer uns exames lá. Tudo indica que daqui a pouco vou voltar a ser o que era. E inspirado por você, claro. Por isso lhe agradeço muito. Agradeço também à Sabrina Freitas, que muito inspirou minha mãe, para me estimular; O máximo possível. Chegarei lá, Fernanda. Porque eu sou um vencedor. Só eu não. NÓS somos vencedores.
    Um abraço para você também, e muito obrigado pelo apoio que deu a minha mãe para me guiar no que fazer. Muito obrigado!

    • Flavio gostaria de ter te dar os parabéns!! por não ter desistido de você e de tudo que mais gosta!! isto nos incentiva muito a saber que TUDO é possível!! =) parabéns!!

    • Flavio Pala, vc. me emocionou muito, só orgulho de vc. um dia Guga vai fazer uma cartinha igual a sua, vou chorar de alegria, vc. é um exemplo, muitos beijos em você.

    • FLÁAAAAAAAAVIO MEU QUERIDO “AMIGO”!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      QUANDO LI SEU DEPOIMENTO, EU CHOREI DE EMOÇÃO…. VC NÃO IMAGINA O QUANTO FIQUEI FELIZ POR VC MESMO TER ESCRITO AQUI !!!!! O QUANTO ESTOU FELIZ POR VC, PELA SUA MÃE, ENFIM POR TODA SUA FAMÍLIA E AMIGOS QUE, COM CERTEZA, TORCERAM E LUTARAM JUNTO COM VC…

      Flávio, Acho que vc não consegue imaginar minha emoção e minha alegria com seu depoimento…. Tô tão orgulhosa de vc….
      Eu me lembro o primeiro dia que li o depoimento da sua mãe aqui no Blog, há cerca de 1 ano, pois saber que alguém com 20 anos é atropelado por uma ambulância do SAMU é chocante e é tb uma “ironia” (Ambulância do SAMU??), né? Acompanhei o sofrimento da sua mãe e a imensa fé, força, perseverança dela… Sua mãe é uma mulher admirável, incrível e vc tem sorte de tê-la como mãe… A presença dela aqui no Blog sempre foi muito importante, pois ela também ajudou muitas pessoas e com as notícias suas, nós também torcíamos e orávamos/rezávamos muitoooooo por vc, pela sua recuperação…

      PARABÉNS!!!!!! Sei muito bem que a recuperação não vem simplesmente “sozinha” . Ela vem, mas exige muita força, muito esforço, muita luta, muita dor, muita esperança, muita paciência, muito amor, muita perseverança, apoio de outras pessoas e muita estimulação…. NÃO É NADA FÁCIL, pelo contrário, né?

      Eu demorei uns dias pra te escrever pq esses dias estou muito ocupada, com visita em casa, etc. e queria um tempo maior pra escrever pra vc. Acho que hoje uma das minhas “sequelas” que mais me atrapalha é a fadiga, o cansaço grande que sinto após “pequenas atividades”. Isso até hj me incomoda, apesar se saber lidar bem melhor do que antes com este fato. Eu tento sempre me organizar e me planejar de uma maneira que não me sobrecarregue muito. O fato de eu conhecer muito bem as minhas “capacidades” e também as minhas dificuldades, facilita a minha rotina. Eu tenho paixão por este blog, ele me traz uma alegria enorme. Me sinto muito bem em ver as pessoas se conhecendo, muitas vezes criando laços fortes de amizade, trocando experiências, dando apoio umas às outras, dando esperança, carinho…. É muito lindo!!! O problema é que o dia que faço coisas minhas, me canso e não consigo entrar no Blog pra escrever e no dia que entro mais no Blog, me canso e minhas coisas ficam atrasadas, rsrs. E eu me cobro, pois não gosto de demorar pra responder para as pessoas, entende? Mas, sei que este é mais um desafio pra mim, tenho que “aceitar” que por mais que eu luto e já melhorei muito com o tempo, eu ainda tenho limitações e tenho que respeitá-las.

      Hoje eu já estou tão melhor que, às vezes, nem eu acredito!!! No primeiro ano da minha recuperação (após voltar a andar, tirar fralda, etc), eu não me lembrava de algumas coisas que eu tinha feito há horas antes, eu não tinha força pra subir muitas escadas, eu mexia muito pouco meu braço esquerdo, ler meia página de um livro ou revista era quase impossível, ler legenda de um filme então, piorou…. Digitar no computador parecia impossível que eu voltaria e hoje faço tudo isso e muito mais. Até ir no cinema, que eu sempre gostei, eu vou e já consigo acompanhar uns 80% da legenda (antes não acompanhava nem 5%, rsrs). Mas, nunca deixei de treinar e me esforçar pra voltar a fazer o que não conseguia mais. Até hoje, é uma “luta” diária, mas é, na maioria das vezes, com muita alegria por observar as melhoras que ainda acontecem….

      Como eu também fiquei com problema na leitura, vou te repassar uma técnica dada pela minha neuropsicóloga:
      ***** A cada parágrafo você pára, resume 1 ou 2 idéias e sublinha isso. Depois vc escreve 1 palavra ao lado de cada parágrafo.
      === TÉCNICA: A cada 4 ou 5 parágrafos, vc volta nas idéias sublinhadas ou escritas e faz uma mini “conclusão” parcial do que leu.
      Com relógio:
      1- No início, LER 5 minutos (por 2 ou 3 dias)
      2- Depois, LER 10 minutos
      3- Depois, LER 15 minutos
      e assim por diante…
      Eu confesso que sempre (antes do acidente) li sublinhando as coisas mais importantes (por simples hábito) e isso pra mim me ajuda demais. Agora eu tenho muita dificuldade pra resumir…. Deu pra perceber pelo tamanho dos meus textos aqui no BLOG, né? rsrs. Mas, o importante é ter disciplina e começar aos poucos e ir aumentando, fazendo a mesma coisa com frequência… Não desistir…
      Vc sabe: o quanto vc melhorou, não preciso te dizer isso, né? E tenho certeza que vc vai melhorar demais ainda! É tempo….. Precisa ter paciência!!!

      Obrigada por inspirar a todos aqui no BLOG. Muito obrigada mesmo!!!!
      E eu vou dar uma olhada no seu Blog também! Muito legal. Já percebi que vc tem uma veia artística muito forte né? Te admiro muito. Meus Parabéns!!!!!
      Por hoje, páro aqui….mas não deixe o Blog. Nos dê notícias sempre!

      Meu forte abraço,
      Fernanda

  55. Olá amig@s,
    Retomo o diálogo com vocês após um período afastada, pois com o retorno do Flávio da UTI pela segunda vez (em setembro) minha rotina ficou muito intensa, tive que conciliar o retorno ao meu trabalho com os cuidados do Flávio. Mas volto para dar meu depoimento do quanto Deus é maravilhoso e não nos abandona nunca.
    Quando o Flávio voltou pra casa, ainda estava com acesso central (na femural), com ministração venosa de antibióticos, com traqueo, GTT, usando fraldas, não falava, não se movimentava, interagia apenas piscando, em resposta as perguntas que fazíamos. Dada a gravidade do quadro dele (TCE, LAD de grau 3 e quadros de infecção por diversas bactérias resistentes), o médico condicionou sua alta da UTI a que o convênio assegurasse serviços completos de home care. Então, foi disponibilizado todo suporte necessário, técnico de enfermagem 24 horas, fisioterapeuta, 2 fonos, enfermeira, médico e nutricionista. No entanto, sabendo que a plasticidade cerebral requeria muitos estímulos, contratei por minha conta mais uma fono (que trabalha com eletroestimulação), uma fisioterapeuta, uma terapeuta ocupacional e, ainda acupuntura. A rotina do Flávio era intensa o dia todo, pois eu e o pai também repetíamos alguns exercícios nos intervalos. No natal, enfeitei a casa toda e reuni a família, já que ele não podia sair. Fizemos um bingo e, para nossa surpresa o Flávio ganhou e pela primeira vez falou “bingo”, todos pararam e um grande silêncio se fez e ele percebendo isto, repetiu “bingo”, ficamos muito felizes, este foi, sem dúvida, nosso melhor presente de natal. A partir deste dia, a fono que contratei intensificou os exercícios com eletroestimulação e logo o Flávio voltou a falar novamente, inicialmente muito enrolado, mas aos poucos foi melhorando, hoje ele já fala tudo, um pouco nasalizado e enrolado ainda. A evolução do Flávio foi impressionante, a cada dia ele foi recuperando os movimentos, deixou de usar fraldas, retirou a traqueo e a GTT, voltou a comer primeiro comidas pastosas, hoje come de tudo e sozinho. Ele fez algumas aplicações de botox, nos braços e pernas, o que contribuiu, sobremaneira, para que ele recuperasse os movimentos. Hoje, acreditem, Flávio já anda sozinho pequenos percussos, apenas com a fisioterapeuta ao seu lado. Fazer equoterapia também contribuiu muito para ele segurar o tronco e ganhar equilíbrio. No dia 10 de junho ele participou da Copa Brasil do Cavalo Solidário e, cavalgou sozinho. Em relação a memória, ele tem lembrado de algumas coisas do passado, as vezes fazendo confusões, ele também tem lapsos de memória recente. O neurologista que o acompanha trabalhando sua memória, nos falou de uma pesquisa, ainda em realização nos EUA, onde estão usando remédio indicado para a Doença de Alzheimer para ajudar o cérebro a refazer as conexões, nos casos de LAD. Flávio está usando Alois (cloridrato de memantina) e temos observado melhoras em sua memória. Alegra muito meu coração poder partilhar nossas vitórias, pois o prognóstico médico era de que meu filho ficaria em estado vegetativo e graças a Deus e, sua perseverança e determinação, o Flávio, que é um grande guerreiro, tem contrariado todos os prognósticos e provado que para Deus nada é impossível. Por isto, amig@s, confiem em Deus sempre, deixem que Ele assuma o comando, pois Ele sempre quer o melhor para seus filhos. Ah, estava esquecendo de uma coisa, falei para o Flávio sobre o blog e ele que dar seu próprio depoimento. Aguardem, em breve ele pessoalmente irá postar. Fiquem com Deus.
    Abraços fraternos.
    Milda

    • Milda, chego a me emocionar lendo a evolução do Flávio, um vencedor, maravilha, que Deus continue abençoa-lo e parabéns pra vc e seu marido que contribuíram para que tudo acontecesse, que depoimento divino, vou aguardar o depoimento do punho do Flávio, vai ser o máximo, beijos pra vc.

    • MILDA QUERIDA!!!!!!!!!!!

      Quantas saudades!!!!!! Muito feliz em receber notícias suas e do Flávio!!! E ainda mais, notícias tão maravilhosas!!!!
      Fiquei emocionada ao ler toda a evolução do Flávio… Fico imaginando também o dia do Natal que ele gritou “Bingo”várias vezes, rs. Quanta emoção!!!!
      E que maravilha ele ter tirado as fraldas, a GTT, a traqueo, estar comendo sozinho, voltando a andar, cavalgando sozinho…quanta evolução!!!!
      Muito obrigada por compartilhar esta alegria conosco!!!!

      Milda, quanto à memoria, sei que são usados medicamentos que podem auxiliar na atenção, memória, etc. e tudo que puder ajudar é bem vindo, né? Uma dica: seria importante também o trabalho com neuropsicólogo (de preferência que tenha prática neste trabalho com pessoas que sofreram lesão cerebral) para ajudá-lo na memória. Aqui no Blog, na sessão “Estratégias úteis” , tem algumas dicas que podem auxiliar também…. O Flávio já fez avaliação com algum neuropsicólogo?

      Beijos querida e estarei aqui sempre torcendo pela recuperação do Flávio… E será maravilhoso um dia ter o depoimento escrito por ele aqui no Blog! Diga que eu mandei um abraço e meus Parabéns pela sua determinação, luta, perseverança…. E pra ele acreditar que a melhora continuará acontecendo e que ele não desista nunca….

      Fernanda

      • Milda, li seu dpto e fiquei muito feliz pela evoluçao do Flavio, hoje em dia não podemos alegar ele ficará em estado vegetativo, coma, nada disto, até porque o cérebro humano surpreende todos, até os que possuem maior conhecimento!! e ele é uma prova de que não possamos desistir por pior que seja o diagnóstico.. creio que nessa vida tudo o que passamos devemos passar nada ocorre por acaso! Voc ter explicado aqui os tratamentos que ele realizou irá com certeza ajudar muitas pessoas que enfrentam tais problemas! =) tudo de melhor para voces!!

  56. Oi Fer como prometido estou aqui para deixar o meu depoimento(história).
    Em 2009 sofri um acidente de carro, o qual tive um TCE ficando com Grau de Glasgow 6. No acidente estava mascando um chiclete o qual durante o capotamento eu bronco-aspirei (foi para o meu pulmão ao invés do estômago o chiclete) isso fez que fizessem uma traqueostomia e durante o capotamento eu quebrei o úmero esquerdo (tive que colocar duas placas e 16 pinos) lesei o nervo mediano do braço onde minha mão ficou em garra. Apos esse drama fui submetido a fisioterapia intensiva (voltei para casa de fralda e sem andar) e a sessões de fonoterapia (estou um pouco disartrico)
    Fiz academia, para voltar a trabalhar o triceps esquerdo (meu braço não fazia a estensão completa). Fazem 5 anos de muita terapia e trabalho (para o corpo e mente). Hoje em dia voltei a trabalhar, sou professor de inglês (não perdi essa memória na lesão), minha memoria não está 100%, mas tomo medicamentos que me ajudam a reter informação.
    O que posso dizer é que não foi facil chegar aqui, e também penso que não adianta ficar me lamentando, aconteceu? Hora de lutar p sair dessa ou tentar chegar o mais perto.

    • OLÁ VINÍCIUS….

      Obrigada por ter colocado seu depoimento aqui….Com certeza poderá ajudar muitas pessoas dando a elas esperança, pois somos prova que mesmo após um TCE grave e estado de coma, se pode ter uma excelente recuperação e uma vida feliz….rs
      Abraços,
      Fernanda

    • Vinicius, também sofri um acidente de carro como deve ter lido aqui.. e também ehu perca da memória rescente, mas o ingles e o espanhol estes não perdi.. acho que se perdesse isso também eu surtava rs.. e como voce disse não adianta ficarmos nos lamentando.. creio que tudo que ocorre tem que ocorrer.. nada ocorre por acaso.. =)

  57. Boa Tarde! Venho trazer noticias do Julio,e infelizmente não são boas.
    Depois de um mês que teve alta,ele queixava de dores de cabeça.Fez outra tomografia,não constou nada,segundo os médicos estava tudo bem.
    Então retornou pra casa,e no outro dia teve fortes dores abdominais…assim retornamos para o hospital.
    Suspeitavam de apêndice,fizeram os exames e não constou,então internaram ele e fizeram novos exames,no qual constatou que tinha uma infecção nos rins,ficou dois dias sem urinar,então colocaram a sonda,e mesmo assim os rins estão funcionando pouco. Ele inchou muito em consequência dos remédios e a retensão de liquido.
    Hoje ele foi transferido para o CTI e vai passar por Hemodialise.É muito doloroso ver alguém que ama passar por tanta coisa ruim,além de sofrer TCE e perder parte da memória,me vem mais essa.
    Oração,fé e muita força é o que me mantêm de pé.
    Fique com Deus!

    • Joyce Honorato, vou rezar muito para o Julio, tenha fé em Deus que ele vi sair dessa, tenha calma que Deus abençoe vc e sua familia.

      • Joyce Honrato, não nos deixe sem noticias do Julio, venha sempre aqui, estamos juntas uma dando a mão a outra, Deus está conosco, hoje vou a missa e colocarei o nome do guga e do julio nas preces, Deus está ao lado do Julio sempre, beijo no coração.

    • JOYCE QUERIDA…

      Que coisa, hein? De repente acontece tudo isso e ele ainda volta pro CTI? Imagino como deve estar sendo difícil e sofrido…
      O Júlio está nas minhas orações…
      Muita calma e fé… E pensamento positivo por mais difícil que seja, tá?
      Estarei aqui de longe torcendo. Mande notícias….

      Bjo, Fernanda

      • Obrigada Lea e Fernanda.
        Agradeço de coração pela atenção e carinho!
        Fique com Deus

  58. MUITO IMPORTANTE:

    Mais de 1,1 milhão de pessoas são vítimas de TCE no Brasil, a cada ano, das quais 100 mil morrem poucas horas depois do evento. De 70 e 90 mil indivíduos chegam às emergências dos hospitais com perda de alguma função neurológica, como distúrbios de memória, amnésia parcial ou afasia, além de problemas físicos.

    Vocês se lembram que comentei aqui no Blog que dia 25/05/13 em São Paulo, eu participei de um momento histórico que foi a Assembléia de FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO (TCE)???

    Pois é… Depois de toda burocracia necessária, a ASSOCIAÇÃOBRASILEIRA DE TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO JÁ ESTÁ EM FUNCIONAMENTO e todos nós podemos ser membros. Já fiz o meu cadastro, façam já o de vocês.
    Entrem na sessão daqui do Blog “Informações Importantes” e vcs verão as informações e o site….

  59. Meu nome é Edilson, tenho 36 anos, em 2005 sofrei um acidente de moto em que fiquei 17 dias em coma profundo por conta de um grave TCE, nos primeiros meses e anos não tive tantas sequelas mais de um ano pra cá estou sofrendo muito com dores de cabeça, fraqueza muscular, tenho dificuldades de compreender os outros, estou com problemas na voz. estou tomando valproato de sódio e égide que ameniza um pouco e muito complicado essa situação mais tenho que viver com isso pro resto de minha vida. gostaria de ter amigos com os meus problemas para nos ajudarmos.

    • Oi Edilson…

      Eu tb sofri um TCE com LAD em 2007 por um acidente de carro. Meu depoimento é o primeiro daqui, não sei se vc chegou a ler…
      Vc já fez avaliação com algum neurologista especializado em TCE pra ver se todos esses sintomas que vc está tendo são consequências de seu TCE?? Acho estranho ter passado tantos anos pra essas sequelas aparecerem…. O que seu médico disse??

      Onde vc mora?
      Aguardo notícias….
      Fernanda

  60. Meu nome é Carmoniche, tenho 26 anos, eu sofri um acidente no dia 19/06/2009, 6 dias antes do meu aniversario de 20 anos, grávida de 5 meses, viajando com o meu marido, ele a serviço e eu sem o cinto de segurança, devido o tamanho da minha barriga com medo de machucar o bebê, o carro capotou com a gente, ele usava cinto e não aconteceu nada com ele apenas uma marca do cinto e eu voei janela fora, bati a cabeça e tive TCE, fui socorrida algumas horas depois, como era uma zona rural não passava carro, pois tinha uns 2 homens trabalhando em fazenda ali perto e ajudou meu marido, passou um carro pouco depois, me colocaram nesse carro meu marido e os 2 homens, o motorista do carro me levou pra cidade mais próxima, interior do Tocantins, me colocaram na ambulância e me levaram pra palmas, fiquei 24 dias em coma, e uns 8 dias na U.T.I,, sei que só sai do hospital de 4 de agosto de 2009, e não andava devido ao peso da barriga, paralisou o meu lado esquerdo, depois de muita fisioterapia na qual eu me dei alta, que eu consegui voltar a andar e melhorar meus movimentos, não perdi a minha bebe, ela passou por tudo isso junto comigo, me dando forças para não desistir, eu fiquei na cadeira de rodas até 2 meses depois que ela nasceu, estava com perda de memoria recente, então resolvi que pra melhora da minha memoria era voltar a estudar, fiz vestibular e passei em direito, estou no ultimo ano de direito e continuo com a mesma falha da memoria, não consigo chorar, já tomei dos remédios que eram bons pra memoria já tomei e ainda tomo, hoje a minha filha esta com 4 anos e muito inteligente, que diga se de passagem herdou de mim, rsrs. Agora eu gostaria de saber o que eu faço para quê a minha memória melhore e como eu faço para chorar “pois as minhas lagrimas secaram”.

    • Carmoniche, me emocionei ao ler seu depoimento, pois passei pela maior parte do que voce passou, e sei como custa para nós aceitarmos o que ocorreu, a memória recente também me falta frequentemente, e para melhorar estou em tratamento com uma neuropsicóloga, faz 2 anos, para lembrar nomes das pessoas tenho um truque de associa-lo a alguém que eu já conheça ou alguma pessoa famosa, isso me ajudou bastante, mas o fato de não guardar fisionomias novas ainda me prejudica.. e isso ocorre com quase todas as pessoas que sofrem TCE ou LAD pelo que eu observei no grupo do qual faço parte. Chorar tb foi complicado no principio para mim, um ano após meu acidente minha tia faleceu e eu não consegui chorar. meu ex namorado terminou comigo e também não saiu uma lágrima.. Infelizmente não sei explicar o porque isso ocorre, pergunte a seu médico, as vezes poderá te auxiliar.. parabens pela menininha! muitas felicidades a vocês! bju

    • Oi Carmoniche…

      Sua história é incrível, fiquei emocionada… Muito lindo pensar que sua filha resistiu à tudo isso, resistiu ao seu estado de coma, etc.
      Parabéns pela sua filha e por toda sua recuperação, parabéns pela sua força, sua luta, parabéns por ter passado no vestibular, ter decidido fazer direito e já estar no último ano apesar da dificuldade de memória recente que vc citou… Você é uma guerreira e uma vencedora!

      Quanto à sua pergunta com relação às “lágrimas que secaram”, eu não sei te informar sobre isso, só sei que muitas pessoas também reclamam disso pós TCE e que em muitos casos, acho que o motivo é neurológico, da própria lesão… Converse com seu neurologista, talvez ele possa te ajudar. Vou procurar saber mais sobre isso e quando souber, escrevo aqui, tá?
      Agora quanto à memória recente, vc pode melhorá-la com acompanhamento de um bom neuropsicólogo. Mas esta é uma queixa muito comum, eu também tenho essa dificuldade mesmo após muita terapia com neuropsicólogo. Não sei se vc viu meu depoimento, é o primeiro aqui dessa sessão de “Depoimentos/Escreva aqui o seu”. Também tive um grave TCE com LAD e minha memória recente também foi bastante prejudicada, mas melhorei muito com acompanhamento neuropsicológico. Vc já fez avaliação e terapia com neuropsicólogo? Posso te indicar alguns em São Paulo, onde vc mora?

      Aqui no Blog vc também pode entrar nas sessões acima que se chamam “Estratégias úteis” e em “Informações importantes” que vc poderá encontrar muitas informações sobre TCE e também dicas e estratégias para lidar com a dificuldade de memória. Entre nos dois lugares, pois têm dicas e informações muito úteis. Espero que te ajude….

      Depois me mande notícias..
      Beijo grande e obrigada por contar sua história aqui, pois ela é inspiradora pra muita gente…
      Fernanda

  61. Rose, Li suas perguntas e passei por isto, o olhar perdido, parecendo abobalhada durou rca de em mim ceum ano ainda após a saída do hospital, também fiz uma traqueo, creio que a falta de voz não tenha sido em função disto, são coisas que uma fonoaudióloga pode ajudar.. eu tive fisioterapeuta e fono, pois nem andava e e mastigar eu sabia.. reaprendi tudo.. não sei muito sobre meu acidente pois meus pais que cuidaram de tudo o que sei é somente que meu TCE foi grau 7 e o máximo que chega é 10, como a Fer citou em outro post, não sobre o seu caso, o cérebro é algo complexo que nem mesmo os médicos podem e conseguem explicar…tem médicos que dizem que o estado que estou hoje após 4 anos é excelente pois pessoas com o mesmo grau de TCE que eu demoraram 7 anos para voltarem a falar coisas com nexo.. então é como você disse, paciência.. esperança e fé! e apoio e dedicação de todas as pessoas próximas, pois para nós mesmo é muito estranho e difícil aceitar que o que antes para nós era fácil e rotina hoje é complicado.. e nos dói saber que isso prejudica vocês de alguma maneira, que deixam de fazer o que precisam para cuidar de alguém que agora age como um bebe.. isso é muito dificil de aceitar.. como já foi explicado aqui o ideal é quando ela estiver mais consciente ( eu levei mais de um ano) vocês irem atras de um neuropsicologa especializada em pós trauma pois isso me ajudou muito, estive em principio de depressao, pois a 1 neuropsicóloga que fui não era especialista nisso e me dispensou disse que já estava bem.. Mas antes vá atras do DPVAT para ela, pois ela tem esse direito e infelizmente existe um prazo para irmos atras dos nossos direitos, e tire xerox de todos os documentos que enviar pois se não ocorre o que ocorreu comigo, perdem os documentos e dizem que não enviou.
    Um beijo e melhoras a ela!
    Precisando estamos aqui!! =D

    • Bruna, muito obrigada pelas informações, fico mais tranquila. Nesses últimos dias a minha mãe já teve uma melhora em relação ao olhar. Quando vou visita-la agora já me olha, presta atenção no que estou falando, os olhos ficam “cheios” de lágrimas, não tira os olhos de mim, consegue me acompanhar por alguns centímetros. Sei que vai melhorar ainda mais, se Deus quiser, mas recentemente eu chego para visita-la e ela está em um sono tão profundo que eu chamo, balanço e ela não acorda, as vezes ela acorda, leva um susto, olha pra mim, depois volta a dormir instantaneamente, um sono que parece incontrolável. (a visita dura apenas 10 minutos). A paciência é tudo, mas ás vezes a ansiedade é tão grande dentro de nós.
      Obrigada por me esclarecer sobre esta parte da consciência, os médicos sempre falam “ela precisa acordar mais um pouquinho”, e nós não entendemos o tempo ideal, ficamos confusos, cheios de dúvidas, ainda bem que tenho vocês pra tirar estas dúvidas. Obrigada pelas informações sobre o DPVAT, vamos atrás sim, é um direito dela. Em breve se Deus quiser mando mais notícias da guerreira Iracema. Beijos.

      • Imagina, buscamos ajudar pois não tivemos quem nos ajudasse e foi bem difícil aprender tudo sozinhas. Mas ela irá melhorar fico feliz de já estar melhor!! Nosso nivel de coma é o mais grave.. precisamos mesmo de tempo para acordar como dizem os médicos.. eu levei um ano após sair do hosp. e ainda percebo que melhoro a cada dia.. Ela provavelmente terá que passar com uma neuropsicóloga, e a familia também pois até meu pai que é médico não sabia como agir.. somente após minha neuro explicar que melhorou.. ele falava você esta ótima querendo me animar e isso me irritava muito.. poxa eu não estava ótima! se DEUS quiser dará tudo certo! bjus mantenha-nos informada

  62. “A fé enxerga o que não se vê, espera o que não existe e realiza o impossível”

    Olá meu nome é Rose, gostaria de partilhar com o pessoal do blog e aos leitores um pouco do que minha família e eu estamos vivendo, e também tirar algumas dúvidas.
    O CASO DA MINHA MÃE…
    Aos 14 de Abril de 2014 minha mãe estava voltando de viagem de São Paulo para a Bahia onde mora, quando um pouco mais da metade do caminho próximo a Governador Valadares – MG, o ônibus que ela estava bateu lateralmente com o fundo de uma carreta, quatro pessoas morreram e duas ficaram gravemente feridas. Graças a Deus minha mãe ficou só entre os feridos, pois poderia ter sido pior. Hoje todos tiveram alta, mas ela permanece na UTI faz 57 dias, resultado: TCE grave, Fratura de base de crânio, Lesão Axonal Difusa, Fratura nos seios da face. Foi justamente pesquisando por estas palavras que encontrei este blog, só aqui encontrei vários depoimentos e histórias e passei a entender um pouco mais sobre o caso. Nunca imaginei que passaria por esta situação junto com minha família, só então entendi que “paciência requer muita prática”.
    Minha mãe foi internada na UTI e as primeiras notícias eram assustadoras, o cérebro dela estava inchando, os médicos fizeram o controle da PIC, no terceiro dia tudo se normalizou, até ai ela estava em coma induzido, respirando com a ajuda de aparelho e toda parte de infecção controlada. Porém com a retirada dos sedativos ela não despertou, aí veio nossa inquietação, até então só havia feito apenas tomografia. Após 21 dias decidimos transferi-la para São Paulo, foi tudo muito rápido de UTI aérea. Logo no terceiro dia em São Paulo após ser feito uma ressonância magnética ficamos sabendo que com a batida o cérebro chacoalhou demais, estava em coma e os médicos não poderiam fazer nada que pudesse despertá-la.
    A cada dia de visita os médicos sempre diziam que não tinham nada pra fazer a respeito do quadro neorológico, só mesmo o tempo poderia nos dar esta resposta, e que eles não estavam otimistas. Acreditamos muito no poder de Deus e todos os dias nos apegamos mais ainda Nele, e Deus tem trabalhado na vida de minha mãe, de maneira a surpreender os médicos, pois “ Esta enfermidade não é para a morte, mas para a glória de Deus, para que o Filho de Deus seja glorificado por ela”. (João 11:4).
    Após um mês em coma com grau 3 na escala de Glasgow, minha mãe começou a mexer apenas os dedos da mão esquerda, depois a cada dia percebíamos uma mudança, começou a abrir um pouco olho esquerdo (detalhe: no domingo, dia das mães, eu e minha irmã ficamos felizes da vida), depois de quatro dias ela consegui abrir totalmente os olhos, mas com um olhar paralisado. Então cada dia foi melhor que outro, depois ela consegui passar mais tempo com os olhos abertos e os olhos mexiam de um lado para o outro. É justamente nesta hora que a família deve ter calma para acompanhar toda a evolução do ente querido, pois a ansiedade não te deixa ver os detalhes. Com poucos dias ela já conseguia olhar para tudo, mas não interagia com as pessoas ao redor.
    Após exatos um mês e vinte dias em coma minha mãe passou de grau 3 na escala de Glasgow para grau 10. Para a surpresa dos médicos que não acreditavam em tamanha evolução. Hoje ela mexe bem o lado direito do corpo, mas tem poucos movimentos do lado esquerdo, mas os médicos disseram que é normal e que a fisioterapia dará bons resultados depois, já consegue interagir conosco através de comandos como: piscar os olhos e aperto de mão.
    Estou um pouco ansiosa quanto à fala, ela consegue mexer a boca, mas não sai som, não sei se é por conta da traqueostomia? E o olhar? Ela olha pra gente, fixa o olhar, mas não acompanha se nos deslocarmos do local. Quem puder me dar detalhes desta parte do despertar eu agradeço.
    Estarei sempre aqui para contar sobre minha mãe, pois sei que estes detalhes ajudam muito as pessoas que estão vivenciando casos parecidos. Deus está conosco a todo o momento, lembrem-se “Tudo posso Naquele que me fortalece”
    Aguardando resposta! Um grande abraço.

    • só para te animar conversei com minha neuropsicologa hoje me meu coma foi grau 3 na escala de Glasgow e estou muito bem hoje!! =) mas tudo leva tempo e tratamento. além claro de paciencia!!

      • Oi Bruna, esta notícia me anima mesmo, pois a minha mãe hoje graças a Deus não está mais no grau 3. Temos que ter muita fé em Deus e saber esperar a mudança acontecer. Eu já havia lido o seu depoimento e percebi muitas semelhanças com o caso de minha mãe: um TCE grave, LAD , ela também não mexe bem o lado esquerdo do corpo, mas tem pequenos movimentos, a alimentação dela é por sonda, esta internada há 2 meses e 4 dias na UTI, 1 deles em coma, os outros se recuperando. Os médicos disseram que semana que vem ela já vai para o quarto. Esperamos em Deus a recuperação de minha querida mãe.
        Obrigada!
        Ass: Rose.

      • Imagina.. fiuei 3 meses internada.. usei sonda.. tive sinusite por estar com sonda tive q ser operada de sinusite e durante um ano ainda todo mes ela voltava.. agora parou.. fiquei 1 mes em coma desses 3 internada.. e é como eu disse sempre busque ajuda-la a se recuperar, eu fiz fono, fisio, natação hidroginástica pilates tive que re aprender tudo.. foi como uma criança que aprende tudo, nem mastigar e andar eu sabia.. Ainda bem que ela está melhor! qualuqer dúvida procure a gente beijos

    • Olá Rose meu nome é Susana e tenho um filho que também teve tramatismo craniano como sua mãe,gostaria muito de ajudar mande um e-mail para susi@artzzi.com.br com seu tel para nos falarmos um grande abraço

      • Oi Susana, obrigada pela atenção, acabei de lhe enviar meu telefone por e-mail para nos falarmos. Um grande abraço, fica com Deus.
        Rose.

    • OI ROSENÉIA (ROSE)….

      Vi que a Bruna já te respondeu, que a Susana Molin e vc trocaram e-mails e isso é muito legal….O Blog tem o objetivo de também proporcionar essa troca entre as pessoas que passam por problemas parecidos e fico feliz, pois amizades fortes e verdadeiras se iniciaram aqui, rs.

      Seja Bem vinda ao Blog. Sou a Fernanda e não sei se vc leu meu depoimento (é o primeiro daqui desta sessão de “depoimentos/Escreva aqui o seu). Eu também sofri um grave acidente automobilístico, tive um grave trauma toráxico e grave TCE com LAD.
      O seu depoimento contando da sua mãe tb vai trazer muita esperança pra outras pessoas, e como vc falou muito bem, a família precisa ter calma pra observar pequenos detalhes que mostram a melhora de seu ente querido… Vc está certa, pois nesses casos descobrimos tb que “paciência requer prática”.
      Assim como no caso da Bruna, da sua mãe e da maioria aqui do Blog, também tive que reaprender tudo: andar, comer sozinha, sentar e levantar (e como isso é difícil), tomar banho etc. A recuperação pós TCE é lenta, exige muita força, paciência, perseverança, fé, amor…mas ela existe e pode ser excelente sim!!!!!!! Hoje estou super bem, faço tudo normalmente, ando, corro, tenho uma vida independente de novo…

      No primeiro ano existe uma boa recuperação espontânea também, mas é muito importante a estimulação com uma equipe multidisciplinar: fisioterapeuta, fonoaudiólogo, neuropsicólogo, neuro, muitas vezes psiquistra e psicólogo, terapeuta ocupacional, podendo variar um pouco de caso pra caso. O cérebro é incrível e a neuroplasticidade existe, o cérebro faz novos caminhos e a reabilitação e recuperação de muitas funções acontece. É preciso acreditar e lutar!!!!

      Quanto à sua ansiedade com relação à fala da sua mãe, posso te dizer que pode sim ser por causa da traqueostomia. No meu caso foi. A traqueo dificulta a fala, pois é preciso aprender ocluí-la para o som sair. Existe TCE-LAD que afeta a fala e outros que não, depende das regiões que foram lesadas, entende?
      Quanto ao olhar, no início pode ser assim mesmo, mas depois vai voltando com o tempo…

      Sua mãe estará em nossas orações… Qual o nome dela? Quantos anos ela tem? Sua mãe ficará um tempo em São Paulo? Aqui no Blog, na sessão “Informações Importantes” vc poderá encontrar algumas informações e vários links úteis que poderão te dar mais “orientação”. Na sessão “Locais para tratamentos” tb encontrará lugares interessantes.

      Continue nos mandando notícias da sua mãe.
      Um grande bjo
      Fernanda

      • Oi Fernanda…
        Eu li sim o seu depoimento e li várias vezes por vários dias e fiquei impressionada, pois além da LAD você teve outros ferimentos gravíssimos, e hoje está aqui dando força e esperança para tantas pessoas através do seu depoimento, tudo pela graça e misericórdia Divina.
        O nome da minha mãe é Iracema Santos Sousa Rocha e ela tem 53 anos, sempre teve uma boa alimentação, sempre fez caminhada, e sempre foi muito cuidadosa em relação á saúde, os médicos disseram que isto tudo está ajudando na recuperação dela. Acabo de chegar do hospital e o médico hoje disse que está surpreso, pois depois de tantos anos de medicina nunca viu alguém com a gravidade da lesão de minha mãe ter uma recuperação rápida como a que ela está tendo, eles não esperavam tanto avanço em tão pouco tempo, disse estar muito otimista com ela. As pessoas não podem se apegar nas primeiras notícias médicas, pois eles jamais imaginariam tamanha mudança, eu creio em Deus que ainda contarei neste blog mais e mais avanços da minha mãe, para ajudar mais pessoas. Por enquanto ela ficará em São Paulo, só Deus sabe depois como será, mas Ele está cuidando de tudo.
        Obrigada pelas informações elas serão úteis para nós, muito obrigada pelas orações, também estou orando por todos. Sei que daqui algum tempo surgirão novas dúvidas, e agradeço a Deus por ter encontrado vocês que já estão me ajudando. É muito bom contar com vocês. Beijos, Que Deus nos abençoe!
        Rose.

      • ROSENÉIA QUERIDA…

        Vc não imagina como estou feliz com essas notícias!!!!! Sua mãe realmente está se recuperando muito bem e rápido, graças a Deus!!! Com certeza, o fato dela sempre ter cuidado da saúde, coolabora muito pra sua recuperação agora. Que bom!!!!

        Eu tb tenho certeza que vc ainda contará mais e mais avanços da sua mãe aqui no Blog, como vc mesmo disse. Diga pra Iracema que estamos todos em orações por ela e ela ainda terá grandes melhoras….

        Sua mãe ainda deve estar com traqueo, mas se vcs perceberem que mesmo ocluindo a traqueo não sai nenhum som, será preciso avaliação e acompanhamento com fonoaudiólogo.
        Enfim, com o tempo, como vc mesmo disse, vão surgir algumas dúvidas e saiba que estaremos sempre aqui à disposição…

        Um grande beijo! Sua mãe tem sorte de ter uma filha como vc!!!!
        Fernanda

  63. Olá! Meu nome é Joyce,e meu noivo ele sofreu um acidente de moto,onde resultou em TCE Moderado,ele ficou 17 dias internado,sua recuperação está sendo bem evoluída. Ele perdeu a memoria,e seu movimentos do lado direito ficaram um pouco lento,hoje com 37 dias apos o acidente,já se lembra de algumas pessoas “eu” por exemplo. Lendo alguns depoimentos e por ainda estar fragilizada me emocionei.
    Então pensei em escrever pra pedir a vcs que passaram por um TCE,que me desse em luz! Na ultima quarta feira dia 04/06/2014 meu noivo virou pra mim e disse que não era pra eu ir mais visita-ló,pq não precisa mais de mim. Fiquei arrasada,pois os últimos 37 dias vivi em função da vida dele. Gostaria de saber se essa reação é normal,afinal são 7 anos de relacionamento. E eu não estou mais indo visita-lo com medo de que tenha alguma outra reação. Obrigada!

    • Ola, Joyce, li seu caso e me identifico muito com ele pois eu mesma sofri um acidente de carro faz 4 anos como já citei aqui.. a memória recente é algo que a maioria das vitimas de TCE e LAD sofrem.. entendo que não queira sua presença pois ele não quer te afetar.. passamos por fazes.. rejeição, do tipo porque ocorreu comigo, depressão e não querer afetar ninguém pois achamos que continuamos os mesmos, e a parte mais difícil é aceitar que não somos os mesmos..
      Nao mexia o lado esquerdo do corpo, nao enxergava 100%, tive varias sequelas que se concertaram com o tempo.. e provavelmente irão melhorar nele mas é preciso ter MUITA paciência, e nunca deixar de acreditar!! Lembre-se que são fases! desejo melhoras a ele ! Bruna

    • OLÁ JOYCE….

      Sou a Fernanda. Não sei se vc leu meu depoimento, é o primeiro daqui…Eu também tive TCE por um acidente de carro há 7 anos e meio. Como a Bruna te disse acima, passamos por várias fases e é tudo muito difícil e confuso pra quem sofre a lesão… E entendo que para as pessoas que nos amam e estão à nossa volta também seja bem difícil, sofrido e complicado…

      Acho que essa reação que seu noivo teve com vc é super compreensível por tudo que aconteceu com ele… e a própria lesão dificulta a gente lidar com vários sentimentos e com tudo que está acontecendo à nossa volta…. Talvez ele esteja achando que te afastar é o melhor pra vc por não te envolver e te “dar trabalho”, talvez ele esteja triste e até um pouco “revoltado” por tudo que ele está vivendo (o que é super normal)…não sei, estou te falando apenas como uma pessoa que já passou por isso e já conheceu muita gente que também passou e por isso tenho um pouco de noção de como é complicado todo esse início e como os sentimentos ficam confusos, aflorados…. Não é nada pessoal com vc, entende?

      O acidente do seu noivo é muitíssimo recente e pelo que vc contou, ele está evoluindo bem, mas mesmo assim, a recuperação pode ser longa e esse período exige muita paciência, amor, fé, perseverança, força… Entende mais ou menos o que estou querendo te dizer??? Cada pessoa reage de um jeito e é difícil alguém te dizer algo que realmente esteja acontecendo na “cabeça” do seu noivo, mas não desista dele e nem se afaste nesse momento. É um momento que é muito importante sentir o apoio e o amor de quem amamos.

      Fique atenta com relação à sintomas de depressão, eu precisei de anti depressivo desde o início, mas isso varia de caso pra caso. Ele está sendo acompanhado por quais profissionais?? Que cidade vcs moram?
      Com o decorrer do tempo pode ir surgindo várias dúvidas e estaremos aqui se precisar… Aqui no Blog, qdo tiver um tempinho, entre na sessão acima que se chama “Informações importantes”, ali vc pode encontrar algumas dicas e ver alguns links que explicam um pouco mais sobre TCE….

      Um grande beijo pra vc e mande notícias.
      Fernanda

      • Olá Fernanda,recebi seu e-mail,muito obrigada.
        Então,pensei nessa possibilidade de querer que eu me afaste para não sofrer. Mas está acontecendo muita coisa que me leva a crer que não é isso. O Júlio tem uma filha,e a mãe da criança resolveu aparecer nessa face complicada, frequenta a casa dos pais dele com a desculpa de levar a filha para visita-ló. Depois que isso aconteceu foi onde ele começou a mudar seu comportamento com minha pessoa,as vezes penso que ela esteja colocando coisas na cabeça dele “não sei se isso é possível”.
        E até hoje aos 48 dias ,está cada vez mais difícil, ainda não voltei na casa dele,mas ligo e me trata super mal,ele voltou para seu trabalho ele é dono de uma oficina,fui lá vê-lo e foi dá mesma forma frio,não me olha nos olhos…sei lá ele trata as outras pessoas normalmente, os nossos amigos,e ando obs que é só comigo. Me excluiu da redes social Facebook, fico sem direção,NÃO SEI COMO AGIR.
        Ele passou pela fisioterapia,mas não foi necessário continuar,foi a informação que tive, agora diz que vai passar por uma fonoaudióloga e terá que fazer terapia intensiva. Ainda não começou,como é pelo SUS demora um pouco.
        Moramos em Belo Horizonte/MG
        Muito obrigada Fernanda me aliviou bastante e mandarei noticias sim.
        Que Deus te abençoe,é muito bonito o seu trabalho.
        Fique com Deus! Joyce Honorato

      • JOYCE QUERIDA….

        Obrigada….
        Imagino como deve estar sendo difícil tudo isso pra vc… Mas, espero que com o tempo tudo se resolva. Estarei aqui torcendo por isso….

        Independente do que realmente possa estar acontecendo que o leve a te tratar dessa maneira, é importante vc saber que nessa fase de recuperação, a pessoa ainda está confusa e pode ficar irritada, agressiva, falar e fazer coisas que não faria antes. Embora essa reação cause muita dor para os familiares e pessoas que amam a pessoa que sofreu a lesão, é importante que todos saibam que não é de propósito que a pessoa está agindo assim, afinal o cérebro dela está se recuperando de um machucado grave, entende?

        Fica com Deus tb.
        Aguardo então, as notícias…
        Bjo Fernanda

  64. Meu nome é Magdalena Lepper para mim foi muito importante ler o depoimento de familiares de acidentado por que é mais difícil para a familia do que o acidentado que no meu caso é meu filho . Foi de grande ajuda saber que eu não sofro só, parabéns pelo Blog.

    • Oi MAGDALENA….

      Obrigada! Que bom que o Blog te ajudou…. O Blog é um lugar onde todos nós podemos trocar informações, experiências, buscar conforto, etc.

      Se puder, nos escreva o caso do seu filho, quem sabe possamos ajudar em algo…
      Sei que para os familiares não é nada fácil, se é mais ou menos que pro acidentado, talvez seja opinião de caso pra caso, né? Por isso, tenha força e fé… Não desista por mais difícil que seja…
      Como está seu filho?
      Fernanda

    • Magdalena, sei muito bem o que se passa com vc, passei por essa dor e passo até hoje. Qdo descobri esse blog foi minha salvaçao, coloquei o caso do meu filho aqui e encontrei muito suporte por todos, foi muito importante na minha vida, senti isso mesmo, que não era a unica no mundo, que tinha casos parecidos e até piores, até hoje entro aqui diariamente e a Fernanda tornou-se minha grande amiga. Qdo quiser coloque o caso do seu filho aqui, vai ser muito bom para trocarmos experiência , beijos no seu coração, estamos todos juntos, uns dando as mãos aos outros, tenha fé amiga.

  65. oii bom dia… Meu nome e Jessica tenho um filho chamado Gustavo , ele tem 1 ano agora … eu sempre cuidei dele em casa e queria muito arranja emprego , arranjei um emprego e logo arranjei também uma senhora para cuida do meu filho , em duas semanas de serviço um certo dia meu filho caiu da cama comigo mas não achei que tinha sido grava nem levei ao medico no dia seguinte era um feriado e fiquei com ele em casa fomos na casa da minha mãe foi um dia normal , mas no dia seguinte ele acordo junto comigo e pedi para o meu marido leva-lo para a senhora que cuidava dele . Fui trabalha ao meio dia meu marido me ligou desesperado falando que nosso filho estava no hospital fomos correndo para o hospital e chegando la tinha uma mulher que nem conhecia segurando meu filho pra ele não se debater ele estava tendo varias convulcoes somente de fralda e uma toalha fique extremamente sem saber oq fazer. Meu filho foi para UTI e fiquei la com ele a noite inteira nunca vou esquecer , ele chorava de uma maneira sofrida e eu tentava acalma-lo não conseguia dormi não sabia oque estava acontecendo com ele fiquei extremamente desesperada … Ate que no dia seguinte ele foi entubado em coma em duzido justamente para não piorar o estado dele .Nao conseguia me conforma com aquilo oque estava acontecendo com meu filho sera que por minha culpa daquela queda da cama que não levei ele no medico nunca devia ter arranjado emprego só nisso que eu pensava … os médicos falavam que era muito grave que se ele sai-se de la ele ia ter sequelas gravíssimas , que o cérebro dele poderia inchar para fora ou para dentro e assim ter morte cerebral eu não saia um minuto sequer do lado dele pois ele tinha sofrido um TCE… Ficou 15 dias na UTI e um mês inteiro internado … Bom no dia que sai daquele hospital com ele foi o dia mais feliz da minha vida ….hje ele esta ja com 1 aninho ja da risadinhas perdeu um pouco da visão não sabemos o certo ainda quanto mas esta melhorando … Nunca vou desistir o que mais quero e ver ele olha pra mim andar .. e chamar mamae…

    • Jéssica! sua história me deixou muito emocionada. pois ocorreu com uma criança né! Infelizmente não somos médicas e não conhecemos o caso a fundo, mas vamos verificar com minha neuro psicóloga e eu ou a Fernanda te retornaremos assim que possivel! A única coisa que posso te dizer é não desanime NUNCA! Por pior que a situação seja, tudo necessita de tempo e do apoio da família ou daqueles que mais gostam de nós! provavelmente a recuperação dele será mais rápida, pois dizem que a idade da pessoa influencia a fácil recuperação, mas é o que eu já falei, não há um prazo pré estabelecido, cada um tem o seu tempo….
      Um beijão para vocês!

    • OI JÉSSICA…

      Sou a Fernanda, meu depoimento é o primeiro daqui, não sei se vc viu…. Eu tive um TCE grave e me recuperei muito bem. Não te escrevi antes porque sabia que um TCE em criança é bem diferente de um TCE em adulto e não tenho muito conhecimento nem experiência pra falar de criança. E como a Bruna te disse logo acima, não somos médicas e não conhecemos também todo o caso do seu filho, por isso antes de te responder, foi consultado uma neuropsicóloga que trabalha bastante em TCE…

      O que é sabido é que o cérebro de uma criança reage frente ao TCE de um jeito diferente do de um adulto. Isso acontece porque a criança ainda está em desenvolvimento, ou seja, o cérebro dela ainda não está formado. As sequelas do TCE numa criança depende da idade que ela tinha e tb do quanto ela foi estimulada para se desenvolver. É muito comum que os pais passem a proteger demais a criança, com medo que algo lhe aconteça novamente. Ao mesmo tempo que isso é bom, pode atrapalhar o desenvolvimento dela.
      É importante estimular ao máximo e observar se ela está fazendo as coisas que são esperadas para uma criança da mesma idade que ela. Se não estiver, é preciso acompanhamento especializado.
      De modo geral, uma criança que teve TCE precisa ser acompanhada por vários anos, uma vez que algumas dificuldades podem aparecer só depois de um tempo.

      Jéssica eu já falei várias vezes aqui e vou dizer de novo….De uma maneira geral, a recuperação de um TCE é bem lenta e exige muita paciência, perseverança, luta, fé, amor… Mas não se esqueça nunca que a recuperação é possível e seu filho pode sim evoluir muito e realizar o que vc disse que mais quer, pode andar, olhar pra vc e falar mamãe, etc. Sempre, em todos os casos, a estimulação é fundamental e o apoio da família tb.

      E Jéssica, não se culpe por ele ter caído da cama com vc, por vc ter voltado a trabalhar, etc. Nada do que aconteceu é culpa sua, acidentes acontecem o tempo todo!!! E vc não o levou ao médico logo após a queda porque não parecia ser nada grave… Se vc imaginasse que seria, com certeza vc o teria levado… Então, não se machuque desse jeito. Vc é uma mãe que ama seu filho e tanto é que está procurando ajuda pra ele melhorar, etc. Por favor, não faça isso com vc. E seu filho precisa que vc fique bem emocionalmente pra lidar com toda a recuperação dele.

      De onde vcs são? Com quantos meses seu filho caiu da cama? Ele está sendo acompanhado por algum profissional especializado? Como vc não deixou seu e-mail e nenhum outro contato, não consigo falar com vc….

      Mande notícias….
      Um grande beijo,
      Fernanda

  66. Oi Fernanda, como esta tudo bem?

    Só agora voltei aqui, nos ultimos tempos andei focada no tratamento da minha filha, correndo atras de tudo que pudesse ajuda-la.
    Quando vc fala da agenda pra anotar tudo, depois de 3 anos ainda estamos tendo isso com ela, mas ela leva a agenda e esquece de anotar, acho que esquece que levou a agenda.
    Quando te escrevi, ela estava indo na neuropsicologa,
    E a 1 ano e meio contratamos uma psicopedagoga que vem em casa 3 vezes na semana pra ajuda-la a estudar, ver se coloca algo na memoria, mas esta dificil, algumas coisas ela se lembra depois, mas a maioria nao, estou indo atras de um trabalho voluntario pra ela fazer agora, ela prefere um lar de idosos.
    Também esta fazendo teatro, esta adorando, mas leva a agenda pra anotar tudo que fez no teatro, mas nao anota nada.
    Eu percebo que apesar dos medicamentos que ela toma pra depressao, e os anticonvulsivos ( passou a ter crises após o acidente) ela esta mto passiva, desanimada, mesmo com tudo que a gente faz , mesmo ela dizendo que quer a vida de volta, ela nao se mexe pra que isso aconteça, nao tem nenhuma autonomia e parece que nao quer ter, nem vaidade ela tem mais pra ela qualquer cisaesta bom, era super vaidosa, agora pra tiar sobrancelhas e pintas as unhas, tem ficar falando pra ela, ai fica braba e passa uns dias falo de novo, e assim vai ate que ela fica tao braba que vai e faz…Ai depois que faz, esquece que foi fazer braba, e vem se elogiando, que esta linda as unhas, que a sobrancelhas ficaram perfeitas….etc.
    Nunca mais ligou pros amigos, nao tem interesse em ligar ou procura-los.
    O Namorado tambem ja esta cuidando da vida dele, nao deixou de dar assistencia a ela, leva ao medico, leva an academia, ele faz de tudo pra ve-la recuperada, mas ja esta com outra pessoa…E ela esta alheia a tudo isso, as vezes da a impressao que ela nao quer falar sobre isso, que esta fugindo disso….Esta bem complicado, estamos focando em ela ter autonomia, pois ela nao vai nem ate a esquina sozinha ainda, nao pq ela nao quer, pq acho que devido as crises convulsivas acabamos super potegendo ela, acho que tbm pela inocencia que fica, temos medo de alguem abordar e passar a conversa nela, pois esta mto falante, adora conversar, so as conversas dela as vezes é tao madura, e outras parece criança, e tbm brinca com pessoas que nunca viu, a gente tem que explicar pras pessoas, pq algumas nao entendem como uma pessoa que esta vendo pela primeira vez ja esta fazendo certos tipos de brincadeira que so fazemos com pessoas mto intimas mesmo..
    Enfim, é mais ou menos isso.

    • Maria Salete, você deve ter visto que sofri um acidente também faz 4 anos, e tudo o que voce diz sobre sua filha ocorreu comigo, falta de vontade de realizar as coisas.. de se cuidar.. de fazer as unhas.. tudo isso em mim demorou anos, e ainda passo por isso.. tenho falta de vontade de realizar as coisas.. indepencia adquiri.. realizo as coisas que consigo sozinha mas coisas que antes eram comuns para mim hoje não realizo.. são mudanças que infelizmente ocorreram ,.. eu nunca mais serei a Bruna de antes.. por mais que eu queira e tenha ficado depressiva por isso no inicio.. agora aceitei, posso me tornar uma nova Bruna, buscar outras qualidades para tocar a vida.. a Bruna de antes infelizmente não voltará por mais que me esforce..meu ex namorado ficou comigo por um ano também me auxiliando, me levando ao médico e etc, mas terminou comigo pois deixei de ser quem eu era.. eu estava até ano passado agindo como uma criança ainda.. e sem freio falava sem pensar.. depois pensava nossa o q disse.. mas isso pelo que percebi acontece com quem sofreu TCE e LAD. Fiquei chatada obvio mas comecei a sair com algumas amigas novas pois estas não iriam me comparar.. isso que talvez pese nela as comparaçoes pois não é todo mundo que entende a gente.
      As amigas novas fiz na pós graduação e num curso de idioma… pois decidi que não posso parar minha vida.. e minha neuro me disse que temos que exercitar o cérebro.
      Hoje tenho um namorado faz 1 ano e meio que me conheceu após o acidente, então não me julga,não me compara, me apoia, já meu ex entendo hoje que ele ficou perdido pois passou de uma mulher par uma menina,com surtos, mudanças de humor e tudo isso..
      A agenda também me esqueço de usar pois não usava antes , se ela não tinha o costume demora para adquiri-lo..
      Desejo tudo de melhor para vocês!! pois a família entende por mais difícil que seja mas amigos e namorados não.. muitas vezes a família não sabe como lidar conosco, a minha soómelhorou após conversar com minha neuropsicóloga, pois fui a 2 neuropsicólogas mas a 1 não tinha costume de lidar com pessoas que passam por isso e não auxiliou a atual atende somente vitimas de acidentes isso ajudou bastante,
      Um beijo

  67. Boa tarde,
    hj faz 3 meses que meu namorado sofreu o acidente de moto, hj graças a deus a pneumonia já esta curada, mas ele ainda não despertou, ele abre os olhos, mas fica muito sonolento, eu não sei se e por causa dos medicamentos que ele esta usando, ele se mexia mais, agora só quando ele ficar mas agitado ou quando quer, eu sei que o tratamento e assim e os médicos falou que agora só depende dele e agente tem que ter paciência, mas a ansiedade e grande, porem tenho muita fé de que ele vai ficar e se recuperar.

    Eu não sei se teve alguém daqui do blogue que ficou esse tempo de despertar ou mais tempo, ao me ajude….

    Uma boa tarde

    • Liliane, bom dia! eu mesma sofri um acidente faz 4 anos, vode deve ter lido aqui em cima.. fiquei 1 mes em coma.. depois acordei mas só consigo me lembrar quando ja estava em casa.. permaneci no hospital por mais 2 meses apos despertar.. e a principio somente abri os olhos, dizem meus pais que não expressava nada, não falava, como se não acreditasse estar ali.. isso só se normalizou após um mês e isso é normal! O principal [e ter paciência! o que já acho difícil para nós acidentados, imagino para vocês! Mas tenha fé! aceite e perdoe possáveis más atitudes dele, como esquecimento, boa sorte na melhora! e PACIÊNCIA!!

      • Oie bruna, muito obrigada pela a resposta, eu sei que tenho que ter fe e paciencia, mas as vez e complicado ver a pessoa que a gente ama nesta situação e os medicos nem sempre explicam corretamente como ele esta, se esta evoluindo ou nao, so fala que temos que esperar…sei que esse processo e lento, mas como vir casos aki parecidos com o dele tenho fe que ele vai ficar bom…bjs

      • Imagina Liliane, não podemos auxiliar muito pois não somo s médias mas contando o que ocorreu conosco creio que ao menus acalme vocês!

      • Olá LILIANE…

        Não tenho muito o que dizer além do que já foi dito aqui e tb pela Bruna…. Imagino o quanto é difícil pra vc e toda a família ver a pessoa que vcs amam desse jeito…

        Seu noivo continuará em nossas orações e infelizmente não tem como prever qdo ele vai acordar totalmente e sair desse estado. Os médicos não falam muito porque realmente muita coisa não depende mais deles. O cérebro humano é incrível e além dos casos que têm aqui no Blog, eu conheço outros em que a pessoa ficou muitos meses no estado parecido com o do seu noivo e depois melhorou…
        Continue tendo fé e paciência, as coisas vão melhorar!!!! Acredite!!!!
        Fique com Deus e continue nos mandando notícias.
        Um grande bjo
        Fernanda

      • Obrigada pela resposta, ontem fui visitar ele, ele ja fez a gastrotomia, semana passada, graças a deus que ele esta reagindo a ela, ainda não despertou de vez, mas tenho fe que logo logo ele vai voltar…abraços pra vcs…muito obrigado pela ajuda.

      • OI LILIANE…

        Também tenho fé que logo ele sairá desse estado… Que bom que ele está reagindo bem….
        Força e paciência, viu?
        Um grande beijo e nos mande notícias!!!!
        Fernanda

  68. Fernanda, eu fiquei sabendo de seu blog porque digitei as palavras “cérebro mudou” no google e “voilá”. Acho que você foi muito feliz na escolha do nome deste blog.

  69. Alex, sempre falo desse blog para meus amigos, e agradeço a vcs. A força que encontrei aqui, cito que foi aqui que sai do fundo do poço, tenho um carinho especial pela Fernanda porque foi aqui que superei minhas dores, angustias e depressão, já falei para os neuros, fisio, fonos, todos os profissionais que cuidam do Guga sobre o meu cérebro mudou, aqui senti que não era a única do mundo a sofre , encontrei muito apoio e informações importantes para o Guga, muitas dúvidas tirei aqui e continuo tirando e passando tb algumas experiências, gostaria muito de um dia poder conhecer pessoalmente a Fernanda, sua família e outras pessoas que fazem parte do blog, falo sempre de vc. E do seu irmão como exemplo de superação e vitoria, digo que sua mãe é uma guerreirona, sofro vendo só o Guga imagino sua mãe o que passou com vc e seu irmão, dor em dose dupla, não deve ter sido fácil, nem posso imaginar, sempre qdo converso sofre TC cito o caso de vcs. Alex beijos no coração meu grande vencedor.

    • Fico feliz por ter podido ajudar os outros com minhas experiências de vida, espero poder continuar ajudando sempre.

    • MINHA QUERIDA AMIGA DO CORAÇÃO, LEA…

      Qdo li o que vc escreveu acima, fiquei muitoooo emocionada e se este Blog te ajudou dessa maneira, só isso já valido à pena!!!! Juro!!! Se manter este Blog tivesse ajudado só vc, eu já estaria feliz porque o que eu mais desejo é que ele seja mesmo uma fonte de “energia”, força, consolo, troca, aprendizado, etc. para todas as pessoas que estão passando pelo que eu e minha família passamos…
      Com certeza, um dia vamos nos conhecer pessoalmente, não tenho dúvida disso!!!! Eu, vc, Guga….. Vai ser uma festa, rsrs

      Querida, Vc, Guga e sua família estão sempre no meu coração, pensamento e orações, viu?
      Um grande bjo
      Fernanda

  70. Nossa!!! Quem diria, eu ajudei a construir a ideia desse blog e só estou postando agora… Bem, quanto a todos que estão se sentindo fortalecidos por nossas experiências (minha e de meus colegas do grupo) só posso me sentir feliz e sentir que mais uma conquista foi alcançada dentre as muitas que alcancei nesse tempo todo depois do acidente de carro que eu e meu irmão Gustavo Covino Pinto sofremos. Hoje, levo uma vida quase normal, acabei a faculdade, trabalho, pretendo estudar mais, e, só digo “quase normal” pois ainda faço algumas terapias de acompanhamento para não parar de evoluir em relação ao físico, psíquico e social.
    Para todos quantos buscam ajuda, apoio e reabilitação, lembrem-se de que quem faz o seu presente é você mesmo, portanto, acredite, busque, vá atrás do que quer alcançar, nada é impossível desde que se crie uma meta e um objetivo a serem alcançados.

    Fé em si próprio move tudo, constrói tudo, sustenta tudo e mantém o seu bem mais precioso, a vida, vivo.

    • ALEX!!!!!!

      Quanta saudade!!!! Lindo o seu depoimento!
      Já não era sem tempo vc aparecer aqui, né? rsrs. Fico muito feliz e espero que sempre volte, pois você, assim como seu irmão e sua mãe são guerreiros vitoriosos e são um lindo e forte exemplo de superação, fé, amor, perseverança, paciência, união, LUTA DIÁRIA, conquistas, enfim, vocês são demais, sem palavras….

      Sua mãe contribui muito para este Blog, mande um bjo pra ela e seu irmão…
      Admiro muito cada um da sua família e PARABÉNS seria pouco pra vcs!
      Que vc continue sendo esta pessoa especial que é e que eu tive a sorte de conhecer!!!!

      Um forte abraço cheio de saudades e admiração…
      Volte sempre aqui, com certeza vc tem muito a contribuir!!!!

      Fernanda

    • Que lindo Alex!!! Como vc é um presente de Deus nas nossas vidas!!!!!Pena que a maioria não consegue enxergar isso!!!!
      Te amo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Obrigada por fazer parte da minha vida!!!!E me ensinar tanto!!!!!

  71. MUITO IMPORTANTE!!!!!!!!!!
    DIREITOS E BENEFÍCIOS DA VÍTIMA DE TCE (PELO GRUPO ASTRA)

    ***BILHETE ÚNICO – PASSAGEIRO ESPECIAL
    ISENÇÃO TARIFÁRIA MUNICIPAL DE TRANSPORTE
    É um direito garantido, conforme a Lei 11.250 de 01/10/92. Para obter a isenção tarifária nos meios de transporte, o interessado deverá agendar a entrega dos documentos necessários no endereço informado por meio dos telefones : 5021-3838 / 5021-4224 / 5021-4343.
    - Documento de identidade original;
    - Comprovante de endereço recente;
    - Laudo médico específico (novo modelo com selo da SPTrans) fornecido pelas Unidades de Saúde (US), com validade de 60 dias a partir da data de emissão.
    DÚVIDAS OU INFORMAÇÕES ADICIONAIS : 3101-2023 / 0800 771 01 18.

    ***CARTÃO DEFIS/DSV
    Este cartão é uma autorização especial e gratuita, para estacionamento de veículos em via pública, em vagas especiais, destinado a: pessoas com deficiência física ambulatória no(s) membro(s) inferior(es), pessoas com deficiência física ambulatória autônoma decorrente de incapacidade mental e pessoas com mobilidade reduzida temporária, com alto grau de comprometimento ambulatório.
    Como proceder?
    Obter formulário no Setor de Autorizações Especiais do DSV ou imprimir requerimento no site: http://www.cetsp.com.br, anexar os documentos necessários e encaminhar pessoalmente ou por correio.
    INFORMAÇÕES: (11) 3812-3281 / 3816-3022

    ***PASSE LIVRE INTERESTADUAL
    Passe livre interestadual é um direito regulamentado pela Lei n°8.899, de 29/06/94, concedido a pessoa com deficiência física, mental, auditiva ou visual, comprovadamente carente, com renda familiar mensal per capita de até um salário mínimo. O passe livre da direito a viajar utilizando transportes nos sistemas: rodoviário, ferroviário ou aquático. O acompanhante deve pagar sua passagem.
    Para solicitar o passe livre, envie os documentos necessários para:
    Ministério dos Transporte, Caixa Postal 9800, Brasília – DF, CEP 70001-970 ou acesse http://www.transportes.gov.br
    INFORMAÇÕES: (61) 2029-8035 ou pelo email passelivre@transportes.gov.br

    ***RODÍZIO MUNICIPAL DE AUTOMOVEIS NA CIDADE DE SÃO PAULO
    ISENÇÃO
    Tem direito os motoristas que portem Autorização Especial para a liberação do rodízio municipal, de veículos dirigidos por pessoas com deficiência ou por quem as transportem.
    Como proceder?
    Obter o formulário no próprio DSV ou pela internet no site http://www.cetsp.com.br, anexar os documentos requeridos e entregá-los pessoalmente ou via correio.
    INFORMAÇÕES: (11) 3812-3281 / 3816-3022

    ***SEGURO OBRIGATÓRIO DE DANOS PESSOAIS CAUSADOS PRO VEÍCULOS AUTOMOTORES DE VIAS TERRESTES – SEGURO DPVAT
    Todo proprietário de veículo paga anualmente o DPVAT, com finalidade de amparar as vítimas de acidentes de trânsito em todo o território nacional, não importando de quem seja a culpa dos acidentados. Qualquer vítima de acidente, envolvendo veículo, inclusive motoristas, passageiros e seus beneficiários tem direito.
    Como proceder?
    Os pedidos de indenização do DPVAT devem ser feitos através das seguradoras do mercado. Basta que o interessado escolha a seguradora de sua preferência e apresente a documentação necessária, se o acidente for causado por ônibus, a vítima ou seu procurador devera dirigir-se à seguradora contratada pela empresa proprietária do veículo.
    INFORMAÇÕES: 0800 022 1204

    ***SERVIÇO DE ATENDIMENTO ESPECIAL – ATENDE
    O serviço de atendimento Especial – Atende é uma modalidade de transporte porta a porta, gratuito, destinado ás pessoas com deficiência física com alto grau de severidade e dependência, impossibilitadas de utilizar outros meios de transporte publico, na cidade de São Paulo.
    Como proceder?
    O interessado deve solicitar a ficha de avaliação médica no posto de atendimento da SPTrans nas Subprefeituras ou imprimir através do site e providenciar o preenchimento com seu médico. Retornar com o formulário preenchido ao posto da Subprefeitura.
    INFORMAÇÕES: 0800 015 5234 ou acesse http://www.sptrans.com.br

    ***TRATAMENTO FORA DE DOMICÍLIO – TFD
    Este beneficio é regulamentado pela Portaria N° 55, de 24 de fevereiro de 1999, da Secretaria de Assistência à Saúde, e consiste no fornecimento de passagens aos usuários do Sistema Único de Saúde – SUS, para atendimento médico especializado em outro Município ou Estado que também seja conveniado ao SUS, desde que o tratamento necessário esteja disponível no Estado que irá recebê-lo, e depois de esgotados todos os meios de tratamento no próprio Município. A distância mínima para que o paciente tenha direito ao TFD é de 50 km do local de origem e em regiões metropolitanas.
    Como proceder?
    Esse benefício deve ser solicitado com antecedência mínima de 15 dias para pacientes da capital e 20 dias para os pacientes do interior – na Secretaria de Saúde do Estado ou Município de origem, que avalia e autoriza a viagem do paciente para o tratamento em outras localidades.

    ***VEÍCULOS ADAPTADOS OU ESPECIAIS – COMPRA COM ISENÇÃO DE IMPOSTOS
    A pessoa com deficiência ou com câncer, com alguma seqüela limitante da doença, poderá comprar veículo adaptado com descontos de impostos, desde que esteja impossibilitada de dirigir veículos de fabricação nacional.
    Como proceder
    Para saber sobre a documentações necessárias ou mais informações consulte o Posto Fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda de jurisdição do bairro onde você reside ou pelo telefone 3243-3400 ou acesse http://www.receita.fazenda.gov.br

    ***APOSENTADORIA POR INVALIDEZ
    A aposentadoria por invalidez é um benefício previdenciário para os segurados que, por motivo de acidente ou doença, forem considerados pela perícia médica do INSS, incapacitados para exercer suas atividades ou outro tipo de serviço que lhes garanta o sustento. Não há carência para a contribuição para a Previdência Social em caso de acidente de trabalho ou acidente de qualquer natureza.
    Como proceder?
    O atendimento no INSS deverá ser agendado previamente pessoalmente, por telefone ou internet. Para agendamento e informações da documentação necessária ligue para o DISQUE 135 ou acesse http://www.previdenciasocial.gov.br

    ***AUXÍLIO ACIDENTE
    Terá direito se o segurado que retornar ao trabalho após a consolidação das lesões do acidente de trabalho ou de qualquer natureza for portador de seqüelas que reduzem a capacidade de trabalho que habitualmente exercia. O auxílio acidente pode ser acumulado com outros benefícios, exceto com o auxilio doença decorrente do mesmo acidente
    Para mais informações procure uma agencia do INSS próxima de sua residência ou ligue para o DISQUE 135 ou acesse http://www.previdenciasocial.gov.br

    ***AUXÍLIO DOENÇA – Previdenciário
    O auxílio doença é um benefício previdenciário temporário destinado ao segurado, exceto o aposentado, que ficar por motivo de doença incapaz para o trabalho por mais de 15 dias. A carência é de 12 contribuições, mas não será exigido se a doença resultar de um acidente de qualquer natureza.
    Como proceder?
    O atendimento no INSS deverá ser agendado previamente pessoalmente, por telefone ou internet. Para agendamento e informações da documentação necessária ligue para o DISQUE 135 ou acesse http://www.previdenciasocial.gov.br
    OBS: A perícia médica é importante para a confirmação da incapacidade para o trabalho.

    ***PENSÃO POR MORTE
    Benefício pago aos dependentes do segurado que venha a falecer. Não é exigido comprimento de carência, porem há a necessidade de comprovar a qualidade de segurado. A pensão corresponde a 100% da aposentadoria que o segurado recebia ou que teria direito, caso, se aposentasse por invalidez.
    Para mais informações, procure uma agencia do INSS próxima de sua residência ou ligue para o DISQUE 135 ou acesse http://www.previdenciasocial.gov.br

    ATENÇÃO: Se houver a necessidade de um laudo médio, o interessado deverá solicitá-lo no local onde realiza o tratamento médico. Neste laudo deverá constar a Classificação Internacional de Doenças – CID e o tipo de tratamento realizado.
    Direitos e Benefícios da vítima de TCE

    —————————————————————————————————————————————————————————————————-
    O.B.S.: ACESSE O LINK: http://www.grupoastra.org/#%21direitos-legais/cgml QUE VC VERÁ TODOS ESSES DIREITOS E AINDA TERÁ MAIS INFORMAÇÕES SOBRE TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO (TCE), PELO GRUPO ASTRA!!!!
    ENTRE TAMBÉM NA SESSÃO ACIMA, DESTE BLOG, QUE DENOMINEI DE “INFORMAÇÕES IMPORTANTES”. LÁ VOCÊ ENCONTRARÁ OUTROS LINKS IMPORTANTES E MAIS INFORMAÇÕES QUE PODEM SER MUITO ÚTEIS PARA A VÍTIMA DE TCE E SEUS FAMILIARES…

    ABRAÇOS, FERNANDA

  72. MeMu nome é Carol temho Meu Amigo sofreu um acidente de moto agora pouco dia 01/05/14 , o carro bateu nele ! Ele teve traumatismo , hemorragia , Costela quebrada ficou em coma durante 3 dias. Graças a Deus Quinta – feira dia 16/05/14 ele teve alta , Fui visita-lo ele ta com os movimentos das pernas já tava sentado , Com um pouco de movimento nos braços mais o problema é que ele não consegue falar :( tenho medo que ele perca a voz pra sempre !
    Cheguei na casa dele e ele me recebeu com um lindo sorrisoc ♥ quem tiver lendo meus comentarios peço que voês orem por ele

    • Carol, te garanto que todos estamos orando por ele, e creio que essa dificuldade para falar seja passageira, faz muito pouco tempo, o cérebro precisa de muito tempo para se organizar novamente, o meu levou 4 anos.. só ter paciencia!

    • CAROL LIMA…
      Pode ter certeza que iremos orar pelo seu amigo. Qual o nome dele? Onde ele mora?
      O que a Bruna disse acima é bem importante, o acidente é muito recente, seu amigo ainda pode se recuperar bastante, pois o cérebro fará novos caminhos…

      Aqui no Blog tem várias dicas… é preciso a avaliação e estimulação com profissionais como fonoaudiólogo (no caso dele) entre outros.
      Nos mande notícias!!!
      Fernanda

  73. Simoni, meu pai é oftalmolosgista e também nao tinha explicaçao, a nao ser a parte do cérebro q cuida da visão afetada.. eu enxergava mas não nitidamente, ficava tudo meio embassado.. confundia pessoas.. mas a volta da visão demorou um pouco, cerca de um ano e meio.. sempre fazendo exames com meu pai para ver se já havia melhorado..mas não há remédio nada para auxiliar é esperar o cérebro compreender as dificuldades e como diz meu pai buscar novas ligaçoes, novos caminhos… tenha paciencia! bju

    • Simoni meu pai me explicou a=ontem que provavelmente a dificuldade na visão se dá devido a ele ter batido a parte de tras da cabeça, ou como meu caso bati todas as partes, meu cérebro choachoalhou, e teve sangramento na parte de trás por isso tive dificuldaade na visão

      • E você ficou sem enxergar nada ? E quanto tempo voltou ? E como está hoje ?

      • na verdade não fiquei cega.. tive um pouco de perda de visão do campo visual, ou seja nao enxergava o q estava ao meu lado, isso porque bati a parte de trás do cérebro, que é a da visão mas hoje ja estou rnxergando normalmente! tudo uma questao de tempo!

      • Me esqueci ,como provavelmente ocorrerá com ele, eu a principio enchergava embaçado.. sem contornos tb.. mas o tempo depende de cada um pode ser rápido ou demorar..

    • Bruna vc tem face book? Assim te adcc e vamos mantendo contato.
      Ele fica muito ancioso sabe.. esperando, está desanimado, deprimido demais!
      Vi que sofreu o acidente em Campinas, moramos aqui.
      Bjo

  74. fernanda boa tarde
    vi os seu comentarios e acho que vao me ajudar bastante
    meu noivo sofreu um acidente de carro no dia 27 marco e tem 35dia que ele esta em coma induzido na uti .os medicos nao dao muita explicacao so falam que ele continua na mesma .porem nesse ultimo final de semana ele abriu os olhos e chorou.os medicos ja estao tirando toda a sedacao ,gostaria que alguem pudesse me ajuda com uma orientacao .
    desde ja agradeco muito
    vanessa

    • Vanessa.. além da Fernanda vou emitir meu apoio.. fico triste somente de imaginar o que voce esta passando.. e mais triste ainda ao pensar que passei por isso e meus pais também.. mas diferente do seu noivo eles m que eu ficaria em coma para sempre.. e fui prova contraria desse fato!
      Estou bem.. andando flando comendo.. tudo o que eu nao conseguia fazer no principio.. te aconselho somente a ter calma.. e compreensão.. pode ocorrer com ele o que ocorreu comigo.. de ficar brava do nada descontar em vc..mas passa, comigo, ao menus 3 min depois ta tudo bem.. e meu ex namorado.. de um namoro de 4 anos não conseguiu aceitar. alegando que deixei de ser quem eu era terminou comigo.. e hoje estou a 1 ano e meio com uma pessoa que me entende.. sabe q meu humor varia muito rápido e me estresso por nada.. =) PACIÊNCIA E FÉ SEMPRE!!

      • agradeco bruna morais de souza .pelo apoio .hoje toda forca e bem vinda .e muito dificil da gente compreender e enterder as coisas porem tenho muita fe que deus esta fazendo um milagre e ele vai ficar bem assim como todos aqui nesse blog.

    • Olá VANESSA CANDIDO…

      O que posso te dizer nesta fase pra te ajudar é o que já falei aqui algumas vezes….
      Infelizmente, esta fase é uma fase terrível de muito sofrimento e angústia pela “espera” de toda a família sobre o que vai acontecer…. O acidente do seu noivo é muitíssimo recente e ele ainda terá muito o que melhorar, tenha certeza disso….
      A recuperação é lenta e exige muita paciência, força, amor, fé, perseverança… E lembre-se sempre que a neuroplasticidade existe e que o cérebro criará novos caminhos para que seu noivo recupere as funções.. Será fundamental a estimulação com profissionais que podem ser fono, fisio, neuropsicólogo, terapeuta ocupacional, etc., dependendo de cada caso.

      Força querida!!! Seu noivo está em minhas orações. Qual o nome dele?
      Vai nos mandando notícias e o que precisar saber ao longo do tempo, estaremos aqui pra ajudar no que for possível…
      Um grande beijo
      Fernanda

  75. Hoje completam 5 dias que meu noivo se acidentou.. E graças a Deus a recuperação está sendo muito rápida! Tiraram o cateter intracraniano dele ontem, pois a pressão do cerebro está estável, estão tirando a sedação, amanha já pode acordar! E aí precisamos ver a reação dele.
    Uma nova tomografia indicou melhoras nas manchas de sangue do cerebro!!!
    Acreditamos que Deus está mesmo no controle!!

    • Olá AMANDA DRUMOND…

      Como está seu noivo após a tentativa de retirada da sedação?
      Mande notícias…. Confie, seu noivo irá melhorar!!!!
      Muita fé, paciência, força, perseverança…Desejo o melhor pra vcs!
      Grande bjo
      Fernanda

      • Desculpe não ter respondido Fernanda, mas estou tão ocupada que nem tenho tempo.. rsrsr
        Mas o Yago é um milagre!
        Ele teve traumatismo craniano Axial Difuso.. pra entender melhor.. vários endemas no cerebro..
        Hoje fazem 22 dias que ele está na UTI, mas hoje tivemos a melhor notícia de todas!! Ele irá sair da UTI amanha!!
        Ele já consegue se comunicar com a gente, falar de certa forma.. teve que fazer traqueostomia, mas agora já está sem o respirador, só no oxigênio.
        Já movimenta as mãos e um pouco os braços e as pernas ele também consegue levantar. Vira o pescoço, abriu os dois olhos, quando a gente conversa ele olha pra gente e se alguem chega e ele escuta ele vira na direção da pessoa. Ele sorri.. Aaah é tanta coisa..
        Mas eu posso afirmar foi um milagre de Deus, pois ele chegou no hospital com muita pouca chance de vida. E a melhora dele está sendo tão rápida!

      • OLÁ AMANDA…

        Imagina, não tem que pedir desculpas por isso… Sei como é…
        Nossa, quanta alegria, que ótimas notícias!!!!!!
        Estou muitíssimo feliz com a excelente recuperação do seu noivo Yago! A traqueostomia realmente é necessária depois de alguns dias com respirador na UTI, eu também fiz! Mas, ele está evoluindo rápido mesmo, isso é maravilhoso!!

        Que Deus o abençoe nesta nova etapa da recuperação e se precisar de alguma informação ou quiser conversar, estaremos aqui… Força, fé, paciência e muito amor!!!

        Grande beijo
        Fernanda

  76. Sou Gérard.
    Tenho um irmão que foi vítima de um tumor maligno, fez cirurgia não houve retirada total do tumor por comprometimento cerebral. Fez os tratamentos convencionais e naturais, como oncotermia, oxigenação venosa,mudança na alimentação etc. Com todas essas terapias o tumor reduziu em 60% e estabilizou, ficou uma mancha cinzenta sem atividade. Porém um ano depois surgiu outro tumor entre os dois hemisférios está na UTI, sem poder fazer nada… se alguém tem alguma dica de caso semelhante ou tem informações de outras pessoas favor passar para mim.
    Agradeço muito.
    gérard

    • Oi GÉRARD…

      Eu li seu depoimento e vi que ninguém ainda te escreveu porque provavelmente, todos que o leram, assim como eu, não conhecem casos semelhantes e não dispõem de informações que possam ajudá-lo….
      Eu sinto muito pelo que aconteceu com seu irmão…. Eu conheço mais casos de Traumatismo Craniano, aneurisma, etc. , mas todos envolvem o cérebro e sei que o cérebro humano é incrível e surpreendente, então tenha fé!!!!
      Vou procurar saber se alguém conhece algo semelhante pra eu poder te escrever, mas o que eu posso te dizer é que nessas situações, precisamos ter muita fé, realmente acreditar que vai acontecer o melhor e que seu irmão vai conseguir se sair bem… Muita força pra seu irmão e todos da sua família, muita paciência, perseverança, amor e fé!!!!
      Quantos anos seu irmão tem? Onde vcs moram? Mande notícias dele…

      Um forte abraço,
      Fernanda

  77. Olá boa noite..
    Meu noivo se acidentou no dia 28 desse mes passado, e está em coma induzido, ainda não temos nenhuma notícia de melhora ou piora, não sabemos como ele está reagindo.. sabemos que ainda é muito cedo..
    Bate um medo muito grande às vezes.. mas sabemos que Deus está no controle de tudo! O que conforta é saber que muitos já passaram por isso e se recuperaram..
    Sabe é muito inesperado.. Agente nunca sabe quando vai acontecer alguma coisa..
    Mas temos fé que isso logo irá passar!

    • Somente digo que temos que ter fé!
      Fiquei em coma e depois coma induzido.. médicos disseram que eu não sairia do estado vegetativo e hoje estou muito bem! claro que meu acidente faz 4 anos.. e tudo merece tempo e decidaçao e creio que ele terá quando melhorar.. pense que as coisas demoram as vezes mais do que esperamos.. mas no final DEUS faz sempre o melhor ocorrer =)

  78. Iniciarei contando a minha história. Sou comissária de vôo e no dia 12/10/13 estava em Miami, no dia seguinte pela manhã voltaria para o Brasil trabalhando. Ao levantar entrei no face para ver as novidades e vi um comentário da noiva do meu sobrinho Felipe que ele estava no hospital , nesse momento bateu uma angústia mais eu pensei que fosse algo simples uma virose , que estivesse só tomando soro etc , mandei mensagem para meu marido para ele entrar em contato com a mãe dele e ver o que tinha acontecido. Algum tempo depois ele me disse que meu sobrinho de 20 anos , havia sofrido um acidente de moto e estava em coma induzido. Fiquei desesperada o meu coração doía de dor e angústia . Liguei então para minha mãe e vi senti que era algo sério ela estava na porta do hospital Santa Marcelina em Itaquaquecetuba SP , disse que a mãe dele estava ali tbem , aí a mãe dele confirmou que ele tinha batido de moto num poste e teve Traumatismo e estava em coma. Foi muito difícil fazer esse vôo, sorrir e agir como se estivesse tudo bem, minha vontade era me trancar no banheiro e chorar, gritar. Mais não podia tinha que trabalhar. Ao chegar no Brasil soube que ele estava de carona com um amigo, também de 20 anos e que o amigo Lucas havia morrido no local. Felipe teve diagnóstico de LAD ficou em coma por 15 dias , se movimentava muito foi amarrado na maca. Apelidaram ele de toro pois quase quebrará a cama de tanta força que fazia. Logo médicos já falaram que havia perdido o olho esquerdo (visão) , fiquei muito triste com esse diagnóstico ele queria ser piloto de avião , já tinha feito curso teórico e todos os exames físicos, só faltava começar as aulas práticas . Após 15 dias abriu o olho direito e movimentou a cabeça, mais estava bem ausente e ainda entubado , dois dias depois teve uma convulsão e dormiu de novo , fizeram traqueo com 22 dias, e só acordou no 27 dia. Foi para o quarto , tinha escara na cabeça e pegou pneumonia já no terceiro dia de ÚTI , e no quarto teve também infecção urinária . Teve alta com 43 dias, veio para casa 10 kg mais magro (ele já era magro) com sonda nasal para alimentação , porém a traqueo obstruída . Ele não conseguia mastigar nada sólido so tomava líquido , começou terapia com Fono para conseguir engolir E mastigar . Levei ele para Fono Padovan que descobri aqui no blog e também fez fisioterapia . Estava indo muito bem sua fala melhorou muito come de tudo e até voltou a dirigir a dois meses atrás . Colocou protese no olho que ficou cego , apenas para parte estética . Semana passada foi a consulta com neurocirurgiao e ele falou que teria que fazer outra cirurgia , colocar dreno e a pic ( usou na ÚTI uns 10 dias) estou muito triste por isso resolvi escrever , esse blog foi meu consolo por dois meses, todos aqui no mesmo barco dando força um para o outro. Já estava na hora de contar a historia do Felipe também . o médico disse que ele está com uma mancha do lado esquerdo do cérebro , que líquido e tem que ser drenado para não afetar sua coordenação motora etc. Por favor Fernanda vc tem conhecimento de caso parecido ? Dia 13 fez 6 meses do acidente .
    Muito obrigada a todos ia que me acalentaram esses meses .

    Luciana de Oliveira

    • Cara Fernanda, acabo de chegar do hospital meu sobrinho Felipe 20 anos foi internado, segundo médicos o resultado de nova tomografia indicou que a mancha que ele tem no cerebro trata-se de sangue, ele está com pequeno vazamento , por favor me ajudem estamos bem confusos com isso , pelo menos ele não apresenta nenhum tipo de dor , ou problemas de fala ou movimentos só não entendo o que está acontecendo

    • QUERIDA LUCIANA….

      Não sei o que aconteceu, mas fiquei muito “centrada” nesta sessão de “Depoimentos/Escreva aqui o seu” e onde vc postou, acabei deixando “passar” o seu e só agora me dei conta que ainda não tinha te respondido. Me desculpe pela grande falha!!! Por isso, tomei a liberdade de copiá-lo para cá por achar que aqui nesta sessão, atualmente, há mais visibilidade por um maior número de pessoas e desta forma, terá mais chance de alguém que passe ou já passou pela mesma situação do seu sobrinho poder ajudar…

      Luciana, não sei te falar muito sobre esta situação específica. Pelo que aconteceu comigo, acho que o sangue pode ficar um tempo ainda no cérebro e no meu caso, depois de um tempo, este sangue foi absorvido. Vc disse que seu sobrinho está com pequeno vazamento de sangue no cérebro???

      O que posso te dizer é que tenha calma, pelo que vc nos contou, ele teve uma excelente recuperação até agora, está com os movimentos, já fala, come sozinho, está sem dor e isso é maravilhoso para 6 meses só de reabilitação…. Continue acreditando que tudo dará certo…
      Não percam a fé na recuperação dele, por mais difícil que seja. Ele é muito novo e isso é um ponto muito positivo pra sua recuperação. Essas “intercorrências” podem acontecer mesmo, sei que a luta é grande e diária e por isso, desejo a vc e sua família, muita força, fé, paciência, amor e perseverança…

      Fiquei muito feliz quando vc disse em seu depoimento que este Blog foi seu consolo por 2 meses… Estaremos sempre aqui pra te ajudar no que for preciso.

      Mande notícias… O que os médicos pretendem fazer agora?
      Que Deus os abençoe!!! Confie, tudo vai dar certo!!!!

      Um grande bjo e obrigada por colocar a história do seu sobrinho aqui.
      Fernanda

      • Olá Fernanda não tem do que se desculpar, eu e que agradeço novamente por sua dedicação.
        Quanto ao “vazamento”também achei estranho mais foi o que a mãe dele escutou do médico , no primeira tomo em janeiro havia uma pequena mancha , agora em abril ele fez outra e a mancha havia aumentado, então o médico disse que teria que drenar esse líquido , mais que queria tomo feita em outro tomografo mais confiável, ele chegou a ser internado por uma noite, mais recebeu alta no outro dia cedo. E o médico si disse que estava diminuindo. Na verdade e complicado acreditar , bom seria se pudéssemos pagar por outro exame e outro médico avaliasse. O mais importante e que ele não apresenta nenhum sintoma dor , nada. E vou dizer uma coisa que sei que ajudará outras pessoas. Tenham fé assim como foi a recuperação dele outros podem ser igual , nunca acreditem no diagnóstico ruim dos médicos , acho que eles sempre falam o pior e o que vier e lucro, no caso do Felipe o médico disse que ele poderia não acordar ou vegetar o resto da vida. Foram 27 dias de angústias e melhor coisa que eu ouvi o dia em que ele acordou, foi quando eu perguntei se ele sabia quem eu era , e ele respondeu tampando o orifício da traqueo Tia.
        Grande abraço

      • LUCIANA QUERIDA…

        Imagino como deve ter sido sua emoção quando seu sobrinho te reconheceu e te chamou de Tia!!! Nossa, qta alegria!!!!!

        Tb concordo com o que vc disse sobre os médicos falarem sempre o pior e o que vier de bom ser lucro…Meus pais ouviram durante vários dias que meu acidente teve dois óbitos e eu ainda teria chance de vir a óbito. Foi tudo muito difícil!!! Mas, é o que vc disse, devemos ter fé acima de tudo!!!!

        Luciana continue nos mandando notícias do seu sobrinho… Se vocês tiverem chance ou quiserem vir pra São Paulo ouvir outra opinião, aqui no Blog mesmo, na sessão “Locais para Tratamentos”, tem endereços de locais muito bons, telefones, links para contato…
        Qualquer coisa, me escreva novamente! Se eu puder ajudar…

        Um grande bjo pra vc e seu sobrinho!
        E que ele melhore cada vez mais e esta mancha de sangue suma logo!!!!! Deus os abençoe!!!!

        Bjos
        Fernanda

  79. Meu nome é Ana Paula Medeiros
    Tenho 37 anos

    Minha primeira lesão foi provocado por uma outra criança quando eu era bem pequena.Ele me empurrou e bati com a parte de trás do crânio do lado esquerdo.Senti gosto de sangue e ardência.A dor durou duas semanas e meu desenvolvimento foi mais lento do que das outras crianças.Anos depois sofri agressões físicas incluindo espancamentos na cabeça,para piorar a situação eu sempre desmaiava e quando levantei do chão,consegui desmontar a janela de ferro com uma cabeçada.O tempo passou e eu comecei a praticar esporte e na natação,acabei esquecendo que estava na piscina pequena e fui com toda velocidade contra a parede.Nunca senti uma dor tão aguda.Senti meu cérebro quicar e meus olhos indo e vindo para dentro da cabeça.Foi a partir daí que a vida ficou um tanto conturbada.Tive descolamento de retina e passei a não identificar pessoas com rostos parecidos.Exemplo: Tarcísio e o filho lado a lado eu não vejo diferença embora exista. Não consigo fixar atenção e não lembro das coisas. Eu ainda sinto dores nas regiões dos traumatismo e o pior dele foi um azulejo que ao despencar do teto,afundou meu crânio.Eu senti em 3 segundo toda a água do corpo secar e vomitei em jato,fui perdendo a consciência e cheguei a ter um pequeno desmaio enquanto sangrava. Há relatos que meu comportamento durante todos esses traumas físicos,foi de que eu me tornei uma pessoa perigosa em todos os sentidos. Não lembro de nada além de lembranças que vem e que vão em um espaço de uma ou duas semanas.

    Bom…atualmente estou terminando uma faculdade e cursos feitos no veduca .Estou estudando sozinha inglês,francês e espanhol para concurso de diplomacia. Não sei se vou passar mas já vale pelo esforço em tentar. Apesar de tudo sou portadora de autismo no qual deixou de ser do mais severo para o mais ilustre. Há coisas que a vida ao longo do tempo explica com muita simplicidade,qual basta apenas um pouco mais de dedicação e empenho em melhorar para que tudo seja perfeito. Descobri que ao estudar,meu cérebro guarda as informações,porém, demora um pouco mais para encontrar as informações,minhas reações estão mais lentas,mas sei que se eu dedicar pelo menos 10 minutos de jogos de atenção na internet,conseguirei de volta a velocidade de resposta que eu tinha nos meus 18 anos.

    • Oi Ana Paula, quais são esses jogos de atenção da internet!! Ah, e parabéns por todo seu empenho em estar cada dia melhor!! Bjosss

    • ANA PAULA…

      Quanta coisa vc passou hein? Vc é uma guerreira e vitoriosa.
      Parabéns por toda sua luta e perseverança em busca de estar cada vez melhor….
      Vc recebeu meu e-mail??? A Vanessa também quer saber sobre os jogos da internet que vc disse que te ajudam a melhorar a atenção… Nos passe o endereço, pois assim, várias pessoas poderão se beneficiar…
      Obrigada por compartilhar sua história aqui…

      Grande bjo
      Fernanda

      • Obrigada Fernanda por entrar em contato.

        Muitos vão criticar e até mesmo não acreditar que simples jogos da internet são capazes de reabilitar o cérebro humano e boa parte do funcionamento do corpo humano,mas digo por experiencia que é a melhor opção na diminuição do uso de medicamentos.

        Como eu citei anteriormente,uso jogos que estimulam a contração,a ligação do pensar,analisar e agir usando a coordenação motora,jogos que ajudam no desenvolvimento do sentimento de responsabilidade e habilidade motora,como tenho dificuldades na formação de frases e na fala,pratico canto em casa e atualmente quando não tenho ataque de sinusite chego a cantar ópera por exigir controle na respiração e uma concentração maior.A canção favorita para canto lírico é Barcelona. Devo alertar que a leitura diária ajuda muito tanto na memória quanto na fala. Eu indico o sites de jogos do clique jogos,farmerama e dark orbit. Dos jogos do clique jogos o mais importante é o mahjong,porém basta ir na categoria jogos delux que você encontrará várias versões dos jogos em que é necessário clicar rapidamente nas peças de mesma cor,recomendo Chuzzle.

        Esse método é tão bom que lembrei do meu verdadeiro pai,que por árabe teve que me deixar na casa da irmã dele para trabalhar,pois minha mãe faleceu no parto.Tudo isso eu lembrei tem mais ou menos dois meses.Eu lembro quando ele se escondeu comigo em um quarto pequeno cheio de material de trabalho e ele fazia as orações do islã e movimentos com a mão esquerda na minha testa,isso porque ele estava trabalhando no Emirados Árabes Unidos e na ocasião houve uma invasão na briga pelas terras e pelo petróleo.Lembro que ele me mantinha presa no corpo dele por uma faixa e com minha cabeça apoiada na direção do coração dele.Eu afirmo que estive na casa que hoje é museu que conta a história de vida do meu pai.Eu estive com ele no dia em que chegou a caminhonete que fica no meio do pátio. A ultima vez que estive com meu pai,ele conversava com um homem aqui da cidade que está com meus bens que por ser advogado,meu pai confiou a ele a entrega dos dinheiros que ele enviava para mim,da mesma forma que confiou meus bens para que ele me entregasse e advinha?! Nunca aconteceu. Ele foi eleito prefeito aqui na cidade e depois disso fugiu.Foi nessa conversa que meu pai falou pela primeira vez da minha mãe perto de mim,lembro dele falando que ela era ruiva e que montou uma casa para ela aqui na cidade,quando voltou de viagem ele viveu os melhores dias da vida dele,pois estava com a mulher que ele amava.Infelizmente quando numa dessas saídas deles ao chegar em casa,encontrou minha mãe caída no chão com hemorragia devido o aumento da pressão,lembro dele falando que não teve jeito ela morreu nos braços dele e ela o fez prometer salvar o bebê foi ai que ele abriu a barriga da minha mãe com uma faca de me tirou de dentro dela.

        Estou lembrando de tudo desde meu nascimento,isso inclui o cheiro do meu pai.Consigo lembrar de detalhes de quando estava com ele. Ele me deixou aqui quando eu estava com um ano e seis meses.

        Caso precise perguntar mais coisas fique a vontade,eu terei o prazer de ajudar.

        A verdade é que,quem me viu em dois mil e doze e me vê agora,percebe claramente as mudanças no meu comportamento,pois estou mais serena e mais centrada,bem menos infantil e ansiosa aos extremos.

      • Tem um detalhe que ainda não consegui superar.Eu ainda não consigo associar rostos entre pessoas parecidas umas com as outras.É o caso de uma pai e filho ou entre irmãos e até mesmo alguns parentes,da mesma forma que ao ver uma foto ou um vídeo de uma pessoa na internet, não me dão a certeza de ser aquela pessoa estando na minha frente. Exemplo: Um artista da tv,se eu o ver ao vivo meu cérebro não dá certeza do que vejo,se é realmente a pessoa ou uma imagem sobreposta por aproximação de traços. Tem um filme em que a atriz cai da ponte e só vê um rosto.É mais ou menos isso,a diferença é que meu cérebro identifica o rosto de alguém que eu já conhecia para os rosto que eu vejo agora,porém o rosto do meu pai é a minha única certeza.

  80. Preciso de ajuda, como a vida da gente pode mudar assim tão drasticamente e rapidamente, nosso chão arrancado “esta sensação que nunca mais teremos paz ou seremos felizes” onde achar apoio, compaixão e Deus.
    Hoje fazem 60 dias que minha família e eu paramos no tempo e nao conseguimos mais viver, e muita dor e incertezas. Meu pai foi operado de um tumor cerebral benigno no nervo trigêmeo, que segundo os médicos com tudo a favor idade boa 67 anos, saúde excelente, forte, exames clinicos excelentes, sem risco de morte, podendo apenas ficar uma pequene seqüela reversível. Foram 6 horas de cirurgia no hospital paulistano aqui em sao Paulo. A operação foi bem, ele saiu falando, agradecendo a todos, com todas funções neurológicas normais e com uma placa de titaniun na cabeça, seu tumor foi totalmente removido, que alivio teríamos nossa felicidade novamente estabelecida, porém após 3 horas veio a hidrocefalia, mais uma cirurgia com anestesia geral e colocação do PIC para diminuir a pressão no cerebro, infelizmente nao foi suficiente, segue a terceira cirurgia agora para descomprimir o cerebro atraves de craniotomia, mas desta vez houve a hemorragia e a isquemia no TCE, foi retirado parte do cerebelo de meu pai, quanta tristeza. O medico nos disse que foi a única forma de manté lo vivo. Neste dia 20/02/2014 meu pai Orlando ( meu herói) foi desenganado. E nos disseram que onde houve a lesao, no tronco encefálico, este controla as principais funções do corpo – movimentos, fala, respiração, sono/vigília, comer, etc……
    Após esta maratona de cirurgias e anestesias gerais, meu pai entrou em coma profundo glascow 3, olhos de boneca e assim esta a 60 dias, houve uma pequena melhora clinica, porém neurologica continua a mesma coisa desde a operação.
    Conseguimos Interna lo em uma clinica no tatuape chamada althea para pacientes crônicos e em estado parecido com o dele sem previsão de voltar do coma.
    Eu e minha família suplicamos a Deus Que ele volte para nos, porém temos muito medo, os médicos dizem que as seqüelas podem ser gravíssimas, desde uma tetraplegia, cegueira, nao falar, etc….., e dizem também que a chance e enorme de ele nao acordar mais até o fim de seus dias, ou acontecer um milagre e ele voltar bem…… Quanta ángustia meus queridos, o que fazer, como agir, o que pensar,o que esperar ? Gostariamos de poder prever e nao ter medo De pensar o quão ruim meu pai possa acordar.
    Ele foi andando, falando e confiante na promessa de médicos que tudo daria certo, e aconteceu toda essa merda infelizmente.
    Alguém por favor poderia me ajudar dizendo se conhecem ou a ouviram dizer sobre casos de pessoas de coma em grau 3 se voltaram, atraves de muita pesquisa gostaria de dizer que existe uma chance de óleo de omega 3 em grandes doses ajudar pessoas pessoas em coma a acordar, e também no auxilio de parkinson e Alzheimer, isto e verdade.? Estamos enesgando em começar este tratamento com meu pai.
    Fico no aguardo de retorno, muito obrigado pelo carinho. Meu e mail ecoomni@gmail.com

    • Carlos alberto, me emocionei lendo sua mensagem, qta. dor estào passando, mas tenha sempre fé e acreditar, os medicos sempre dizem isso, se vc. Ler acima muitos depoimentos da familia dizendo o mesmo que os medicos falaram pra eles,E hoje muitos deles ficaram bem, alguns até tocando a vida, logico que o processo é muito lento, temos que ter fé e acreditar sempre, aguarde a Fernanda ela vai te responder ela tem muita experiencia, vou colocar seu pai nas minhas orações, fique com Deus, converse no ouvido dele que ele ouve tudo, diga que o ama muito, querido não tenho mais palavras, um grande beijo no coração.

      • Carlos Alberto, li seu depoimento e também me emocionei demais !
        Meu irmão sofreu um acidente de veículo gravíssimo no dia 07 de Dezembro de 2.013, e foi levado para o Hospital em coma profundo glascow 3 desenganado pelos médicos, ele teve afundamento de crânio, passou por cirurgia e ficou quase 10 dias em coma , os médicos falavam sim em sequelas! Mais pela graça de DEUS ele voltou, e em menos de 20 dias após o acidente ele estava em casa, voltou com uma cegueira bilateral mais melhora a cada dia que passa, e cremos que o milagre dele está chegando e vai recuperar a visão por completo , e ainda terá que fazer a cirurgia de prótese , pois está sem a calota ! Por isso digo ele é a prova viva de que DEUS existe, CREIA! que o seu pai sairá desta querido… Estamos orando por ele.
        Abraço.

        Simone

  81. Há 4 anos sofri um grave acidente veicular, um carro simplesmente caiu em cima do meu, pois minha pista era r meu mais baiza e nao havia proteção para dividi-las.
    Eu estava somente indo para Campinas na Rod. D. Pedro, entregar meu TCC, iria me formar na faculdade, mas tudo acabou se atrasando um ano.
    SFui removida do carro já em coma, minha lesão só não foi pior pois o banco do carro quebrou me deitando, mesmo assim tive um TCE grau 7, LAD e varias sequelas como falta de campo visual, não mexia o lado esquerdo do corpo,não sabia nem sequer comer, estive no hospital internada por 3 meses, 1 deles em coma, os outros me recuperando, hoje meu campo visual está ótimo e caminho bem.
    Ficaram sequelas como perda da memória recente, mudanças de humor bruscas,falta de vontade de realizar coisas demoradas, tom de voz elevado,dentre outras, mas creio que excelentes comparadas ao que os médicos diziam aos meus pais.. que eu ficaria em estado vegetativo para sempre..
    Hoje segundo minha neuropsicologa estou muito bem, pois pessoas que tiveram o mesmo trauma que eu levaram 7 anos para estar como estou no momento. Sou muito feliz por isso.
    O que me incomoda são as pessoas conversarem comigo e alegarem que nao possuo deficiencia alguma, e eu sei que possuo pois nao sou a mesma Bruna de antes.
    A principio me julgava normal, comecei a trabalhar na recepçao de um hotel, e percebi meu problema de memória quando me ligaram de uma habitação me solicitando toalhas e eu nao me lembrei qual o numero do quarto, ai procurei uma neuro psicologa, e vem me ajudando muito.
    Deveria recorrer mais a agenda semanal que ela me indicou mas me esqueço até disso…
    Ela e meu neurologista me forneceram um CID o T90.5 que auxilia pessoas que sofreram traumatismo craniano a conseguir um emprego nas vagas p deficientes ou prestar concurso.
    Isso me incomoda pois ao prestar concursos existem só deficiência mental, física, visual.. a nossa é adquirida..e nao mental!
    Isso prejudica também ao buscar empregos pois realizei uma entrevista e as pessoas nao entendem e nao conhecem deficiências adquiridas e creem que é dificil lidar com tais pessoas.
    Eu só busco um emprego para parar de depender do meu pai.. reconquistar minha independencia.. que infelizmente foi perdida!
    Se souberem como me auxiliar agradeço.

    • OLÁ BRUNA DE SOUZA!!!!!!!!!!!!!

      Fiquei muito feliz qdo vi que vc voltou e resolveu colocar seu depoimento aqui nos contando o que aconteceu com vc e além disso, já ajudando outras pessoas…Muito bom!!! Escrevi pra vc logo acima tb…
      Fiquei curiosa, quantos anos vc tem agora? Que cidade vc mora?

      Nossa, qdo li que um carro simplesmente caiu em cima do seu, pensei: que loucura!!!!!! Realmente, não dá pra entender porque as coisas acontecem….Estar no lugar errado na hora errada????? É…. Nos resta “aceitar” os “acontecimentos” que surgem na nossa vida, (“sem pedir licença”, rs) porque se ficarmos querendo entender, ficamos loucos.
      Que bom que depois vc ainda conseguiu se formar, parabéns! Como vc deve ter lido aqui, eu tb fiquei com “sequelas” parecidas com as suas… E eu também sempre me incomodei com o fato das pessoas conversarem comigo e dizerem que elas também têm dificuldades parecidas e nem bateram a cabeça, rs. Frase que escuto SEMPRE!!!!!!!!!! rsrs. É como se ninguém acreditasse nas minhas reais dificuldades ou não entendesse nada o que estou querendo dizer com relação às minhas sequelas… Na verdade, a maioria das pessoas não entende mesmo!!!! E não é culpa delas. Isso é um fato que teremos que lidar… E as pessoas que convivo que sofreram lesão cerebral se queixam da mesma coisa, 100% delas, pode acreditar!!!!!!!!! Esse foi um dos grande motivos que decidi manter este Blog. As pessoas, de uma maneira geral, são muito desinformadas com relação às sequelas de um TCE. Isso tem que um dia mudar e “rápido”, pois todos os dias as pessoas sofrem acidente e muitas ficam com os mesmos problemas que nós enfrentamos, né?

      Qto à agenda semanal, eu escrevi sobre ela na sessão acima “Estratégias úteis”. Eu demorei a usá-la diariamente porque, como vc disse, eu tb me esquecia de usá-la, rsrs. Eu dizia: eu preciso usar uma agenda pra me ajudar a lembrar das coisas, mas eu esqueço de usá-la, como fazer??? kkkkk. Mas hj não sei sair de casa sem levar minha agenda, sou totalmente “dependente” dela pra tudo… rsrs. Qualquer coisa que penso ou combino com alguém, logo abro ela e anoto. Tb ajuda a me organizar com as atividades durante a semana para não me sobrecarregar, etc.. Se der, dê uma lida lá. Tenho duas amigas que sofreram lesão (do grupo do CPN) que não faziam muito uso da agenda semanal e eu sempre “no pé” delas, insistindo… Hoje fico muito feliz delas usarem…Esses dias atrás, estávamos conversando e antes eu já disse brincando: primeiro de tudo, pega a agenda, rs. E dá super certo pra gente….Tenta mais um pouco, quem sabe!!!! rs. Pode fazer total diferença, pra melhor, no seu dia a dia…

      Quanto ao fato do CID, de concurso, da dificuldade de conseguir o empego “certo” e “justo”e as pessoas entenderem esse tipo de deficiência nossa, é muito complicado… No grupo que eu participava no CPN, nós discutíamos esse problema…. Eu já conversei esse assunto com algumas amigas que tiveram lesão e sempre foi um assunto complexo, difícil, sofrido e “sem muitas respostas”… Te auxiliar sobre esse assunto, como vc “pediu”, é algo um pouco complicado, pois envolve muitas coisas. Mas, não impede de conversarmos muito sobre esse assunto, rs. Vc já ficou ou está afastada pelo INSS recebendo auxílio- doença???

      Um beijo grande pra vc…
      Aguardo seu resposta,
      Fernanda

      • Obrigada Fernanda.. Eu recebi auxilio doença por um ano… mas agora nao recebo mais.. completei em Jan. 26 anos.. tinha 22 na época.. Mas nao desisti de mim sabe.. me formei.. cursie uma pós graduaçao.. tive dificuldades de memorizar dados para as provas e mtuita dificuldade em realizar o TCC da pós.. mas consegui. me formei com A e fiquei muito feliz e realizada!
        Minha neuro me aconselhou a nao recorrer ao INSS por invalidez.. disse que nao sou inválida.. somente apresento algumas diferenças das outras pessoas..
        É acho que estava litetralmente no lcal errado e na hora errada.. mas creio que isso deveria ocorrer comigo.. Graças a Deus estou bem fisicamente e aparentemente pisicológicamente também. =)

        A me esqueci.. resido atualmente em Atibaia – SP mas meus pais residem em SP e meus médicos são de SP

      • BRUNA QUERIDA…
        Admiro muito vc!!!!!!!! PARABÉNS por tudo que conquistou, parabéns pela sua coragem, luta, perseverança, amor pela vida, força de vontade, determinação, enfim PARABÉNS POR NUNCA TER DESISTIDO DE VC!!!!! Orgulho!!!!!!!

        Penso também como vc, acho que as coisas tinham que acontecer com a gente! Aprendi que se ficarmos procurando o porquê, isso só vai trazer revolta. Todos nós devemos buscar aceitar o ocorrido e tentar mudar pra melhor tudo que for possível depois do que já ocorreu…. O que aconteceu, aconteceu, é um FATO!
        Nunca me esqueço que logo que aconteceu meu acidente, eu perguntava pra minha mãe: por que aconteceu isso comigo???? Eu dizia: sou uma boa pessoa que nunca fiz mal à ninguém e com apenas 29 anos, perdi de uma só vez meu marido (29 anos) e minha irmã (27 anos), que tb sempre foram pessoas incríveis e do bem e eu ainda tive TCE, etc.??????? E minha mãe sempre me dizia: Por que isso não poderia ter acontecido com vc???? As coisas ruins acontecem o tempo todo e não só com pessoas “ruins”, acontecem coisas até “piores” do que aconteceu com vc com pessoas “boas” também….Claro que o sofrimento que cada um vive não pode ser avaliado como pior ou melhor, pois todos são sofrimentos e devem ser respeitados da mesma maneira e “aquele” pode ser o pior pra aquela pessoa… Mas, vc entende o que estou querendo dizer, né?
        E essas palavras da minha mãe entraram na minha cabeça de uma tal forma que não senti mais revolta. Isso mudou tudo, principalmente porque quem estava me dizendo era uma pessoa super do bem tb e que estava no fundo do poço porque tinha perdido a filha (minha irmã) e um genro querido e ainda estava me vendo toda “destruída” física e emocionalmente, né? E não deve existir dor maior que mãe perder um filho, eu penso.

        Então, é isso…Vamos nos falando… Qualquer coisa meu e-mail é: fernanda.blog@hotmail.com

        Grande bjo e obrigada pelo seu depoimento aqui no Blog. Com certeza, sua história é uma inspiração/incentivo pra muita gente!!!!
        Fernanda

      • Agradeço por saber que talvez ajude muita gente co meu depoimento.. também passei por isso, me perguntava porque eu estava ali naquela hora.. porque a pessoa do outro veiculo só quebrou o braço e eu fiquei assim? meio que entrei em depressão.. mas percebi de que nada adiantaria continuar assim pensando que isso não deveria ter ocorrido comigo.. porque comigo.. resolvi pensar que algum motivo para isso ocorreu.. por mais que eu não saiba qual.. o cara la de cima sabe.. até brinco que sobrevivi pois devo ter muito pecado para pagar.. rs mas falo da boca pra fora.. agora busco adquirir novas qualidades.. ficaram muito poucas das quais eu tinha mas creio que surgirão muitas novas!
        Se eu fiquei aqui algum motivo houve!
        Claro que passo algumas vezes por crises de choro e de relembrar o q ocorreu e pensar novamente porque comigo¿ mas logo supero…
        Entendo o que você explicou que sua mãe te dizia.. e concordo. o sofrimento e a aceitação dependem de cada pessoa.. GARANTO que não é fácil para ninguém! Mas vamos lá.. sempre buscando o melhor que podemos de nós mesmos.. DESISTIR de você e da sua vida? não!! se estamos aqui temos muito para viver! por pior que seja! rs

    • Oi Bruna querida, sua situação é a mesma de meu filho Neri Junior, estava no quarto ano de direito o pior é que ele não consegue agora terminar a faculdade por que esquece tudo na hora das provas. enfim esquece até de anotar na agenda… esquece se tomou ou nao o remédio enfim….
      Mas Bruna isso só pra te mostrar que como vc e o junior devem ter muitos outros jovens que teriam um baita potencial no trabalho que estão vivendo essa mesma situação. Nós estamos tentando colocar o junior trabalhar conosco , porém vimos que ele não se realiza, no fundo ficou aquele sonho de se formar…. advogar… seguir carreira…
      olha não sei o que te dizer, mas acho que devíamos lutar por uma conscientização nacional sobre esse assunto… afinal não são deficientes mentais…..como vc diz…. mas sim, uma deficiencia adquirida em um grave acidente, como poderíamos denominar? … para tentar se inscrever em uma tentativa global de campanha de conscientização.
      bjos querida,

      • DLEIZA QUERIDA…

        Li no dia que vc escreveu aqui e quero te dizer que sempre pensei nesse assunto e estarei sempre junto na luta por esta conscientização….

        Bjos, Fernanda

      • Obrigada Dleiza, semana passada começamos um grupo para discutir sobre o q enfrentamos, ele é composto de mais 3 pessoas na mesma situaçao que eu me encontro, uma delas é a Fernanda lider desse blog, terça feira teremos outra reuniao e discutirei esse assunto, muito obrigada

      • Dleiza, seu filho se formou? vi q enfrenta dificuldades para realizar provas.. eu fiz pós graduação após meu acidente, levei até a faculdade um documento da minha médica explicando a situação e que eu necesitava realizar provas com consulta e deu certo, se não se formou busque levar um atestado médico a faculdade.
        Realmente como comentado tinhamos tudo para nos tornarmos ótimos profissionais, pessoas de sucesso, mas infelizmente não podemos.. por algum motivo o acidente ocorreu conosco, as vezes não era para continuarmos no que estávamos.. isso me ajudou bastante .. mas tive q acietar que não foi por qualquer motivo que estava no local errado na hora errada. bju

    • Bruna Vi seu depoimento e vi que sofreu um acidente com TCE e teve um problema na visão ? Pode me contar como foi ? Perdeu toda e quanto tempo conseguiu recupera-la e como foi ?
      Meu irmão sofreu um grave acidente em Dezembro/2013 e não está enxergando ainda e como foi o primeiro caso aqui parecido com o dele gostaria de saber como foi.
      Obrigada !
      Abraço.
      Simone

  82. Olá, sofri um acidente de carro em 2010 , no qual um carro ciu em cima do meu carro, fiquei 30 dias em coma, o acidente resultou em TCE com lesao axial difusa, e uma grande falta de memória recente. estou em tratamento com uma neuro pisicologa que me indicou seu blog. Irá me ajudar muito a superar minhas dificuldades sabendo que mais gente passa por isso e as enfrenta! Obrigada
    Bruna

    • Ok Guilhermer, obrigado pela atenção. Criei um Face e vou te adicionar para que possamos ter outro canal de comunicação além desse.

      Abraço!

    • Oi Marcos Vinícius, tudo bem?? Sobre a respiridona, o meu irmão João Paulo, tomou por vários meses, foi ótimo pra ele, tomava de 12 em 12 horas, ele dormia muito melhor, e até os espasmos ficavam menos frequentes, a pouco tempo ele parou de tomar, agora toma um tranquilizante natural. Espero ter ajudado. Beijos

      • MARCOS VINÍCIUS…

        A Vanessa te respondeu muito bem sobre a “Respiridona”, o mesmo indicado pra sua esposa e o irmão dela. Eu não sei falar sobre esse medicamento específico e além disso, o nome comercial muda dependendo o laboratório e eu não me lembro de todos os nomes de remédios (vários, rs) que fiz uso. Porém, o que eu quero te dizer é que esses medicamentos psicotrópicos são muito indicados mesmo. Não estou falando desse específico pq não sei sobre ele…
        Também não sei o que usei de medicamento no hospital há 7 anos, nem meus pais se lembram, pois na época eles estavam vivendo o luto da morte da minha irmã, etc, e esses “detalhes” não sabemos de jeito nenhum…

        Se estiver inseguro qto ao medicamento, pergunte a opinião de outro médico da área, mas repense sobre o assunto…. Eu te falo isso por experiência própria. Esses tipos de medicamentos, NO MEU CASO, foram importantíssimos e fundamentais!!! A minha qualidade de vida, a partir do momento que cheguei em casa ( e lembro pra te falar), melhorou MUITOOOOOOO!!!! Eu cheguei em casa e fiquei uns 3 dias agitada, angustiada, sem conseguir dormir nenhum minuto….Eu chorava de dor, de vontade de dormir, descansar, e não conseguia. Só consegui quando meus pais chamaram um neurologista em casa e ele me medicou com esse tipo de remédio. A partir desse dia, minha vida melhorou 200% comparado a antes, entende? Os medicamentos psicotrópicos são remédios utilizados no combate da ansiedade, agitação, insônia, angústia, depressão…. E por isso, ajudam muito nesses casos. E quase sempre quando lemos a bula deles e vemos que podem ser usado para muitas doenças diferentes, ficamos muito assustados com tudo aquilo que vem escrito ali…
        Grande parte das pessoas que conheço e tiveram esse tipo de lesão cerebral , fazem uso constante desse tipo de medicamento, claro que específico para o caso de cada um, né?

        Eu, no início fiz uso de vários, e agora faço uso de apenas um tipo que é o antidepressivo. Com ele, eu controlo meu sono, meu apetite, minha alteração de humor, minha ansiedade….enfim, os sintomas que fiquei após meu TCE-LAD.
        Pense nisso…. Se vc se recusar a dar esse tipo de medicaento, por motivos que entendo perfeitamente, vc pode estar tirando o direito dela de se sentir melhor, entende? Sei que sua intenção é querer só o melhor pra ela, não me interprete mal, por favor!!! Não estou fazendo apologia ao uso de medicamentos, mas com certeza, pra muitos casos, eles são necessários. Nesta fase que sua mulher se encontra, talvez mais ainda….

        Espero ter te ajudado de alguma forma. Quando li a sua dúvida quis logo te responder… Desculpa se “entrometi”…

        Estamos sempre aqui… Boa sorte e que Deus ilumine todas as decisões, muitas vezes difíceis, que deverão ser tomadas durante todo este período de recuperação da sua esposa….
        Forte abraço, fica com Deus
        Fernanda

      • Obrigado Vanessa e obrigado Fernanda pelos esclarecimentos. Agora fiquei mas tranquilo!! Se for para a melhora dela que seja bem vindo…
        Abraço!

  83. Oi Lea,

    Muito obrigado pela atenção. Tenho acompanhado seu caso ai com o garotão e admiro bastante sua dedicação, não só a ele, mas também a todos os casos aqui do blog. Como a Fernanda mesmo fala, vc é como uma mãe pra todos.
    Ontem minha esposa recebeu alta da UTI e hoje vai pra enfermaria. Não pude visita-la ontem pois a visita das 11:00 não teve e a das 16:00 não pude ir devido ao trabalho. Minha cunhada disse que ela ontem não quis muito “papo” com ninguém, interagiu pouco e a fonoaudióloga disse que foi pq não fui ve-la, rsrsr. Pode até ter sido, mas acho também que é mais pela impaciência (1 mês e 13 dias ali dentro) e também amarraram suas mão, pois ela arrancou a sonda na segunda-feira.
    Hoje 11:00 estarei lá e depois informo as novidades.
    Bjs
    Estou sentindo falta da Fernanda!! Ela sumiu um pouco…

    • OLÁ MARCOS VINÍCIUS!!!

      Olha eu aqui!!!!!!!!!!!!! Até que enfim, né? rsrs. Eu passei um tempo sem responder aqui no Blog por vários motivos pessoais e quando voltei, tinha muita gente pra eu escrever e fui fazendo isso por ordem cronológica para tentar não ser injusta com ninguém que entra aqui… Sempre gosto de dar atenção individual e conversar com todos que entram aqui… Infelizmente, nem sempre consigo fazer isso tão rápido e até me culpo um pouco por isso, mas estou aprendendo a respeitar mais meu tempo, minha rotina de vida que mudou muito e minhas “limitações”…. Sempre aprendendo, né?

      Li toda sua história. Também fiquei muito feliz quando vc disse que leu todos os depoimentos aqui do Blog!!! Acho importante quem lê tudo porque várias pessoas têm muito que acrescentar com suas histórias… Tanto aqui na sessão de “Depoimentos”, como na de “Depoimentos familiares”, “Informações Importantes” e “Estratégias útéis” (acima), acho que têm muitas informações úteis.

      Tô muito feliz de ver a boa recuperação que sua mulher está tendo como também em saber que a filha de vcs e o resto da família estão bem.
      Realmente, sua esposa teve acidente com a mesma idade que eu, 29 anos. Eu também, no ínício, mexia só o lado direito e fiquei com o esquerdo paralisado; também só sobrevivi porque fui socorrida muito rápido pela ambulância que estava há uns 5 minutos do local, enfim, várias coincidências…..É uma idade que favorece, pois somos jovens e isso pode ser mais um ponto positivo para a recuperação… E tudo vai dar certo pra ela, assim como deu pra mim, acredite nisso!!!!! Muita fé, força, paciência, perseverança e paz….Ainda é muito recente, as coisas vão melhorar!!!!!!!!!!!

      Eu acho que é “inútil”, eu ficar aqui repetindo muitas coisas que já disse nos outros depoimentos, principalmente porque vc já leu e sabe como “eu penso”…Acho que com o passar do tempo, podem surgir muitas dúvidas e saiba que estarei, assim como vários “amigos”aqui do Blog, à disposição para ajudá-lo.

      Vamos nos falando por aqui e vai nos mandando notícias de como a Márcia está… Ela já está na enfermaria né? Como a Lea disse, nesta fase, além da fono, acompanhamento com neuro, a fisioterapia é muito importante.

      Aguardo notícias, viu?
      Grande abraço.
      Fernanda

      • Obrigado pela atenção Fernanda. Sei e compreendo que vc tem suas tarefas e nem sempre pode atender a todos de imediato. Eu também passei um tempinho sem consultar o blog devido a agitação do dia. Mas estou feliz pelo seu retorno. Ela foi pra enfermaria sim no dia 18/04. Desde de lá tivemos alguns problemas pois o Hospital é público. Sempre ficávamos adiando a aquisição de um plano de saúde, porque tinham outras prioridades. Consultas e exames de rotinas fazíamos particular e como ocorre na maioria das vezes, sempre achamos que não iria acontecer nada grave pra precisar ficar em UTI ou algo do tipo. Um erro grave!! Aproveito para deixar esse recado pra todos aqui, “Priorizem sua saúde e dos seus sempre. Coloque-a em primeiro lugar na lista”.
        Enfim, enquanto ela estava na UTI tava tudo bem, pq apesar de ser um hospital público, é a mais bem equipada e com melhores profissionais do Estado. Como a demanda é grande e tb havia a preocupação com o risco de infecção, foi decidido dar alta a ela. Na enfermaria a coisa mudou. Desorganização, poucos profissionais pra muita gente, falta de estrutura, enfim, problemas da saúde pública do país que todos nós já estamos cansados de saber, mas o importante é que vem ai a Copa…Revoltante!
        Com a ajuda de Deus, de nós da família e de alguns bons profissionais que atuam lá conseguimos vencer algumas dificuldades e no geral ela está bem. Ainda com a traqueo, com a sonda alimentar, porém sem febre e interagindo mais. O lado esquerdo continua paralisado mas as vezes percebemos um pouquinho de força, não sei se são movimentos involuntários ou ela mesmo tentando mexer. Descobrimos um início de escara na parte de traz da cabeça, pois ninguém da UTI nos informou, e um início também no coxe. Mas agimos imediatamente com pomada, A.G.E e mudança de posições, por isso já estão regredindo.
        Cada dia é uma luta. Ontem a noite ela estava bem agitada, sem conseguir dormir e não sabíamos o que era. Depois teve diarreia e achamos que a agitação era devido a algum incomodo ou dor estomacal. A nutricionista decidiu mudar a alimentação dela. Estou preocupado com uma coisa e gostaria que me ajudassem. A médica prescreveu um remédio chamado Respiridona e pesquisando vi que trata-se de remédio para tratamento psicóticos. Ela ainda não tomou mas não gostei muito da ideia. Disseram que era pra acalmar e reorganizar o cérebro. Algum de vcs usaram ou fazem uso de remédios desse tipo? Pergunto pq não estou querendo permitir.

  84. ola fernanda, estou aqui pra te dizer que eu me recumperei 100% tanto fisicamente quanto mentalmente, gracas a minha familia meu marido e amigos que estiveram sempre do meu lado…. beijoss e ficam todos com deus

  85. Marcos Vinicius, a Fernanda vai te responder, ela tem muita vivência sobre esse tipo de lesão, mas estou me metendo para dizer que sua esposa com a graça de Deus vai se recuperar do acidente, tenha fé, pelo que vc. relatou ela esta agindo muito bem, mas é como vc. sabe ê muito lenta a recuperação, mas qdo.sair do hospital deverá fazer muita fisio, fono , estimule bastante o cérebro com jogos, tv, musicas, etc, que tudo voltará com o tempo, o amor de vcs. é lindo, ainda vão curtir muito a filhota e a vida juntos, muitas felicidades pra vcs., um grande beijo.

  86. Olá pra todos aqui do blog,

    Sou o Marcos Vinícius e moro em Aracaju – SE. Demorei um pouco pra postar mas venho acompanhado o blog há algum tempo e li todos os depoimentos desde do seu Fernanda lá no início até o último postado. Estou muito curioso sobre tudo que envolve TCE.

    Pois bem, vou relatar meu caso (ou melhor, o de minha esposa Márcia):

    No dia 02/03/2014 por volta das 19:00 minha esposa sofreu um acidente automobilístico que envolveu ela, minha cunhada (estava dirigindo), meu sogro e nossa menina de 8 anos (que é minha enteada mais a considero como filha legítima). Isso foi em um cruzamento e a pancada foi justamente na lateral do carro, mais precisamente na porta traseira do lado onde estava minha esposa. O outro carro vinha com muita velocidade e os pegou. No momento do impacto o air bag do motorista foi acionado e protegeu minha cunhada que só teve algumas escoriações leves. Meu sogro ia na frente e só teve uma lesão no ombro, mas nada muito grave. Minha esposa e nossa menina (que ia no meio do banco traseiro) foram as que mais sofreram, pois não estavam usando cinto (um erro grave), até porque foi muito perto de casa e acho que nem deu tempo de coloca-lo. Então a criança sofreu uma lesão no baço, uma lesão em uma das vértebras e uma pancada na nuca. Passou uma semana e 3 dias internada no hospital e por um milagre de Deus tudo foi regenerado sem precisar de nenhuma intervenção cirúrgica. Recebeu alta e está em casa super saudável. Já a mãe foi mais grave. Chacualhou a cabeça com muita força e bateu em algum lugar, sofrendo um corte grave e um pequeno traumatismo craniano. Perdeu muito sangue e apagou na hora. Mas Deus agiu rápido e quase que imediato ia passando uma SAMU (conhecida como USA) que é uma UTI móvel (detalhe: no estado só tem 3 dessas), para atender outra ocorrência e parou para presta socorro. Se isso não tivesse acontecido eu não estaria aqui nesse blog nem ela nesse mundo. O médico que prestou o socorro nos informou que a vida dela foi salva devido ao atendimento imediato, mais alguns minutinhos e ela não teria resistido.
    Chegando ao hospital foi submetida a uma cirurgia plástica para reconstituição do couro cabeludo no local do corte e enviada para UTI, onde permaneceu entubada e em coma induzido. Ficou em observação pra ver como o cérebro iria se comportar, pois havia possibilidade de intervenção cirúrgica devido a pressão intracraniana. Graças a Deus não foi necessário e depois de uma semana foram retirando a sedação pra ver o nível de consciência. Ela interagia pouco, somente abria um dos olhos e apresentava poucos movimentos na mão direita. Pegou uma pneumonia devido a infecção causada pela a entubação. Foi medicada com antibióticos e tentaram fazer o desmame da entubação 3 vezes, porém sem sucesso. Decidiram então fazer a traqueo. Com isso ela começou a reagir e interagir mais a cada dia. Conseguiu abrir os dois olhos, no começo meio caídos, mas depois bem vivos. Apertava nossas mão na hora da visita e sempre que colocava algum vídeo gravado no celular com a voz da filha pra ela escutar, os batimentos subiam.
    Bem, atualmente ela ainda está na UTI (hoje faz exatamente um mês e 12 dias), mas já com previsão de alta. Os médicos decidiram segura-la um pouco mais para curar 100% a infecção, já que ainda apresenta um pouco de secreção. A parte neurológica evolui bastante no meu ver, já que ainda está recente e foi constatado que ela teve LAD (não sabemos o grau ainda) e alguns pontos de hemorragias na parte superficial do cérebro, que foram absorvidos pelo organismo nas primeiras semanas. Ela tem bastante movimento do lado direito, braço, mão e perna. Porém o lado esquerdo ainda permanece imóvel. A fono faz alguns testes e ela mostra reações na face. Tem paladar, porém olfato não sabemos ainda com precisão. Sei que ela nos conhece e tem consciência porém não consegue falar ainda devido a traqueo (que já está em processo de fechamento, com o de metal) e ainda está sem coordenação nos movimentos. Hoje pedi pra ela sorrir pra uma foto e sorriu, um pouco acanhado mais sorriu. A fono pediu pra ela fazer legal com o dedo e com um esforçozinho ela conseguiu.
    Isso tudo é maravilhoso pra todos nós da família pois sei que a recuperação é lenta como citado aqui em vários depoimentos. Acessei aqui devido ao meu “grau zero” de experiência nesse tipo de coisa. Agente nunca imagina que vai passar por isso. Mas já aprendi muito aqui e em vários sites e artigos que leio. Achei sensacional a ideia do blog, pois nos conforta, nos informa e nos uni em um mesmo objetivo.

    Falando um pouco da nossa vida pessoal eu tenho 30 anos e ela 29 (+ ou – sua idade quando sofreu o acidente num é Fernanda?). Nos casamos em Fevereiro de 2012, depois de 4 anos de namoro. Amo muito minha esposa, é uma mulher linda externo e internamente, e torço muito pela recuperação dela. Até porque precisamos dela, principalmente a filha que sente muito sua falta.

    Um abraço a todos, e postarei mais sobre as novidade que forem acontecendo.

    Agora entrei em definitivo no blog!

  87. Oie fernanda, estou passando por isso tbm, meu namorado sofreu um grave acidente de moto, tem um mes e 15 dias, ficou internado no cti por um mes, la ele pegou pneumonia e duas infecçoes no pulmao, ele no cti chegou a abrir os olhos abertar nosso mao, mas so isso pos qdando acabava o efeitos dos sedativos eles por algum motivos tinha q o sedar ele, pois ele fikou muito agitado, hj ele saiu do cti e esta na UI da neuro, so q la ele pegou outra pneumonia e sei q e normal eles pegarei, mas ele esta com muita secreçao, tem vezes q ele esta acordado se mechedo, apertar a nossa mao, mas as vezes ele nao responde nosso estimulos e ficar dirmindo o tempo td, se q ainda e muito cedo e o neuro dele falou que o processo e lento msm, ele teve tce grave e a batida foi do lado direito bem em cima da cabeça, nao sei se vc vai poder me ajudar…
    Meu obr msm assim, sua hiistoria so aumento a minha fe e a certeza de continuar a lutar por ele bjs

    • OI LILIANE COELHO….

      Que bom que minha história está te ajudando de alguma forma…. Não sei muito se posso te ajudar, além de te dizer várias coisas que eu já disse nas minhas respostas anteriores…. Esse início é realmente muito difícil e os médicos podem dizer muito pouca coisa sobre possíveis sequelas, entende? Como vc leu minha histórias e deve ter lido a de outros aqui, essas infecções, quadros de pneumonia, etc., acontecem mesmo nesse “estágio” que está seu namorado, infelizmente. Mas, tenha fé, paciência, força e acredite que muitas coisas boas virão…. A recuperação é mesmo lenta, mas nada é impossível…

      Tem bastante depoimentos e dicas legais que vc pode ler aqui no Blog….Seja bem vinda e o que eu puder ajudar, estarei aqui, como várias outras pessoas também… Com o tempo, podem surgir várias dúvida e fique à vontade para perguntar ou apenas desabafar aqui…
      Nos mande notícias….
      Seu namorado estará em nossas orações!

      Um grande beijo
      Fernanda

      • Oie fernanda muito obr pela ajudar, essas semanas graças a deus ele teve uma melhora na parte clinica dele, ele ja abre os olhos, mas ainda nao acordou de vez e o medico falou q vai fazer a cirurgia pra colocar a parte da calota craniana q foi retirada, pra ver se ele acordar de vez…nao sei se e assim, mas espero q ele acorde logo de vez

  88. Gente alguém conhece algum local em sp onde faça avaliação neuropsicológica gratuita ou ao menos um pouco mais em conta? obrigada!

    • VANESSA QUERIDA,
      Te respondi logo acima após o texto do seu depoimento e também te mandei um e-mail te dando algumas opções de neuropsicólogos em S.P., etc.
      Um bjo e espero ter ajudado…
      Fernanda

  89. Olá pessoal! Gostaria de compartilhar meu caso com vocês:
    Sofri um acidente de bike X bike em uma ciclovia em Santos a aprox 40KM/H. Voei or cima da bike que colidiu comigo e cai de cabeça e rosto no chão. O impacto causou desvio de septo, e escoriações na boca, lábios e testa, hematoma na cabeça, além da quebra o processo estiloide do braço.
    Após quatro semanas de recuperação do acidente voltei ao trabalho e aparentemente e estava exercendo minhas atividades normalmente, mas, aos poucos fui percebendo uma redução gradual de foco e atenção, além de uma aumento frequente em lapsos de memória.
    Hoje, cinco meses após o acidente, estou afastada do trabalho devido a incapacidade de exercer atividades simples, como por exemplo, sair de casa e lembrar para onde estou indo (acabo esquendo e volto para casa). Já ocorreu deu almoçar e não me recordar de ter almoçado, começar a ler um livro e, de repente, começo a fazer faxina na casa e da faxina pulo para outras dez atividades consecutivas sem terminar nenhuma. Recentemente esqueci o nome de uma amiga com quem cresci e convivi toda minha infância. Uma simples tarefa de ir ao banco pode levar horas até que eu saia de casa, pois começo procurando a chave da porta, depois esqueço que estava procurando a chave e vou me engajando em outras tarefas até finalmente relembrar que eu estava me programando para sair e ir ao banco. Então, finalmente pego a chave e vou para o banco, mas, ao chegar lá percebo que esqueci meus cartões em casa. Esqueço tudo, tudo, tudo o tempo todo.
    Fui a um clínico geral que me encaminhou para um psiquiatra que por sua vez me encaminhou a um neuro-logista. Mas, ainda estou aguardando a consulta com o neurologista para ter um diagnóstico.
    Alguém já teve alguma experiência semelhante? Será que estas falhas de memória estariam relacionadas ao acidente?

    • Sue, na minha ignorância, só em ler seu depoimento para mim tem tudo haver com seu acidente esse esquecimento exagerado, vc. Deveria procurar um neuro e conversar sobre tudo que aconteceu e esta acontecendo com vc. , beijos

      • Lea, obrigada pela dica. Estive em consulta com um neurologista na semana passada e aguardando resultados de exames. Beijos.

    • SUE….

      Querida Sue, primeiramente quero te agradecer por tantas informações importantes para ajudar a Iranilda aqui do Blog e tantos outros que podem precisar…. Obrigada por estar aqui no Blog…
      Agora, falando sobre a sua história, acho que realmente você tem que procurar um neurologista urgente e aí ele poderá te encaminhar também para uma avaliação neuropsicológica que acho importantíssima no seu caso… Qdo vc escreveu aqui a última vez, vc disse que estava aguardando consulta. Vc já passou em consulta???? O que o médico disse?????

      Você nem perguntou, mas só pra te informar porque quem sabe te ajuda…Tem 2 lugares em S.P. que atendem gratuitamente e sei que são muito bons, com profissionais excelentes que já conheci: Um local é o CPN (Centro Paulista de Neuropsicologia) que é o mesmo lugar onde fiz a minha avaliação neuropsicológica e na época todo o meu “tratamento”… Recomendo muito!!!!
      Um outro trata-se de uma equipe que atende os casos de TCE no H.C. (Hospital das Clínicas)-USP de São Paulo. Esses dois lugares são excelentes, só que o problema que vc poderá enfrentar é a fila de espera, mas não custa tentar.
      Recentemente, um dos médicos neurologista que faz parte deste trabalho que tem no H.C. começou a fazer o mesmo trabalho de TCE no Hospital Samaritano em São Paulo, na região de Higienópolis. A diferença é que no HC (hospital das clínicas) o atendimento é gratuito, e no Samaritano, a consulta é paga, mas por um valor mais acessível que seria no consultório particular. O telefone onde ele atende no Hospital Samaritano é: (11) 3821-5264. Esse é o tel. do Núcleo de Especialidades do Hospital. Se vc tiver interesse, também vale muito a pena. Acredito que vc deverá agendar uma consulta primeiramente com o neurologista e ele quem te encaminhará para o neuropsicólogo da equipe que atende lá dentro do hospital também. Foi assim que aconteceu comigo.
      Também tenho outras neuropsicólogas excelentes para te indicar. Elas trabalham no CPN e têm também consultório particular. Se vc quiser, me fale que eu te passo o nome e telefones desses profissionais pelo seu e-mail, ok?

      Percebi que vc é bem informada e deve gostar de ler e ir atrás de informações, o que é ótimo!!! Aqui no Blog, na sessão “Estratégias úteis”, falo de como usar a agenda semanal e no seu caso pode ajudar! Lá também tem várias outras estratégias para lidar com os déficits de memória, podem facilitar muito o dia a dia…. Leia também a sessão: “Informações Importantes”, onde também indico vários links legais com informações úteis… Veja lá, vale a pena!!!!

      Grande abraço!!!!!!
      Aguardo notícias suas….
      Fernanda

      • Querida Fernanda!

        Primeiramente, quero parabenizá-la pela pelo seu blog! Ele tem ajudado muitas pessoas a encontrarem-se virtualmente para trocar ideias e compartilhar sobre experiências semelhantes. E, nesse encontro podemos sentir que não estamos sozinhos na luta. Os depoimentos e dicas de cada um são muito valiosos e tem me ajudado a encontrar informações muito úteis para trilhar esse novo desafio. Percebo também que meu sofrimento se torna pequeno, me sinto menos impotente, quando penso na força que outros amigos do blog tem tido para superar seus desafios. Isto me traz uma sensação de proximidade e o sentimento de compaixão pela luta de cada um aumenta.

        Quanto a minha avaliação neuropsicológica, eu passei por um neuro que me solicitou exame de sangue completo e dia 30 de abril farei ressonância magnética da cabeça. Creio que estes exames sejam para descartar doenças neurológicas. Retorno ao neuro início de maio para avaliação dos exames iniciais. .
        Enquanto isso, estou sob medicação de um psiquiatra que pré-classificou meu problema como Amnésia dissociativa, CID 10 e me prescreveu Rivodril e Apraz. Os remédios tem me deixado muito grog e com reflexos mais lentos, e, até o momento, não exerceram qualquer efeito de melhoria nos sintomas de esquecimento e falha de memória.

        Agradeço pelas dicas que você me deu, apesar de residir em Santos, vou considerar a possibilidade de uma segunda avaliação no Centro Paulista de Neuropsicologia ou Hospital da Clínicas.

        A dica de agenda semanal, no meu caso não ajuda muito, pois, não consigo manter foco e esqueço com frequência de usá-la.

        Vamos nos falando, obrigada novamente pela sua atenção.
        Forte abraço pra ti!
        Sue

  90. ALESSANDRA
    QUERO COMPARTILHAR MINHA DOR, EU TIVE AVC ISQUÊMICO COM 37ANOS, ERA UMA PESSOA SAUDÁVEL TRABALHAVA, CORRIA PARA TODO LADO. A MINHA SORTE QUE FUI ATENDIDA MUITO RÁPIDO, MEU MARIDO CORREU ME LEVOU P HOSPITAL, CHEGANDO LÁ LOGO FUI ATENDIDA, E O MÉDICO APLICOU O REMÉDIO E LOGO FUI VOLTANDO AO NORMAL, MESMO ASSIM FIQUEI MUITO MAL 15 DIAS DE INTERNAÇÃO, O MÉDICO AINDA NÃO SABIA DIZER COMO EU IRIA FICAR, GENTE EU ERA UMA PESSOA ELÉTRICA , CORRIA PRA LÁ E PRA CÁ. DEPOIS DE 15 DIAS FUI CONSEGUINDO REAGIR, CONSEGUI MERCHER A PERNA, QUE ALEGRIA, COM FISIOTEREPEUTA JÁ NO HOSPITAL COMECEI A MOVIMENTAR PERNA BRAÇOS MAS A FALA AINDA TAVA DIFÍCIL PARALISOU LADO ESQUERDO, MAS COM MUITA FORÇA DE VONTADE FUI REAGINDO , NÃO FOI NADA FÁCIL, O PIOR TAVA POR VIR A RECUPERAÇÃO, GENTE EU IA NAS FISUIOTERAPIAS CHORANDO NÃO QUERIA SAIR DO CARRO, MAS MEU MARIDO E A MINHA FILHA DE 10 ANOS INSISTINDO EU DESCIA, E FICAVAM ACOMPANHANDO OS EXRECÍCIOS, AO TODO FIZ 190 SECÕES DE FISIO. GRAÇAS A DEUS HOJE APESAR DE TER FICADO DE CADEIRAS DE RODAS, E MULETAS ANDO NORMAL, DIRIJO, MAS TENHO MUITO MEDO, FIQUEI COM ESSE MEDO DE REPETIR AVC INCONTROLÁVEL, TOMO REMÉDIOS CERTINHO, ANTICOAGULANTE PARA MANTER SANGUE FINO, QUE A CAUSA FOI PORQUE O SANGUE ENGRSSOU DEMAIS POR TOMAR ANTICONCPSIONAL MUITO TEMPO, MAS TENHO ALGUMAS LIMITAÇÕES CLARO, O MÉDICO FALOU QUE LEVA UM TEMPO PARA PERDER ESSE MEDO, TEM ALGUEM COM ESSE MESMO PRO BLEMA , E ESTOU SOFRENDO AGORA, PORQUE TEM PESSOAS QUE NÃO ENTEDEM NÃO SABEM LIDAR COM ESSES PROBLEMAS PSICOLÓGICOS, COM MEDO, ESTOU SOFRENDO MUITO COM ESSE TIPO
    AS PESSOAS NÃO ME ENTENDEM QUE AS VEZES MÃO FORMIGA, PERNA ESQUERDA , ACHAM FRESCURA, TRISTE DEMAIS, PIOE Q SÃO PESSOAS PRÓXIMAS. AI A GENTE JÁ FIC COM MEDO, PORQ OQUE PASSEI NÃO DESEJO PRA NINGUÉM, NINGUÉM ME ENTENDE. TEM ALGUÉM Q ACONTECE ISSO.?

    • OI ALESSANDRA….
      Vc não deixou seu e-mail… Queria o seu contato. Se vc entrar novamente aqui no Blog, deixe seu e-mail ou outro contato pra falar com vc. Tenho amigos que sofreram AVC e podem te ajudar tb, além de mim… Abraços
      Fernanda

  91. Tenho 53 anos,descobri que estou com esclerose multipla,a doença me deixou com sequelas,não tenho força nas pernas,só ando com a ajuda de megala e alguém me segurando,era casada a 30 anos,meu esposo depois que fiquei doente e perdi o emprego saiu de casa,minha filha também resolveu ficar com o pai,para não ficar cuidando de uma mãe doente,vivo sozinha em casa de aluguel,hojé estou tomando a medicação fornecida pelo Sus,Avonex,que pode melhorar meu estado atual,vivo muito triste sozinha e com a ajuda de amigos quando preciso sair para ir ao médico,gostaria muito de receber alguma mesagens por email (iranildasilva2010@hotmail.com)sobre alguem que toma este medicamento,e se com ela conseguiu recuperar os movimentos das pernas.Hoje as minhas pernas estão muito rígidas, me sinto toda dura,sem esperança,sem ninguém que me dê algum afeto,acho que por este motivo,vivo sem esperança,sem força para continua tentando vencer esta batalha,e dá a volta por cima de tudo isto.Por este motivo peço as pessoas que poderem me mandar algum email para mim,me ajude a sair deste estado de desilusão,e me mostre que posso recuperar tudo nesta vida que ficou tão sem sentido para mim.Agradeço a todos que poderei me ajudar.

    • Iranilda

      Este é o website original em inglês:

      http://self-healing.org/

      O criador da técnica, Meir Schneider, nasceu cego e com densas cataratas em ambos os olhos além de outros problemas visuais graves. Cinco operações mal sucedidas, realizadas na infância, destruíram seus cristalinos. Ele aprendeu a realizar suas tarefas escolares em Braille e recebeu um certificado de cegueira oficial com prazo de validade permanente.
      Porém, aos 16 anos Meir foi introduzido ao Método Bates de melhora natural da visão. Ele combinou esta técnica com auto-massagem e exercícios de movimento que lhe haviam sido ensinados por Miriam Izerski (uma admirável praticante de autocura que foi a sua mentora) e yoga por até 13 horas por dia e após 18 meses quando alcançou uma visão funcional. Anos mais tarde sua visão havia melhorado tanto que obteve sua carteira de motorista sem restrições.

      Enquanto Meir aprendia a ver, ele descobriu o quão profundamente a função de uma parte do corpo se relaciona com o corpo todo e aprofundou-se nos estudos tornando-se PHD no tratamento de varias enfermidades físicas, tais como pólio, esclerose múltipla, problemas de coluna, problemas de visão, e distrofia muscular.
      Meir verificou que os mesmos princípios que haviam contribuído para que alcançasse a visão funcional aplicavam-se ao resto do corpo e estes princípios se tornaram a base do Método Self-Healing de Meir Schneider.

      Meir é autor de dois livros que você pode encontrar aqui no Brasil, “Movimento para Autocura” e do “Manual de Autocura”, Vol. I e II, ambos best-sellers internacionais e traduzidos em várias línguas.

      Boa sorte para você e que Deus ilumine sua cura.

      Abraços.

      Sue

    • Olá Iranilda A.da Silva!

      Eu não conheço este ,medicamento mas, gostaria de compartilhar com você o trabalho da Beatriz Nascimento que é formada em terapia ocupacional pela USP em 1979 e mestre em Ciências Sociais pela PUC em 1990 e foi professora do curso de terapia ocupacional da Universidade Federal de São Carlos, por 15 anos. Hoje ela é instrutora da School for Self-Healing®, EUA, desde 1993 mas, está de volta ao Brasil onde faz trabalhos frequentes com pessoas de diversos tipos de desordens neuro-musculares.

      Beatriz Nascimento é portadora de distrofia muscular progressiva – tipo fácio-escápulo-humeral – uma doença genética e progressiva que leva à degeneração dos músculos, causa fraqueza e limitações de movimento, e para a qual não existe tratamento nem mesmo paliativo na medicina convencional, porém, Beatriz viajou a São Francisco, EUA, em 1989, para estudar com Meir Schneider, Ph.D, criador do método Self-Healing.

      Beatriz é fundadora do Núcleo de Pesquisa e Assistência em Self-Healing e produziu o DVD que trata de “Desordens Neuromusculares – Estratégias Essenciais de Autocura”.

      O Método Self-Helaing oferece uma dinâmica que tem benefíciado muitos pacientes, inclusive a reversão de alguns quadros patológicos, como artrite, artrose, espondilites, diversos problemas da coluna, osteosporose, doenças neurológicas degenerativas (esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, distrofia muscular, etc) e problemas da visão (diplopia, glaucoma, hipermetropia, miopia, degeneração da mácula, etc).

      http://www.autocuraemovimento.com.br/produtos_4.html

      Website da Beatriz

      http://www.absh.org.br/

      Website do criador da técnica

      Boa sorte!

      Abraço, Sue

    • IRANILDA QUERIDA….

      Alguns dias já se passaram… Como vc está??? Eu não sei nada sobre a sua medicação e vi que a Sue te passou muitas informações e sites legais. Vc chegou a ler???
      Não sei muito sobre esclerose múltipla, mas vc parece estar muito deprimida. Vc passa com algum psiquiatra ou toma algum medicamento para te ajudar no estado emocional? Acho que isso seria muito importante para sua vida e até pra sua recuperação. Uma psicoterapia talvez pudesse te ajudar também… Já pensou nisso?

      Aguardo notícias suas…
      Grande beijo no seu coração e FORÇA!!!! Tenha fé, não desista!
      Estaremos sempre aqui pra te ouvir e ajudar no que for possível…..Vc não está sozinha….

      Com carinho,
      Fernanda

  92. Leony, não fique com vergonha, vc. é uma mulher muito forte uma guerreira, nesse blog cada um carrega uma dor de alma, mas tudo um dia passa e a nossa dor tb. vai passar, mande sempre noticias do marido e aguarde que a Fernanda irá te responder, ela tem muita experiência de vida é uma pessoa iluminada, sempre passa muita força e sabedoria pra gente, bejs no coração.

  93. ola Léa , muito obrigada só pelas suas palavras de conforto vc já me ajudou muito , vendo vc q e mãe e com essa força toda, fico ate com vergonha da minha fraqueza , eu ando muito perdida com essa nova situação , agradeço pelas orações , e vou rezar aq tbm por vcs e principalmente p reabilitaçao do Guga , q Deus proteja vc , vc e muito especial , bjuss

    • LEONY minha querida….

      A minha “experiência” é com traumatismo craniano que é o que eu tive. Meu depoimento é o primeiro aqui desta sessão “Depoimentos”, não sei se vc já leu… O meu acidente foi muito grave, meu marido da época (29 anos) e minha irmã querida (27 anos) morreram na hora. Na vida realmente acontecem coisas ruins que não conseguimos entender….

      Mas, acho que a Léa falou muita coisa legal pra você, concordo com ela e com a Vanessa. Devemos ter fé, paciência, esperança e o que devemos passar aqui neste mundo, só Deus sabe e mesmo que não consigamos entender, temos que buscar aceitar sem revolta porque as coisas ruins acontecem o temo todo e não escolhem classe, cor, raça etc. Pessoas boas também passam por sofrimentos horríveis, entende?

      E não se culpe achando que vc é fraca, de maneira alguma… Cada sofrimento é um e pra pessoa que está vivendo, ele é o maior e dói mesmo, como dói….
      Minha família é de Goiás e eu “conheço”o CRER….É um bom lugar….Vão cuidar bem do seu marido. Tenha paciência, fé, amor e perseverança, não desista e acredite que as coisas vão melhorar. Fácil não é, mas não é impossível… Vc e seu marido estarão também nas minhas orações.
      Fiquem com Deus!!!
      Um grande beijo
      Fernanda

  94. Leony querida, o caso do meu filho foi traumatismo craniano, diferente do caso do seu marido, meu filho foi atropelado em nov.2011, até hoje nao fala nem anda, ficamos seis meses no hospital, mas olhe peça a Deus força, isso tudo um dia acaba e nossas vidas vào voltar ao normal como era antes, a recuperação dele deve ser lenta, tenha paciência, perseverança e amor, acredite ele vai melhorar, são fases que temos que passar até para refletirmos sobre a vida, as vezes tem que ser assim, converse coisas boas e engraçadas tente fazer ele sorrir, ponha musicas que ele gostava de ouvir, leia algum livro que ele goste, eu faço assim com meu filho, procuro fazer o tempo passar com alguma coisa que faça ele sorrir e gostar, espero ter ajudado e qdo rezar vou coloca-lo nas minhas preces, fique com Deus, e um beijo no coração

    • poxa Leony, nem dá pra dizer muito, as pessoas realmente não entendem o que passamos nessa hora, só o que posso dizer é o que a Léa já disse acima -muita fé e perseverança, ele vai superar e você também. É quase unânime aqui no blog os pacientes superarem toda e qualquer expectativa médica, graças a Deus! Meu marido surpreendeu os médicos o tempo todo e tenho certeza que o seu também vai, fique com Deus!

  95. Boa tarde, o Joao ficou 23 dias na UTI, no hospital das clinicas em goiania , os medicos disseram q n ia passar do primeiro dia , mais Deus quiz q ele ficasse aq , depois ele nao viveria mais q uma semana , mas ele foi forte . Por fim um medico me falou q ele ia vegetar e ligado a aparelhos , eu q ja estava vivendo no limite , sem entender direito oq estava acontecendo ,ai meu mundo acabou ,pq ate entao eu queria ele vivo mais bem , nunca passou pela minha cabeca q ele ia vegetar. Mas quando ele foi p o quarto ele so estava com oxigenio, os seus olhos so abriam e passavam n fixava em nada.
    Com o tempo ele comecou a ver tv , olhar p mim , virar a cabeca e mexer os bracos eu o chamava ele olhava p mim ,humm e comecou a respirar sozinho no final de dezembro ja estava diminuindo traqueo , e fazendo teste com alimentacao p livrar da gastro.
    Mas infelismente eu n sou rica e ele estava no hospital publico , os medicos ,fiso, fono entraram de ferias ele ficou sem atendimento ,eu corri atraz ,briguei fui na direcao mas nada adiantou . O joao teve pneomonia uma atras da outra onde teve uma recaida , ficamos no hospital das clinicas do dia 09/11/13 ate 28/02/14 no dia 28 com muita luta consegui trasferir ele aq p o Crer . Mas ate agora ele n recomperou quase nada ele fica muito nervoso com a secrecao com a traqueo e eu n sei mas o q fazer tem horas q penso q Deus nos abandonou e isso nunca vai passar , fiquei por 3 meses com 24 horas no hospital tive q deixar meu trabalho , minha casa , e tudo so tem dado errado desde q ele passou mal , detalhi ele teve parada mas n tem doenca nenhuma p ter parado o coracao , agora ficou com esse problema q ninguem da moral , acham aq em goias q pessoas com sequelas viram realmente vegetais. Se alguem poder falar algo a respeito fico muito feliz pq estou perdida , ele fez 51 anos dentro da UTI dia 19/11 , q Deus proteja cada um de vcs , q lhes dao forca , e obrigada por contar a historia d vcs
    da forca p continuarmos, bjus

  96. Ola, ja escrevi uma vez , mas acabou apagando rsrs. Como a maioria q esta aq eu tbm fico procurando uma resposta uma ajuda e achei vcs aq deve ser Deus q colocou essa pagina na minha frente.
    Estou aq no hospital de reabilitacao CRER na cidade de Goiania com meu marido , ele teve uma parada no dia 09/11/13 teve q ser reanimado faltou oxigenio ai minha luta q parece n ter fim comecou meu mundo virou de cabeca p baixo. o nome dele e Joao o meu e Leony

  97. nossa… li todos (sem exceção) os posts e me impressionei muito. Alguns deram vontade de chorar, outros deram vontade de gritar pro mundo ver tamanha superação, em outros a identificação era tanta que parecia terem sido escritos por mim, mas todos foram extremamente emocionantes. Meu marido sofreu um sério acidente de carro em 17 de janeiro de 2013, como quase todos aqui as chances dele sobreviver eram quase nulas. A princípio os médicos se preocuparam em salvar seus pulmões e em fazer com que ele conseguisse manter a pressão sem medicamentos, desde o terceiro dia na uti das clínicas (agradeço a Deus por ele ter sido imensamente bem atendido no hc, o acidente foi na rua de trás do hospital) ele respondeu de forma que surpreendeu os médicos. No sétimo dia os pulmões, que eram praticamente caso perdido, haviam reagido tão bem que ele foi extubado. A minha alegria quando cheguei para a visita na uti e ele estava sem o respirador e acordado, desde que chegou ao hospital ele entrava e saia do coma alternadamente então os médicos estavam mantendo-no em coma induzido, foi indiscritível!!! Ele virava a cabeça quando chamávamos seu nome, e demonstrava reconhecer a mim e aos outros familiares. Foi quando os médicos começaram a falar mais sobre a LAD, que ele havia sofrido uma lesão frontal bilateral com Lad e que no momento não tinham como falar o que isso causaria, se ele voltaria a falar, comer, andar etc. Como meu pai sempre dizia, o importante era saber se houve melhora com relação ao dia anterior, mesmo que ínfima melhora um pouquinho por dia tiraria ele dessa situação. Como muitos casos relatados aqui no dia seguinte ele teve uma recaída e quando chegamos para a visita foi um choque ver que tinham entubado novamente e induzido ao coma… e lá estava o respirador no máximo outra vez e ele em coma, os pulmões pioraram devido a uma pneumonia por broncoaspiração, devido a lesão cerebral ele ainda não conseguia respirar sozinho sem broncoaspirar a saliva para os pulmões. Foi o primeiro momento em que me senti desesperada, apesar da gravidade em que ele chegou ao hospital alguma coisa em mim tinha a certeza que ia ficar tudo bem e as respostas positivas do organismo dele até então só reforçavam esse sentimento, então aquela recaída me desesperou de tal forma que pela primeira vez me senti descontrolada. E é interessante como nessas horas certas palavras nos marcam o suficiente para nos tirar do buraco, foram duas frases que eu não esqueço, meu sobrinho dizendo ao lado do tio no leito que enquanto ainda há vida ainda há luta, e uma amiga me dizendo que eu não precisava me sentir culpada, sentir medo de maneira nenhuma significava perder a fé. E assim fui recuperando meu ânimo e ele também foi se recuperando novamente. Dessa vez os médicos foram tirando a sedação dele aos poucos, eu ficava desesperada em saber que ele ia acordar sozinho cheio de tubos e drenos pelo corpo, só não ficava 24 horas no hospital com ele por que no HC o horário de visita é rígido e bem curtinho… ele acordava mas ficava tão agitado que precisava ser sedado novamente e amarrado na cama, inclusive os dedos ou ele arrancava qualquer coisa que conseguisse segurar. Mais uma vez ele surpreendeu as expectativas e já conseguia balbuciar algumas palavras. Reconhecia nossas filhas, e até chorava ao ver fotos delas. Os médicos disseram que iriam tentar extubá-lo novamente e que se ele não conseguisse respirar bem passariam para a tráqueo, o que era mais provável naquela situação e então ele superou tudo de novo e conseguiu tirar de letra ficar sem o respirador. Dia após dia vieram as melhoras, ele conseguia reconhecer as pessoas, responder aos estímulos, chorar de emoção com as filhas e até ficar sentado. Os médicos nos aconselharam a transferi-lo assim que ele tivesse alta da uti. No dia 6 de fevereiro de 2013 ele teve alta da uti e foi transferido para o 9 nove de julho. Também no dia 6 de fevereiro a mãe dele faleceu, ela havia sido diagnosticada com câncer no pâncreas em novembro. O mais triste é que ela faleceu sem poder ter visto ele bem. Como ele não estava lúcido não pudemos contar por um tempo. No 9 de julho pude ficar com ele todos os dias. Na primeira avaliação da fono ele ficou liberado para comer normalmente e qual não foi minha surpresa quando no segundo dia ele não pediu para o médico para comer mc donalds, o médico liberou e ele mandou ver 4 inacreditáveis mordidas do lanche, a coca cola e a batatinha inteira, batatinha que ele comia sozinho!!! Foi tão rápida sua recuperação que eu agradeço a Deus por isso! Em março ele já estava em casa andando, falando, comendo e indo ao banheiro sozinho. Mas as cognitivas eram muito fortes, agitação, confusão mental e muita agressividade. E a agressividade era sempre voltada para mim e para minha filha mais velha, com 8 anos na época.Os médicos diziam que era normal que esses `surtos` fossem sempre voltados para a mesma pessoa, normalmente aquela com quem o paciente tinha mais afinidade e afetividade. Posso dizer que foi a fase mais difícil. Minha filha faz terapia até hoje pra tentar aceitar o que aconteceu, eu que sou adulta chorava horas e horas depois das crises, era horrível, a agressividade era tanta, ele me xingava e me dizia coisas inimagináveis na frente dela e as vezes chegava perto de partir para agressão física. Na época ele se recusava a tomar medicamentos e dizia que era tudo invenção minha, até que depois de uma crise muito grave em que precisei chamar a família dele e ir com as meninas para casa da minha ele aceitou que se não tomasse o remédio precisaria me afastar e afastar as meninas dele, inclusive por orientação médica, para preservar nossa segurança. Depois que ele começou aceitar a medicação as crises foram ficando mais leves e menos frequentes. Em agosto, apenas 8 meses após o acidente ele já voltou a trabalhar, no começo acompanhado por outro funcionário e com uma menos carga horária reduzida mas desde o começo se saiu acima de qualquer expectativa, como sempre! Hoje ele trabalha normalmente, vai e volta numa boa sozinho, e olha que ele atravessa a cidade pra chegar no serviço e não tem nenhuma sequela aparente. Mas eu ainda percebo as sequelas cognitivas como maior irritabilidade, teimosia, dificuldade em focar a atenção e mais forte a memória. Me preocupa o fato de que ele não vê essas coisas como sequela do acidente então não acho que esteja sendo estimulado da melhor maneira para ficar ainda mais perto do 100 por cento. exatamente 1 ano e 1 dia depois do acidente meu pai faleceu e isso também trouxe uma regressão no estado dele, meu pai foi uma das pessoa mais importantes em sua recuperação, tirava a atenção dele nos momentos de crise e estimulava muito com coisas corriqueiras como jogar dominó ou chamá-lo para fazer companhia quando ia a padaria por exemplo e era como segundo pai pra ele e mexeu muito com emocional dele. Pelos depoimentos que li aqui vi que é normal essa oscilação e ele já melhorou dessa fase também. Sei que igual a antes ele nunca vai ser já que eu mesma não sou como antes do acidente, nem quero, acho que se Deus coloca uma situação tão trágica na vida da gente e depois dá uma dádiva tão grande que é vê-lo brincar com nossa bebê de dois anos todo amoroso e paciente, sendo que a apenas um ano atrás ele não tinha paciência sequer para segurá-la no colo (na época ela tinha 10 meses), é maravilhoso, mas tenho certeza que ele tem potencial pra melhorar muito mais, principalmente a partir do momento em que aceitar que tem algo a ser melhorado. Ter achado esse blog foi maravilhoso pra mim, na época procurei feito doida alguma coisa que pudesse me ajudar a entender como lidar com ele e não achei. É gratificante ter agora inspirações e poder repartir essa experiência desde já obrigada e fiquem todos com Deus.

    • OLÁ VANESSA GROLLA….

      Sou a Fernanda. Meu depoimento é o primeiro da sessão acima “Depoimentos”, vc deve ter lido….
      Seja bem-vinda ao Blog!!!!

      Li todo o seu depoimento acima e que ótimo que seu marido se recuperou bem e “rápido”… Mas, imagino como foi difícil e sofrido todo esse processo de recuperação, principalmente no que diz respeito à agressividade apresentada por ele no início, né? Vc foi uma guerreira também, rs.
      A agressividade, o problema de memória, atenção, teimosia, oscilão de humor, etc. são mesmo características de “problemas” comuns após o TCE.
      Aqui no Blog, na sessão acima onde está escrito “Informações Importantes”, eu falo um pouco sobre isso e também cito alguns Links de sites bem interessantes onde a leitura pode ajudar…. É de grande importância as pessoas entenderem que determinadas dificuldades ou comportamentos são consequências da lesão no cérebro e precisam ser observadas e tratadas como tal…
      Uma outra situação que vc citou no seu depoimento e que vi muito nos lugares onde fiz “meus tratamentos” e observei em pessoas com lesão cerebral quem convivi, é o fato delas não reconhecerm as próprias dificuldades e também não aceitarem que tais são consequência do TCE. Isso acontece muito mesmo… Eu ouvi dos profissionais que passei que o fato de eu ter esta consciência ajudava muito na recuperação, já que o primeiro passo para se “tratar” algo é a própria pessoa reconhecer esse algo que precisa ser trabalhado, né?

      Respondendo também à sua pergunta abaixo, do dia 04 de abril:
      Tem 2 lugares em S.P. que atendem gratuitamente e sei que são muito bons com profissionais excelentes que já conheci: Um local é o CPN (Centro Paulista de Neuropsicologia) que é o mesmo lugar onde fiz a minha avaliação neuropsicológica e na época todo o “tratamento”… Recomendo muito!!!!
      Um outro trata-se de uma equipe que atende os casos de TCE no H.C. (Hospital das Clínicas)-USP de São Paulo. Esses dois lugares são excelentes, só que o problema que vc poderá enfrentar é a fila de espera, mas não custa tentar.
      Recentemente, um dos médicos neurologista que faz parte deste trabalho que tem no H.C. começou a fazer o mesmo trabalho de TCE no Hospital Samaritano em São Paulo, na região de Higienópolis. A diferença é que no HC (hospital das clínicas) o atendimento é gratuito, e no Samaritano, a consulta é paga, mas por um valor mais acessível que seria no consultório particular Eu também já passei com ele no Hospital Samaritano. O telefone onde ele atende no Hospital Samaritano é: (11) 3821-5264. Esse é o tel. do Núcleo de Especialidades do Hospital. Se vc tiver interesse, também vale muito a pena. Acredito que vc deverá agendar uma consulta primeiramente com o neurologista, Dr. Renato, e ele quem te encaminhará para o neuropsicólogo da equipe que atende lá dentro do hospital também. Foi assim que aconteceu comigo.

      Falei também com minha neuropsicóloga, que é coordenadora do CPN, e ela me indicou 3 neuropsicólogas excelentes que também trabalham no CPN e têm consultório particular. Acabei de te passar o nome e telefones desses profissionais pelo seu e-mail, ok? No e-mail, falo mais detalhadamente sobre isso também…

      Tenta e qualquer coisa, me escreva.
      Espero ter ajudado de alguma forma…

      Um grande beijo pra vc!
      Mande notícias….
      Fernanda

  98. Bom meu nome e Lidiane tenho 25 anos e dia 24/02 /14 as 15h sofrir um avc hemorrágico , estava no rio grande do sul com meu marido estava tomando banho de piscina quando de repente não sentir minha perna e em seguida meu braço também não, com a ajuda do meu esposo sair da piscina e me levaram pro hospital chegando lá constatou um coágulo de sangue na minha cabeça , e o médico veio falar comigo que eu tinha sofrido um avc hemorrágico e que eu poderia ficar com sequelas, nossa meu mundo veio abaixo minha vida já não tinha mais sentido , pois até então eu não tinha problema de saúde , Trabalhava normalmente tinha meu restaurante tinha acabado de me casar !!! E minha vida apesar do stress do dia a dia era perfeita eu estava numa fase da vida muito boa… Hoje estou fazendo fisioterapia 2 vezes por semana ando com dificuldade meu braço estar com dificuldade ainda mais minha fisioterapeuta me deu uma esperança pode ser que nem fico com sequelas porque só tem 1 mês que me aconteceu esse acidente e estou me evoluído muito bem!!! Há e também voltei a trabalhar e estou melhor mais acho que estou com depressão porque qualquer coisa eu choro e me sinto meia que inútil!!!!

    • OI LIDIANE…

      Sou a Fernanda. Não sei se vc chegou a ler meu depoimento aqui no Blog. Ele é primeiro da sessão “Depoimentos…”
      Quando li sua história, fiquei pensando como é a vida… Realmente, basta estar vivo para as coisas mais “loucas” e “inesperadas” acontecerem, né? A minha lesão no cérebro foi devido a um acidente de carro, mas tenho duas amigas que foi devido a um AVC também… De qualquer forma, o cérebro de todas nós sofreu uma “lesão” que modificou nossas vidas da noite para o dia… Isso assusta muito, principalmente quando somos jovens… É “normal” que fiquemos muito abaladas emocionalmente após um acontecimento desses, principalmente no início, né?

      Realmente o que aconteceu com vc é muito recente, foi praticamente “ontem” quando se trata de lesão. Você ainda vai se recuperar muito e pode “em breve” estar se movimentando normalmente. Vou torcer pra que isto aconteça o mais breve possível…. Tenha fé, não desanime e tenha muita paciência e perseverança!!!
      Fique atenta ao seu estado emocional também, pois ele é fundamental para uma boa recuperação. Comente com seu neurologista como você está se sentindo… Existem muitos medicamentos que podem fazer toda a diferença durante este processo de reabilitação… Não se preocupe só com o físico, dê atenção também para seu lado emocional… Se esse estado depressivo que vc comentou se perdurar, procure ajuda profissional, não espere….

      Me mande notícias….
      Seja bem vinda ao Blog.
      Fernanda

  99. Oi Fernanda Fico muito feliz com seu retorno e preocupação!
    Não tenho novidades nenhuma em relação a visão , ele tem estado cada dia mais deprimido e sem motivação! Tentamos reanimá-lo , estamos em campanha na igreja e acreditamos que Deus está tratando o interno dele primeiro pra depois trazer de volta a visão e ele entende isso ….
    Ele passou por um retorno no último mês no hospital e os médicos ficaram espantados com a recuperação e disseram que ele foi o maior milagre de 2.013 do Hospital ! Tem um retorno no dia 26 de Março com a equipe de neuros e discutirão sobre a cirurgia em que terá que colocar a prótese, pois está sem a calota, assim que passar por essa consulta eu escrevo dizendo como foi.
    Somos de Campinas-SP e o nome dele é Marcos Paulo e ele tem 34 Anos.
    Bjo e fiquem com Deus.

    • SIMONE QUERIDA….

      Escrevi pra vc e perdi tudo antes de enviar, rs. O que acho importante te dizer é que o fato do seu irmão estar deprimido e sem motivação deve ser olhado com atenção…. Claro que diante de toda a situação que ele está vivendo, essa reação é mais que esperada, né? Mas, deve-se ficar atento se este estado permanecer por muito tempo, entende? Sei que muitas pessoas são contra o uso de medicamentos como anti-depressivos, etc. E isso realmente varia de caso pra caso. Muitas pessoas conseguem ficar sem o uso de medicamentos pra controlar toda esta alteração de humor, etc. Porém, em muitos casos (claro que isso tem que ser muito bem avaliado por um excelente profissional, neurologista e/ou psiquiatra), a medicação é essencial para a melhora do paciente como um todo. No meu caso por exemplo, o uso de medicação (anti-depressivos) são fundamentais até hoje desde após o meu acidente. Eu tenho plena clareza que se não fosse o uso correto da minha medicação, eu não teria chegado onde cheguei.

      Ah!!! Aqui no Blog tem umas “abas” (logo acima), que se chamam “Informações Importantes” e “Locais para Tratamentos”. Talvez poderão ser úteis para o caso do seu irmão em algum momento… Dê uma olhada lá, vale a pena!!!! Na aba de “Informações Importantes” tem endereços de sites muito interessantes (como o do CPN e outros) onde a leitura pode ajudar muito a entender muitas coisas que acontecem após uma lesão cerebral….

      Eu esqueci de comentar com vc antes, mas eu também tive um comprometimento no que diz respeito à visão. O meu foi bem diferente ao do seu irmão, mas já melhorei muito. Eu fiquei com dificuldade como se fosse pra processar o que eu olhava…. Eu fiquei com lentidão pra ler porque a visão “periférica”, o “enxergar”, estava perfeito, era nítido, mas eu demorava pra juntar as letras do que eu lia por exemplo, e então tinha muita dificuldade pra ler qualquer coisa. E eu melhorei bastante com o tempo… Tenha fé!

      Vai me mandando notícias….
      Beijo
      Fernanda

  100. Olá Fernanda dia 07 de Dezembro de 2013, meu irmão sofreu um grave acidente de carro . Sofreu um grave tce, afundamento craiano ele chegou com Glasgow 5 no hospital. Os médicos não acreditavam que ele pudesse sobreviver, mais minha família é evangélica e tem muita fé.. Deus mandou um único médico que acreditou e resolveu fazer a cirurgia pra conter o sangramento no cérebro, a cirurgia ocorreu um sucesso mais ainda não sabíamos se ficaria com seqüelas, ficou 7 dias na UTI em coma induzido e os médicos conseguiram tirar o sedativo sem precisar fazer a Traqueo, depois de 1 semana foi pra semi intensiva e respondeu muito bem aos cuidados, saiu da Semi e foi direto pra casa no dia 22/12, porém não estava enxergando.. e está assim desde que retornou pra casa, vê alguns focos de luz, e enxerga cinza, vai passar por uma cranioplastia ainda , mais os médicos se surpreenderam com a recuperação dele e dizem que ele foi o grande milagre de 2013 do Hospital Mario Gatti em Campinas e dizem que ele pode voltar sim a enxergar ! Não encontrei nenhum depoimento de alguém que ficou com essa falta de visão aqui no Blog ! Se alguém puder ajudar ficaremos imensamente agradecidos.

    • OI SIMONE….
      Desculpa só te responder agora, mas realmente aqui no Blog não apareceu nenhum caso parecido com o do seu irmão e eu tb não conheço de perto casos semelhantes…Porém, sei que após um TCE pode acontecer problemas na visão sim e acho que assim como o cérebro nosso cria novos caminhos pra recuperação de várias “funções”, pode criar também para a visão. Pelo que vc contou, seu irmão saiu do hospital muito rápido e teve uma excelente recuperação….Claro que não estar enxergando bem assusta e muito, mas o acidente é muito recente, muito mesmo…. Tanta coisa ainda vai melhorar, podem crer nisso..
      Nesses 15 dias que se passaram, vc tem alguma notícia de melhora? Ele já passou com algum especialista? De onde vocês são? Quantos anos tem seu irmão???

      Aguardo notícias….
      Olha, não se esqueça que seu irmão ainda tem muito pra melhorar. Tenham fé, paciência, perseverança, amor, que esta fase agoniante do começo vai passar. O nosso cérebro é incrível…
      Grande beijo
      Fernanda

  101. Olá Fernanda! Acabo de encontrar seu blog e é muito reconfortante saber que você conseguiu superar muitas limitações que você adquiriu após o seu acidente. Lendo seu depoimento identifiquei muitas dificuldades do meu marido, que também sofreu acidente em 2007. Ele adquiriu hemiparesia, e fisicamente não é tão limitado, porém cognitivamente ainda tem muito a melhorar!!! Sempre procuro informações que possam melhorar nossa qualidade de vida e convivência porém, por incrível que pareça nunca havia ouvido falar de reabilitação neuropsicológica e percebo que ele precisa passar por este processo urgentemente! Os problemas começam com os pensamentos desencontrados, impulsividade, impaciência, ansiedade, etc. A comunicação dele é muito comprometida, ao ponto de eu ter que intervir as vezes e explicar o que ele está tentando dizer. Gostaria muito que ele pudesse retomar suas amizades e ser mais independente, pois por todos estes fatores as pessoas acabam se afastando dele. Fico triste por isso. Enfim, comecei a procurar o tratamento aqui na minha cidade, mas logo percebi que a maioria dos profissionais não atendem convênios, o que dificulta e muito a situação. Gostaria muito que você nos desse algumas dicas e obrigada por compartilhar sua história. Um grande abraço.

    Ps. Esse é um vídeo no qual conto toda a história ;) http://www.youtube.com/watch?v=sz9LT-aImdo

    • VANESSA LIMA….

      Primeiramente quero te dizer que você é uma mulher linda por fora e por dentro. Vc é uma pessoa admirável assim como é o relacionamento seu com o querido Claudio. Vi o depoimento no youtube duas vezes e me emocionei muito. Nossa, quanta emoção, quanta fé, quanto carinho, quanto amor, quanta dedicação, quanta luta, quanta gratidão se vê neste depoimento com vocês um ao lado do outro ensinando às pessoas os maiores valores da vida. PARABÉNS!!!!! Sem palavras…

      O que aconteceu foi no dia que comecei a ver o vídeo de vocês no Youtube a primeira vez, não pude terminar no mesmo dia e logo depois, aconteceram muitas coisas na minha vida que me fizeram ficar um pouco ausente de escrever aqui. Hoje estou retornando e vc é a primeira pessoa pra quem estou escrevendo, rs….
      Realmente algumas situações que o Claudio viveu ou vive se assemelham com as minhas, até a data do acidente dele que foi apenas 14 dias antes do meu, no mesmo mês e ano de 2007, né? Claro, cada caso é um caso e por isso, se lermos todas as histórias contadas aqui no Blog, vamos ver lesões no cérebro, assim como consequências dessas lesões, diferentes umas das outras. Você disse que nunca tinha ouvido falar em Reabilitação Neuropsicológica, né? Considero um tratamento muito importante e talvez seria legal o Claudio fazer uma avaliação neuropsicológica também…Sempre que algo pode contribuir pra qualidade de vida de quem sofre um traumatismo craniano como o nosso, é válido né?

      Neste Blog, tem uma “aba” acima que se chama “Informações importantes”. Entre lá e veja endereços de sites que coloquei como o do CPN, onde você pode encontrar muitas informações interessantes e úteis para o caso do seu marido. Tem uma página do Facebook que eu adoro que se chama “REAB-Reabilitação-Neuropsicológica-de-Adultos”. Lá vc vai entender melhor como funciona esta reabilitação neuropsicológica. A página do face está como: “REAB-Reabilitação-Neuropsicológica-de-Adultos”. Se não achar, me avise… Sou péssima pra copiar links da internet, rsrs.

      Tem 2 lugares em S.P. que atendem gratuitamente e sei que são muito bons com profissionais excelentes que já conheci: Um local é o CPN (Centro Paulista de Neuropsicologia) que é o mesmo lugar onde fiz a minha avaliação e toda a minha reabilitação neuropsicológica e que te falei sobre o site logo acima… Um outro trata-se de uma equipe que atende os casos de TCE no H.C. (Hospital das Clínicas)-USP de São Paulo. Esses dois lugares são excelentes, só que o problema que vc poderá enfrentar é a fila de espera, mas não custa tentar. Acho que vale muito a pena. Se não colocar o nome na lista, a data do atendimento nunca chegará, não é mesmo? Entre também aqui no Blog na aba que se chama “Locais para Tratamento”.
      Recentemente, um dos médicos neurologista que faz parte deste trabalho que tem no H.C., começou a fazer o mesmo trabalho de TCE no Hospital Samaritano em São Paulo, na região de Higienópolis. A diferença é que no HC (hospital das clínicas) o atendimento é gratuito, e no Samaritano, a consulta é paga, mas por um valor mais acessível que no consultório particular. Eu, recentemente, também passei com ele no Hospital Samaritano e gostei muito. O telefone onde ele atende no Hospital Samaritano é: (11) 3821-5264. Esse é o tel. do Núcleo de Especialidades do Hospital. Se vc tiver interesse, também vale muito a pena. Neste centro do Hospital, acredito que vc deverá agendar uma consulta primeiramente com o neurologista e ele quem encaminhará seu marido para o neuropsicólogo da equipe que atende lá dentro do hospital também. Foi assim que aconteceu comigo e o preço da avaliação neuropsicológoca é também bem mais acessíviel que nos outros lugares particulares. Lá é um particular “mais em conta” devido ao “projeto” com pacientes de TCE, entende?

      Tenta e qualquer coisa, me manda um e-mail no: fernanda.blog@hotmail.com
      Espero ter contribuído de alguma forma….Qualquer coisa, estou aqui, entre em contato, rs.

      Um grande beijo pra vcs e BOA SORTE!!!!
      Bem-vinda ao Blog e me mande notícias…

      Fernanda

      • Oi Fernanda!! Qual o nome desse médico do Samaritano? Eu moro a poucas esquinas desse hospital, e há tempos estou querendo consultar algum médico novo, ter outras opiniões. Liguei lá agora há pouco, mas a atendente não sabe qual é esse neurologista que veio do HC. Beijo!

      • FRAN GIRÃO….

        Não quero demora nem um dia pra te responder, pois estou em falta com vc…Vi seu e-mail, mas fiquei de te responder e por “N” motivos não o fiz ainda e agora que estou voltando à ativa, já vou te responder sua pergunta AGORA MESMO, rsrsr ….
        O Médico Neurologista se chama Dr. Renato Anghinah. Ele é também um dos criadores da Sociedade Brasileira de Traumatismo Craniano que já falei aqui no Blog. Liga lá e depois me conta se deu certo….

        Um grande e forte abraço….
        Fernanda

      • Liguei, e tá marcado: no fim do mês eu passo lá no dr Renato.

        Depois conto para vocês como foi.

  102. Vanessa, muito obrigada pelo carinho e atenção, por causa do carnaval o neuro mudou a cirurgia para dia 11/03/2014, sua oração vai iluminar as mãos dos médicos, continuamos tensos, mas Deus estará ao lado dele, obrigada querida, bjs na alma.

  103. FERNANDA querida, acharam a prótese, o neuro vai operar o Guga no dia 10/03/2014, estamos tensos, agradeço se na hora de rezar pedir pelo meu Guga, deixo um grande beijo e assim que puder mando noticias do meu garoto, bjs

  104. Sra. Dleiza,

    Há quase dois anos, em maio de 2012 também sofri um acidente de carro bem similar ao do seu filho. Fui mostrar o seu texto para minha mãe, e ela chorou muito dizendo que são histórias bem parecidas, e ela viu seu sofrimento bem parecido com o dela. Quando foi o acidente do teu filho? De que lugar do Brasil a senhora fala? Que idade tem o seu garoto hoje?

    Meu neve é Guilherme, pode até me procurar no facebook… Guilherme Heiz da Cruz.

    Um abraço forte! Belo texto! História sensacional é a do teu filho…

  105. Dleiza, que carta lindíssima, sou mãe e passo pelo mesmo problema que vc. Passou, tudo que escreveu eu vivi e ainda estou vivendo, tenho fé e acredito que tudo vai passar e um dia escreverei uma carta linda para o meu Guga, parecida com essa, acredito que viemos com essa missão e tudo passará, bjs. Carinhosos.

  106. Para aqueles que estão com a FÉ abalada – leiam….carta que enviei para meu filho em um retiro chamado Jornada Jovem e foi escolhida para ler a todos …

    Junior
    É assim que você sempre foi chamado por nós em casa, embora seus amigos o chamem de Neri.
    Filho vc nasceu fruto de um amor intenso de seu pai e eu, amor esse que a cada ano amadureceu mais e foi ficando maior, são 24 anos de casados mais 3 de namoro, ou seja mais da metade de nossas vidas junto. Fruto desse amor, nasceu você, seu irmão e sua irmã.
    Voce foi esperado de uma forma especial, porque era o primeiro filho, porque era o primeiro neto. Seu quartinho, suas roupinhas, tudo foi preparado com muita emoção para sua chegada. Voce foi um bebe muito amado, todos curtiram você intensamente, seu avô andava contigo pra todo lado, te levava na chácara ver os bichinhos, e você era um verdadeiro falador, perguntava tudo. Nossa vida se transformou, e para muito melhor depois que você nasceu.
    Os anos foram passando, nasceu seu irmão, nunca esqueço sua carinha quando o viu pela primeira vez. Depois veio sua irmã, que você ajudou a cuidar, e paparicou assim como todos na família.
    O tempo foi passando, voce foi crescendo, se tornando mais independente, maduro e teimoso também, mas nunca rebelde, você sempre foi muito educado, querido, mas queria liberdade, curtir a vida, assim como todo jovem quer.
    Fazendo faculdade, terceiro ano de direito, uma vida de jovem, cheia de futuro, de sonhos, uma linda namorada.
    Voce estava num momento de sua vida perfeito. Era sempre o centro dos amigos, aquele que todos ligavam pra saber onde seria a festa, pra onde iriam… enfim, muito amigos.
    Nossa família vivia um momento que toda a família normal vive, muito trabalho, cada um se virando, a mãe e o pai trabalhando, você e seus irmãos estudando e a vida seguia no seu ritmo … porém um tanto afastada de Deus…. uma vez ou outra íamos a missa.
    Nessa correria do dia a dia a gente nunca pensa que de uma hora para outra tudo pode mudar em nossas vidas, eu digo tudo, porque radicalmente tudo mudou.
    Era dia 27 de dezembro, dois dias depois do Natal, vc e sua namorada foram passar o fim de semana com seu tio no lago. Voce teimou em ir, a mãe dizia não vá filho, fiquem aqui, vão lá fazer o que, era Natal, a tarde. Voce disse mãe vou lá, sair um pouco, amanha eu volto. Aí a mãe falou com um aperto no coração. Não filho, então se vc vai mesmo, não volte amanha, vc vai almoçar tomar uma cervejinha, volte segunda cedo! Tá bom mãe, volto segunda…. e foiii… eu fiquei com um aperto por ser dia de Natal enfim um aperto que coração de mãe sente.
    Tudo certo, vc não voltou domingo, de repente na segunda feira, 11horas da manha, toca o celular, seu tio dizendo: “ minha irmã o Junior saiu daqui agora pouco e recebi a noticia que ele sofreu um acidente, estou indo pra lá e já te ligo, não sei a gravidade!” ……..ai Senhor o chão sumiu de meus pés, um grito desesperado saiu de minha boca, e quase matei todo mundo que tava ao meu lado de susto, o vô estava dentro da piscina, saltou num pulo, e todos ficamos em pânico, liguei pra teu pai, que estava trabalhando e ele também entrou em desespero, minutos que pareciam uma eternidade, e nenhuma notícia mais concreta de nada, pedíamos a Deus e Nossa Senhora que estivessem contigo!
    Uma nova ligação do seu tio, que pensávamos em ser um conforto, foi uma das piores notícias que nós queríamos ouvir: o acidente foi grave, o Junior já seguiu de ambulância para Beltrão, a Jéssica esta tudo bem, mas rezem….a situação do Junior é grave! E via na voz do meu irmão um ar de desespero.
    Ficamos todos perdidos sem saber pra onde ir, o que fazer, para quem pedir socorro. Fomos todos para o hospital e aos poucos iam chegando pessoas, parentes, amigos de todos os lados, mas ninguém conseguia se controlar.
    Eu pedia muito que Nossa Senhora estivesse do lado do meu filho, cuidando dele, já que eu não poderia estar.
    Meu marido foi a capela, mas disse que se sentia envergonhado, e até mesmo com medo, que Deus o castigasse por estar tão distante e naquele momento se ajoelhar e pedir que Deus tivesse piedade de seu menino.
    Momentos de muita angústia, desespero, oração, uns nos davam forças outros se desesperavam com a gente. Mas eu só me concentrava em pedir pra Nossa Senhora que intercedesse por meu filho, porque não era a hora dele. Era muito jovem, que ela pedisse a Deus que o desse mais uma chance.
    Chegou a ambulância, O medido que te acompanhou disse para os outros que esperavam, ele está vivo, mas quase o perdemos, consegui estabilizar a pressão, manter o oxigênio, e foi falando os procedimentos que ele fez aos outros que estavam te esperando. Voce estava desacordado, se repuxando, e com um enorme galo na cabeça, mas não tinha muito sangue. O médico que te trouxe e a enfermeira é que nos deram mais notícias, nos acalmaram um pouco. Ele disse eu já atendi pacientes muito graves, e não perdi nenhum deles, não vai ser o filho de vcs o primeiro, tenham fé. A enfermeira disse que veio a estrada toda segurando uma medalhinha rezando e que Nossa Senhora ia interceder.
    Nesse momento tudo nos direcionava a Fé, que tínhamos que acreditar que Deus poderia te salvar. Mas Deus parecia tão distante, tão su real.
    Eu queria muito ver Deus naquele momento, sentir seu amparo, queria que ele fosse real, quem sabe um médico Deus.
    As horas foram passando, inúmeros exames, UTI, oxigênio, tudo assustador, ver nosso menino, rapaz lindo, forte, com toda aquela aparelhagem, convulsionando, algo misterioso e assustador. Nada nos dava paz, nem meu pai, que sempre foi forte, era capaz de me dar uma palavra de consolo, sentia seu pai fraco, desesperado, os médicos, não davam nenhuma palavra que nos consolasse, o desespero tomava conta, rezávamos muito, mas sentíamos Deus como um abstrato ainda, algo intocável, talvez até alguém que pudesse nos castigar por estar tão desligados.
    Mas mesmo assim eu me atrevia a pedir:
    - Deus tenha piedade de nosso filho, ele ainda é tão jovem, tão cheio de sonhos, de vida, dê a ele uma segunda chance!
    Logo na semana do acidente, fui levada por uma prima a casa de uma carismática, e estava ainda na fase do desespero, e de que Deus ainda era algo mais abstrato. Quando ela falou, nunca vou esquecer.
    - Venha aqui, era em sua sala um altarzinho, e falou vamos nos ajoelhar.
    Foi naquele momento, com suas palavras, que pela primeira vez, senti Deus perto, ela falava com Deus, como se ele estivesse ali, e pedia com tanto fervor. Pedia aos anjos e Santos, e fui me sentindo forte, o desespero que me consumia foi diminuindo, e uma chama se abriu, e a partir daí, fui me fortificando e pedindo cada vez mais a Deus, a Nossa Senhora, e sentia eles ali. Levei uma imagem de Nossa Senhora Aparecida na UTI e pedi para as enfermeiras que não tirassem de sua cabeceira. Com minha fé, fui contagiando os outros, e para resumir, todos os dias, durante os 30 dias de UTI e hospital, nos reuníamos na capela, com amigos, família e alguns carismáticos para oração as 3 horas da tarde, hora da misericórdia, e eu sempre pedia a Deus apenas uma gotinha de seu sangue derramado na cruz, pudesse entrar pelo soro do meu filho e salvasse sua vida. Por fim, de tanta fé, de tanta oração, via que os médicos ao chegarem no hospital, passavam pela capela e também faziam sua oração.
    Mil Aves Maria , começadas as 3 horas da manhã em Capanema, por um grupo de intercessores de lá, te trouxeram de volta de uma crise, você já agonizava, estava com 41 graus de febre, pneumonia dupla, os olhos já passados…
    Bom poderia relatar por mais muitas e muitas linhas, tudo o que passamos , tantas e tantas vezes que quase o perdemos, toda a luta que tivemos, para que vc se reabilitasse. Sessões de fisioterapias, fono, terapia ocupacional, équo terapia, hidroterapia, vc aprendeu tudo de novo, desde engolir os alimentos, você babou como bebe, gatinhou pra depois caminhar de novo, cada conquista tua era uma nova alegria. O quanto vc foi forte para suportar tudo o que sofreu. O prognóstico dos médicos, que diziam que vc jamais caminharia, que possivelmente vegetaria em uma cama ou que ficaria com inúmeras seqüelas.
    Nossa luta sempre foi direcionada por Deus, passei a acreditar no seu poder de cura, e campanhas de oração, Cercos de Jericó, cada vez mais nos direcionavam ao seu tratamento, e Deus fazia seus milagres através desses direcionamentos. Foram tantos profissionais, tantos médicos, terapias, Deus ia nos levando onde precisávamos ir.
    Nunca fale meu filho, perdi minha vida, perdi com esse acidente a melhor parte de minha vida, como vc já disse! E sim meu querido, agradeça a deus todos os dias, por ter te dado a vida novamente, somente DEUS em sua grandiosidade é que tem o poder de atender os pedidos de uma mãe que entrega seu filho a Ele, como eu fiz, no momento de vc estar muito mal, e dizer com o coração despedaçado, com medo de te perder, – “FAÇA SENHOR, CONFORME A TUA VONTADE, EU TE ENTREGO NESSE MOMENTO O MEU FILHO, PARA QUE O SENHOR FAÇA O MELHOR PRÁ ELE!” – eu acredito Junior, Deus tem uma missão para vc, agora é vc quem vai ter que descobrir qual é essa missão!
    Ahh e tem mais uma coisa que eu quero te falar:
    - não existe e nunca existirá um amor maior que o amor de uma mãe por um filho, é como se o coração saísse do corpo, quando sentimos o gosto amargo , a sensação de poder perder um filho, acho que nunca mais sentiria o gosto dos temperos, o sabor, acho que nunca mais conseguiria rir com alegria, acho que o coração ficaria sangrando pra sempre. MEU FILHO EU TE AMO MUITO, MUITO, MUITO!!! ACREDITE QUE A FORÇA DESSE AMOR TÃO IMENSURÁVEL, PODE ATÉ CHEGAR AO CORAÇÃO DE DEUS.
    Sua mãe, sua companheira pra vida toda!

    Dleiza

  107. Ô vida complicada!

    Tomar um rumo na vida.

    Eu era casada e tinha uma empresa com o meu esposo.
    A minha vida estava “definida” e era completamente ligada à vida do meu falecido esposo.
    Laços emocionais, afetivos, financeiros e tudo o mais do que somos constituídos, era junto com o Lê.

    Aí aconteceu o acidente. Um marco na minha vida. Para mim tudo orienta-se pelos AA (antes do acidente), e DA (depois do acidente).

    Tipo: mudou ou acabou tudo junto! Fui desestruturada ao quase máximo que pode existir.
    Graças a Deus tenho os meus pais e amigos.

    Todos os meus relacionamentos mudaram.
    A minha relação com os meus pais está fortíssima e de dependência. Sei que isso é um tanto fora de hora, mas é um vínculo muito forte e eu gosto.
    Às vezes fico refletindo se não seria melhor eu buscar ser mais independente deles, mas…
    Os meus pais são o meu líquido e certo enquanto eles viverem! :-)

    Observo perdas e ganhos em relação à minha personalidade e vida.

    É um ganho eu estar mais antenada aos assuntos como política, família e religião.
    Hoje eu realmente enxergo as pessoas.
    AA eu não era um poço de insensibilidade. Mas eu estava muito focada na minha vida.
    Hoje estou bem mais sensível às pessoas.
    E por não estar trabalhando, tenho tempo, né?

    Outro ganho é eu estar buscando mais e mais as coisas de Deus.
    Deus sempre foi uma realidade para mim. Eu O agradecia por tudo. Mas eu estava distante Dele, porque não fazia de uma meta buscar as coisas do alto.
    Eu só estava preocupada com as coisas do mundo e era viciada em trabalho. Porque imaginava que sendo honesta, trabalhadora e já tendo o meu amor comigo, bastava eu me esforçar para ganhar a vida e ser feliz.
    Ignorei o principal: todo controle é ilusão. Não existe nada infalível e para sempre. Aliás para sempre só o amor mesmo.

    É uma perda muito grande o meu Príncipe ter falecido, propriamente a vida que eu tinha antes, e os sonhos que se foram.
    Estou perdida. Não tenho sonhos. Não sei o que eu quero. Não sei o que eu posso.
    Simplesmente não sei. “Vou indo”. Com uma sensação eterna de estar boiando na vida.
    Não sei mais qual é o meu lugar. Eu me perdi.

    Outra perda refere-se ao meu funcionamento.
    Tenho indisposições aleatórias que não me permitem fazer compromissos.
    São indisposições físicas e/ou emocionais. Tipo, não consigo interagir com o mundo como antes. Tudo é difícil.
    Preciso de paz.
    Segundo uma pesquisa eu não consigo processar vários estímulos ao mesmo tempo. O que é inconscientemente importante para mim, e me chama atenção, tem que estar sozinho. Por exemplo conversar com uma pessoa de cada vez.
    Tenho dificuldade em entender/executar o que as pessoas me orientam a fazer.

    Quem tem uma LCA (lesão cerebral adquirida … chique! rs…), pelo que puder observar de mim e de outras pessoas, precisa de tempo! Tempo para se recuperar.
    Segundo os médicos o meu acidente ainda é recente, foi no dia 02/11/2010. A tendência são as coisas se acalmarem.

    Bom, enquanto isso eu vou indo, né?

    Mas é tudo muito complicado! Não sei o que fazer.

    O meu foco mudou. Mas não sei ainda qual é.

    Consigo ter opiniões, mas o meu executar está horrível!

    Argh…

  108. FRAN amigo, obrigada pelo carinho, mas no momento o neuro e a empresa estão resolvendo o problema da prótese, mas se até abril não estiver tudo resolvido, falo com vc., muito obrigada pelo sua atenção, bjs.

  109. Boa noite, me chamo Andresa e estou aqui para contar a história do meu irmão Kelvin, há 11 meses atras ele sofreu politraumatismo craniano, hoje ele esta consciente, enxerga, movimenta o lado direito, porém não fala, não come e nao caminha, ele possui 22 anos e esta fazendo fono e fisio todos os dias, o que mais nos chateia é ele nao comer nada ainda e precisar de GTT para comer. Alguém conhece algum caso parecido? É possível que ele coma e fale depois de tanto tempo?
    Obrigada pelo carinho de todos
    Ah! Eu escrevo de Porto Alegre RS

    • OLÁ ANDRESA….

      Bem vinda ao Blog! Quando vc fez a pergunta se é possível que seu irmão Kelvin volte a comer e falar depois de tanto tempo, eu retornei no início do texto pra confirmar se eu tinha lido certo… Te digo isso porque o politraumatismo do seu irmão é muitooooooo recente e vc fazendo esta pergunta, pensei que fosse algo bem mais “antigo”. Fique calma, por mais difícil que seja… Acredite na recuperação do seu irmão, não desistam (vc, sua família, seu irmão) nunca!!!! Ele pode melhorar muito….
      Depois que vc escreveu aqui, não sei se vc viu, mas leia vários outros depoimentos que têm aqui no Blog nesta sessão de “Depoimentos” e “Depoimentos familiares” e vc vai ver que tem outros casos parecidos com o do seu irmão.

      Como já escrevi em vários outros textos, o cérebro cria novos caminhos e por isso, a recuperação após uma lesão cerebral pode ser excelente. Porém, é preciso muita estimulação, tratamentos com profissionais necessários para cada caso específico. Que bom que seu irmão já está sendo acompanhado por fisio e fono. Nos conte mais sobre o que aconteceu e como está sendo a evolução dele…

      Um grande beijo
      Fernanda

    • Andressa, o caso do seu Kelvin é meio parecido com o do meu filho que foi em 11/09/2011, tb faz fono, fisio e psicóloga,, a luta é grande, o caso do seu mano é muito recente, Guga ficou seis meses no hospital, veio pra casa com GTT, quase um ano depois do acidente começou a comer bem pouquinho o líquido só com espessante para não engasgar, agora esta muito melhor, interagindo mais, teve muito progresso na fisio e fono, atualmente ainda não fala nem anda, e deverá fazer outra cirurgia para colocar prótese na cabeça, tenha fé e acredite o Kelvin, vai dar muita alegria a vc. E sua família, temos que ter paciência, persistência e amor, a recuperação é muito lenta, e cada caso é um caso. Fernanda vai te responder, ela é um doce de pessoa e com muita bagagem sobre TC para passar pra todos nós, Beijos com carinho.

  110. LEA minha querida..

    Tô sentindo falta de vc aqui… Tá tudo bem? Como está o “nosso ”Guga????
    Eu procurei aqui em todos os textos que vc escreveu e não achei seu e-mail. Vc tem e-mail??? Se puder, mande para o meu e-mail fernanda.blog@hotmail.com seus contatos (e-mail, telefone, etc.)

    Um grande beijo minha querida guerreira, “sócia”, amiga….
    Fernanda

    • Minha querida amiga, realmente entro aqui quase todos os dias, não consigo tocar meu dia sem dar uma olhadinha aqui, parece que esse blog me revigora. Estamos bem felizes com a recuperação do Guga, realmente é questão de tempo, ele tem evoluido bastante, estamos esperando a prótese ficar pronta para fazer a cirurgia, isso me deixa um pouco tensa, porque sei que vamos passar por todos aqueles procedimento de CTI etc…, e uns vinte ou mais dias de hospital, sei que é necessário que é o melhor pra ele. Meu email leamcbarata@yahoo.com.br, meu face Lea Barata, fone (021)2487-5124, Rio de Janeiro,(021)78986433 , estou com saudades das suas palavras carinhosas, adoro ler suas mensagens mesmo que sejam para outras pessoas, leio todas como se fossem pra mim. Beijos carinhosos para vc.

      • Minha querida amiga LEA, obrigada por mandar seus contatos. É que quando vejo que vc dá uma “sumidinha” por alguns dias, já fico querendo saber de vc e do Guga, rs. Vc me deixou mal acostumada, rsrs. Mas, agora tendo seus contatos, fico mais tranquila, pois qualquer coisa corro atrás de vc, rs.

        Quanto à cirurgia do Guga, sei que é muito difícil ter que voltar àquele ambiente de hospital, CTI, reviver muitos momentos difíceis, etc. Mas, pense no que vc mesmo falou, é o melhor pro Guga e agora ele voltará por um “bom motivo”, né? Força querida, mais uma vez, força!!!!! Que Deus te dê força, serenidade e paz no coração. Vc é forte e vai conseguir passar por mais esta. E o Guga vai te trazer ainda mais alegrias, boas surpresas e ter ótimas evoluções… Quando souber o data da cirurgia, nos conte.

        Um grande beijo minha “sócia” querida
        Fernanda

      • Fernanda, a prótese do Guga o neuro mandou fazer na argentina, são dois pedaços grandes e pega um pedaço da testa, soubemos que ficou pronta e mandaram só que teve uma greve dos Correios na argentina, e a prótese sumiu, estamos muito preocupados, o neuro esta vendo tudo com a firma la da argentina, só faltava isso pra nós enlouquecer, tenho fé em Deus que irão acha-la, nunca vou deixar de estar aqui com vcs., aqui é Onde encontro conforto. Beijos na alma.

      • LEA QUERIDA,

        Não acredito! Que coisa hein?!!!
        Tô “inconformada”, mas como vc, eu acredito que a prótese vai ser encontrada….
        Confia, vai dar tudo certo!!! Não se desanime e se eu puder te ajudar de alguma forma, me avisa, tá?
        Estou aqui com minhas orações pra vcs e sempre na torcida…

        Mande notícias…
        Um grande beijo
        Fernanda

      • Lea, como te disse, estarei em Buenos Aires em meados de abril. Se ainda não tiver resolvido esse assunto até lá, e se houver algo que possa fazer pessoalmente, me avisa. Estando com a próteses em mãos, te envio daqui de SP. A única coisa que você precisaria ver com o neuro ou com a própria fábrica é a questão de como funciona a passagem na alfândega brasileira, pois trata-se de uma importação e a nota fiscal não estará em meu nome.

        Bejim no cê

  111. Olá pessoal!

    Primeiro de tudo: feliz 2014, a todos!

    Perdi o timing, eu sei, já estamos quase em 2015 (faltam quê para 2015, onze meses, só?) e ainda estou falando de 2014, mas é que faz tempo que não escrevo aqui.

    Tenho ficado bem atento ao que tem rolado no blog. E eu, que sempre me achei um estranho no ninho (como já disse milhões de vezes por aqui), cada vez mais vejo que muitas das questões que eu me cobrava são derivadas desta lesão que temos.

    O deslocamento social.

    As atitudes mais, sei lá, sentimentais – por exemplo, nunca tinha chorado ao ver um filme antes do acidente, isso só virou coisa de macho depois que eu bati o carro.

    Falta de juízo – vá lá, “impulsividade”.

    Enfim…

    Decidi começar outra faculdade, Jornalismo. Entrei na informática com 14 anos, deveria ser proibido alguém decidir os rumos tão cedo assim. Sempre fui um cara de Humanas, adoro escrever, adoro Comunicação, e esse negócio com computadores me trouxe dinheiro e a oportunidade de conhecer outros países, mas nunca a satisfação pessoal.

    Hoje comecei Jornalismo.

    Como disse para o Adiel, te cuida William Bonner.

    • Fran, boa sorte na sua nova escolha, torço por vc.,qualquer dia te encontro no Projac, por falar em lágrimas, o Guga desde o acidente nunca chorou, já falei com várias pessoas e ninguém tem uma resposta, acho que deve chorar só com o coração, sem lágrimas, beijos guerreiro.

    • FRAN!!!!!!!!!!!

      Estou em falta com vc, né? Fiquei de te escrever desde o fim do ano passado na nossa última conversa e passou…Me desculpa, mas além de ter sido um final de ano meio “atribulado” pra mim, acabei “atendendo” os casos que surgiram e os dias foram passando…Mas sempre acompanho tudo que vc escreve aqui e estava já agoniada por estar demorando a te escrever… O fato de saber que vc escreve muito como eu, me dá mais liberdade de escrever muito também (rs), então, preciso de um tempo maior pra escrever e aí vai ficando pra depois, pra depois….
      Eu adoro quando vc escreve porque sempre tem algo muito engraçado no meio de tudo e dou muita risada. Vc tem, com certeza, o poder da comunicação! Tô muito feliz que começou jornalismo depois de tudo que aconteceu….Muito legal! Admiro muito sua atitude!!!! E acho que tem tudo a ver com vc, pelo pouco que conheço da sua escrita. E tb acho que William Bonner que se cuide!!! Rsrsrs. Boa sorte!!!

      Fran, lendo novamente o que vc me escreveu no dia 20 de novembro (e só agora comentando com vc), achei muito engraçado (só nós que passamos pela mesma coisa podemos dizer isso, pois de engraçado não tem nada, né? rsrs) a históra de vc achar que tivesse tomado um tiro e o fato de vc ter ficado com raiva da sua irmã…Fico pensando em tudo isso que vc contou e em tudo que aconteceu comigo também, como é louco o nosso cérebro, né?
      Quantos “altos e baixos” vc passou (paradas cardiorespiratórias, etc.), hein? Por isso, sua madrinha deve ter achado que alguns fatos que vc contou no seu depoimento, foi de maneira superficial… E como é maravilhoso, hoje, poder ver vc tão bem, podendo conversar aqui com a gente, se expressar perfeitamente e ainda ajudar várias outras pessoas com todas as suas histórias!!!!!
      Acho certa a sua reflexão sobre largar o handebol. Ele foi muito importante na sua vida e largá-lo não foi bobagem. Foi sim doloroso e mais uma coisa que vc precisou lidar após o acidente, mas realmente vc não pode fazer disso o maior problema…
      Temos todo “direito” de sofrer e viver o luto de todas as perdas que tivemos (que não são poucas). Aliás viver esses lutos é necessário e na minha opinião essencial para seguirmos em frente de uma maneira mais leve e melhor.

      Quando vc comentou das suas respostas qdo as pessoas diziam que vc “nasceu de novo”, etc., eu consigo entender perfeitamente. Não é que não estamos “gratos” pela nossa “segunda chance de vida”, mas é que às vezes pensamos que é tanta luta diária, “tantos tombos que eu levo” e que muitas vezes, pelo jeito que tal pessoa fala, parece que ela só vê “as pingas que eu bebo”… Quando nós montamos o grupo no CPN de onde surgiu a idéia deste Blog (sessão “Sobre o Blog”), uma das grandes questões que incomdova a todos era que tínhamos sofrido grandes mudanças em decorrência de alterações cognitivas e comportamentais após a lesão cerebral e que apesar de serem muitas vezes sutis e pouco perceptíveis por outras pessoas, atrapalhavam muito a funcionalidade do nosso dia a dia…E o que todos nós sempre conversávamos era que grande maioria das pessoas realmente não entendem, justamente por não ser algo visível… E na minha opinião, acho que não é culpa delas, pois realmente é difícil entender, principalmente sem ter vivido. E acho que cabe a nós sabermos lidar com tudo isso…Bom, já tô falando demais, né? rsrs

      Eu fiz e faço todos os meus “tratamentos” em São Paulo. Se um dia tiver interesse, eu posso te indicar alguns profissionais que acho excelentes, como neurologistas, neuropsicólogos, entre outros, pois eles lidam só com pacientes com lesão cerebral, (TCE, LAD, etc.) e é diferente vc ouvir alguém que vê isso o tempo todo, sabe? Meu e-mail é: fernanda.blog@hotmail.com

      Prometo que não vou demorar a responder seus textos e vou ser mais suscinta, rsrs
      Um grande abraço e obrigada por fazer parte do blog!!!!!
      Até breve!!!

    • Grande Fran!

      Li sua história e vejo que vc sempre tem buscado sentido pra viver e saídas para enfrentar os problemas da vida. Me identifiquei muito por duas coisas:

      1 – Também sou da área de TI, onde vc atuou por muito tempo;
      2 – Vivo sempre buscando sentido para viver.

      Postei aqui ontem (15/04) sobre o acidente que ocorreu com minha esposa e minha enteada. Estou agora me preparando pra viver essa nova fase ao lado delas e o que me dá mais inspiração são histórias assim como a sua, a da Fernanda, a da Lea com o garotão, entre outras postadas aqui.
      Não fui eu que sofri o acidente nem a TCE mais as vezes sinto como se fosse, pois amo muito minha família, e se a vida delas mudam, a minha muda tb.
      Vou fazer de tudo que estiver a meu alcance para que a saúde dela seja restaurada. Já absorvi muitas informações valiosas aqui no blog e em outros sites que pesquiso (ultimamente estou me sentindo mais estudante de medicina do que profissional de TI, rsrsrs).
      Tudo ajuda muito, pois contraria a maioria das expectativas médicas e nos prova que há esperança. Vejo que no seu caso, há quase 9 anos do acidente, ainda evolui e busca tentando descobrir respostas para as questões ainda não esclarecidas. Acho isso extraordinário de sua parte ( a persistência).

      Valeu irmão pela contribuição. Boa sorte na jornada.
      Abraço!

  112. Depois do meu acidente automobilístico em abril de 2012, minha vida mudou drasticamente e sempre me sentia solitário, excluído pelos meus diversos problemas pós-trauma. Através dos relatos e dicas desse blog, passei a me sentir muito mais confortado e “encaixado” no mundo. Obrigado.

    • OI THIAGO LEÃO!

      Sou a Fernanda. Fiquei tão feliz quando li seu depoimento, vc nem imagina como saber que o Blog te ajudou é importante pra mim! Não sei se vc leu, o meu depoimento é o primeiro da sessão “Depoimentos” e sei que a vida muda mesmo drasticamente qdo temos uma lesão no cérebro. O meu caso também foi acidente automobilístico, teve duas mortes onde só eu sobrevivi.

      O seu acidente é recente, não tem 2 anos ainda. Sei que é estranho dizer isso, mas tem muito pouco tempo…Eu fiz ontem, 7 anos de lesão, 7 anos que tudo aconteceu e foram várias fases durante todo este tempo, tive muitas melhoras…
      Você faz alguns tratamentos? Qual foi sua lesão? Quantos anos vc tem? Onde vc mora? Que tipo de “sequelas”vc está?

      Nossa, quantas perguntas, né? Desculpe, mas se não se importar, seria legal conversarmos mais. Quem sabe aqui podemos te ajudar em alguma coisa e vc mesmo poderá também ajudar várias pessoas com a sua história.. Caso queira, o meu e-mail é: fernanda.blog@hotmail.com

      Seja bem vindo ao blog!
      Espero ter mais notícias suas….
      Um abraço
      Fernanda

      • Isso é muito bom Thiago… Ver um cara que também se sente confortado com nossa troca. É mútua a parada, né? Isso aí, a nossa vida mudou sim, mas sempre devemos ver o lado bom de tudo.

        Um forte abraço!

  113. Olá Fernanda foi de grande relevância o conteúdo do seu blog, excelente iniciativa. Costumo dizer que quando se sofre uma lesão cerebral, até mesmo quando considerada leve, você fica com duas pessoas dentro da cabeça: a que foi e a que se tornou; isso causa muito sofrimento. E esse sofrimento às vezes é visto como frescura, porque também não é fácil para os outros compreender porque você acordou animada pela manhã e de repente começa a reclamar e chorar. Quando, na verdade nem a gente entende.
    Há 2 anos anos sofri um atropelamento por um motorista bêbado, que me causou um traumatismo cranioencefálico diagnosticado como leve, o que tenho dúvidas até hoje se condiz com a literatura porque fui avaliada como consciente sendo que não estava, tanto que não me lembro de absolutamente nada. Fiquei apenas 10 dias no hospital só com o tratamento conservador, e quando sai voltei em um mês para minhas atividades normais, o que foi um erro, eu sabia, mas estava me formando em Farmácia com dedicação exclusiva de anos e era um sonho que eu não queria adiar. Mas… eu já era uma pessoa da área e eu própria me investigava e achava que eu não estava do mesmo jeito. Assim que sai do hospital eu não conseguia me equilibrar e minha visão ficava tremida, não sentia o gosto da comida, e até meu olfato apurado de farmacêutica tinha sido comprometido, e a única coisa que me falavam é que ia melhorar com o tempo. Eu queria saber o porquê e estudei a fundo o assunto, descobri q estava com ataxia de marcha e sozinha fiz exercícios para recuperar o equilíbrio. O olfato, o paladar e a visão de fato voltaram ao normal , porém o meu EU não voltou. Aos poucos fui percebendo perda da memória e da concentração, sem contar a agressividade e a insensibilidade com os sentimentos dos outros. Voltei a poucos dias no médico que passou uma ressonância e voltarei novamente para ele diagnosticar se foi por causa das hemorragias subaracnoideas e providenciar o tratamento. Mas um lado de mim se amedronta um pouco com o que me tornei, e fica se ponderando o tempo todo para não magoar ou esmurrar alguém, quando eu era uma pessoa serena e resolvida. Tentarei me tornar melhor do que era, esse será meu objetivo (se eu reaprender a ter um objetivo, rsrs). Abraços.

    • Oi CAROLINE….

      Ler o seu depoimento me fez lembrar de inúmeras reflexões e até crises que eu já tive por pensar nesse assunto que vc citou sobre o que éramos e o que somos depois da lesão. Daqui 6 dias fará 7 anos que sofri meu acidente. Não sei se vc já leu, o meu depoimento é o primeiro desta sessão de “Depoimentos”. Já passei por muitas anos em que questionei o por que estava me sentindo mais irritada, mais chorosa, com mais alteração de humor, etc. Fiz muita terapia, li sobre o assunto, ouvi opinião de diferentes profissionais, conversei com várias pessoas que tiveram alguma lesão no cérebro e também sentiam coisas parecidas como eu e hoje, só depois de quase 7 anos, sinto uma calma maior pra lidar com tudo isso. Participar de um grupo no CPN em São Paulo foi muito importante também. Lá tínhamos muitas orientações e sabíamos que muitas de nossas reações eram consequências do Traumatismo crânio encefálico (TCE). Isso facilitou muito. Foi de lá que surgiu a idéia deste Blog…

      Nos primeiros anos eu tinha vontade de que todas as pessoas que convivessem comigo de alguma forma, entendessem as consequências do TCE, que uma ou outra reação que eu tivesse tido também tinha relação com o meu trauma….Não que eu tivesse querendo explicar ou colocar culpa no acidente em tudo de “errado”que eu fazia… Mas, é difícil pra gente mesmo aceitar tudo isso e não ter a compreensão do outro, torna tudo pior e mais difícil, né? A gente se estranha com algumas atitudes nossas sendo que muitas atitudes sabemos que se fosse antes não teríamos… É muito complicado…

      No meu depoimento, eu fiz questão de separar uma parte em que eu digo” O QUE EU GOSTARIA QUE AS PESSOAS ENTENDESSEM, justamente por ser um item que me incomodou muito e incomodava TODOS (sem exceção) que sofreram lesão e tinham esta alteração no controle das emoções. Sempre nas nossas reuniões “reclamávamos da dificuldade das pessoas entenderem isso… Comento o quanto é difícil PERDER A SI PRÓPRIO, o quanto é difícil COMPARARMOS A GENTE COM A GENTE MESMO, ANTES E DEPOIS de uma “tragédia” como a nossa… Hoje, eu te falo que não tenho mais angústia nem raiva de ver que “ningém”compreende como é difícil manter a calma, como é difícil se concentrar, como é difícil às vezes não ser impulsiva, como é difícil manter o humor como vc mesmo disse em seu depoimento…. Enfim, hj eu penso que este é um problema nosso que nós temos que aprender a lidar melhor e as pessoas vão ter dificuldade mesmo porque não foi com elas que tudo isso aconteceu, entende? Claro que temos que conversar e explicar como “funcionamos,” principalmente com os mais próximos, mas temos que entender quando no dia a dia acontece algo ou alguém fala alguma coisa que nos sentimos “incompreendidas”.

      O meu marido que convive diariamente comigo me entende muito… Eu fiquei viúva no meu acidente, mas este meu atual me conhecia bem antes do acidente como amiga e profissional, mas bem depois do acidente que começamos a namorar, ele teve também que conhecer uma “outra Fernanda” e “aprender” muita coisa, rsrsrs. Ele já me acompanhou em consultas com neuro e até palestras com neuropsicólogos do CPN que eu tinha atendimento, etc. Não posso muito reclamar quanto a isso, nem com relação à minha família que, graças a Deus, sempre me apoiou e respeitou minhas decisões…. Conheço vários casos bem mais complicados, mas todos que eu conheço, com o tempo, a pessoa e a própria família e amigos vão entendendo um pouco como é isso e as coisas se ajeitam. Pode acreditar, acho que sempre melhora!!! Vou te dar um exemplo bobo, mas que sempre acontece comigo… Eu tenho muita dificuldade de atenção e é frequente acontecer coisas como esquecer algo no forno, esquecer de fazer algo que tinha acabado de falar que ia fazer… e SEMPRE eu escuto: “Vc fez isso porque não prestou atenção; presta mais atenção nas coisas!!!!!!!”. E eu começo a rir e digo: eu achei que estava prestando atenção, é o que eu estava fazendo, mas é esse um dos meus maiores problemas e dificuldades, lembra??? Vou tentar ficar mais atenta!!!!! Rsrsrs. E pronto, isso passa, entende? Não fico arrasada por isso… Eu mesma levo na brincadeira algumas dificuldades e isso até já fez muitas pessoas terem a liberdade de fazerem piadinhas de mau gosto com alguma dificuldade minha e eu dou risada e penso: “coitado, que ignorância, a pessoa não tem conhecimento sobre o assunto…” rs. E pior que quase 100% das vezes, não tem mesmo, concorda?
      Sobre o que vc falou de não se lembrar de nada do que aconteceu, atropelamento, etc. é normal. Já me explicaram que nesses casos de TCE, existe uma lacuna mesmo que vai desde um pouco antes do trauma/acidente até um pouco depois. Eu não me lembro de nada até um pouco antes do meu acidente e de absolutamente nada depois. Sei que o meu traumatismo foi muito grave, diferente do que vc disse que foi classificado o seu, mas acho que em todos acontece esta “lacuna”, sabe? E aprendi também que o que importa não é a classificação ou gravidade do que aconteceu e sim as consequências, o que sentimos, as dificuldades que apresentamos, etc.

      No ano passado até participei de um Simpósio sobre TCE (até escrevi aqui no Blog) e vi que algumas “características” ou sentimentos são observados em pessoas vítimas de TCE, como por exemplo:
      * medo
      * ansiedade
      * irritabilidade com qualquer coisa
      * impulsividade
      * inadequação social
      * depressão
      * falta de identificação com os outros

      Achei muito relevante tudo isso que vc escreveu, me identifiquei e acabei escrevendo demais. Vou te mandar logo este meu texto antes que vc pense que eu não li o seu ou não vou te responder, rsrs. O mais importante que quero te dizer é que isso tudo que vc sente não é frescura de jeito nenhum, realmente acontece e é muito mais comum que vc imagina. Te aconselho a procurar um neuropsicólogo para fazer uma avaliação e ele é um profissional que pode te ajudar muito com estratégias apropriadas para otimizar sua memória, atenção e também te ajudar a “manejar” o comportamento e lidar melhor com todas essas suas queixas.

      Me escreva dizendo o que achou de tudo que eu te disse e se já voltou no médico para ver sobre a ressonância….
      Um grande beijo
      Aguardo notícias!
      Fernanda

  114. Gente eu tenho tantas novidades…
    A professora de Pilates disse que se me olha, não se nota tudo o que passei. E antes era claro, Também perguntei se não era uma forma de me incentivar; e ela disse que não, odeia que falem o que não acontece só por pena, Esse olhar para a mim, me motivou e depois perguntei a outras pessoas, que também falaram que não nota-se.

    Fui a faculdade reabrir matrícula, E vou recomeçar a andar sozinho. De táxi, mas só. Mas, eu duvido muito a minha mãe me soltar assim. Eu estudava no turno da noite. Eu queria saber a opinião de vocês, sobre alterar o turno, e passar para manhã. A noite já estou casado, porque eu faço muita coisa durante o dia… Academia, Produção do meu livro, Pilates, Equoterapia. E todas essas atividades têm que tirar o dia focando nelas, pois se não me atentar, faço errado, de jeito relaxado demais,

    Eu queria, se eu conseguir bem, simplesmente expressar o que esse site causou em minha recuperação. Agora por exemplo, eu escrevo logo no site, E antes eu digitava antes num programa tipo Word, e aí sim eu digitava aqui. Tudo isso, por medo de digitar e logo depois perder tudo.

    Voltando ao agradecimento… Eu agradeço enormemente, primeiramente a Deus, que me fez ficar aqui junto às pessoas que me amparam – vocês. Se eu sumo; não é porque não gosto de ficar ‘por essas bandas’ junto a vocês. EU TENHO MUITA ATIVIDADE, Não estou trabalhando, mas me apego demais aos pontos-chaves e lugares que compõem minha recuperação; E é até compreensível, pois essa nossa condição requer muito foco e empreendimento.

    O que vocês precisarem conversar, meu e-mail eu já passei,. Repetindo: abdock@hotmail.com.
    E meu Facebook, meu nome é Guilherme Heiz da Cruz

    Espero que este ano de 2014 seja coberto de vitórias para que possamos vibrar e vibrar.

    C YA!

    • Guilherme Heiz, muito feliz pela sua recuperação e continue empenhado na consolidação do seu desenvolvimento, pois tudo que vc. Conseguiu até agora foi seus méritos, continue sempre assim, bjs. No coraçào, continue mandando noticias, ha acho melhor estudar no turno diurno, beijão

    • GUILHERME HEIZ….

      Como vc me deixa feliz com esses seus depoimentos, são um presente pra mim!!!! Não porque tô achando que o que está acontecendo seja mérito meu, bem longe disso. Mas, simplesmente por saber que este Blog, com todas essas pessoas maravilhosas que entram e escrevem aqui, te ajudou um pouco e te motivou a seguir em frente!!!! Vc está de Parabéns!!!! O mérito é seu!!!!! Tô muito feliz de ver sua “evolução”…

      Quanto à sua pergunta, a minha opinião é que vc mude o turno e estude no período da manhã. Como vc mesmo disse, usando suas palavras, essa “nossa condição”, exige muito foco e empreendimento naquilo que nos propomos a realizar. Por isso, tenha foco no que é mais importante agora ou no que vc mais deseja fazer, como o retorno à faculdade. Vai seguindo as prioridades de suas atividades e vai deixando por último, o que não é tão “fundamental” pra vc agora, pois pode ser que com o seu retorno pra faculdade, vc se sinta muito cansado, principalmente no início. Não se assuste se vc se sentir esgotado, pois acho que isso pode acontecer. Pensando por mim, eu tenho uma fadiga enorme, então qualquer coisa que eu faço, eu me sinto cansada, pois tudo que fazemos no dia a dia exige no mínimo um pouco de atenção, né? E “nós” para mantermos a atenção pra realização de uma tarefa, gastamos muito mais energia do que uma outra pessoa que não teve lesão, entende?
      Assistir às aulas exige uma grande atenção entre outros “requisitos” como por exemplo, vc se concentrar no que o professor fala e conseguir “isolar” os barulhos que acontecem no local… Vou te contar um coisa que me lembrei agora. Após uns 2 ou 3 anos após o meu acidente, eu resolvi fazer um curso de fotografia com uma amiga. Eram poucas horas de aula e poucos dias. Vc acredita que eu, no início, não conseguia prestar atenção no que o professor dizia porque o barulho do lápis da menina que sentava atrás de mim me incomodava??? Depois isso melhorou….. Enfim, isso pode não acontecer com vc, mas é melhor que vc esteja o menos cansado possível quando for assistir suas aulas para conseguir o máximo de atenção possível…

      Boa sorte!!!! Tô muito feliz por vc!!!!! E por mais que fique com a vida bem corrida, não deixe de entrar aqui de vez em quando para nos contar como vc está e como está indo esta nova fase da sua vida…
      Um ano cheio de vitórias e coisas boas pra vc!!!!
      Abraço forte
      Fernanda

      • Muito obrigado pelas palavras, de coração. Eu não posto muito aqui pois sofro d
        e ansiedade, então quero repostas logo. E isso não pode né? Mas é incontrolável.

        O fato de não entrar frequência no blog, justamente é por conta da minha carga horária. Comentei até isso com minha psicóloga, e já cortei a pintura e a academia. Faço muitas tarefas durante a semana, só tenho o sábado e domingo livres. E tudo justamente para ocupar o espaço vago, por hoje, em minha vida. E também trabalhar este mau, pela Fernanda explicitado: a estafa. Não podemos ficar cansado a todo o momento. Durante o dia somente temos 23 horas, 56 minutos, 4 segundos e 9 centésimos; e por isso devemos o aproveitar o máximo possível; mas eu tenho a noção de que descansar é preciso. Mas a força de melhorar é tanta… A impulsividade é tão grande… Mas descanso, fiquem tranquilos.

        E para que isso ocorra, eu preciso estar bem desgastado pelas atividades que só aumentam. E eu adoro! (risos)

        Tenho em mente que tudo o que passei não foi em vão; é justamente para servir como exemplo a pessoas que estão em desespero.

        O meu problema atual é a falta de amigos antigos. Repetindo: amigos antigos. Com esse ‘problema’ de lesão axonal difusa, eu só tive ganhos. Sou mais saudável, mais simpático, mais simples, mais atento; mas somente pequenos déficits me deixam com o ar de perdido, de coitado; mas não sou.
        .
        Uma coisa de muita importância a mim, adivinhem só? Voltei a cavalgar só! Por meses eu era amparado por dois profissionais. Agora somente faço uns exercícios iniciais e depois disso ‘fui’! O mais interessante foi que no primeiro dia cavalgando pós lesão, eu ficava com medo, com o corpo todo rígido. E agora flutuo. Subo só, faço tudo, exceto empinar. Mas meus objetivos nisso foram alcançados.

        Outro ponto importante é a faculdade. Por sugestão de vocês iniciarei pela manhã. Falando em estafa, na parte diurna estamos partindo do ‘zero’, sem nenhum cansaço. E farei nesse semestre somente duas matérias. Uma presencial e uma online. Também me privando de estafa.

        Música: eu cantava por diversão antes. Eu tinha voz no tom mezzo soprano. E agora somente posso cantar no tom grave. O bom é que ando me adaptando a isso, e estou me agradando.

        Reaprender é meu verbo. A única beleza que não perdi e que não é e nem foi preciso reaprender é o fato de escrever. Estou escrevendo uma prosa-poética biográfica.

        ‘Avião sem asa, fogueira sem brasa’. É como hoje eu me sinto sem expressar o que passo no dia a dia a vocês e também ler o que escrevem por aqui.

        Já até me emocionei chorando… E olha que com a lesão perdi o poder do choro. E olha só o que vocês fizeram comigo? Seus malvados! (risos)

        Minha psicóloga disse que tenho uma neuroplasticidade semelhante a da Sabrina que se trata lá no Sarah. Não a conheço! =(

        Enfim, pessoal um bom fechamento de janeiro e início do fevereiro-carnaval a todos vocês, sem excessão! Paz e luz! Fiquem com Deus.

      • OI GUILHERME HEIZ…

        Tô te escrevendo no mesmo dia pra vc não ficar ansioso, rsrs. Mas, como vc está com a vida meio corrida, não sei o dia que vc vai conseguir ler…rs
        Esta ansiedade grande e impulsividade que vc disse pode acontecer mesmo após a lesão. Eu também fiquei, mas eu controlo com medicamentos recomendados e prescritos por neurologista e psiquiatra. Claro, eu ajudo também com atividades físicas entre outros, mas sem a medicação, no meu caso, fica muito difícil. Cada caso é um caso. Nem todos precisam de medicamentos, mas eu tô te falando isso porque o uso de medicamento pode talvez melhorar a sua qualidade de vida, entende?
        Sei que inúmeras pessoas são contra a qualquer uso de medicamentos e muitas vezes, insistem em tentar “contornar” a situação sem o uso dele. E muitas vezes, o uso de medicamentos vai fazer menos mal à saúde do que o uso dele, pode ter certeza. A minha família é muito “natureba”, rs, onde remédio só em último caso, etc. Na minha casa nunca teve nem “farmacinha” com aqueles medicamentos meio básicos, sabe? Mas, hoje, depois de 7 anos, e inúmeras consultas com diferentes e excelentes neurologistas e psiquiatras, e outras várias tentativas de retirada dos medicamentos (anti-depressivos), sei que no meu caso, POR ENQUANTO, o melhor é fazer o uso do anti depressivo. Ele ajuda a controlar meu sono, apetite, ansiedade, humor, etc. Não estou fazendo apologia ao uso de medicamentos, viu? Só estou querendo te passar minha experiência que talvez possa ajudar… Vc já falou dessa sua ansiedade grande para um neuro ou psiquiatra? Estou te dizendo isso Guilherme, caso te atrapalhe, pois pelo seu relato, percebi que isso pode estar “atrapalhando” sua vida… Procure um profissional e relate isso. Acho que a ansiedade em excesso pode atrapalhar muitos projetos e prejudicar a qualidade de vida…O que acha????

        E Parabéns por estar cavalgando novamente sozinho e ter conseguido alcançar seus objetivos…. Parabéns com relação à música tb, à faculdade, e em todos as suas conquistas e esforços…

        Ocupar o tempo buscando melhoras é maravilhoso, mas ter um tempo livre que vc possa realmente descansar também é importante, principalmente para uma qualidade melhor na realização de suas atividades (com maior atenção, etc.) Então, moderação é importante e vale a pena!!!!!!!!

        Um grande abraço
        Fernanda

  115. Ola Lea,moro em Mogi das Cruzes São Paulo,vou tentar com que ele tome pelo menos sucos,obrigado mais uma vez querida beijo

  116. Ola pessoal este blog é muito bom,pois ajuda a esclarecer um monte e coisas,meu marido,sofreu um aciente á 2 anos foi atropelado por carro seguido de moto,ficou em coma duas semanas quebrou a perna em ois lugares e teve traumatismo,lesão axonal difusiva,sabe no começo foi dificil ele ficou agressivo passano por varias situações oje ele toma um medicamento chamado tregetol que na verdade não sei ao certo para que serve.Hoje ele reclama de dores nas pernas o dia inteiro não sei se realmente sente as dores ou e coisa da cabeça dele, ele fala o dia inteiro perguntando dos filhos de 1 em 1 minuto,só quando esta meus tres filhos em casa que ele para um pouco,se alguem chega em casa para velo ele fala com a pessoa reconhece e tudo dali á 10 minutos esquece que a pessoa esteve com ele,bem o mais intrigante pra mim é que a todo momento convido ele pra ir pescar que era a vida dele pescar, ai ele reponde só vou quano melhorar ou seja ele tem ciencia que precisa melorar,outra coisa ele não sai de casa á dois anos,tratamento só com a neuro que pago pra vir em minha residencia,fico muito triste porque não ve as pessoas não vai a medicos,não quer se alimentar direito está emagrecendo,é muito dificil convencer ele que tem que comer,e outra hoje esta com 4 dias que ele não toma banho quano consigo convence lo teno que correr pro banheiro e ajudar ele.
    Pessoal alguem pode esclarecer minhas duvidas e aliviar assim minhas angústias,
    Obrigado desde já. Meu nome é Luciana Mogi as Crues, São Paulo

    • Ola Luciana, o caso do seu marido, acho que vc. Deveria conversar com o neuro dele e ver a necessidade de um neuropsicologo e de um terapeuta ocupacional, quem sabe não melhora a situação dele, aguarde a Fernanda deve te dar mais orientações, bjs no coração.

      • Ola Lea obrigado pela dica,será que estes profissionais fazem tratamento domiciliar?Menina ele não se alimenta direito tambem to preocupada

      • Luciana, não sei qual a sua cidade, aqui no Rio de Janeiro, tem vários desses profissionais que vão em casa, se vc. Mora aqui me avise que te indico os do Guga, sobre não comer bem, o Guga com esse calor tb. não esta aceitando a alimentação procure dar frutas , sorvetes, sucos que ele goste., bjs no coração

    • OLÁ LUCIANA…

      Desculpe a demora pra te responder, fui me informar de algum lugar em Mogi que vc possa buscar tratamento para seu marido…
      Seu marido precisa de atendimento de uma equipe MULTIDISCIPLINAR. A clínica de LEA (LESÃO ENCEFÁLICA ADQUIRIDA) da AACD é um lugar adequado para atendê-lo. Tem uma AACD aí em Mogi. Sei que seu marido não aceita sair de casa, etc. , por isso, te aconselho pedir ajuda para esta neurologista que vai até à sua casa. Peça apoio pra ela para que vocês consigam levá-lo para realizar os tratamentos necessários. A neurologista pode deixá-lo também mais consciente sobre o estado atual dele. Sem buscar tratamento, ele não vai ter melhoras significativas. A melhora “espontânea” após um traumatismo, com lesão axonal difusa, acontece muito, principalmente no primeiro ano, mas temos que buscar estimulação com profissionais adequados para esta melhora continuar acontecendo e a vida ir melhorando. Eu farei agora, dia 28 de janeiro, 7 anos de lesão e melhorei bastante, mas foi muita luta (Meu depoimento é o primeiro daqui). Seu marido tem que entender que ele vai precisar se esforçar e com isso poderá voltar a fazer muitas coisas que gosta…Tente ajuda da neurologista para levá-lo na AACD. Lá vocês vão ter orientação de uma equipe de vários profissionais como neuropsicólogo, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, enfim, profissionais necessários para uma boa recuperação do seu marido.
      O endereço e telefone da AACD estão abaixo:

      AACD Mogi das Cruzes
      Avenida Pedro Romero, 241, Vila Suissa, Mogi das Cruzes, São Paulo,
      CEP: 08810-370
      Tel.: (11) 5549-6899

      Outra coisa Luciana. Conversei com a Coordenadora do CPN, REAB, em SP, a Sílvia, uma neuropsicóloga que também sonhou muito com a realização deste Blog. O CPN é o lugar onde fiz reabilitação e onde o grupo que participava do mesmo atendimento que eu, iniciou o Blog. Enfim, ela me disse que vc pode ligar lá, após dia 21/01, e pedir orientação, por telefone mesmo…Diga que precisa de orientação para um paciente adulto. A equipe do REAB pode te ajudar também. O telefone é: (11) 5549-6899

      Espero ter ajudado um pouquinho….
      Por favor, vai me mantendo informada.
      Um grande beijo
      Boa sorte!!!!
      Fernanda

      • ola Fernanda muito obrigado pela sua respostas,nossa me incentivou ainda mais em continuar lutando pelo meu marido,obrigado pelos contatos,vou ligar agora mesmo pra neuro dele,muito obrigado pela atenção. Beijo no coração

  117. O Marcos está evoluindo. Os trabalhos com a fono e a fisio estão apresentando progressos. Dia 1 de janeiro ele deu uma volta na praia (calçada). Ainda não consegue se movimentar sozinho, não fica de pé, mas está sendo treinado e exercitado para isso.
    A dieta dele está livre e ele come de tudo: frutas, verduras, legumes, carnes,massas,,, Tem tido alguns desejos – torta de morango e queijo, leite frio, tomate cru… Mas eu gosto muito qdo ele manifesta sua vontade, pois significa que tem consciência.
    A memória recente está meio prejudicada, não lembra quem veio visitá-lo durante o dia, o que acabou de almoçar, entre outros. Mas reconhece fotos, amigos que vêm visitá-lo, consegue ler, …
    Percebo que ele não demonstra emoções: não chora, ri muito pouco. Tem a mesma expressão facial em qualquer situação. Alguém experimentou essa experiência? Estou tentando contato com o Rede Sarah para fazer a inscrição dele lá, ouvi dizer que é muito bom.
    Ele tem estado mais agressivo em alguns dias, estou procurando um neurologista para fazermos uma avaliação e entrar com algum medicamento, se necessário.
    Quanto a TO, alguém pode me orientar a frequência ideal de sessões por semana? Ele fica muito cansado com as atividades e não gostaria de sobrecarregá-lo demais. Percebo que atividades simples como tomar banho e fazer uma refeição deixam ele exausto: isso aconteceu com algum de vocês?
    Sempre que entro neste blog me animo com os depoimentos, com a confiança das pessoas na recuperação de seus queridos. Isso me fortalece!

    • Ola Ivanete, o Marcos esta muito bem, graças a Deus, está bem na alimentação, como pedindo o que quer comer, isso é legal,, qto. A chorar o meu Guga, até agora nunca chorou, inclusive jã comentei aqui, qto. Ao Sarah todos falam que lá e ótimo, tenta coloca-,lo lá, será uma grande evolução, o Guga não gosta muito de ir para cadeira higiênica para o banho, sinto tb. Que fica cansado, acho que isso tudo é normal, o Guga tb. Nào gosta de ficar sentado na cadeira e nem da cadeira de rodas, ele é folgado gosta de ficar na cama, mas eu não deixo., o Marcos só dando alegrias, e ainda vai dar muito mais, bjs. No coração.

      • Obrigada pelas palavras sempre encorajadoras, Lea! Você é incrível, sempre otimista! Com fé, amor e força de vontade veremos nossos queridos superarem esse momento. Deus irá conceder a graça da recuperação total ao Guga e ao Marcos. Ainda iremos celebrar muito! Beijo no coração, fiquem com Deus!

    • OLÁ IVANETE…

      Desculpa, achei que já tivesse te respondido….
      Quanto à frequência ideal de se fazer TO, acho que depende de cada caso. Porém, como após um TCE normalmente se faz muitos tratamentos, penso que 1 vez por semana talvez seja o suficiente pra não sobrecarregar a pessoa.
      Este cansaço após as atividades é muito comum nas pessoas que tiveram TCE. Aconteceu muito comigo e ainda acontece, claro em menor grau, pois isso também vai melhorando com o tempo. No “início”, o fato de ficarmos muito tempo parados ou deitados, também colabora para um cansaço maior quando fazemos alguma atividade…Mas até hoje, uma das coisas que mais me atrapalha no meu dia a dia, é esta fadiga mental e física.

      Quanto à memoria, ele já fez alguma avaliação com neuropsicólogo? Seria bom, inclusive para o neuropsicólogo poder ajudá-lo a lidar com esta dificuldade no dia a dia e trabalhar isso para que ocorra uma melhora. Não sei se vc já leu, mas aqui no Blog nas sessões “Estratégias que usamos”e “Informações importantes” , coloquei um pouco sobre memória e estratégias…

      O tratamento após um TCE sempre é multidisciplinar, envolvendo vários profissionais para que haja uma boa evolução em todos os “tratamentos”…

      Quanto à agressividade dele, acho muito importante consultar um neurologista mesmo, pois essa agressividade é comum acontecer e com ajuda de medicamentos, pode melhorar bastante.

      Fico feliz com as evoluções do Marcos….
      Estou sempre na torcida por vcs!
      Grande beijo
      Fernanda

  118. meu cunhado teve um acidente e bateu a cabeça do esquerdo mas graças ao bom Deus de tudo que nos passamos ele esta bem ,ja ta falando come sozinho ainda não consegue andar sozinho mas da os passos quando a gente segura, não ta sendo facil pra minha irmã, mas atraves de muita oração e confiança em Deus ele ta se recuperando muito bem ah! sem esquecer de carinho que eles necessita.olha quem ve ele hoje não fala que é a mesma pessoa. saiu do hospital sem se mover usa fralda comia pela sonda tinha que usar aparelho pra fazer xixi, dia 08 dde janeiro faz 06meses. A recuperação é lenta mais nos confia no Deus do impossivel porque o possivel o medicos ja fizeram…….fique com Deus…….

    • Maria Carmem, realmente a recuperação é, muito lenta, mas veja seu cunhado quantas alegrias, isso é resultado de Deus e muita perseverança, fê e amor de todos da família é o melhor remédio, a Fernanda vai falar com vc. Aguarde que ela vem, continue a colocar noticias dele isso nos dar força pra continuarmos na nossa luta, bjs no coração

    • OI MARIA CARMEM…

      Que bom vc escrever a história do seu cunhado aqui… Esses depoimentos dão esperança pra muita gente. A recuperação de um TCE é lenta, mas pelo que vc contou, a do seu cunhado foi até “rápida”… Que bom!!!!
      E como vc mesmo relatou, a fé em Deus e o carinho da família são muito importantes…. Se possível, continue mandando notícias….

      Um grande beijo
      Fernanda

  119. Oi, Lea, muito obrigada pela resposta. Cada apoio que a gente recebe é tão importante, você deve saber bem disso. Estamos vivendo um grande momento de incerteza. Meu pai ainda está em observação, tudo pode acontecer. Quanto às sequelas, não tem uma resposta. Temos de viver um dia de cada vez, mas é tão difícil não se angustiar com o futuro, não é? Parece que isso não está acontecendo conosco. Força pra você e para o Guga. Um beijo

    • Mari, entro aqui todos os dias, é aqui que encontro um pouco de força e equilíbrio pra continuar na luta de todos os dias, tem dias que penso que vou enlouquecer de esgotamento físico e mental, mas entro no quarto ele segura minha mão me puxa e me dar aquele beijo estalado, esqueço de tudo e agradeço a Deus por poder estar ali junto dele, cuidando e fazendo carinho na pessoa que mais amo, é isso, bjs no seu coração

    • OI MARI….

      Sou a Fernanda. A última vez que vc escreveu aqui foi dia 02 de janeiro. Hj é dia 15. Como está seu Pai?
      Você perguntou se quem já passou por isso tem consciência do que está acontecendo, né? Cada caso é um caso, mas falando por mim, eu fiquei em coma por mais de 20 dias e quando voltei, eu também fiquei muito confusa… Às vezes, esquecia o que tinha acontecido… (Meu depoimento é o primeiro desta sessão “Depoimentos”, não sei se vc já viu…). Hj penso que minha consciência ia e voltava, é difícil explicar…No hospital, normalmente tomamos muitos medicamentos e não temos a consciência da mesma forma que vocês parentes têm, entende? Eu não tinha aquele pensamento de que “o que será do meu futuro”, sabe? É tudo meio imediato, a dor de agora, o calor ou o frio de agora, a fralda que está suja agora, a traqueo que precisa ser aspirada agora, a visita que chegou agora, etc.. É muito difícil explicar…Mas, a gente não pensa como vocês que estão “de fora”, sabe? Fique “tranquila”. Acho que esta consciência do tudo que realmente aconteceu, da “gravidade” e do que pode vir no futuro, vem bem depois… No momento, se preocupem em dar muito amor e carinho para seu Pai e tentem ficar o máximo de tempo possível com ele… Não sei como funciona aí no hospital que ele está, como é?

      Como vc disse, é muito difícil não pensar no que está por vir, principalmente pra vocês neste momento. Mas, tentem manter a calma por mais difícil que seja. Como a querida Lea disse, a recuperação é lenta, é preciso ter muita paciência, perseverança, amor…

      O que os médicos dizem do seu pai? Qual a situação atual dele?
      Aguardo notícias…

      Um grande beijo
      Seja bem vinda ao Blog
      Fernanda

      • Olá, Fernanda,

        Engraçado, estava muito angustiada pensando no meu pai, quando vi sua resposta. Que bom… Muita coisa aconteceu desde o dia 2 de janeiro. Ele operou a cabeça há 10 dias para drenar o sangue do maior hematoma, que é no lado esquerdo, e, na segunda, foi para o quarto. Um acompanhante fica com ele o tempo todo e estamos nos revezando. Ele pode receber visitas e o quarto tem ficado bem povoado nestes dias. Está o tempo todo muito agitado, confuso, agressivo, quer ir embora e continua sem entender o que aconteceu. Já anda devargazinho, instável, como uma criança. Ele se lembra de algumas coisas e pessoas, mas não consegue manter uma conversa, não tem concentração (é a impressão que tenho). Ele parou de fumar há 2 anos e, agora, está falando em cigarro, uma pena. Há pouco, ele precisou ser contido por três seguranças do hospital, que o amarraram na cama por que ele estava tentando pegar o elevador e descer as escadas para ir embora. Não dorme um segundo à noite, xinga todo mundo, tenta fugir. Está muito difícil e estamos sofrendo muito com isso. Minha mãe, principalmente. É complicado vê-la tão angustiada. Estamos preocupados com a readaptação em casa, porque tem mais um detalhe nesta história: meu pai mora sozinho há mais de seis anos e não poderá voltar a essa condição. Precisará ter sempre alguém com ele, sabe-se lá por quanto tempo ou se para sempre. Por isso, ele voltará a morar conosco. Estamos nos perguntando como será se ele decidir que quer sair sem ninguém, que quer dirigir, que quer fumar. É difícil para minha mãe também, que vive sem ele há tanto tempo, de repente ter de abdicar de suas coisas para cuidar dele, pois ele não tem ninguém a não ser a gente. Eu, como filha, estou sofrendo pelos dois. Neste momento, estamos com bastante medo de como vai ser. Às vezes fico animada e estou tentando não perder a confiança, mas, quando acontece uma coisa dessas, como os seguranças tendo que amarrá-lo por que ele não escuta ninguém, bate uma tristeza.
        Deus abençoe a todos e dê saúde e força para vocês e seus familiares.
        Um beijo e obrigada,
        Mari

      • Ah, e sobre o que os médicos falam, não sei se ocorre o mesmo com vocês, mas é absolutamente nada. “Paciente neurológico é tempo”, “ele pode ficar 100% bom ou não melhorar nada”, “tem de esperar”…Perguntamos sobre medicamentos para deixá-lo mais tranquilo, para que ele durma à noite…Nada. Está bem estranho.

    • MARI QUERIDA….

      Na última vez que vc escreveu, eu te respondi, mas foi no Word pra depois recortar e colar… Eu achei que tivesse feito isso e agora, aqui com insônia, de madrugada, fui dar uma olhada no Blog e vi que minha resposta não estava…Isso acontece pouco porque na maioria das vezes, eu respondo direto aqui no Blog, mas infelizmente, às vezes escrevo no Word primeiro, perco a atenção e isso acontece. Agora já se passaram dias e o que eu tinha escrito pra vc é que muitas vezes, acontece após o TCE, toda essa agressividade, confusão mental que vc relatou do seu pai… Não se desespere, isso pode ser controlado…

      Imagino, por tudo que vc contou, que tudo isso está sendo, além de triste, bem complicado pra vc e sua mãe…Não dá pra saber realmente, quanto tempo seu pai pode precisar de ajuda e companhia…O que posso te dizer é que acredito em muitas melhoras com o passar do tempo.

      Após um TCE, é preciso um trabalho com uma equipe multidisciplinar. Na maioria das vezes é necessário neurologista, psiquiatra, fisio, neuropsicólogo, às vezes fono, T.O., etc. Um neurologista e/ou psiquiatra que “lida” com lesão cerebral é muitíssimo importante, principalmete nesses casos de agressividade, entende? Onde vocês moram? Talvez eu possa indicar alguém…

      Mande notícias de como seu pai está agora. Prometo que vou tentar responder rápido…
      Um grande beijo
      Fernanda

  120. Estou muito feliz de ter encontrado este blog e lido estes depoimentos. Minha família e eu estamos passando por uma situação parecida a de muitos de vocês. Meu pai caiu, bateu a cabeça e está com traumatismo craniano grave, no CTI há cinco dias. O hematoma está no lado esquerdo, que afeta o comportamento e a coerência. Há também pontos de sangramento difusos. Está acordado, falando muito, porém, muito agitado, agressivo e dizendo coisas sem nexo. Ele está em observação, pois, dependendo da evolução do edema, será necessário operar. Dá uma angústia muito grande pensar que meu pai não será mais o mesmo. O prognóstico é como o de vários que comentaram por aqui:a lesão já está aí; agora é o tempo que pode ou não curá-la. Difícil só viver o hoje e não pensar no que está por vir. Queria perguntar a vocês: quem já passou por isso ou tem algum parente nessa situação tinha consciência do que estava acontecendo? Meu pai não entende que está no hospital. Pensa que está em casa e outras confusões do tipo.
    Desejo um feliz ano novo a todos, muita saúde, que é o que importa, força e fé.
    Um abraço

    • Oi Mari, o meu filho, Guga, teve TC, mas ficou em coma, operou algumas vezes a cabeça, foi em 2011, e ate hoje nao fala nem anda, embora melhorou muito do trauma, interage e come pela boca, só digo uma coisa a recuperação é muito lenta, cada caso é um caso, temos que ter muito carinho, paciência, perseverança e amor, seu pai vai melhorar muito vai dar muita alegria a vc. e sua família, a Fernanda vai te responder ela é uma iluminada e com experiência de oito anos, bjs. na alma.

  121. PASSO AQUI PARA DESEJAR A TODOS VOCÊS QUE PASSARAM A FAZER PARTE DA MINHA VIDA NESTE ANO DE 2013, UM ANO NOVO CHEIO DE SAÚDE, PAZ, AMOR, ESPERANÇAS E ALEGRIAS…
    DESEJO QUE A ESPERANÇA DE VCS SE RENOVE, QUE CONTINUEM COM FÉ NA VIDA, QUE TENHAM SEMPRE FORÇA PARA SEGUIR SEUS CAMINHOS E QUE O AMOR SEMPRE ESTEJA PRESENTE….

    QUE 2014 SEJA UM ANO DE GRANDES “EVOLUÇÕES” E VITÓRIAS PARA TODOS VOCÊS, TAMBÉM PARA OS FAMILIARES E AMIGOS, QUE UM DIA O CÉREBRO MUDOU…

  122. Acho que isso de não conseguir chorar é sequela. Também não consigo chorar mais. Sou escritor, e escrevo coisas fortíssimas e nem me abalo mais, se ao menos fosse um pouco…

    Só para a senhora ter noção… Eu era estagiário do curso de Letras, e hoje não aturo criança. Me deixa nervoso. Eu cantava, e hoje não posso mais.
    Certas vezes pode parecer depressivo o pensamento que tenho sobre o meu acidente, mas somente é um revés. Tudo o que eu bem fazia eu perdi, mas eu tento na maior parte do tempo aprender novas habilidades, reaprender algumas que esqueci, refinar o que não foi esquecido e esquecer tudo o que não é válido.

    Quando fiz equoterapia eu chorei sem motivo, as lágrimas somente cairam no rosto. Não me pergunte o porquê. Artes é uma boa saída nesses casos. Pintura é ótimo, já fiz e aconselho. Mas pense: artes é o encontro da evolução do seu filho. Pelo menos eu acho…

  123. SEI QUE MUITOS DE VOCÊS ESTÃO VIVENDO UM NATAL COM UM POUCO DE TRISTEZA POR VÁRIOS ACONTECIMENTOS DIFÍCEIS E SOFRIDOS QUE PASSARAM E/OU TÊM PASSADO…

    NESSAS DATAS DE FIM DE ANO É NORMAL FICARMOS MAIS SENSÍVEIS E FAZERMOS UMA CERTA REFLEXÃO DA VIDA, ETC.
    MAS, QUERO DIZER PRA TODOS VOCÊS QUE DESEJO UM NATAL CHEIO DE BENÇÃOS E ESPERANÇA NA VIDA!!!!!!!!! TENTEM PENSAR NA OPORTUNIDADE QUE SEUS ENTES QUERIDOS ESTÃO TENDO DE VIVEREM, DE ESTAREM AQUI SE RECUPERANDO COMO UM “SEGUNDA CHANCE” QUE MUITOS NÃO TIVERAM E NÃO TÊM TODOS OS DIAS…

    MUITA SAÚDE, PAZ, AMOR, CARINHO, ALEGRIAS, FÉ, REALIZAÇÕES, PERSISTÊNCIA E CORAGEM!!!!!!

    UM GRANDE BEIJO NO CORAÇÃO DE VOCÊS E OBRIGADA PELO IMENSO CARINHO…
    FERNANDA

  124. Fernanda pediu para que eu direcionasse o post para este link;

    ‘NOVEMBRO 8, 2013 @ 23:41
    Em 05/05/2012 sofri um acidente de carro que me deixou com um traumatismo cranio encefálico axonal difuso bilateral gravíssimo.
    Eu que já pensei, um dia, que um ano era demasiado demorado. Aprendi em quase dois pesados anos o que é a vida, sem diminuta, e sem ser simples no critério da prática e teoria.

    Vida dita valorosa é aquela coberta e recheada de desafios e vitórias, daquelas que nos faz cansar e olhar para trás, e não sentir novamente a precisa dor; somente ser um guerreiro que aprendeu a viver melhor;
    Meu coma foi terrível, e quando eu acordei eu me vi daquele jeito e não pude falar e nem chorar. Desaprendi aos dois. Dá pra notar a situação?

    Quando eu saí do coma a primeira coisa que dizem que eu fiz foi arrancar o acesso da traqueostomia – rebelde. Por isso me prenderam na cama. E tenho cicatrizes até hoje. Também tenho até hoje marcas de acessos venosos por todo corpo, até hoje, claro. A cicatriz da traqueostomia desperta curiosidade de alheios desconhecidos: o que houve com você? ….coitadinho… Isso me deixa muito nervoso, afinal tenho problemas de ser assertivo. Na maioria das vezes eu me isolo fugindo de análises bizarras.

    Diferente de muitos amigos do site, eu não tenho o amparo de amigos. Todos sumiram por suas atribuições pessoais, até entendo. Meu muito mudou. E eu não tenho vergonha disso, estou em melhor estado: eu bebia álcool e fumava; e por hoje não suporto ambos os males à saúde. Também isso é um problema para eu voltar ao meio social. Já até ouvi: ‘você é lindo, não precisa se fazer de doente para chamar a atenção’. Na fase onde eu estava de muleta isso ocorreu.

    Hoje eu tenho um caderno-agenda para anotar tudo o que costumo esquecer, e o que há de novo. O acidente ocorreu na última fase do curso de Letras – Português e Literaturas. Voltarei no primeiro semestre de 2014. Para me formar e começar outra faculdade. Médicos dizem que o meu cognitivo não foi abalado, nem a minha atenção. Somente tenho dificuldades de fala e de locomoção.
    Para finalizar, eu agradeço a Deus até mesmo por essas linhas tortas que constroem esse maravilhoso desenho-obra que é a minha vida.
    A todos que passam por situações semelhante, que vocês tenham foco, força e fé. Os três f que nos renovam.

    Namaste! *-*’

    E agora o post de hoje – olha como parece outra pessoa…

    Nossa Fernanda… Muito obrigado pelas palavras de conforto. Saiba que só sumi desde o último post porque eu tive várias mudanças no meu estado.

    Primeiro iniciei Equoterapia para ajudar no meu progresso. E Dia 19/12 eu tive uma festa de natal que participei lendo um texto de autoria minha ao público. Eu me trato no hospital Sarah – RJ. A fono de lá inclusive citou este blog para que eu visitasse. E se eu me lembro bem ela disse que era para procurar a Sabrina. A fonoaudióloga é a Ana Paula. Estou na academia. Faço pilatesl. E em janeiro além do programa de psicologia que me acompanha desde a lesão, entrarei em outra focada nos pontos da minha lesão.

    Falando do texto, após a leitura, me tornei outro homem. Me levantou muito. Como pode poucas palavras servirem como um energético, que muda nossa noção sobre muita coisa. Na festa de natal eu mesmo me surpreendi lendo o texto de minha autoria para uma galera bem grande , no auditório. Saí do estado hiper protegido e nem fiquei nervoso. Assustei até mesmo aos médicos que me acompanharam nos últimos tempos de lesão.

    Sobre os amigos eu tenho feito exatamente o que você disse sem compromisso. Ficar com gente que quer ser amigo de um jeito mais ou menos, eu não quero. Acabei logo com essa onda de serem meus ‘amigos’ por obrigação. Cortei, e fiz amizades novas. Em 1 mês eu tive ganhos imensos por conta da sua resposta, me mostrando que o que passei é pequeno demais diante das belezas desse mundo aí fora.

    Muito obrigado!

      • .ola Guilherme, estou doida que meu filho comece no Sarah do RJ, pois moro aqui, mas ele tem GTT, e o Sarah não aceita, ele deve operar mês que vem para colocar prótese, o medico disse que ele deve voltar para casa sem a GTT, então vamos tentar outra vez o Sarah, gostaria que vc. Falasse do Sarah, qual sua opinião de lá?, o tratamento são todos os dias? É verdade que passa por vários tratamentos, escuto falar que é ótimo, fale um pouco de lá, obrigada e um grande bjs.

      • GUILHERME….

        É verdade que minha resposta te ajudou tanto assim??!!!! Eu tô chorando emocionada e muito feliz. Só isso que vc disse já valeu a pena tudo que fiz até hoje para “manter” este Blog mesmo “sozinha”, respondendo a todos mesmo quando me sentia cansada fisica/mentalmente, etc.

        Eu confesso que quando te respondi lá na sessão de “Objetivos”, onde vc colocou pela primeira vez seu depoimento, e vc sumiu, fiquei meio preocupada e com medo de ter sido mal interpretada com tudo o que te disse sobre as cicatrizes, o que penso sobre o “agradecimento” que devemos sentir pela VIDA que tivemos a chance de tê-la de novo mesmo após uma “tragédia”, etc. Enfim, este seu depoimento foi uma das coisas mais lindas que eu já ouvi…Muito obrigada de coração. Eu tô tão feliz por ver um outro Guilherme escrevendo aqui que vc nem pode imaginar!!!!! Meu Parabéns!!! Eu poderia te dar qualquer resposta que se vc não fosse quem vc é de nada adiantaria. O mérito de tanta mudança é todo SEU!!!!! Tô muito orgulhosa!!!!!

        NUNCA, nunca mesmo, sinta pena de vc mesmo!!!! E sentir pena de vc por ter cicatrizes, qualquer dificuldade que seja (seja na fala ou locomoção, entre outras) é na minha cabeça inaceitável…Vc não tem culpa por ter sofrido um grave acidente e ficado com algumas dificuldades/“sequelas” e cicatrizes, isso nunca esteve no seu controle… Vergonha se tem de roubar, de ser cruel, de ser sem educação, de desrespeitar o próximo, de fazer o mal, etc., mas vergonha por ter vivido uma história de vida mais “difícil” que teve consequências às vezes ruin….isso nunca! Quero que vc me conte ainda que passou a ter orgulho de suas cicatrizes como te disse que tenho da minhas viu? rsrsrsrs.

        Muito legal vc estar fazendo pilates, academia, ter iniciado equoterapia e iniciar em janeiro a terapia que vai dar mais foco nas suas lesões. Muito bom!!!!!
        A Sabrina fez tratamento no Sarah do R.J. também, com certeza foi dela que te falaram no Sarah. Nós duas nos conhecemos através do meu Blog e foi ótimo!

        Não some daqui não….Sua experiência pode ajudar muitas pessoas!!!! A Lea mesmo já te perguntou algumas questões sobre o Sarah no R.J…..

        E continue mandando notícias…
        Um grande abraço!!!
        Namaste!
        Fernanda

      • Lea…
        O que é GTT?
        Pelo que pesquisei é relativa à gastro. Mas ficou ainda assim muito vago.
        Não sei nada sobre isso.

        Mas adianto…
        O tratamento de lá é muito especial e específico a cada tipo de lesão. Talvez este seja o motivo da demora. Eles não devem prestar serviço a tal tipo de lesão, que não conheço.

        E FERNANDA… Não esqueci de vc…. n sossego em casa; por isso nem tem como eu te responder…. Quando eu voltar hoje…. te responderei E aviso… será enorme rs

      • gTT é uma sonda gástrica, colocada na barriga direto no estômago, serve para alimentação e hidratação, fica uma borrachinha pendurada na direção do estômago, por essa borrachinha colocamos através de uma seringa agua, alimentação e remédios, será que expliquei bem? Espero que sim.

      • Eu não sei nesse caso de GT como é a avaliação deles. Na verdade só sou paciente. Lá no Sarah requer tempo, pois a fila é muito grande mesmo. Fica calma e veja umas altenativas. Precisanso de ajuda para ver, estamos aí.
        abdock@hotmail.com

      • Guilherme heiz, obrigada pela atenção, qdo. O Guga estiver pronto pra ir para o Sarah, se houver algum problema, me comunico com vc. Pra qualquer ajuda, mas no momento vamos aguardar a cirurgia e a retirada da GTT, mas te agradeço de coração, que Deus te abençoe sempre, bjs na alma.

  125. Olá tenho filho de 20 anos que aos 13 anos sofreu um grave acidente tendo ficado internado por 5 meses , 2 meses de uti, coma durante 3 meses e muitas cirurgias, resultado de tudo isso hoje ele tem sequela de memória recente , esquece tudo em menos de uma hora, tem braço direito trêmulo , não tem articulação no quadril pois no acidente foi amputado a cabeça do fêmur , tem a perna direita com diferença na altura , ja fez todos os alongamentos possíveis , hoje estuda dm uma escola própria para handicape pois as escolas normais não o recebem devido a falta de memória e concentração , não tem uma vida normal como os adolescente de sua idade , sofre muito preconceito , ele esquece de anotar na agenda , tendo se tudo para lhe proporcionar uma vida boa , mas sinto que ele, por mais contente que demonstre por dentro ele tem e sente vontade de ter uma vida própria sem depender de ninguém , porque ate para colocar uma simples meia ele precisa de ajuda, e é neste sentido que gostaria de saber ja que aqui tem muitos depoimentos como posso fazer para ele se lembrar das coisas que faz ?

    • Olá MERIGUISLA ROMKO…

      Seja bem vinda ao Blog. Meu nome é Fernanda. O meu depoimento é o primeiro desta sessão “Depoimentos”. Não sei se vc viu tem vários outros depoimentos aqui na sessão de “Depoimentos Familiares” também. Se vc não leu ainda, leia que vale a pena, os relatos podem te dar alguma orientação ou idéia que pode ser útil no caso do seu filho. Pelo que vc contou aqui, seu filho já tem mais ou menos 7 anos de lesão (assim como eu).
      Bom, cada caso é um caso e cada pessoa tem lesões no cérebro em regiões que dificilmente são idênticas entre as pessoas, o que vai ocasionar diferentes consequências, dificuldades ou sequelas. Assim, cada pessoa evolui diferente da outra e o tempo de recuperação também muda…Enfim, não existe regra, o que se sabe e posso te dizer com toda certeza é que a recuperação é lenta, exige muita paciência, perseverança, estimulação e o cérebro possui uma plasticidade incrível. Isso vc mesma deve ter visto com o seu filho durante toda este processo de recuperação dele, né?

      A sua pergunta foi com relação à memória recente que pelo que vejo é talvez o que mais tenha impedido ele de ter uma vida mais independente… Em primeiro lugar: ele já fez alguma avaliação com neuropsicólogo? Quais os tratamentos que ele já fez?
      Na avaliação neuropsicológica, poderá ser avaliado se realmente o problema dele é mais na memória recente ou na atenção por exemplo…. Com avaliação das funções cognitivas e de linguagem, realizada por um bom profissional, seu filho poderá ser orientado com estratégias que podem ajudá-lo a ter uma rotina de vida mais “fácil”, mesmo com muita dificuldade na memória recente, por exemplo.

      Aqui no Blog, na sessão “ESTRATÉGIAS QUE USAMOS” tem várias dicas que podem ser usadas para auxiliar na memória. Começa com o uso da agenda semanal que eu quem escrevi toda minha experiência com a agenda e em seguida tem o PPP e por último, o texto de “Estratégias para lidar com os déficits de memória”, onde terá dicas de itens que podem facilitar a memória como por exemplo usar o celular para despertar qdo tiver que fazer algo, colocar algum lembrete na mão para não esquecer tal compromisso, etc. Leia lá e me diga as suas dúvidas, veja o que seu filho já experimentou e não deu certo, etc. Estamos aqui pra tentar ajudar no que for possível.
      Aguardo seu contato!!!
      Um grande beijo
      Fernanda

  126. Olá Fernanda,

    Ele não esta tomando medicação. Os problemas que ele vem passando são: tontura, surdez que vem aumentando, dor de cabeça, não sente sabor nos alimentos, não sente cheiro, esquece e sente cansaço com muita facilidade.
    Como ele era uma pessoa super ativa, e no momento encontra-se impossibilitado de trabalhar sinto que também esta entrando em um quadro depressivo.

    Se vc puder me passar os médicos agradeço

    Obrigada pela ajuda
    Bjs
    Elisa
    elisa_dcubas@hotmail.com

    • Fran nossa fiquei mto feliz, chorei de felicidade em saber que eu to inspirando alguém, fiquei mtoooooooooooooo feliz de verdade!!
      A plassticidade cerebral e um maravilhoso instrumento fornecido por Deus, aonde a nossa capacidade de melhora não para nunca, isso nós conforta
      Se com o que eu to passando, minha experiencia (to traque eu LAD rsrsrs) eu conseguir ajudar 1 pessoa, ja veleu a pena.
      Obrigado fran.
      Beijos Sabrina.

  127. Olá pessoal! Bom, Fernanda, se antes era um, agora são dois textos para responder. Mas esse vai ser mais curtinho, prometo.

    Pode ser que ele não será tão bem-humorado assim, sei lá, tô meio invocado nesses dias. Nada, não, só alguns problemas de família que acabam me deixando um pouco preocupado. Até daria para relacionar isso às mudanças na minha cabeça, afinal não sei se antigamente tinha alguma empatia em relação a outras pessoas. Sempre fiz amigos facilmente, me dei bem com Deus e o mundo, mas na hora de me colocar no lugar dos outros acho que eu era meio covarde.

    Se bem, que, bobagem. Olhando bem de perto dá para ver que ainda tenho algo egoísta assim, e o que mudou pode não ser o fato de que hoje eu passei por um traumatismo, mas simplesmente que eu esteja ficando mais velho – é o tal amolecimento natural da idade – e ainda queira jogar todos meus rolos na conta do acidente. Enfim, segue o jogo.

    Dia desses estava conversando com uma amiga sobre o dia em caí de paraquedas neste blog. Falei que naquela tarde havia ido a um neurologista, contei a história da listinha que fiz com as mudanças que observei em mim e que, ao ver que o cabra não tinha muito a me dizer, fiquei muito decepcionado. À noite, disse, estava bem chateado e comecei a procurar mais sobre TCE na Internet, coisa que há anos não fazia, até que encontrei este blog e, enfim, algo que “poderia me ajudar”.

    Li e gostei bastante, mas então, aí, me achei ainda mais egoísta, por ter um dia pensado que só eu tinha problemas. Hoje me parece óbvio que mais gente tenha sofrido esta lesão, mas jamais havia conhecido outra vítima de TCE/LAD e sempre me achei o “único”, no sentido de ser um estranho no ninho. Sabia do Ayrton Senna, sim, mas ele morreu quase na hora e então não vale como parâmetro.

    Já são anos me sentindo o cara esquisito da turma, o que esquece qualquer coisa e não consegue amarrar o próprio tênis, por mais que quem me olhe dificilmente note algo errado. Quando me diziam “você nasceu de novo!”, eu respondia “vaso ruim, não quebra”; “Poderia ser pior, né?”, e disparava “e também poderia ser melhor” (adorava essa); ou “Você está superbem!”, e eu “Você vê os tombos que eu levo, mas não as pingas que eu tomo”.

    Fiz isso várias vezes, e constrangi muita gente com essas respostas.

    A verdade é que sempre detestei a ideia de que alguém pudesse ter pena de mim.

    Desculpem-me se exagerei a mão no desabafo. Não quis, honestamente e de coração, desrespeitar alguém que esteja em recuperação e que possa pensar que fui muito futil com isso. Entendo todas as dificuldades do processo de recuperação, até porque o vivo há anos, e tudo o que disse foi só por ver que ainda tenho lá os meus problemas – ainda que muitíssimos deles, os principais, já tenham sido solucionados.

    O fato é que temos uma lesão que leva muito tempo para começar a melhorar. Passei por todas – veja bem: todas, todíssimas – as fases que foram relatadas neste blog e, até segunda ordem, estou vivo até agora.

    Quando vejo o Adiel falando do Yan e de seus progressos me emociono genuinamente, como se estivesse lembrando da minha mãe quando puxei e elevei a perna pela primeira vez.

    Voltando à conversa com aquela minha amiga, contei que estava conhecendo outras pessoas aqui no blog – gente que também havia sofrido um trauma parecido ao meu, além de seus parentes e amigos. Disse que me enxergava em quase todas as histórias que lia, com mais ou menos detalhes em comum, e que poderia dar algumas dicas sobre como foi atravessar esse período tão complicado dos primeiros anos pós-trauma.

    Passar de uma pessoa que queria ajuda, para alguém que quer ajudar.

    Eu escrevi isso aqui abaixo em privado para uma menina aqui do blog, a Bruna, que cuida muito do seu irmão Raphael, um garoto que também sofreu um TCE:

    “Ano passado estava numa aula de inglês e a professora perguntou se esperávamos que nossos filhos fossem como nós. Um a um, os alunos responderam que sim, mas chegou na minha vez e eu disse que não. ‘Não?’. ‘Não. Eu espero que eles sejam melhores que eu’.

    C’est la vie. O que eu quero é que o Rapha seja melhor que eu. Que o Yan seja melhor que eu”.

    O que eu quero é que todos aqui sejam melhores que eu. Contem comigo.

    É, Fê, prometi que o texto ia ser curto e não cumpri. Mentindo assim o nariz cresce, tô lascado.

    Beijos a todos.

    • Fran,
      engraçado como você realmente tem o dom para fazer as pessoas se sentirem mais leves com suas palavras. Você é de uma sinceridade e humor ímpares. Sempre leio os seus depoimentos e comento com minha irmã Isabela…aliás ela já tem feito uso dos tampões nos olhos e isso a tem ajudado bastante. Você é muito espirituoso e divertido.
      Não se engane ao pensar que pode vir a ajudar alguém, VOCÊ JÁ AJUDOU E AJUDA, todos os dias, com suas palavras e informações preciosas.
      Obrigada pela dedicação e respeito com esses nossos queridos!
      É emocionante conhecer vitoriosos como você e a Fê, entre outros muitos, que não só conseguiram se recuperar, mas dedicam parte do seu tempo a ajudar pessoas que estão passando pelas mesmas dificuldades…
      Deus realmente é bom! ELE não mediu esforços ao escolher vocês para cruzarem o nosso caminho…
      Sabe, tenho filhos e também quero que eles sejam melhores que eu…por isso, entendi perfeitamente seu comentário…
      Obrigada, de verdade, Fran!!!
      Um super abraço
      Anna Karina

      • Valeu, moça! Fico muito feliz com o feedback, ainda mais sobre este último depoimento onde fiquei meio arrependido depois de escrever essas coisas, achando que pesei demais a mão e acabei passando alguma imagem insensível e de quem reclama de barriga cheia – do tipo “o que é hoje não amarrar os tênis para quem antes não limpava a bunda?”. É óbvio que não era isso que eu queria, mas sim dizer que me solidarizo com cada um dos pacientes relatados aqui no blog, pois passei por todas estas etapas e, acreditem, ainda tenho muita coisa para melhorar.

        Aliás, por falar em melhoras, iria escrever justamente sobre isso e é uma tremenda coincidência tocar nesse assunto, pois tenho uma novidade para vocês: exatamente ontem, depois de oito anos, consegui correr.

        Claro que, como sempre, antes disso (ou até para isso) eu precisei me ferrar primeiro, mas tá valendo e consegui.

        Resolvi ir para a praia descalço. Em Praia Grande, cidade onde mora minha mãe, a largura da faixa de areia entre o calçadão e o mar em maré baixa é de, sei lá, uns oitenta ou cem metros – isso na sombra, porque debaixo de sol são uns três quilômetros e meio.

        A areia começou a queimar de fazer bolha, comecei a andar rápido, um baita desespero, o mar nunca que chegava.

        Olhava para os lados e não via uma sombrinha qualquer que fosse para esfriar os pés e continuar.

        Mas aí eu lembrei da Sabrina conseguindo pular corda (viram a foto?), e aquilo me inspirou – sem pieguice, é sério.

        E então, pela primeira vez depois do acidente, eu corri. Corri “devagar”, mas corri.

        Enfim: Franzinho, Rio 2016.

        Te cuida, Usain Bolt.

        Beijo, pessoal.

      • Adiel, eu fico realmente muito feliz com o que você disse. Não conheço a exata e atual condição clínica do Yan e, mesmo que soubesse, não saberia interpretá-la com responsabilidade, afinal não sou médico e só fico repetindo o que ouço e ouvi durante todo este tempo após o acidente, como um papagaio de pirata, ou contando as coisas que me aconteceram e que me lembro desse período.

        O que sei, na verdade, é que o Yan tem um pai dedicado, está sendo cuidado com absoluto carinho e é muito jovem – se eu não me engano, ele é o mais novo de todos os pacientes relatados aqui no blog.

        Todos estes, sim, é que são motivos para estar cada vez mais esperançoso.

        Alguns dias após meu acidente, um médico falou para a minha mãe que se eu tivesse “seis meses a mais [de idade], não teria sobrevivido [no momento da batida]“. Pessoalmente acho isso uma tremenda e inconsequente bobagem, ele só quis jogar para a torcida e bancar o médico hiperexperiente em relógios biológicos, com ênfase em vidências em geral, pois não acredito que seis meses sejam um período suficiente para esta avaliação.

        Noves fora, porém, é verdade que a idade influi bastante na recuperação.

        Eu era mais de vinte anos mais velho que o Yan nas idades em que sofremos nossas lesões e acho – um “achismo” mesmo, que nunca ouvi de alguém e é uma opinião sem qualquer base médica – que o cérebro dele vai encontrar novos caminhos de um jeito muito mais simples, porque ele sempre vai estar aprendendo tudo pela primeira vez. É como se não tivesse que “desaprender” uma coisa – pelo menos da maneira com a qual estava acostumado – para tornar a aprendê-la de uma maneira diferente, sabe? Eu vejo isso pelas coisas que já consigo fazer com mão esquerda (escrever, fazer a barba ou escovar os dentes) e as que não – pentear-me, por exemplo.

        Nosso garoto ainda vai nos dar muitas alegrias.

        Esse mesmo médico que contou a história dos seis meses para a minha mãe, em outra ocasião, disse que eu cheguei ao hospital num estado “extremamente grave”, passei a “muito grave” e que, naquele momento, era “grave” mas minha recuperação estava sendo “muito boa”. Minha mãe perguntou “‘muito boa’, quanto?” e ele respondeu que se, para ela, “[A recuperação] boa era estar em casa, levando vida normal [...] ainda teria que esperar bastante”.

        E é assim mesmo, meu amigo, a evolução é lenta – mas não significa, exatamente, que ela pare. É o “sujo falando do mal lavado”, o “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”, mas, ao contrário de mim, tenha paciência. (Se minha mãe ler isso aqui vai me chamar de o maior cara de pau da paróquia.)

        Falando nisso, quanto à corrida que eu contei no último post, vou confessar uma coisa: embora realmente tenha acontecido exatamente desse jeito, dei uma boa romanceada na história – talvez a plasticidade cerebral não seja tão rápida assim a ponto de me fazer correr, só para salvar meu pé de torrar na areia. Na verdade, é provável que eu já “soubesse” correr há muito tempo, apenas ainda não tentara e só decidi fazê-lo depois de ver a foto da Sabrina.

        Este episódio na praia foi só a fome chegando junto à vontade de comer, a primeira oportunidade que tive para tentar.

        Que serviu também, e mais que tudo, para que eu chutasse a acomodação para longe.

  128. Olá pessoal, meu namorado sofreu um acidente de trabalho e entre muitos lesões pelo corpo teve um traumatismo craniano. A princípio os médicos falavam que não haviam nenhuma lesão/dano no cerebro, mas devido a dor de cabeça constante e as tonturas, continuamos a buscar respostas para oque estava acontecendo, até que um deles nos informou a existência de um coágulo no cerebro, e que a qualquer momento pode ocorrer convulsões e que não tinha nada que pudesse ser feito… Idéia essa que não consigo aceitar. Estamos convivendo com esse medo diariamente. Temos muitas dúvidas e falta de informação de tratamentos ou remédios que possam ser utilizados para resolver o caso. Até o momento não encontramos um médico que nos desse apoio/orientação. Gostaria de saber se vc’s tem algum médico para me indicar, pois não estamos conseguindo encontrar o profissional adequado (neurologsta), a princípio gostaríamos de um profissional em Ctba, mas caso seja em outro estado, estamos dispostos a a procurar ajuda em outros estados também.
    Vocês estão de parabéns pelo Blog.

    • ELISA….

      Seja bem vinda ao Blog.
      Seu namorado está tomando algum medicamento para evitar convulsão?? Pelo pouco que sei e já ouvi, depois de um TCE (Traumatismo Craniano) pode ocorrer quadros de convulsão mesmo, e não sei se o médicos receitam medicamentos para tentar que isso não ocorra, só sei que não podem garantir que não vai acontecer… Eu fiz uso de vários medicamentos após o meu TCE, mas não sei se algum tinha esse objetivo. Me lembro dos médicos dizerem que eu também tinha possibilidade de ter convulsão, mas eu não tive nenhuma….

      Sei que é difícil manter a calma com essas possibilidades, mas procurem outra opinião pra vcs ficarem mais “tranquilos”… Eu conheço alguns bons médicos neurologistas em São Paulo. Se vc ainda precisar, me passa um e-mail que eu possa te mandar os nomes e telefones.

      Além disso, seu namorado está apresentando alguma dificuldade após a lesão????
      Aguardo mais notícias….
      Um grande beijo
      Fernanda

    • Lea querida,
      mais uma vez peço desculpas pelo sumiço. Fim de ano, muito trabalho, apresentações das minhas filhas, entre outras tarefas, como todos nós. Queria compartilhar com você e, claro, com todos daqui que a Isabela está sendo atendida no Sarah e depois de muitos exames, vai ser operada agora dia 19.12, quinta-feira, lá mesmo para ajudar no braço direito que ela não tem movimento. Os médicos acreditam que com a “neurotização” ela tem grandes chances de recuperar bastante os movimentos do braço, pelo menos torná-lo funcional. Talvez não consiga levantar totalmente o braço, mas pode recuperar os movimentos de dobrar o cotovelo, o que permitirá que escreva, coma, vista roupa, entre outros, já que ela tem preservado os movimentos da mão. Estamos muito esperançosos e ansiosos.
      Ela está muito feliz, apesar de preocupada de voltar ao hospital, mas ela amou o Sarah. Como o Adiel falou, o Sarah é muito especial, o atendimento é muito diferenciado, lá os profissionais, de fato, estão inteiramente envolvidos e interessado na melhora dos pacientes. Vou tentar dar notíciais assim que acontecer a cirurgia. E o Guga??? Como está seu filho lindo??? Mande notícias também.
      Sexta passada fizemos um jantar na minha casa para agradecer os profissionais (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonodiólogos e técnicos) que cuidaram e ainda permanecem ao lado da Isabela nessa caminhada, foi emocionante. São seres humanos abençoados e Deus os enviou para cuidar da minha querida irmã. Só tenho a agradecer. A luta continua e a Isabela continua alegre e otimista….um exemplo de vida!!!
      Beijos
      Anna Karina

      • Oi querida coloquei uma resposta no depoimento familiar, estou muitíssimo feliz com Isabella , o Guga deve operar para colocar as próteses na cabeça em janeiro, finalmente o convênio autorizou as próteses, elas estão sendo feitas, leva um mês para ficarem prontas , estamos ansiosos para que chegue logo essa hora, Guga está bem, ainda não fala, mas com a irmã as vezes solta umas palavras e emite alguns sons, com o fisio tem ficado em pé apoiado no ombro do pai e do fisio, se alimenta muito bem, interagi, sorrir, em fim me passa muita felicidade e alegria, estou cada vez mais orgulhosa desse moleque, tenho conhecido pessoas maravilhosas nesse blog que nos dá muita força e coragem. Querida senti muito sua falta, entre no face e me adiciona Lea Barata, tem o LAD do Adiel que tb é muito bom, Anna como existem casos iguais aos nossos, é incrível todos os dias aparece alguém pedindo ajuda, Fernanda e Adiel foram maravilhosos com esses blog, entro aqui na Fernanda todos os dias, já faz parte da minha vida, entra no meu face e conheça o meu Guga, é um bom garoto amo ele demais, mande sempre noticias e de um grande beijo na Isabella essa guerreira, e um beijão pra vc.

  129. oi meu nome é janete, estou desesperada pois meu pai sofreu um acidente de carro e esta em estado grave na uti, e agora ele esta em coma desde ontem que os medicos retirarão os medicamentos para ele acordar e ele ainda não acordou, o acidente aconteceu dia 20/11/2013. gostaria de saber se esta muito recente, olha ele fez uma cirurgia pois estava sangrando muito e colocou uma dreno na cabeça dele, meu pai esta muito inchado, inrreconhecido, toda a fez que vamos visitar ele esta pior, por favor me ajude me diz se é normal, o que esta acontecendo com ele, ele não teve nenhuma outra lesão so o traumatismo craniano.

    • Janete
      Tenha calma,se vc. ler alguns depoimentos acima verá que a maioria ficou em coma e que sairam do coma, tenha fé e acredite ele saira do coma,, o acidente dele é muito recente, tenha calma e converse com ele seja muito carinhosa ele ouve tudo, meu filho ficou tb. em coma colocou dois drenos na cabeça, o cerebro inchou teve que fazer duas cirurgias na cabeça e tb ficou muito inchado, é assim mesmo eles ficam irreconhecível, não se impressione, passe tranquilidade pra ele, beije e diga que o ama e que vai ultrapassar tudo isso,a recuperação do TC é lenta temos que ter fé, amor, persistência, paciência e acreditar, ele vai sair dessa e dar muita alegria a vc. E a sua família, mande noticias, bjs. No coração.

    • OI JANETE….

      Vi que a nossa amada amiga aqui do BLog, a Lea, te respondeu no dia seguinte e, sinceramente, ela já falou tudo o que eu poderia te dizer…Tudo que ela te disse não poderia ser melhor e ainda o filho dela, o Guga, também teve que fazer cirurgias no cérebro, ficou inchado como o seu pai, etc.

      Querida, tente se acalmar por mais difícil que seja…Não vai ajudar em nada vc se desesperar, não vai ajudar seu pai, sua família e vc sofrerá “mais”…. Vc perguntou se ainda é muito recente….É tão recente, tão recente, que estou pensando em outra palavra pra usar….Vc perguntou se é normal, e posso te dizer que é super comum estados bem graves como o do seu pai….E como a Lea mesmo disse, se vc ler vários depoimentos aqui, quase todos passaram por muitos momentos gravíssimos e muitos se recuperaram super bem e muitos estão se recuperando…

      O meu acidente de carro teve dois óbitos (do meu marido e da minha irmã) e meus pais ouviram durante uns 15 dias que eu ainda tinha grande chance de óbito e hj estou aqui podendo ter este BLog e contando minha história pra vcs….

      Tenha fé, paciência, perseverança, amor…..as coisas vão melhorar!!!!
      Continue nos mandando notícias
      Um grande bjo no seu coração e no da sua família…
      Fernanda

      • obrigada por me responder, não tenho uma boa noticia meu pai teve somente piora e dia 26 ele chegou ao óbito, estamos inconformado mas Deus sabe o que faz, nossa esperança é a ultima que morre, ele não resistiu pois os órgãos dele não o obedecia, desde ja agradeço por me ouvir, seu blog ajudou muito, me deu muita esperança e entendi muito.

      • JANETE minha querida….

        É com muita tristeza no coração que recebo esta triste notícia.
        Primeira vez aqui no Blog que recebo uma notícia assim…. Mas, como vc disse, Deus sabe o que faz. Só nos resta aceitar, mesmo sem compreender..
        Posso te dizer que sei o quanto é triste e difícil “perder” alguém que a gente ama… Ainda tenho meus Pais, mas sei que seja quem for da nossa família, dói demais, demais, demais…. Peço a Deus que conforte o seu coração e o da sua família neste momento tão doloroso… E dê forças pra suportar a ausência física do seu Pai…
        Você com toda sua tristeza, ainda entrou aqui pra dar notícias e agradecer….Nossa, fiquei emocionada….Obrigada! Não tem nada que agradecer viu?

        Fica em paz e que Deus te abençoe…
        Com muito carinho…
        Fernanda

  130. Adiel, entrei no seu Facebook para procurar fotos do Yan e dei de cara com ele logo na capa. Lindão o moleque. Também vi a sua foto, então nem venha com essas histórias de que “a matriz é boa”, “puxou o pai” ou que “vem de família”, que não vai colar :)

    Tentei te adicionar como amigo, mas não encontrei o tal botão e acabei te mandando uma mensagem lá mesmo – como não estamos conectados um ao outro, deve ter caído na pasta “Outros”, ou algo assim.

    Também vi em seus posts antigos um em que você pede para as pessoas uma espécie de cronograma sobre os avanços realizados. Acho que isso não é muito confiável, afinal as lesões podem ser outras e, principalmente, as pessoas são diferentes – jovem ou velho; gordo ou magro; homem ou mulher; bebe, fuma, pratica esportes; etc. Em todo caso, lembrei de uma coisa aqui que talvez possa te dar essa noção.

    Naquela época pré-histórica, ali entre a descoberta do fogo e a invenção do Facebook, existiu um tal de Orkut que minha mãe usava para distribuir, entre meus amigos, as notícias que chegavam do hospital. Ela publicava as novidades na minha página, e meus amigos entravam, se atualizavam e respondiam ali mesmo. Exportei estes posts para um arquivo do Word, mas infelizmente a data de cada um deles não veio junto à mensagem, embora aparecessem na página original. Verifiquei quais posts continham informações sobre o meu estado e anotei as datas em que foram publicados – assim você poderá ter uma ideia dessa relação tempo x evolução, pelo menos a relativa ao meu caso.

    As primeiras mensagens são do dia 14 de outubro de 2005, meu aniversário, e a última do final de janeiro de 2006. O acidente ocorreu no dia 16 de outubro.

    Entretanto, Adiel, outra vez eu te digo que não sei se isso é muito válido, pois o meu tempo foi, provavelmente, diferente do que é e do que será o do Yan.

    Para localizar os posts que sinalizei, você pode fazer uma busca por “/2005″, pois são os únicos datados. Os demais são mensagens enviadas pelos meus amigos durante a internação, e nelas você pode ver que mencionam várias vezes a Fabiane, minha irmã. Seus posts sumiram, sabe-se lá por quê, mas ela também ajudou minha mãe a contar sobre minha evolução. Talvez pelo contexto das respostas do pessoal, você ainda possa ter alguma ideia do que minha irmã escreveu, mas é realmente uma pena que suas mensagens não estejam mais disponíveis, pois dariam mais informações sobre o que se passava no hospital.

    O arquivo está em http://goo.gl/NW2zOP.

    Mudando de assunto, a Fernanda comentou sobre a cicatriz que tem no couro cabeludo, causada pela escara, e eu lembrei do barbeiro que corta meu cabelo há mais de vinte anos. Meu cabelo não é ruim, é péssimo – tenho meia dúzia de redemoinhos na cabeça e só mesmo o seu Felix para conseguir domar essa minha juba. Ele vinha em minha casa nos primeiros meses seguintes à internação, sempre soube da cicatriz e corta de um jeito para que ela não fique em evidência. A única vez que precisei trocar o barbeiro, depois do acidente, foi na África. Logo que cheguei ao salão, tentei explicar que tinha uma cicatriz, que gostaria que o cabelo nessa parte ficasse um pouco mais alto e escondesse aquela marca na minha cabeça. Nunca havia dito tudo isso em inglês, dei uma enrolada e até desconfiei porque o cara “entendeu” tudo rápido demais. Enfim, no final das contas, levei uma tosa ao invés de um corte de cabelo e a história da cicatriz passou a ser de domínio público dali em diante.

    Beijo pessoal, boa semana a todos.

    • Falaee Fran… Li tudinho Cara!Vi exatamente o que aconteceu com Yan. Na hora a dor é grande. Lembrando hoje de como foi, choro. MAS tá muito melhor do que antes. Felicidades amigo

    • FRAN….

      Vc sempre com um senso de humor incrível, rsrs…Leio o que vc escreve com seriedade, compaixão, com uma certa fisionomia e de repente disparo a rir como se eu estivesse lendo algo divertido, rsrsrs.
      Isso é muito bom!!!! Admiro muito seu senso de humor!
      Também faço “piadas” com as minhas dificuldades ou cicatrizes, etc., acho que assim, a vida fica mais leve, né?

      Muito obrigada de coração por estar sempre aqui tentando ajudar com tudo que vc acha que pode ser útil….Valeu muito!!!!!! Não suma daqui….Preciso te escrever com calma, mas agora não vou ter como, pois não sei escrever pouco, rsrs. Estou te “devendo” uma resposta no outro texto acima que vc me respondeu, rs. Volto logo!!!!
      Abraços
      Fernanda

  131. OLÁ PESSOAL…

    Não sei se vocês viram logo acima, dia 5 de novembro, o Pedro nos passou um site que mostra a emocionante recuperação de um adolescente, João Pedro, que foi atropelado e teve um TCE gravíssimo… O caso dele passou no “Profissão Repórter” e vale muito a pena ser visto!!!

    Como o Pedro disse, por mais desanimador que sejam os prognósticos após um TCE, nunca devemos perder a esperança.

    Vejam lá, o endereço é: http://lnb.com.br/territorio/esse-e-campeao/
    Grande abraço
    Fernanda

      • LEA…

        Linda a história de superação do Pedro, né? Assim como acho linda a história do seu Guga e com certeza vc irá vê-lo, assim como o Pedro, andando e voltando cada vez mais à suas atividades e lazeres….Eu acredito muito nisso!!!!!!

        Não canso de te dizer, obrigada por fazer parte deste Blog de maneira tão constante….Sua presença aqui é fundamental… Te sinto como minha “sócia” do Blog, rsrs. Sempre que não consigo responder de imediato, vc assume com palavras tão carinhosas e imensa sabedoria!
        Quero muito te conhecer pessoalmente! Espero que um dia, não muito distante, muitos aqui do Blog tenhamos oportunidade de estarmos juntos pessoalmente. Será maravilhoso!!!

        Um grande bjo e bom final de semana!
        Fernanda

      • Fernanda, eu que te agradeço sempre, entro aqui diariamente, esse blog me da energia pra continuar na minha luta diária, desculpe se me intrometo em algum assunto, quero só passar alguma experiência ou palavras de carinho, um dia vamos todos nos encontrar e comemorarmos vida nova, bjs. Fernanda vc. Tinha lagrimas? Sinto que Guga nunca chorou ou soltou alguma lagrima depois do acidente. Bjs. .no coração

      • LEA QUERIDA….

        Pelo amor de Deus vc me pedir desculpas de alguma coisa….A coisa mais linda é o que vc faz aqui no Blog, sempre ajudando a todos. Vc é meu “braço direito”aqui…. Vc não intromete nunca, até porque este Blog não é só meu, ele é NOSSO, de todos aqui!!!! Não tenho palavras para te agradecer tamanho carinho e dedicação… O meu maior presente é vc dizer que este Blog te faz bem, te dá energia…fico emocionada qdo vc diz isso…

        Vc me perguntou sobre as lágrimas, né? Eu tinha sim, aliás quase fiquei sem de tanto chorar todos os dias….Mas, talvez isso que acontece com o Guga seja “normal” após o quadro dele….Vc já perguntou algum neurologista?

        Bjosssss no seu coração minha amiga….
        Fernanda

      • FERNANDA, como gosto de vc. mesmo sem conhece-la, como suas palavras Me fazem tão bem, vc. me emociona, obrigada por tudo e vou continuar dando minhas opiniões no que for possível aqui o log. Sobre as lágrimas do Guga vou perguntar ao neuro . Um bj. No oração

  132. Fernanda todos te amamos, estamos todos aqui pra se ajudar um ao outro, isso é lavar a alma, Fernanda, nunca vou te esquecer, amo todos que estão nesse blog, na hora das minhas orações procuro levar meus pensamentos em todos que estão aqui, bjs no coração.

  133. O site tem unido pessoas que nem se conhecem, mas que partilham dores e alegrias. PArabéns Fernanda pela iniciativa. Fiquem todos com Deus !!

  134. OI PESSOAL….
    VOLTEI!!!!! DESCULPA O SUMIÇO…TIVE UM PROBLEMINHA DE SAÚDE, ETC. E PRECISEI FICAR UM TEMPO AUSENTE…
    VOU TENTAR ESCREVER PRA CADA UM QUE ENTROU E ESCREVEU DURANTE ESSES DIAS…DEVIDO À MINHA “DISPONIBILIDADE” E CANSAÇO (RS), SERÁ AOS POUCOS, MAS ESCREVEREI PARA TODOS…
    SAUDADES DAQUI, SAUDADES DE VCS!!!!! VAMOS LÁ!!!!!

    ANTES DE COMEÇAR A CONVERSA COM CADA UM, QUERO PEDIR ORAÇÕES PRA UMA MENINA DE 28 ANOS QUE TAMBÉM SOFREU UMA LESÃO AXONAL DIFUSA.
    OS FAMILIARES DELA CHEGARAM ATÉ MIM ATRAVÉS DA SABRINA (QUE JÁ ESCREVEU AQUI NO BLOG). O NOME DELA É “LÍGIA DA SILVA BARBOSA” (28 anos). ELA SOFREU UM ACIDENTE DE CARRO COM MAIS 2 AMIGOS E SÓ ELA SE MACHUCOU GRAVEMENTE. TEVE UM TCE, LAD…. O ACIDENTE FOI HÁ POUCO MAIS DE 3 MESES E ELA NO MOMENTO ESTÁ EM COMA VIGIL E OS MÉDICOS NÃO DÃO NENHUMA ESPERANÇA….. COMO ELA ESTÁ AQUI NA CIDADE QUE EU MORO, FUI VISITÁ-LA NA SEMANA PASSADA NO HOSPITAL, CONVERSEI MUITO COM A MÃE DELA E COMO A FAMÍLIA NÃO TEM COMO ESTAR ACESSANDO SEMPRE A INTERNET, EU PROMETI À MÃE QUE EU IRIA PEDIR PRA TODOS VOCÊS QUE TAMBÉM COLOCASSEM A LÍGIA NAS ORAÇÕES. A MÃE DELA SE CHAMA ZILDA E AGRADECE MUITO…

    VOU ESCREVER ABAIXO DOS DEPOIMENTOS ACIMA.
    FERNANDA

  135. Belo depoimento Fran. Eu estou com o cootume de entrar no site apenas na parte de depoimentos familiares e tava achando estranho que ninguem postasse mais nada, por acaso entrei aqui e vi os depoimentos. SObre as pessoas que perguntaram sobre o Sarah, posso dar algumas informaçoes sobre o de Brasilia. Meu Yan ainda nao mexe o lado direito do corpo, nao fala, nao anda mas ja se senta sozinho o tempo todo, inclusive caindo e batendo a boquinha nos primeiros dias. Agora tá um pouco mais firme. Vou a Sao paulo Procurar o Dr. Luiz Botelho. Quero saber mais sobre o remédio que ele ministra aos seus pacientes porque realmente ouvi dizer que é muito Bom. Tomara que seja. Vou deixar aqui algumas informações de contato para todas as pessoas, caso alguem se interesse por trocar informações. Facebook: https://www.facebook.com/adiel.nunesdeoliveira, skype adiel_1971@hotmail.com- telefone celular – (44) 9802-4321 – FIxo – (44) 3055-2603 ( comercial). Beijos a todos

      • FRAN GIRÃO…
        Sou a Fernanda. Li tudo que vc escreveu aqui. Muito obrigada de coração!!! É muito importante vc compartilhar sua história aqui, pois será sempre útil pra muita gente…Obrigada!!!!
        Vi que vc ficou com receio de escrever um texto muito extenso aqui no Blog, mas não devia ter se preocupado com isso, pois ESTE BLOG É NOSSO!!!! Vc e todos que entram aqui podem escrever o quanto quiserem, pois sempre vai ter alguém que vai ler e vai se beneficiar com a história. Eu amo ler todos os textos, não importa o tamanho. Eu mesma não sei escrever um texto curto, rsrsrs.

        Seja bem vindo ao Blog!!!! Como a Lea escreveu, não abandone o Blog, entre aqui sempre que puder…
        Eu tenho 36 anos e em janeiro de 2014 agora, meu acidente terá 7 anos. Temos muitas coisas em comum na nossa história. Hj já tá tarde da noite e estou muito cansada. Amanhã ou depois de amanhã no máximo, vou te escrever aqui. Não gosto de fazer nada com pressa, gosto de dar atenção à cada caso separadamente e quando fico cansada, tudo fica muito difícil. Por isso, não vou continuar agora. Tenho uma enorme fadiga após o meu acidente…. Só quis escrever hj pra vc saber que demorei a te escrever por alguns motivos, mas falarei com vc!
        Abraço
        Até…Fernanda

      • OI FRAN…
        Voltei como havia prometido, rs. Antes de tudo, quero te dizer que quando vi que vc escreveu 9 páginas de texto no Word fiquei feliz, pois sabia que esse texto tb teria te ajudado a fazer uma própria reflexão de tudo que vc passou e ao mesmo tempo, teria muito que contribuir com todos que tivessem a oportunidade de ler…E foi realmente isso que vi. O seu texto é gostoso de ler, vc escreve muito bem e tem um senso de humor incrível, o que te garanto, isso vc não perdeu, rsrs.

        O meu depoimento, como vc já deve ter visto, é o primeiro aqui deste link de “Depoimentos”. Não sei vc já leu…. Nossa história do acidente e pós acidente tem muitas coisas em comum. Dei muita risada qdo vc contou que ficou muito tempo agradecido ao seu amigo por acreditar que ele teria pego sua orelha e guardado no bolso. Me fez lembrar a minha. Eu tb acreditei numa história que eu mesma criei qdo acordei do coma. Já comentei aqui em algum momento: eu tinha certeza que a médica que cuidava de mim era uma amiga da faculdade que fazia odonto e teria largado a profissão (na minha imaginação), feito medicina e coincidentemente estaria cuidando de mim no hospital que fui parar….Durante o tempo que fiquei no hospital, teve várias histórias que passaram na minha cabeça por causa dessa confusão que fiz só por essa amiga e a médica terem o mesmo nome, mas nem se parecerem fisicamente, rsrs. No hospital, fiquei feliz por achar que era a minha amiga, me senti segura e amada pela médica (que por sinal era um amor de pessoa e devo muito a ela) e outras vezes, fiquei chateada com ela por me perguntar coisas da minha vida que ela como “minha amiga” não poderia ter esquecido, rsrsr. Hj sei que essa confusão mental que fazemos é muito comum após o trauma, principalmente porque ficamos em coma, tomamos muitos medicamentos, etc. Mas, quando descobri que tinha me enganado, não entendi nada, só fui saber que isso podia acontecer depois de muito tempo quando fui ler à respeito…A intenção do Bog é um pouco essa, de ajudar as pessoas e os familiares a entender algumas reações, alguns sintomas comuns no pós-trauma e ficarem mais “tranquilos” e “esperançosos” com a recuperação de vários aqui, além de poderem ter um espaço para um desbafo, para buscar um apoio, uma “luz no fim do túnel”…. Isso talvez teria ajudade nossos familiares na época, né?

        Eu demorei a ler seu texto. Li metade, parei, dormi e depois voltei a ler…Uma das maiores consequências do meu TCE -LAD é a fadiga, a lentidão pra ler e a falta de atenção e dificuldade na memória….Eu me CANSO MUITO qdo leio qualquer coisa, mas já melhorei muito nesses quase 7 anos. Enquanto lia seu texto, fiz um resumo de itens que queria comentar com vc pra não esquecer, mas agora que estou no segundo item e tem mais de 15, kkkk. Olha o quanto já escrevi, rsrs. Tenho dificuldade pra resumir, mas vou tentar ser mais suscinta….

        Enfim, eu também fiz muitos anos de fisioterapia, fiz T.O., fiz fono, fiz terapia com neuropsicólogo (de onde surgiu a idéia deste BLOG), etc. Eu também dei uma modificada depois de cansar da fisioterapia, fiz hidroterapia, pilates, etc. e até hj fico procurando coisas que consigo fazer e possam me agradar ao mesmo temo que exercitar. Fiquei com muita limitação e dor pra levantar meu braço esquerdo, levei muitos anos pra levantá-lo e isso dificulta algumas atividades…Como vc, fiz esplenectomia (retirei o baço) e quebrei os arcos costais. Tive 11 fraturas de costelas à esquerda (além de problema sério no pulmão, ombro, etc.) e ao contrário do que vc disse, me lembro todos os dias disso devido às dores que ainda tenho…Graças a Deus, hoje as dores são bem mais leves e já me acostumei um pouco com elas…rs. Também dava várias voltas super demoradas no quarterião da casa dos meus pais; minha irmã quem tb cuidava dos meus curativos e escara na cabeça, a qual tb deixou uma marca. Sempre que vou cortar meu cabelo em algum cabeleireiro diferente, quando esqueço de avisar da marca da escara, eles olham com olhos arregalados e tentam me dizer com todo cuidado que eu devo estar com um problema sério no couro cabeludo, rs. Isso já me deixou constrangida as primeiras vezes, hj não mais. Fiquei com um “buraco” no quadril esquerdo, devido a força do cinto de segurança que deixou pele com osso, o que me incomoda um pouco só… Tenho uma cicatriz grande na barriga e outras pelo corpo que quase não me incomodam… Perto de tantas mudanças na minha vida, perto de tantas mudanças no cérebro (conquências do TCE), isso ficou tão pequeno, tão pequeno…Vc disse em seu depoimento que confunde direita com esquerda. O que acontece comigo não é exatamente isso, eu sei que lado é o direito e qual é o esquerdo rapidamente, mas quando envolve “formas”, eu não consigo entender. Por exemplo: demoro muito pra saber qual pé do sapato é o direito, qual é o esquerdo. Fui adotando algumas táticas com o tempo, mas se me perguntarem rápido, com certeza vou errar. Chinelo até hj troco os pés e saio andando e às vezes demoro muito tempo pra perceber. Mas, juro, essas coisas não são um grande problema. Claro que essas coisas são chatas porque antes não faziam parte de minha vida…..Mas, o que mais tenho que aprender a lidar todos os dias, são as dificuldades que mudaram toda minha vida profissional, toda a minha rotina de vida…tenho que lidar com a “nova” Fernanda que também ficou mais ansiosa, mais nervosa, sem paciência de esperar nada, mais teimosa, muito mais cansada e com muito mais dificuldades pra aprender várias coisas (sendo que antes eu tinha uma facilidade grande para aprender qualquer coisa)….
        Muito legal vc já ter percebido tantas coisas em vc e também conseguir hoje ver o que levou vc tomar atitudes no passado… (como não voltar pro Brasil qdo “quebrou” a mão esquerda). Vc faz terapia com psicólogo ou neuro psicólogo? Te pergunto isso porque fiz muito depois do acidente e acho que me ajudou a entender muita coisa desta “nova” Fernanda. Legal vc estar fazendo teatro, com certeza vai te ajudar muito… E muito bom esta sua facilidade com idiomas, maravilhoso!!!!Quem sabe mesmo, este não é um gancho para seu futuro? No meu caso, fiquei com mais dificuldade e o que eu sabia de inglês e um pouco de espanhol, “sumiu”, rsrs. Vc teve lesões em que áreas do cérebro?

        Quanto à memória, eu uso muito à técnica da agenda que expliquei aqui no Blog. Sem minha agenda semanal (tem que ser a SEMANAL e não aquela diária sabe?) não sou “nada”. Uso o celular tb pra despertar e me lembrar de algo e isso realmente é fundamental pra mim. A memória é um processo secundário ao da atenção. Por isso, não tem como memorizarmos nada se não prestamos atenção. Vários itens estão incluídos no processo da memória. A atenção tb depende da afetividade e do interesse. Isso tb pode explicar o fato da gente lembrar de algo que aconteceu há 3 semanas, por exemplo, e nã lembrar de algo que aconteceu horas atrás (como vc mesmo citou no seu texto que às vezes acontece)….Enfim, o cérebro é muito complexo, é maravilhoso e muito pouco conhecido. E graças a esta plasticidade cerebral, nós melhoramos muito e ainda podemos ter esperanças, mesmo que as maiores evoluções já tenham acontecido..
        Eu, como vc, já tomei a ritalina como tentativa de melhorar minha atenção e concentração, mas diferente de vc foi um péssimo medicamento pra mim. Tive sérios efeitos colaterais e recentemente fui num outro neurologista e ele me disse que de acordo com uns exmes que fiz, hj ele nem indicaria ritalina para meu caso. E remédio é assim mesmo, o que dá certo pra um, pode não dar certo pra outro, né?
        Fran, acho que já escrevi bastante e falei tanto que devo ter me perdido na sequência…Me desculpa se fui confusa…

        Eu acho que sempre fui, mas talvez depois de tuo que me aconteceu, eu tb tenha ficado mais humana, mais compreensiva e com uma enorme satisfação em sentir-me útil e ajudar o próximo. Por isso, te digo pra sempre dar uma olhadinha aqui no Blog, pois aqui temos a oportunidade de ajudarmos uns aos outros. As consequências de uma lesão cerebral são muito pouco ou NADA conhecidas pela maiorias das pessoas. Eu tinha um pouco de noção por ser fonoaudióloga e sempre ter gostado de estudar o cérebro, apesar de ter trabalhado em outra área. Mas mesmo com pouco de noção e conhecimento, tenho muito que aprender e teria me beneficiado na época com um lugar como este aqui. Por isso, mesmo cansada, não desisto de entrar aqui e conversar com as pessoas. Vc também tem muito o que contribuir aqui neste Blog com sua história de vida… Espero te ver aqui de vez em quando e obrigada pelo lindo depoimento!!!!
        A vida de todos nós aqui, com certeza ficou dividida em 2 partes: antes e depois do acidente. Isso não tem muito jeito de ser diferente, não é mesmo?
        Um grande abraço e parabéns pela pessoa guerreira e vitoriosa que é.
        Fernanda

      • Oi Fran. Dr Luiz Botelo conheci por acaso o irmão dele, e abaou que me deu o telefone dele. Devo procura-lo no proximo mes. Ele tem uma bela história. Era ginecologista e teve algum problema semlehante aos nossos. Acabou que foi para o exterior aprender pra se tratar. Tomou gosto pela coisa e hoje é fisiatra. Me disse por telefone que tem um remédio totalmente natural importado da Alemanha que é muito Bom,. Relata sobre um paciente com diagnóstico de coma vigil pro resto da vida, que se curou com algum tempo de remedio, voltando a andar e falar. Claro que outros estimulos ajudan, mas temos que tentar de tudo né? Ele atende na fundaçao Selma, de Sao paulo. Abraços Fran

      • Adiel, eu moro em São Paulo, se precisar de qualquer ajuda no contato com esse médico ou seu consultório, é só dizer.

        Abraço

      • Eu avisei que o texto ficou grande, você é que não acreditou em mim ;)

        Brincadeira. Muito obrigado por sua resposta, seus comentários, e espero sinceramente que tudo isso possa ajudar aos amigos e familiares de outras vítimas de TCE/LAD – que acabam sofrendo tanto quanto nós -, e aos próprios pacientes, talvez até para que eles saibam que “não estão sozinhos nesse mundo”, como, mimimis à parte, durante vários anos eu imaginei que estivesse.

        Minhas confusões mentais durante a internação e as primeiras semanas em casa incluíram, também, a certeza absoluta de que eu estava naquela situação porque havia, veja só, levado um tiro. Não tenho a mais mínima ideia de onde foi que tirei essa história, mas quase que diariamente minha mãe me explicava que isso não havia acontecido e aí, então, eu me lembrava de que sofrera mesmo um acidente de carro – para depois pensar aqui com meus botões, logo em seguida, “mas por que foi mesmo que atiraram em mim?”.

        Outra confusão muito séria, desagradável e muito, muito grave é que acordei com um ódio absurdo e inexplicável da minha irmã. Estava extremamente agressivo com ela, e só com ela, como se fosse a responsável por tudo aquilo que estava acontecendo. Não me lembro se cheguei a fazer alguma associação dela ao tiro que eu pensava ter levado, mas, se fiz, provavelmente foi pensando que fora minha irmã quem puxara o gatilho. Quando me falavam que ela não havia feito coisa alguma para mim e que eu não deveria tratá-la dessa maneira, respondia com absoluta segurança: “vocês falam isso porque não veem o que ela faz comigo quando estamos sozinhos”.

        Não tinha me lembrado desse fato, mas achei importante destacá-lo agora.

        Mostrei aquele depoimento a algumas pessoas mais próximas assim que o terminei, especialmente àqueles que de alguma forma participaram da história. Minha madrinha “me deu uma bronca”, dizendo que expliquei algumas questões de um jeito muito superficial. Citou, inclusive, as infecções hospitalares, que foram realmente muitas e quase me levaram para o beleléu por algumas vezes – ela costuma dizer que os dias alternavam-se entre “pares e ímpares”, um muito mal e outro muito bem. As tais cinco paradas cardiorrespiratórias teriam vindo de uma destas infecções, talvez a primeira.

        Sei lá, pode ser que minha madrinha tenha até certa razão no que diz, mas realmente tentei focar o relato em como estou atualmente. Achei que isso seria mais útil para as pessoas, no sentido de falar das coisas com as quais tive que aprender a conviver – e de que maneira aprendi -, além de dar esperanças pelas melhorias que conquistei e que outros pacientes podem conseguir também.

        Deixei o handebol, esporte que sempre pratiquei, e fui meio irônico quando disse que isso era uma “bobagem” e “dos males, o menor” – inclusive coloquei estas expressões entre aspas para representar exatamente o que eu ouvia. Porém, embora tenha ficado muito chateado durante os primeiros anos, hoje entendo exatamente como você, Fernanda: foi uma enorme decepção, sim, conquistei muita coisa boa na minha vida graças ao esporte, e de jeito algum poderia dizer que essa perda foi insignificante – mas também não posso fazer disso o meu maior problema.

        Confundir os lados direito e esquerdo também não é, nem de longe, questão das que mais me incomodam. E mais: acho isso até engraçado. Certa vez estava com um amigo indo para não sei onde, eu como guia e ele dirigindo, quando falei que tínhamos que entrar à direita. Ele virou, mas eu reclamei: “P… q.. p…! Tá surdo? Direita!”. E apontei para a esquerda.

        Na realidade, o maior problema que eu vejo, e já falei sobre ele, é outro: a memória. Ao contrário do que muita gente pensa, e do que eu mesmo acabo sugerindo quando comento o assunto, acho que na prática a maior dificuldade nem esteja tanto em reter novas informações, mas sim em recuperá-las. Não sei se isso acontece com vocês, mas quase sempre demoro um bom tempo para me recordar de algo, me canso e acabo desistindo; mas, se insistir bastante, às vezes consigo me lembrar. Isto mostra que em algumas vezes a informação já está aqui dentro, eu só não consigo encontrá-la rapidamente.

        Fiz muita terapia com uma psicóloga muito legal, tínhamos uma ótima relação e sempre gostei muito de nossas sessões. Entretanto, por problemas de agenda, tivemos que interromper nossos encontros. Ela, aliás, sempre apoiou o uso da Ritalina, disse que o remédio poderia me ajudar na questão da concentração e gostou muito da iniciativa da neurologista. Infelizmente, é verdade que nem todos os medicamentos funcionam do mesmo jeito com qualquer pessoa – os antidepressivos são um bom exemplo disso.

        Quanto às linguagens, bem, fiquei um pouco preocupado em ser mal interpretado depois que contei aquilo no outro texto. Embora saiba que essa facilidade tem relação com o trauma, isso ainda é tão estranho que alguém pode pensar que levei a conversa mais para o lado do “misticismo”. Definitivamente, não.

        Pode ser a tal plasticidade cerebral, não sei dar nome aos bois nesse caso, mas o que a médica comentou é que as partes mais preservadas do cérebro começam a se desenvolver, assumindo tarefas das outras áreas lesionadas – e, como consequência, acabam melhorando também aquelas funções para as quais são naturalmente responsáveis.

        Minhas lesões se produziram basicamente em áreas diferentes daquelas relacionadas às linguagens e comunicação. Disso, então, se conclui que o trauma não chacoalhou minha cabeça e causou diretamente uma melhora em determinadas funções, mas sim que afetou algumas regiões e fez com que as outras tivessem que evoluir.

        Trocando em miúdos, a neurologista disse que faz sentido que eu tenha passado a assimilar mais rapidamente assuntos relacionados a me expressar melhor, escrever, falar, etc, porque esta área não foi atingida.

        É, escrevi muito de novo. Vou deixar um pouco para depois.

        Um beijo!

      • kkkkkkkk… Fran.. vou lhe dizer uma coisa séria!!! Você me faz rir muito… kkkkkkkk. Eu racho o bico de rir dos seus comentários. Agora falando sério, cada evolução exlicitada por cada um aqui me deixa feliz e “invejoso”. Meu Yan tem evoluído sim, e muito. MAs quando leio relatos da Elizielly sobre como o marido dela tava, que até disseram ter havido morte cerrebral, fico pasmo e com inveja. Hoje pela primeira vez li o relato da Priscila, sei que é fácil nos emocionar com essas coisas por estar envolvido, mas realmente como esteve e como está o marido dela, me emociona e muito. O yan foi diagnosticado com LAD e glasgow 9, que é mediano. Apesar de as pessoas dizerem o tempo todo que ele é criança e tem muito a evoluir, como aé oes medicos dizem quero dizer que também tem seus dissabores tr pouca idade porque uma pessoa mais adulta, sabe o que dizer, o que sente, etc. O yan era um bebê antes do acidente e continua sendo, então algumas coisas ele não consegue explicitar. COntinuemos todos na luta, eu entro aqui todos os dias umas 4 ou 5 vezes pra ler se tem algo novo. Tenho encontrado aqui algumas pessoas especiais e quero que cada um de nós obtenha a resposta não só ás preces, mas a todo empenho por fazer o melhor para nossos entes. O yan vai voltar 100% ( como li no depoimento da Priscila) e quando voltar, vocês serão os primeiros a saber. Eu fiz um face, mas acho que nao deveria ter feito. Lá seria mais rápido conversarmos. Quero inclusive pegar depoimentos desses profissionais que nos apresentam. Eu to acreditando muito nas palavras do Doutor Luiz Botelho, por isso fico insistindo nele, por causa do remédio. Não sei se todos acreditam, mas eu acredito. Fui pesquisar sobre o que é um fisiatra, porque na realidade nem sabia. Tomara que dê tudo certo pra nós. Eu quero meu filho de volta, correndo pra abrir o portão quando chego, e fechar pra sair correndo disputando quem chega primeiro dentro de casa. Eu quer que todos vocês se reabilitem fisica e emocionalmente. Que Deus abençoe todos vocês. E agora que jás escrevi bastante, acho que ganhei do Fran no numero de palavras, então me despeço desejando a Paz de Deus a todos. Beijos…

    • ADIEL, QUERIDO PAIZÃO DO YAN…

      Quanto tempo não conversamos, né? rs. Leio sempre TUDO que vc escreve aqui e estou acompanhando toda a evolução do Yan. Vocês estão nas minhas orações e minha torcida para a recuperação do Yan é gigante, assim como torço por todos aqui. É engraçado porque me sinto próxima, sem nunca ter visto vocês pessoalmente…
      Continue lutando e tenha força, fé, paciência, perseverança….Sei que não é fácil. Mas, vc está no caminho certo. Fico emocionada de ver vc sempre buscando ajuda e sempre tão dedicado pra tudo que possa ajudar seu querido Yan. Nosso Yan, podemos dizer assim??? Rs. Falo assim porque estamos sempre acompanhando ele, né? E fico imaginando a criança especial que é…
      Como já te disse, ele é uma criança e vai melhorar muito ainda!
      Depois explica aqui que remédio é este que vc vai procurar com Dr. Luiz…
      BOA SORTE!
      Mande notícias sempre…
      Estou aqui,sempre, na torcida, na oração, no pensamento positivo…
      Forte abraço
      Fernanda

      O.B.S. ADIEL, quando eu decidi não desistir do Blog e ir frente mesmo quando o grupo inicial não teve como continuar, eu quis fazer algumas mudanças aqui, pois sempre achei meio confuso pra pessoa saber onde colocar seu depoimento e poder ao mesmo tempo ter acesso à todos os outros. Acabei não fazendo esta mudança, acabou passando, pois fiquei mais preocupada em ler tudo e responder pra cada um que entrasse aqui. Mas, foi ótimo o que vc escreveu dizendo que sempre postou nos “Depoimentos familiares” e achou que todos tinham parado de postar e só agora tinha visto esses outros depoimentos desta parte. Vou tentar dar uma organizada nisso, ainda não sei como, pois não sou muito boa com computador, mas vou procurar aprender pra tornar tudo mais fácil para todos aqui. Obrigada pela observação.

      • to feliz com Yan, Fernanda… To sentindo evoluçao. Lenta, bem verdade, mas to sentindo. Ele é maluco. Ri o tempo todo comigo! e daça apenas mexendo a mão esquerda. Todo dia no clube ao lado da minha casa fazendo hidro com a esposa. Ela aprendeu algumas coisas no sarah e executa na piscina. O médicos do sarah acham a evoluçao do Yan muito boa, marcaram retorno pra 1 de abril. O sara é muito bom. Eu gostaria de ajudar todas as pessoas que precisam ir pra lá. NA verdade o Sarah me deu um atendimento muito rapido. Yan na época tava com GTT e eles esperaram tirar pra marcar a primeira consulta. Uma dica Fernanda. Se vc conseguir colocar no blog lgum espaço pra gente publicar fotos, seria interessante. Eu quero colocar foto do primeiro atendimento do Yan no Sara. E outras. Se nao der, eu vou fazer uma página no face pra nós todos. E amo cada um de vcs que publicam aqui. E amo vc Fernanda, por ter feito esse site/blog tão importante pra nós. Beijos… vou tentar criar algo no face e de repente podemos trocar experiências !!!

      • Oi ADIEL…

        Fico aqui imaginando o Yan dando risada com vc e dançando, rsrs. Deve ser muito lindo!!!!
        Você viu que os médicos do Sarah também acharam a evolução dele muito boa, né? Sei que o difícil é que é lenta, mas com paciência, um dia vcs olharão para trás e perceberão quanta coisa melhorou, quanta coisa mudou…Vc vai ver!!!
        Que bom que vc gostou do Sarah!!!
        Muito legal o Yan estar na hidro. Também fiz, ajuda muito!!!!

        Adiel, esta idéia das fotos é bem legal… Vou procurar saber se tem jeito de acrescentar isso neste programa… Seria muito interessante!!!! Muito obrigada pela dica. Este BLOG é NOSSO e sempre que pudermos melhorá-lo é melhor…Gosto de ouvir opiniões de vocês!!!!
        Eu também gosto muito de todos aqui, parece que vamos criando uma família, né? É muito interessante porque passamos a nos preocupar com o outro, a torcer, a pensar em como “ele” deve estar…isso tudo sem nos conhecermos pessoalmente… Quando vejo todos fazendo este “laço”, fico muito feliz, pois acredito muito naquela frase que “A união faz a força”, sabe? Todos nós juntos, um dando dicas pro outro, um ajudando o outro, orando pelo próximo, torcendo…faz toda a diferença….Apesar de toda situação que não é fácil pra ninguém aqui, pelo contrário, é muito dolorosa, entrar aqui traz uma energia tão boa, né?
        Muito obrigada, de coração, por estar sempre compartilhando conosco a caminhada do seu querido Yan e estar sempre buscando ajudar o próximo…

        Um forte abraço e continue mandando notícias….
        Lembre-se: a caminhada é árdua, é lenta, exige fé, força, amor, perseverança e muita paciência, mas chegaremos lá e sempre vale muito à pena. A plasticidade do cérebro existe e é maravilhosa! Seu Yan vai melhorar cada vez mais!!!!!!

        Até breve, Fernanda

  136. Em 05/05/2012 sofri um acidente de carro que me deixou com um traumatismo cranio encefálico axonal difuso bilateral gravíssimo.
    Eu que já pensei, um dia, que um ano era demasiado demorado. Aprendi em quase dois pesados anos o que é a vida, sem diminuta, e sem ser simples no critério da prática e teoria.

    Vida dita valorosa é aquela coberta e recheada de desafios e vitórias, daquelas que nos faz cansar e olhar para trás, e não sentir novamente a precisa dor; somente ser um guerreiro que aprendeu a viver melhor;
    Meu coma foi terrível, e quando eu acordei eu me vi daquele jeito e não pude falar e nem chorar. Desaprendi aos dois. Dá pra notar a situação?

    Quando eu saí do coma a primeira coisa que dizem que eu fiz foi arrancar o acesso da traqueostomia – rebelde. Por isso me prenderam na cama. E tenho cicatrizes até hoje. Também tenho até hoje marcas de acessos venosos por todo corpo, até hoje, claro. A cicatriz da traqueostomia desperta curiosidade de alheios desconhecidos: o que houve com você? ….coitadinho… Isso me deixa muito nervoso, afinal tenho problemas de ser assertivo. Na maioria das vezes eu me isolo fugindo de análises bizarras.

    Diferente de muitos amigos do site, eu não tenho o amparo de amigos. Todos sumiram por suas atribuições pessoais, até entendo. Meu muito mudou. E eu não tenho vergonha disso, estou em melhor estado: eu bebia álcool e fumava; e por hoje não suporto ambos os males à saúde. Também isso é um problema para eu voltar ao meio social. Já até ouvi: ‘você é lindo, não precisa se fazer de doente para chamar a atenção’. Na fase onde eu estava de muleta isso ocorreu.

    Hoje eu tenho um caderno-agenda para anotar tudo o que costumo esquecer, e o que há de novo. O acidente ocorreu na última fase do curso de Letras – Português e Literaturas. Voltarei no primeiro semestre de 2014. Para me formar e começar outra faculdade. Médicos dizem que o meu cognitivo não foi abalado, nem a minha atenção. Somente tenho dificuldades de fala e de locomoção.
    Para finalizar, eu agradeço a Deus até mesmo por essas linhas tortas que constroem esse maravilhoso desenho-obra que é a minha vida.
    A todos que passam por situações semelhante, que vocês tenham foco, força e fé. Os três f que nos renovam.

    Namaste! *-*

    • OI GUILHERME…

      Seja bem vindo ao Blog…
      Eu falei aqui na sessão “Informações importantes” a importância de se usar uma agenda, eu sem a minha “não sou ninguém”, rsrs. Se der, leia o texto, acho bem interessante. Pelo que disse, você já usa um “caderno-agenda” que deve ser o mesmo que minha agenda semanal…
      A agenda semanal ajuda a lembrar dos compromissos, a fazer um planejamento, etc.

      Fiquei feliz em saber que você voltará no primeiro semestre de 2014 pra faculdade pra se formar…
      Vc disse que o seu cognitivo, atenção, não foram abalados e isso é excelente. Quanto à fala e locomoção, vc faz terapia com fonoaudiólogo?? Faz fisioterapia???

      Eu também tive um TCE-LAD muito grave. Tb tenho cicatrizes pelo corpo todo, tenho a cicatriz da traqueo que tb chama a atenção das pessoas, mas eu nunca me importei. Penso que as cicatrizes são marcas que mostram vitórias. Nós tivemos, por um motivo que não vamos entender, sérios problemas, estivemos muito próximo da morte e SOBREVIVEMOS, SOMOS VITORIOSOS!!!! E acho que devemos ter orgulho disso! A vida não é muito fácil pra ninguém, mas está aí, linda, pra ser vivida da melhor forma possível. Meu marido da época e minha irmã morreram no mesmo acidente meu e tenho certeza que eles dariam tudo pra estarem vivos e estarem agora com várias cicatrizes…Pense nisso, quem sabe te ajude a lidar com as suas dificuldades de fala e locomoção que tb são visíveis para as pessoas…. Vc disse que seus amigos da época se “afastaram” de vc, mas faça novos amigos e talvez, se vc se sentir mais seguro com suas cicatrizes e dificuldades, as coisas vão melhorar em todos os aspectos. Tente!!!!! E me desculpa se estou sendo invasiva, não é a minha intenção…

      Continue mandando notícias e BOA SORTE nesta nova etapa da caminhada pós TCE-lesão axonal difusa.

      Namastê!!!!
      Um grande abraço
      Fernanda

  137. Meu sobrinho sofreu TcE com lesao axonal difusa gravíssima no dia 12/12 está em coma desde então, perdeu a visão do olho esquerdo onde foi a pancada, pois estava numa mito com colega e perderam a direção numa curva e bateram de frente um poste o outro menino não resistiu e morreu no local. Meu sobrinho abriu o olho 15 dias após o acidente olhava parecia entender mais depois voltou a dormir e após a traqueo teve uma convulsão. Alguém teve algo parecido

    • OI LUCIANA DE OLIVEIRA….
      Sou a Fernanda. Bem-vinda ao Blog. Seu sobrinho abriu o olho 15 dias após o acidente e depois voltou a dormir e está em coma desde dezembro de 2012, é isso???
      Quantos anos ele tem? Nos conte com mais detalhes… Qual é o nome dele???? O que os médicos dizem?

      Fiquei feliz com o que vc disse abaixo sobre ter lido os depoimentos aqui do Blog e eles terem te dado mais ânimo. Espero termos ajudado um pouco vc e se possível espero ajudá-la mais.
      Um grande bjo no seu coração e tenha fé e paciência, muitas coisas boas podem ainda acontecer com o seu sobrinho…
      Fernanda

  138. Querido Fran,
    Li seu depoimento e me emocionei muito. Você sabe que também notei mudanças no comportamento da Isabela, mas, não tenho dúvidas, que ela se tornou uma pessoa melhor depois do acidente. E não estou dizendo que ela não era não, porque o coração sempre foi imenso, mas hoje em dia ela é um exemplo, um exemplo de como devemos respeitar as coisas de Deus, de como devemos lutar para sempre melhorar e, principalmente, um exemplo de vida. Todos nós lá de casa temos aprendido muito com ela. Por certo que, às vezes, ela fica um pouco nervosa ou triste, mas temos que reconhecer que esses dias tem sido minoria. Na maioria ela acorda radiante, pergunta se todos dormiram bem, se precisamos de ajuda para algo e abre aquele sorriso sincero e cheio de esperança…não tem preço.
    Obrigada pelas dicas sobre a visão dupla, hoje a Isabela foi ao Oftalmo/neurologista e vai fazer vários exames complementares, mas, a princípio, ela mostrou satisfação com o exame da Isabela. Enquanto isso vou passar suas orientações.
    Quanto ao mais, obrigada de verdade pela minuciosa explicação, é muito importante termos ciência do que passa na cabeça dos nossos queridos que, assim como você, sofreram LAD.
    Beijos no coração
    Anna Karina

    • PEDRO!!!!!!

      Que história linda esta do João Pedro. Muito obrigada por nos mandar este caso e nos dar a oportunidade de conhecer a história de recuperação do João Pedro. Ele e a família realmente são um belo exemplo!!!!
      Muito obrigada de coração!!!!!
      Um grande abraço…
      Fernanda

    • Olá Pedro! Mil perdões, eu tinha certeza que te havia respondido mas, pelo que vejo, não. Eu acompanhei essa reportagem do Profissão Repórter, além dos motivos óbvios, por ela falar sobre o maestro João Carlos Martins, uma pessoa cuja história já conhecia desde muito tempo atrás. Quando vi o João Pedro querendo pegar a bola de basquete, uma relação com o esporte tal como a que eu tinha com o handebol, confesso que fiquei com os olhos meio estranhos, molhados… não sei, cheguei a pensar que ia chorar, mas aí dei duas ou três cabeçadas na parede e recuperei minha masculinidade :)

      Estou brincando. Mas, conta para a gente, você conhece o João Pedro de algum lugar?

      Abraço!

      • Olá Pessoal. O JP é meu sobrinho. Nesta Páscoa, desejo bastante força a todos e muita paciência e persistência, pois a recuperação não é uma corridada de velocidade, mas sim uma longa maratona de resistência… Abraço!

  139. Fran Girão, acabei de ler seu depoimento fabuloso, sem palavras, vc. Foi um milagre de Deus, seu depoimento é para ser lido sempre, guardar e reler, servirá para mim e pra muitas de nós daqui do blog, simplesmente sensacional, obrigada e apareça sempre por aqui, bjs., o acidente do Guga tem só 25 meses, sei que não estou nem na metade do caminho, tem muito chão pela frente, mas cada dia é uma alegria e agradeço sempre a Deus dele estar aqui com a gente, bjs no coração.

    • Obrigado, pessoal. A ideia deste blog é muito boa, mesmo, e seguramente já deu e continua dando muito apoio às pessoas que, na realidade, são as que mais sofrem quando acontecem estes episódios, ao menos durante as primeiras semanas: amigos e familiares. Eu sei porque minha irmã escreveu um diário enquanto eu estava no hospital, onde relata a apreensão e o medo das pessoas que estavam do lado de fora da UTI. Sofriam ao pensar nas dores que eu poderia estar sentindo, que talvez eu estivesse vendo tudo aquilo sem entender, ou que eu jamais pudesse acordar… Minha mãe me conta sobre estes pensamentos e não sei se acredita em minha resposta, mas juro que estou sendo muito sincero: tenho dó é dela, porque eu, lá dentro, não tinha absolutamente consciência alguma, nada. Claro que depois que acordei e saí do hospital a coisa mudou, mas na UTI eu abria os olhos, sim, até balbuciava alguma coisa ou respondia a estímulos, mas honestamente não sei se já entendia alguma coisa ao meu redor.

      Eu quis contribuir com o blog e tentei escrever algumas coisas que eu, como paciente, gostaria de ter lido depois que saí do hospital. Pessoalmente, foi muito bom fazer este balanço da história e se, ainda por cima, puder ajudar alguém que passou por um trauma semelhante, já vai ter valido mais a pena.

      • Fran, continua contribuindo com suas experiências, tudo que vc. colocar aqui será muito importante, nós temos sede de experiências que possam contribuir na recuperação dos nossos queridos, não saia do blog e entre sempre qdo. puder, bjs no coração.

    • Lea querida,
      desculpe-me o meu sumiço. Acima respondi a Milda e informei o estado atual da Isabela e, claro, mandei abraços para seu Guga, espero que ele esteja cada vez melhor…
      beijos

  140. Ivanete, espero que o MRcos saia logo da UTI e vá logo para o semi intensivo, estou rezando por ele e todos desse blog, força e fél tudo vai passar, que Deus abençoe vcs.

    • Lea, hoje falaram em novo procedimento na bexiga, provavelmente sexta-feira. Fiquei meio desanimada, estava esperando que ele saísse da UTI amanhã. Mas, fazer o que, é melhor que ele se restabeleça totalmente! Ontem ele responda a comandos: mexer o pé, fazer carinho na filha, falar algumas palavras. Fiquei bem animada!

      • Ivanete, que bom que o Marcos está respondendo aos comandos, isso é sinal que ele esrta entendendo tudo em sua volta, sobre a bexiga pense de outra maneira, que é melhor os médicos resolverem esse novo procedimeno enquanto ele está na UTI, do que sair e ter que volta, já que esta na UTI que resolvam tudo que for melhor para ele, querida sei que as vezes é dificil, só quem já passou é que sabe da situação, tenha força e fé, acredite, são fases na nossa vida e tudo vai passar, um dia vc. vai escrever que ele está tendo alta e indo pra casa, esse dia está próximo, converse muito e faça muito carinho nele, ele vai adorar, um grande bjs.

      • Andei meio sumida. Ele saiu da UTI, ficou 6 dias na enfermaria e acabou tendo que voltar. Essas idas e vindas são desanimadoras, mas sei que lá o atendimento e os cuidados que ele recebe são melhores. Mas a realidade é dura, ver alguém que foi sempre ativo, independente, preso a uma cama, é chocante! Espero ter forças pra viver e vencer tudo isso.

      • OI IVANETE QUERIDA…
        Li todos os seus depoimentos aqui e desculpa só te escrever agora. Eu estava num lugar sem internet, depois fique doente, enfim, me desculpa pela demora…
        Vi pelo que vc escreveu que seu marido está consciente, responde aos seus comandos e isso é maravilhoso, é um sinal muito importante!!!!
        A Lea é uma pessoa incrível, é uma querida e já disse o que é muito importante nesta fase: dar muito carinho ao seu marido, conversar sempre com ele, falar coisas positivas, não deixá-lo perder as esperanças, etc.

        Ivanete, sei que isso tudo é muito difícil para a pessoa que é o paciente e também para a família. Vc deve ter visto no meu depoimento, passei por uma longa fase de recuperação e ainda tive que lidar com a morte de 2 pessoas, ver meus pais sofrendo por mim e pela morte da minha irmã amada e do genro…enfim, vi de perto o sofrimento da minha família… Mas olha, seu marido é novo, 48 anos, vc mesmo disse que sempre foi ativo e o acidente de moto dele é muito, MUITO recente. Ele ainda vai melhorar bastante. Tenha calma, fé, força que muitas coisas boas vão acontecer!!! Acredite!!!! E saiba que estamos aqui pra conversar, trocar experiências, te ouvir e se pudermos, te ajudar sempre!
        Vc terá forças sim, não duvide… Sei que a incerteza do futuro, essas idas e vindas da UTI desanimam, mas não deixe a tristeza, o pensamento negativo, o desânimo tomarem conta de vc. Ele vai melhorar!
        Hj já é dia 15/11, vc escreveu a última vez dia 08/11, nos mande notícias. Como o Marcos está?

        Um grande bjo no seu coração
        Fernanda

      • Oi, Fernanda!
        O Marcos saiu da UTI novamente, mas continua no hospital. Ele tem apresentado muitas melhoras: mexe o braço direito muito bem, o esquerdo ainda está meio parado, está movimentando as pernas, porém o ortopedista ainda não liberou para ficar de pé, estamos fazendo os testes para iniciar alimentação via oral, hoje fechamos a traqueo. O fator físico mais preocupante continua sendo a bexiga, que já passou por uns 5 procedimentos e ainda não está legal.
        Quanto ao quadro neurológico, percebo alternância entre momentos de lucidez e outros de delírio. Ele reconhece as pessoas, lembra de alguns fatos, consegue ler, reconhece cores, números… Porém, às vezes, ele tem delírios, fala coisas sem sentido e fica muito agressivo. Ainda não consigo entender tudo o que ele fala, em função da traqueo, mas fazendo leitura labial, às vezes percebo que ele fala palavrões, agride os profissionais que estão atendendo ele e em outros momentos realmente não consigo entender o que ele está falando (delírios ou, como li em alguns depoimentos, confusão mental).
        Pelo menos agora os médicos estão mais otimistas, reconhecem que está tendo uma evolução maior do que aquela que eles acreditavam que fosse ocorrer.
        As meninas estão me surpreendendo, tratando tudo com normalidade, sem constrangimentos. Elas brincam com ele, conversam numa boa, seguem com muita naturalidade. Afinal, são adolescentes e poderiam estar muito revoltadas com toda a situação. Decorei a casa para o Natal e a única reclamação da menor foi porque não montei a árvore. Expliquei que nossa árvore quebrou ano passado, mas se ele sair logo do hospital, vou aproveitar um momento mais sossegado e irei comprar outra.
        Digo que será um dia após o outro, sei que não será fácil e eu mesma alterno dias de grande euforia com outros nem tanto, mas creio em uma melhora, se não total, mas quase total.
        Grande beijo, obrigada por tudo!

      • IVANETE!!!!!!!!!

        Que bom receber notícias sua, do Marcos, das sua filhas…. Melhor ainda é receber notícias tão boas das melhoras do Marcos!!!!!

        Sei que é muito difícil toda esta situação e é normal, um dia vc estar bem, outro mal…não é fácil. O importante é não deixar de acreditar e lutar, pois ele ainda vai melhorar muito!

        Que lindo vc decorar sua casa com enfeites de Natal e sua filha menor querer árvore!!!! Isso é muito importante. Mesmo sabendo que não será um dos melhores Natais, penso que não devem mudar muito as tradições que tinham em família, pois isso será importante pro Marcos e pra vcs tb! E além disso, temos que pensar que devemos comemorar a VIDA dele, que é o mais importante!!! E ainda quantas melhoras ele vem apresentando (pra “surpresa” dos médicos), né?

        Ivanete, quanto à você perceber que o Marcos está mais agressivo, isso é muito comum acontecer depois de uma lesão como a dele. Eu tb fiquei mais nervosa, irritada….. Os homens normalmente podem ficar mais agressivos, é consequência da própria lesão. Claro que mais pra frente, isso pode ser trabalhado numa terapia com neuropsicólogo, por ex.
        E quanto aos delírios, eu tb tive alguns quando estava no hospital e como vc pode ver, muitos aqui do Blog tb relataram isso. Eu acho que além da lesão cerebral em si, no hospital fazemos uso de muitos medicamentos….Sem falar que o acidente dele em 12 de setembro é recente demais….

        Paciência, fé, perseverança, força!!!! Tudo vai dar certo…
        Quando der uma desanimada, entre aqui, converse, leia algumas histórias, rsr. “Lembrará “ que a melhora acontece e que o tempo ajuda !!!
        Estou aqui em oração e pensamento positivo pro Marcos!

        Um grande bjo no seu coração e continue nos dando notícias!!!!
        Fernanda